segunda-feira, 18 de abril de 2011

Foto 11: Qual o problema Rindt?

A maior preocupação de Rindt com relação aos Lotus eram a sua resistência. Não é à toa que bateu de frente várias vezes com Colin Chapman questionando o mago sobre essa sua preocupação. Rindt tinha razão em preocupar-se: tinha sentido na pele a fragilidade do monocoque do Lotus 49, ao ficar prensado na ferragens após o acidente em Montjuich Park, 1969. Na foto acima, retratada no boxes de Jarama, durante o fim de semana do GP da Espanha de 1970, Jochen e Chapman conversam enquanto que o inglês observa a suspensão traseira direita da sua jóia, o Lotus 72. 
Jochen não completou a prova por problemas na ingnição, vindo abandonar na volta 9. Ele ainda sagrou-se campeão daquela temporada, mesmo depois de morto. Se estivesse vivo completaria, hoje, 69 anos. Parabéns a um dos mestres do contra-esterço.

3 comentários:

  1. Certa vez eu assisti um documentário em que um piloto, não me lembro qual, disse que a Lotus era uma carro feito para ser rápido, e tudo o que ele tinha que durar era uma corrida, não importava se iria desmanchar ao final. Tantas mortes através delas são até certo ponto devido a isso...

    ResponderExcluir
  2. Impressionante. A vantagem do sujeito era tão grande, que foi campeão até depois de morto!

    ResponderExcluir
  3. Pois é, Nessa foto da pra ver com perfeição, a perfeição daqueles V8 e seus canecos( do tamanho de um copo de chope)..
    Aqueles canecos não despejavam potencia pro motor, ele derrubavam de uma vez toda hora que o da direita era precionado.
    Dai o apelido do cara, rei do contra-esterço...
    Um dos ultimos grandes campeões da era de gala da F-1
    Bem lembrado Paulão...
    Gp to

    ResponderExcluir