segunda-feira, 1 de agosto de 2011

GP da Hungria- Corrida- 11ª Etapa

Durante o texto que escrevi sábado sobre o treino classificatório, destaquei em duas frases que esta prova tinha a cara de Jenson Button. Simples pensar assim, pois corridas caóticas com um número elevado de pit stops e/ou com a presença de chuva tem sido o lar do piloto britânico nos últimos anos. Basta lembrar-se da sua primeira vitória na F1 em 2006 (Hungria), das duas vitórias do ano passado (Austrália e China) e da sua recente e magnífica vitória no Canadá. Foram corridas em que as condições de tempo eram variáveis e que uma bela estratégia pode garantir uma vitória. E assim Button fez em todas estas se aproveitando bem do erro alheio e sabendo poupar integralmente os pneus, ganhou com irretocável maestria. Em Hungaroring, o mesmo palco que lhe proporcionou a sua primeira vitória cinco anos atrás e que hoje viu o piloto inglês completar seu GP de número 200, deu a ele mais uma vez a chance de vencer.
Mas Button alcançaria Hamilton nas últimas 30 voltas deste GP, caso não tivesse ocorrido o erro duplo de seu companheiro? Acredito que não. Hamilton estava na liderança da corrida desde a volta 4 e havia perdido-a nas duas vezes que entrara no boxes para trocar de pneus. Button foi o homem que havia liderado uma dessas vezes- a outra fora Vettel-, mas o inglês não ficou nem duas voltas no comando. A diferença entre ambos até a volta 51 era de 7 segundos e pouco que estava dentro de uma oscilação de 6 à 9 segundos, devido ao tráfego. A sorte virou de lado quando Hamilton rodou e voltou logo em seguida. Button aproveitou-se do erro de seu companheiro e estava à sua frente quando ambos duelaram pela liderança por duas voltas, trocando, pelos menos, três vezes de posições. Com a chuva caindo de moderadamente, Hamilton cometeu mais um pecado ao colocar pneus intermediários na volta 55. Exatamente neste momento que é divulgado um Drive Trough para... Lewis, que voltara da sua rodada de modo perigoso ao induzir uma saída de pista de uma das Force India. Agora com pneus intermediários, a chuva parara e Lewis vinha sofrendo com o desgaste rápido destes, quando Alonso o ultrapassou na briga pela terceira posição. Lewis parou na volta 55 para colocar Slicks e depois pagou sua punição na volta seguinte, voltando em sexto. A chance de vitória virou para Button, que apenas administrou a diferença que tinha sobre Vettel para vencer em Hungaroring.
Foi a segunda vitória consecutiva da Mclaren e a terceira derrota da Red Bull em seqüência neste campeonato. O mais interessante neste período, tirando fora a vitória da Ferrari em Silverstone, é que estas duas vitórias da Mclaren foram conquistadas com a temperatura baixa. Talvez o grande problema desses carros seja o alto desgaste de pneus. Só isso explica o fato deles conseguirem bons resultados com temperaturas baixas. Antes destas, Hamilton venceu na China neste ano com temperatura baixa, enquanto que Button conseguiu o mesmo ao vencer em Montreal, o que deixa ainda mais claro esta idéia de que eles sofrem com os pneus. Hamilton passou por isso em algumas provas neste campeonato quando parecia estar na briga pela vitória e os pneus não agüentaram. Daí que surge essa minha idéia sobre este bom desempenho deles em temperatura fria. A Red Bull teve Vettel na segunda posição e Webber chegando em quinto, fazendo uma corrida, apenas, para somar pontos, principalmente com Sebastian que vai caminhando tranquilamente rumo ao seu bi-campeonato. A Ferrari me surpreendeu negativamente no sábado ao ficar com seus dois carros em quarto e quinto, e na corrida teve algumas dificuldades pelo fato de Alonso ter pilotado além do limite o que o levou a cometer alguns erros, que resultaram em uma escapada e duas rodadas. Caso tivesse sido um pouco mais cauteloso, poderia até, quem sabe, ter pensado em vitória já que chegara 19 segundos atrás de Button. Massa foi sexto, mas fez uma boa prova ao imprimir boa velocidade em alguns momentos, mas seus pneus se desgastaram demais na parte final e isso lhe custaram a quarta e quinta posições, que foram ganhas por Webber e Hamilton na mesma volta.
Com as férias de três semanas que F1 entra agora, as equipes terão um período de trabalho intenso: enquanto que Mclaren e Ferrari tentarão achar evoluções para continuar na cola de Red Bull, esta trabalhará para voltar ao topo. Sabendo que Spa-Francorchamps tem um histórico de chuva e frio, a Mclaren já parte como favorita. E talvez, quem sabe, tenhamos algumas surpresas nessa prova belga. Mercedes tem um carro rápido de retas e a Force India nos últimos dois anos, tem feito ótimas provas por lá. Já estou contando os dias para essa corrida...



O grande duelo: Button e Hamilton se esbarraram algumas vezes na pista neste domingo. Se na largada Hamilton levou a melhor, na disputa pela liderança perto do fim da corrida foi vencida por Button que acabou por garantir a sua segunda vitória no ano, exatamente na pista onde vencera pela primeira vez em 2006 e que neste domingo lhe deu a chance de correr seu GP de número 200.

Fogo: o Renault Lotus de Heidfeld pegou fogo estranhamente após a sua parada de Box, na volta 25. O mais bizarro de tudo foi o resgate do carro, que foi rebocado, de ré, pela saída de Box. Vettel, que saía do seu pit, quase acertou o Lotus.Um descuido que poderia ter causado um acidente pior em Hungaroring ontem

Por aqui você não passa: Vettel espreme Hamilton na grama, mas o inglês levaria a melhor adiante

Resultado Final
Grande Prêmio da Hungria- Hungaroring
70 voltas- 31/07/2011- 11ª Etapa

1. Jenson Button (ING/McLaren) - 1h46min42s337.
2. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull) - a 3s588
3. Fernando Alonso (ESP/Ferrari) - a 19s819
4. Lewis Hamilton (ING/McLaren) - a 48s338
5. Mark Webber (AUS/Red Bull) - a 49s742
6. Felipe Massa (BRA/Ferrari) - a 1min23s176
7. Paul di Resta (ESC/Force India) - a 1 volta
8. Sebastien Buemi (SUI/Toro Rosso) - a 1 volta
9. Nico Rosberg (ALE/Mercedes) - a 1 volta
10. Jaime Alguersuari (ESP/Toro Rosso) - a 1 volta
11. Kamui Kobayashi (JPN/Sauber) - a 1 volta
12. Vitaly Petrov (RUS/Lotus Renault) - a 1 volta
13. Rubens Barrichello (BRA/Williams) - a 2 voltas
14. Adrian Sutil (ALE/Force India) - a 2 voltas
15. Sergio Perez (MEX/Sauber) - a 2 voltas
16. Pastor Maldonado (VEN/Williams) - a 2 voltas
17. Timo Glock (ALE/Virgin Racing) - a 4 voltas
18. Daniel Ricciardo (AUT/Hispania) - a 4 voltas
19. Jerome d''Ambrosio (BEL/Virgin Racing) - a 5 voltas
20. Vitantonio Liuzzi (ITA/Hispania) - a 5 voltas

Não completaram a prova:
Jarno Trulli (ITA/Team Lotus): problema mecânico na 18ª volta
Nick Heidfeld (ALE/Lotus Renault): 24ª volta
Michael Schumacher (ALE/Mercedes): problema mecânico na 27ª volta
Heikki Kovalainen (FIN/Team Lotus): problema mecânico na 56ª volta

Um comentário:

  1. Não vi a corrida, estive trabalhando lá no "Templo"...
    Sinceramente prefiro estar lá, sempre!!!
    Nada contra a F-1, nada mesmo...Mas é melhor estar lá ...
    Mesmo assim tenho ótimas lembrenças dos Gps Hungaros! A melhor delas é ""aquela ultrapassagem do Piquet no Senna!!Não por ser o Piquet a ultrapassar o Senna, nada disso, sou fâ dos 2 sempre fui... É que essa manobra entrou para a história da F-1, e eles é que nos presentearam com o arrojo inerentete de cada um deles....
    Bons tempos aqueles !!!!

    GP to

    ResponderExcluir