quarta-feira, 26 de junho de 2013

A famosa primeira volta do GP da Grã-Bretanha, 1973

Jody Scheckter era nitidamente um piloto veloz e isso já havia despertado aatenção dos donos de equipe pelo paddock da Fórmula-1 naquele ano de 1973. Mas o único problema dele, como a maioria dos jovens afoitos que apareceram - e que aparecerião - nestas décadas na categoria, era a falta de cérebro. Podemos dizer que Jody foi um precursor do que veríamos no dias de hoje em pilotos como Romain Grosjean e Pastor Maldonado, em termos de velocidade pura - isso é inegável - e também na facilidade em causar grandes confusões. Nesse quesito Grosjean ganha fácil de Maldonado uma vez que ele iniciou as carambolas nos GPs da Bélgica de 2009 e 2012, principalmente a desta última, que foi de causar inveja ao que Jody havia feito 40 anos atrás em Silverstone.
Scheckter estava em sua quarta participação na F1. Havia feito outras três corridas, todas a serviço da Mclaren, nos GPs de Watkins Glen (1972), África do Sul e França. Aliás, neste mesmo GP da França, disputado no sempre belo circuito de Le Castellet, ele havia feito uma corrida impecável ao lutar bravamente contra o campeão reinante Emerson Fittipaldi pela vitória. Largou em segundo e já estava na liderança da prova ao dobrar da primeira curva e dali até a 41ª volta, duelou com Fittipaldi pela vitória até que o brasileiro tentou uma ultrapassagem na última curva e teve a porta fechada por Jody, ocasionando a quebra da suspensão do Lotus e consequentemente o abandono de Emerson. O sul-africano abandonaria duas voltas depois. Mas Silverstone foi o ápice do arrojo exagerado de Scheckter.
Jody saíra bem da sexta para a quarta colocação na largada e estava colado no câmbio do seu companheiro de equipe Peter Revson. Enquanto que as atenções estavam voltadas para a disputa Stewart-Peterson pela liderança, só pôde ver um carro branco levantando poeira após rodar na saída da rápida Woodcote: Jody Scheckter rodara e batera n muro interno da reta principal, e a maioria que veio atrás não conseguiu desviar, causando o maior acidente naquela pista antes da famosa corrida de 1975.
Nada mais que onze carros ficaram de fora da segunda largada, sendo que o prejuízo maior ficou para a equipe Surtees, que teve seus três carros limados da segunda prova - entre eles José Carlos Pace -, e Andrea de Adamich que, devido aos ferimentos desse acidente, encerrou a sua carreira.
A prova foi retomada e a vitória coube a Peter Revson, a primeira dele na F1. Para Jody Scheckter, restou as critícas e depois mais outras duas corridas pela Mclaren naquele ano (EUA e Canadá), até despertar o interesse do velho Ken Tyrrell que o levou para o seu Team em 1974.

Nenhum comentário:

Postar um comentário