domingo, 10 de abril de 2011

GP da Malásia- 2ª Etapa

O maior problema dos Pirelli no início dos anos 90 eram... a sua durabilidade. Assim, como hoje, desgastavam-se facilmente e o único trunfo destes compostos eram seus pneus de qualificação, que permitiu por algumas vezes colocar carros médios em posições de destaques nos grids do início da década retrasada. Assim foi em Phoenix, 1990, quando quatro carros calçados com esses pneus conseguiram ficar entre os seis primeiros com certa facilidade, permitindo à um jovem Alesi brigar de igual para contra Senna. Outro exemplo foi Modena, ao colocar sua Tyrrell na primeira fila do GP de Mônaco ao lado de Senna. Fora esses momentos de velocidade pura que os Pirelli proporcionava aos seus usuários, na corrida eram um desastre.
Basicamente, foi isso o que se viu nessa madrugada na Malásia. Bons pneus (nem tanto) de qualificação e pneus ainda piores durante a corrida. Isso proporcionou a alguns pilotos a chance de fazer até três paradas e a sujeira dos detritos dos pneus pela pista toda foi bem visível. Mas isso não pareceu afetar nenhum pouco Vettel, que reinou sozinho na Malásia sem ser incomodado em nenhum instante da corrida. Isso pode até ser atribuído pela ótima largada que Heidfeld fez ao pular de sexto para segundo, mas assim como na Austrália Sebastian fez um trabalho consistente controlando e preservando o equipamento.
Atrás, as disputas se deram até com certa intensidade. Kobayashi fez de Schumi o que quis, fazendo várias ultrapassagens sobre o heptacampeão todas quando disputavam a décima posição da corrida. Alonso e Hamilton também se encontraram pela pista, protagonizando um duelo intenso pela terceira posição. O espanhol sem a asa traseira móvel que não funcionava, pressionava o inglês que sofria com o desgaste prematuro dos seus pneus moles. Isso resultou num toque quando Alonso se preparava para passar Hamilton, mas a asa dianteira do Ferrari do espanhol se despedaçou ao tocar a roda traseira direita do Mclaren. Fernando foi para os boxes e trocou o bico danificado, terminando em sexto enquanto que Hamilton foi obrigado à voltar aos pits para trocar os danificados pneus. Os dois seriam punidos mais tarde com o acréscimo de 20 segundos no tempo de cada um: Alonso pelo incidente e Hamilton por ter mudado a trajetória por duas vezes durante a disputa. No geral, Fernando ficou em sexto e Hamilton caiu de sétimo para oitavo.
Além do desgaste excessivo dos Pirelli, o duelo entre a asa móvel contra o KERS também interessante, se bem que alguns tiveram problemas com um ou com outro. Além de Alonso que não pode usar sua asa tráseira duarante a corrida toda, Webber sofreu com o KERS que não funcionou. Isso explica a sua péssima largada, quando caiu de quarto para décimo.
Massa fez uma boa corrida, enfim. Largou bem e se colocou logo à frente de Alonso que se encontrava em sétimo após a largada. Problemas na sua primeira parada no box, jogou-o para trás. Mas fechou em quinto. Barrichello não teve sorte igual. Teve um pneu furado logo na terceira volta e sua corrida ficou comprometida . Abandonou na volta 25.
Heidfeld voltou a linha de frente ao chegar em terceiro, que acabou por ser um ótimo resultado visto que seu desempnho em Melbourne tinha sido decepcionante. O carro da Renault é sim muito bom, mas a resalva que fica é com relação à sua durabilidade. Petrov teve a barra de direção quebrada logo que aterrissou na pista, após uma escapada durante a corrida e nos treinos de sexta, o freio se desmanchou quando o russo freava ao aproximar-se de uma curva.
A corrida foi boa, se levarmos em conta que com suas retas grandes e largas, os pilotos puderam se esbaldar no uso da asa traseira na reta principal. Na China, semana que vem, poderá ser algo bem parecido. E talvez até mesmo o resultado até porque Vettel é ótimo naquela pista chinesa.
A Mclaren pode até estar próximo da Red Bull, mas no meu ver, aplica-se isso apenas nos treinos. Na corrida ainda há um certo conforto do time rubro taurino.
 Vettel defende-se de Hamilton na largada, mas Heidfeld facilitaria as coisas para o seu conterrâneo logo a seguir, colocando-se na frente do inglês


 Foi um bom fim de semana para o duo da Ferrari, pelos menos em desempenho durante a corrida: Massa fechou em quinto, enquanto que Alonso poderia ter ficado com a terceira posição caso não tivesse tocado em Hamilton durante a disputa pela mesma posição


 Webber sofreu com o KERS e issofez falta na sua largada que foi péssima. Fechou em quarto após boa recuperação.


 Barrichello teve o pneu furado na terceira passagem e isso arruinou sua prova, pois voltou com um giro de desvantagem para os demais.Abandonou na volta 25 com problemas hidráulicos 

RESULTADO FINAL
Grande Prêmio da Malásia- Circuito de Sepang
2ª Etapa- 10/4/2011


1. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull Renault): 56 voltas
2. Jenson Button (GBR/McLaren Mercedes): +3s2
3. Nick Heidfeld (ALE/Lotus Renault GP): +25s0
4. Mark Webber (AUS/Red Bull Renault): +26s3
5. Felipe Massa (BRA/Ferrari): +36s9
6. Fernando Alonso (ESP/Ferrari): +37s2
7. Kamui Kobayashi (JAP/Sauber Ferrari):+1min06s4
8. Lewis Hamilton (GBR/McLaren Mercedes): +1min09s9
9. Michael Schumacher (ALE/Mercedes):+1min24s8
10. Paul di Resta (GBR/Force India Mercedes): 1min31s5
11. Adrian Sutil (ALE/Force India Mercedes): +1 volta
12. Nico Rosberg (ALE/Mercedes): +1 volta
13. Sebastien Buemi (SUI/Toro Rosso Ferrari): +1 volta
14. Jaime Alguersuari (ESP/Toro Rosso Ferrari): +1 volta
15. Heikki Kovalainen (FIN/Team Lotus Renault): +1 volta
16. Timo Glock (ALE/Virgin Cosworth): +2 voltas
17. Vitaly Petrov (RUS/Lotus Renault GP): +4 voltas

Abandonaram
Vitantonio Liuzzi (ITA/Hispania Cosworth)
Jérôme d'Ambrosio (BEL/Virgin Cosworth)
Jarno Trulli (ITA/Team Lotus Renault)
Sergio Perez (MEX/Sauber Ferrari)
Rubens Barrichello (BRA/Williams Cosworth)
Narain Karthikeyan (IND/Hispania Cosworth)
Pastor Maldonado (VEN/Williams Cosworth)

FOTOS: GETTY IMAGES

Nenhum comentário:

Postar um comentário