segunda-feira, 24 de setembro de 2012

GP de Cingapura - O contra-ataque de Vettel



Vettel está com 29 pontos de desvatntagem para Alonso no campeonato. Mas tanto ele, quanto
Alonso, terão trabalho em alcançar a Mclaren nas provas restantes deste mundial.
(Foto: Paul Gilham/Getty Images)

A julgar pela pole de sábado e seu desempenho durante a corrida em Marina Bay, estava quase certo que Lewis Hamilton poderia sair do GP cingapuriano colado em Fernando Alonso no campeonato. Por outro lado a sua possível conquista ainda teria que passar pela prova de fogo que estava se desenhando após a primeira parada de box: Vettel estava próximo dele, muito mais do que antes. A diferença entre eles estava oscilando entre um a dois segundos e isso indicava que o piloto da McLaren teria, em breve, alguns problemas em segurar os ataques de Sebastian que vinha virando voltas melhores que o inglês. Mas mesmo com uma batalha sendo prevista para as voltas seguintes, os dois estavam em boas situações, afinal Alonso encontrava-se na quarta colocação encaixotado em Maldonado sem conseguir nenhuma manobra de ultrapassagem. E caso terminasse assim, a diferença de Hamilton e Vettel para Fernando, cairia bastante. Um resultado animador até aquele momento.
Mas o problema de câmbio que tirou Lewis surpreendentemente da prova de Cingapura, deu à Vettel a chance de vencê-la e retornar com força na luta pelo título. Aquele abandono forçado em Monza, quando estava em quarto, talvez tenha colocado muitas dúvidas na cabeça do bi-campeão do mundo e a vitória em Marina Bay, após duas horas quase que intermináveis, o colocou de volta na disputa. Alonso também tem o que comemorar: não era um fim de semana para grandes aspirações para ele. Carro pouco competitivo – apesar de ter apresentado bom rendimento nos treinos livres, caindo apenas na classificação – que o forçou a apresentar uma performance cadenciada devido o alto desgaste dos pneus, principalmente traseiros, do seu Ferrari. Não foi à toa que em determinadas voltas, Fernando tomasse quase que meio segundo nos tempos em relação à Pastor Maldonado e Paul Di Resta e em outras, andar próximo das marcas alcançadas por Hamilton e Sebastian. Ele arriscou em não tentar uma terceira troca de pneus e foi salvo pelas duas entradas do Safety Car. Quanto à Hamilton, ele parecia feliz com o carro, mas a quebra foi um golpe duro. Ele venceria a corrida, mas discordo dele quando disse que “seria a mais fácil”. Vettel estava com tempos de volta muito parecidos com o dele e quando abandonou o alemão já estava na sua cola. A batalha seria uma questão de tempo e Lewis teria muito trabalho. Mas o rádio da equipe falando que fizeram de tudo, quando ele abandonou, indica que já estava com algum problema.
Já sobre a corrida, foi nada de especial. Alguns duelos interessantes no meio do pelotão quebraram o sono dessa prova, mas não o suficiente para animar a noite em Marina Bay. Aliás, o tempo de duração dessa prova tinha que ser revista: além de ser castigante para os pilotos, devido à alta umidade, para o público também se torna cansativa. Qualquer entrada do SC nessa prova altera o tempo de duração que, com andamento normal, já chega a quase 1h50. Umas cinqüenta o cinqüenta e cinco voltas, já estaria bom. Não é à toa que a chamei de “As 2 Horas de Marina Bay”.
Agora faltando seis provas para o fim, Alonso ainda tem a corrida de Suzuka para ficar na liderança do mundial, já que está com 29 pontos de avanço sobre Vettel. A sua salvação é que a Ferrari, pelo que apresentou em pistas com mais velocidade, tem se saído bem. Foi assim que obteve os pódios em Silverstone, Hockenheim e Monza. Mas terá que batalhar e contar com a sorte contra uma McLaren que tem feito provas sensacionais nessa segunda parte do campeonato, cravando três vitórias consecutivas e quatro poles. E Vettel também poderá enfrentar problemas com um Red Bull que tem sido pouco competitivo em pistas que tem longas retas. Mas vale lembrar que em 2010, nessa altura do campeonato, é que ele começou a sua arrancada rumo ao primeiro título.


Um comentário:

  1. Eu quero ver até quando vai esse contra-ataque dele, F-1 esse ano esta muito emocionante de se assistir.

    ResponderExcluir