sábado, 4 de junho de 2011

Scuderia Everest, 1976

Nove anos antes da sua entrada na F1, Giancarlo Minardi fez seu debut na categoria máxima com sua equipe de F2, a Scuderia Everest. Com o intuito de dar experiência na F1 à jovens pilotos italianos, Minardi assinou um contrato de três anos com a Ferrari para utilizar o modelo 312T em provas extra-campeonato. A idéia de Giancarlo é um tanto parecida com que a gente vê hoje, com equipes como Red Bull e a própria Ferrari, formando pilotos com a suas políticas de formação de novos pilotos. 
A estréia da Scuderia Everest na F1 se deu na Race Of Champions de 76, disputado em 14 de março. O carro, um Ferrari 312T com o número 36 (que coincidentemente seria usado também por Carlos Reutemann no GP da Itália daquele ano), foi entregue à Giancarlo Martini, um velho amigo e piloto da equipe na F2 européia. Os treinos não foram tão promissores, com Martini ficando em penúltimo de um grid de 15 carros. No dia da prova, no warm up, Martini bateu a Ferrari e assim nem alinhou para a prova. Um início desastroso.
A segunda chance apareceu no International Trophy, disputado em Silverstone no dia 11 de abril. Martini classificou-se em décimo. Foi uma boa posição de largada, já que haviam 18 carros no grid, mas o pobre italiano não evoluiu durante a corrida e terminou na posição em que largou. Foi a última aparição tanto dele, quanto do Scuderia Everest na F1. 
Com este desaire, Minardi concentrou seus esforços na F2 onde pode utilizar seu contrato de três anos com a Ferrari para fornecimento de motores Dino para equipar seus Ralts. Martini continuou na equipe até 77, até sair de cena. Antes disso, ele conquistaria, em Donington, uma vitória na F- Aurora pilotando um Ensign. Este foi seu único grande sucesso no automobilismo, já que, em categorias menores, como a F2, por exemplo, seu desempenho era apenas mediano.
Em 1985 Giancarlo Minardi, enfim, estreou oficialmente no Mundial de F1 com a sua equipe Minardi e assim, como fizera com Giancarlo Martini, deu ao seu sobrinho Pierluigi Martini, a chance de pilotar um F1. Ao menos, esse segundo Martini, deu alguma alegria ao velho Minardi.

Nenhum comentário:

Postar um comentário