quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Foto 37: Nuvolari, GP da Suiça 1937

Desde que as fábricas alemãs invadiram o cenário dos Grand Prix em 1934, Tazio Nuvolari sempre mostrou o seu desejo em pilotar para uma das duas grandes: Mercedes e Auto Union.
Ao final de 1934, após ter brigado com Enzo Ferrari por causa do baixo rendimento das Alfa Romeo P3, flertou com as duas fábricas, mas recebera cartas de ambas dizendo que seus piltos não o queriam por lá. Sem equipe para a temporada de 1935, voltou-se para a equipe de Enzo que relutou a não recebê-lo novamente. Mussolini interveio nas negociações e fez com que Ferrari, meio que garganta abaixo, recontratasse Tazio.
Após dois anos e meio de decepções Tazio viu uma oportunidade de pilotar uma das Auto Unions no GP da Suíça de 1937, disputada no circuito de Brengartem. Na verdade a Alfa havia retirado seus carros após o grande fracasso na Copa Acerbo e sendo assim, Tazio ficou livre para pilotar os carros alemães.
Nuvolari, acostumado com carros de motor dianteiro, não adaptou-se com Type-C da Auto Union, naturalmente com motor central, e acabou marcando o quarto tempo. As demais equipes protestaram porque disseram que a marca havia sido feita por Bernd Rosemeyer, e não pelo piloto italiano. Após as discussões, Nuvolari foi relegado à 7ª posição no grid.
O resultado final daquele GP mostra que Tazio terminou a prova na 5ª e 7ª posições. Nuvolari tinha começado com o carro #6, mas por estar pouco à vontade naquela máquina, a equipe o chamou para os boxes na oitava volta (quando ocupava a oitava posição) e entregou o carro para Rosemeyer que abandonara logo no início com o carro #8. Bernd terminou a corrida na quinta posição. Tazio voltou para a corrida na volta 22 quando substítuiu Luiggi Fagioli no carro #4, que abandonara a prova prova por estar sentindo dores nos quadris. Terminaram a corrida em sétimo.
O piloto mantuano voltou para a Alfa Romeo e no início de 1938, após testes com o novo Alfa Type C, este pegara fogo e ele decidira sair de vez da equipe. Na mesma época a Auto Union encontrava-se sem um piloto de referência para o desenvolvimento de seu novo Type-D após a morte de seu melhor piloto, Rosemeyer, que falecera em janeiro durante uma tentativa de quebra de velocidade em Darmstadt. Nuvolari, enfim, pode realizar a sua vontade de ser piloto oficial da Auto Union.

OBS: A foto mostrada aqui carrega o número 22. Na corrida de Brengartem o #22 foi usado por Raymond Sommer, que pilotou um Alfa Romeo 12C-36 da Scuderia Ferrari. Provavelmente a foto tenha sido tirada durante os treinos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário