segunda-feira, 5 de novembro de 2012

GP de Abu Dhabi – Kimi no controle. Vettel mantém a vantagem.



As voltas que Kimi Raikkonen passou encaixotado no câmbio do Red Bull de Vettel, no GP do Bahrein, davam indícios que o Lotus era um bom carro e que o finlandês tinha retornado em grande forma. Passaram-se os meses, alguns outros pódios, e ele voltou a discutir uma vitória, agora contra Hamilton no GP da Hungria. O inglês venceu, assim como fizera Sebastian no GP barenita, e Kimi amargou mais uma segunda colocação. No seu território predileto, Spa-Francorchamps, as chances eram boas, mas se depararam com uma McLaren extremamente rápida e confiável de Button. Ele ficou em terceiro. Depois a Lotus passou por um período de declínio técnico, e tanto ele, quanto Grosjean sofreram com o carro. Os pódios estavam distantes e a chance de vencer, ainda mais.
Kimi partiu da quarta colocação e teve a oportunidade de assumir o segundo posto quando Webber largou mal, mais uma vez. Isso possibilitou que não perdesse Hamilton de vista. Mas Lewis não estava tão inspirado quanto fora na classificação: as voltas iniciais foram difíceis e o inglês acabou errando em uma das chicanes do circuito. Prontamente Raikkonen estava no seu encalço, mas cuidadosamente resguardado. Hamilton reclamava dos pneus que não estavam aquecendo adequadamente e talvez por isso, não conseguisse imprimir o mesmo ritmo do sábado. O pior veio depois: o McLaren de Hamilton taxiou lentamente para a grama e deixou o caminho aberto para Raikkonen. O pescador de combustível traiu Lewis e sua chance de vencer em Yas Marina, esfumaçou-se. Kimi, enfim, estava no controle. E assim foi até o final da prova. Cravou voltas extremamente velozes, o suficiente para deixar Alonso o mais longe possível e poupar os pneus quando quisesse, e também para voltar à frente de Vettel, que vinha de uma magistral prova de recuperação, depois de seu pit-stop. As voltas finais, com Fernando diminuindo a diferença de modo perigoso, não abalaram Raikkonen que continuou na sua tocada a até receber a quadriculada.
A prova de Abu Dhabi foi boa de certa forma. A tensão que tomou durante todo o GP, com a expectativa de uma recuperação assombrosa de Vettel – que aconteceu – mas entremeada de armadilhas por estar partindo do fundo e mais Fernando Alonso, que partiu pra cima de seus adversários em ultrapassagens arriscadas, deu uma animada numa corrida fadada a ser sonolenta. A entrada do Safety Car por duas vezes, devido os acidentes de Rosberg e Karthikeyan e Perez com Grosjean e Webber, também foi providencial para dar a corrida o interesse que teve. De longe, foi a melhor corrida naquele local insosso.
Se Kimi foi o mais festejado do dia, Vettel foi o homem da corrida. Largou dos boxes, teve uma avaria, pequena, na asa dianteira que foi discutida se trocariam ou não e na primeira parada de box, a trocaram; cravou voltas velozes, duelou com Grosjean e por certo momento, teve hipóteses de vencer em Yas Marina. Mas teve que parar uma segunda vez e o duelo com Button, pela quarta colocação, o atrasou bastante. Mesmo assim, ele foi brilhante numa tarde de grandes pilotagens dele, Kimi e Alonso.
Os prejuízos que poderiam ser desastrosos para Sebastian Vettel depois da sua penalização no sábado, forçando-o largar dos boxes, foram minimizados com uma pilotagem vistosa e que serviu para calar a boca dos críticos. Ele saiu de Abu Dhabi com dez pontos de vantagem sobre Alonso, que mais uma vez foi lutador, nunca deixando cair a guarda e fazendo ultrapassagens arriscadas como em Webber e mais tarde em Maldonado. Salvou uma segunda colocação que lhe dá um respiro para a corrida de Austin, prova que será uma verdadeira incógnita e onde Vettel pode sagrar-se, pela terceira vez consecutiva, Tri-campeão do mundo.

3 comentários:

  1. Com vai, Paulo Abreu. Não sei se me conhece mas sou o M.C.( Moleque Chatto ). Estou numa "cruzada" contra blogs que utilizam " A moderação de comentários foi ativada. Todos os comentários devem ser aprovados pelo autor do blog", que, na realidade são blogs de censuradores, quer dizer, de bloguistas censuradores. E, te pergunto: quem é este babaca de "autor do blog" que aprova os comentários dos outros, hein ? Estamos em 2012. Internet. Democracia ! A era dos anônimos chatos, que só escreviam palavrão, acabou. O que estes sujeitos dos blogs "moderados" não gostam é de quem escreva CONTRA o que eles escrevem. São vaidosos... Escrevem bem mas sem rastro de inteligência alguma. Na realidade são macacos de imitação. E querem que voce abaixe a cabeça para eles já que , nas entrelinhas, mandam seus "recados". Um blog livre como o seu vale muito ! Com moderação é voltar aos anos 1970 mas com tecnologia. Peço para que todos os anônimos não frequentem blogs com este tipo de comunicado e até para quem não seja anônimo ! Pô, repito, tem que passar pela a aprovação do autor ? O seu blog deixa tudo livre para, até, um diálogo, caso um comentarista discorde de outro ou de voce mesmo, Paulo. Instantaneamente ! Maravilha ! É o que todos queremos, não ? Venho do blog " Por dentro dos Boxers", que era livre e virou "moderado" pois o bloguista seguiu o exemplo do "Blog do Bron Coo e do Martelo"( escrevo assim pois me recuso a fazer patrocínio de blogs onde os sujeitos tem espírito autoritário). Peço para que todos os que utilizam a entrada "anônimo" e tenha o seu comentário instantaneamente postada, que estes blogs(como o seu) sejam reconhecidos !


    Sobre o Kimi Vodka. Já tenho tempos e mais tempos de F1. Sempre, no final da temporada, ajudam as equipes que mostraram esforço. A vitória da Renô tirou o "encanto" do campeonato ? É manipulada a coisa ? Fica a pergunta. Minha resposta ? miS.


    M.C.

    ResponderExcluir
  2. Xi ! Mais um ! Mas serve prá voce, também, mané ! Tira a entrada do anônimo. Tem que ter coragem, Paulinho...



    M.C.

    ResponderExcluir