terça-feira, 19 de novembro de 2013

GP do Brasil 2008: Estávamos lá - Parte Final



(Foto: Retrovisor OnLine)


Rubem Ferresi Jr.
Cinco anos. E parece que foi ontem este GP.

A princípio seria um GP diferente, pois seria o meu primeiro após ter mudado para Belo Horizonte... e o por isso o último (depois de algumas “voltas na vida”, descobrimos que não foi). A decisão do título era o comentário do momento, tanto em SP quanto BH. Mas eu nao estava torcendo para o piloto brasileiro... sou torcedor do automobilismo, e da McLaren.  E na pista descobri que tinha outros partidários da minha posição.

Estava novamente no posto 21, pouco antes da entrada de box. Já tinha trabalhado nele 2 vezes antes, em 2000 e 2002. Ambas vitórias do Schumacher. Mas neste ano ele não estava... sinal de que seria vitória da Ferrari?

A sexta-feira começou com chuva. Fraca, mas intensa. Desde que chegamos no ponto de encontro do pessoal da pista, a chuva esteve presente... Mas um fato chamou a atenção logo pela manhã: a ausência dos grandes amigos veteranos. Marangon, Artur, Schultz, Ramon... estes não estavam lá. Muito estranho!

Chegamos no autódromo ainda sem amanhecer, e com chuva.... ficamos no container aguardando a liberação para a pista. Aí veio uma das surpresas do final de semana: ir para a pista... só de ônibus! Então voltamos para o ônibus, pois com a chuva que estava, ir andando pela pista não ia dar...

A sexta-feira de um GP costuma ser o dia mais tranquilo. Praticamente sem ocorrências na pista. Assim, o que chama a atenção é a arquibancada. E logo atrás do posto um grupo bem animado com um megafone não parava de falar. E ao olhar mais detalhadamente, o “chefe” dos caras era aquele gordinho-careca que vende Polishop na TV (panela sem fritura, mega compressor... essas coisas).

E neste ano deixamos uma tradição de lado: sem pizza na sexta-feira. Sem os veteranos, achamos melhor não cometermos essa ofensa.

O sábado começou tão tranquilo quanto a sexta-feira. Nos preocupamos mais com a arquibancada que a pista... E um dos caras do megafone desceu até a grade para conversar  conosco... Lembro que falamos para ele que o câmera da FOM que estava ao lado do posto chamava-se Brian. Assim que o câmera chegou, eles começaram a zoar o cara... chamando de careca, bicha, etc... E zoaram em inglês! O câmera entendia, e dava muitas risadas. O câmera do outro lado da pista foi apelidado de He-Man, e todas as vezes que gritavam “He-Man”, ele imitava o personagem... Bem, para isto chamar a atenção mostra como foram os treinos. Apesar da pole do piloto brasileiro da Ferrari, nenhuma ocorrência que chamou atenção na pista.

O domingo começou tranquilamente na pista. Para mim, um clima de despedida... afinal era o meu último GP Brasil. Procurei ao máximo aproveitar o dia. Fotos pela pista, com os amigos...

As corridas preliminares foram monótonas. E isso me preocupava! Meu último GP, e com essa monotonia? Felizmente os Porsches deram um jeito de movimentar um pouquinho... 
Após as preliminares, desfile de Porsches, desfile dos pilotos.... intervalo... E arquibancada lotada, zoando todo mundo (fomos muito zoados)... sol forte. Mostrava para a arquibancada que tinha agua gelada, e que eles não... Eles mostravam copo de cerveja, querendo me provocar... Mas a minha credencial falava mais alto, e no fim eles ficavam quietos.
Lembro que quando começamos a nos preparar para a abertura de Box, o tempo começou a ficar nublado. Box aberto, carros alinhando.... Box fechado...  faltando 10 minutos para a largada aviso o nosso Chefe de Pista Toninho pelo rádio “Central, começou a chover no 21”. Parecia um balé a arquibancada colocando as capas de chuva.

Era o que eu esperava para deixar o GP emocionante: chuva logo no início! Logo veio a informação que a largada foi atrasada. As equipes começaram a se preparar no grid para a pista molhada.

Apesar de cogitarem de largar com Safety Car, ela foi feita normalmente. Mas não adiantou muito, pois logo na segunda curva o Safety Car foi acionado... Batida entre o Coulthard (que se despedia da F1) e o Piquet Jr. O resgate foi um pouco demorado, mas liberaram a pista. 

O meio da corrida foi muito tranquilo. Mas nós não estávamos recebendo pelo rádio as informações de posições dos pilotos. Recordo que liguei para o Marangon na casa dele para saber as posições.

E a emoção começou a rondar o autódromo... e decide voltar! O tempo começou a fechar novamente, e faltando 7 voltas para o final, chamei o Toninho pelo rádio “Central, começou a chover no 21”. A resposta dele foi interessante: “Não acredito! Tínhamos que ter essa emoção no final!”.

Os carros começaram a ir para os boxes, e perdi toda a referência de posições... até que consegui ouvir pela narração para as arquibancadas as posições na pista. Quando o Vettel passou o Hamilton, a arquibancada veio abaixo... tinham pessoas se abraçando comemorando, chorando. Eu já estava chorando, mas de raiva! Mas fazer o que... sou esportista. Mas como dizem, corridas só acabam após a bandeirada!

Quando entrou na ultima volta, o Toninho acompanhou o Massa em todos os postos. Após a bandeirada, ele disse: “Massa campeão do mundo”. Aí ele corrigiu.. “Não... Hamilton campeão... Hamilton em quinto”. Eu desci do posto comemorando, e a arquibancada comemorava o “título” do Massa... e eu gritando para eles “não ganhou! Não ganhou!”... até que a narração do autódromo corrigiu.... o autódromo se calou... parecia velório.

Fizemos o show de bandeiras, comemoramos.... e a chuva chegou forte depois. Não dava para sair do posto. Assim que a chuva diminuiu, fui para os boxes fazer “algumas trocas” e fui embora... as 19:00 já estava fora do autódromo... as 21:00 estava em Cumbica, e parecia que estava no autódromo! Só gente de vermelho... E no aeroporto começava a “conspiração”. Vários falando que a McLaren pagou para a Toyota abrir, para o Hamilton ser campeão. Outros falavam em conspiração da Ferrari! Tive que provar para algumas pessoas que as Toyota’s estavam com pneus Slick’s, enquanto os demais carros com pneus de chuvas... dessa forma não há que segure um F1 na Junção!

Bem... após várias discussões, conversas, entrei no avião, e apaguei. E assim terminou o que seria meu 11º e último GP Brasil de F1!

Alexandre Galvão

“2008 foi minha segunda e última participação. Engraçado que eu não me lembre da corrida e seus dias em si, mas isso foi, com certeza, resultado de um nervoso que dá pela responsabilidade de cuidar de um trecho de pista para uma corrida tão importante como é a Fórmula 1. Ainda mais uma decisão de título. Como foi a surpreendente de 2007. "Saiba que, se você errar alguma coisa na corrida, o mundo todo verá.", disse alguém. Nas duas vezes me colocaram como chefe de posto. Nunca entendi como isso pôde acontecer... Pois é.
Na sexta-feira de treinos livres cheguei atrasado. Os cartões de entrada, acessórios de proteção e comunicação, cargo etc, seriam entregues nesse dia e não havia forma de convencer o pessoal da entrada de me liberar, claro. O celular sem crédito e eu nervoso pedindo para que alguém fizesse contato com a equipe. Até que, do céu - "do céu" é força de expressão -, aparece um carro que conheço e, dentro, Denise. Nunca mais vou esquecer a cara de perplexidade que ela fez. Contei o que aconteceu, pedi milhões de desculpas e ela entrou em contato com o pessoal. "Espera aqui que estão trazendo seu uniforme e credencial", disse ela antes de entrar no autódromo. Passou um tempinho quem veio trazer meu material era o Geraldo (sempre ele. Saudades desse cara). Coloquei a vestimenta e o cartão de entrada para passar a catraca. Reconheceu, apareceu minha foto e o mesmo cara que se negava a me deixar entrar, disse: "Preciso de seu RG para confirmação." Assim que entrei o Geraldo falou que era para eu ir direto para o posto, que faltava pouco para o início dos primeiros tempos do dia. Só que, da entrada que eu estava, que fica na antiga Curva 3 até meu posto, que ficava na saída dos boxes, no início da Reta Oposta, era de uma senhora distância. Lá chegando e falando tudo o que aconteceu o pessoal disse que um dos caras do meu posto foi para o banheiro químico e este caiu num barranco. Nada aconteceu com ele. Deu sorte, mas virou lenda. Início dos treinos. Tudo ia tranquilo até que reparei que alguns pilotos, como é de costume, saem dos boxes, param o carro e disparam na reta oposta. Há uma linha demarcando até onde o carro pode parar mas não era exatamente todos que a respeitavam. Avisei ao meu pessoal de posto que desse bandeira azul para quem não respeitasse a faixa caso se no início da Curva do Sol um carro aparecesse. Não deixava de ser um aviso para o piloto de quem alguém vem chegando em alta velocidade. No fim do primeiro treino a central me avisa: "Olha, o Rubinho falou para não dar mais bandeira azul porque atrapalha na saída dos boxes." Cara, fiquei possesso! Contei a central o que ocorreu, contei do avanço das faixas, do motivo da bandeira e, depois de um silêncio, falaram: "Bem, vamos avisar o piloto. Mantenha o que está fazendo." "Na hierarquia das corridas, o posto de Comissário de Pista é maior que o de piloto", alguém me disse. Fim de serviço e no reencontro todos me zoaram. Tirei o macação, coloquei na mochila, fui embora e em casa me dei conta de que esqueci de entregar o comunicador.

No sábado mais zoação comigo por causa do rádio, mas dessa vez cheguei no horário. Adiantado até. Foi mais tranquilo esse dia. Dia morno, mas importante. A cada aparição de Massa, a arquibancada explodia. Dava pra saber onde ele estava com a intenção de gritos em cada ponto do autódromo. O mesmo se pode dizer de urros quando aparecia o prateado do Hamilton. Eu vi a mensagem "Bate nele, Rubinho" num dos pontos da pista. Sacanagem. Domingo, de madrugada, num ponto de encontro para a saída do ônibus que nos levaria até o autódromo, enquanto os novatos recebiam as boas vindas dos veteranos, o tempo tinha mudado. Dei as instruções para o pessoal no posto de forma que pudéssemos fazer o trabalho de um jeito rápido e seguro. Geralmente deixo um com a bandeira azul e outro com a amarela, mas a gente vai variando pra todo mundo ajudar. O carro de segurança oficial passa dando e recebendo um gesto de "aqui tudo certo". Cada posto dá seu último ok de equipamentos, agradecemos e damos boa sorte para todos. Logo, caiu o toró! Pista parada. Nervoso. Quando você trabalha em posto, você não acompanha a corrida. Claro, uns trazem radinhos, tv's pequenas, mas o que você sabe realmente é sobre seu trecho. No andamento da corrida, a central também vai falando as posições de cada piloto. Com chuva tudo pode acontecer. Bandeiras amarelas, vermelha, branca e verde estão em mãos. O barulho dos carros passando em volta de apresentação é de arrepiar, cara. A corrida vai começar. Ia. Acidente no S. Tudo de novo. Sempre lembro do nervoso. Tenho que passar as informações pro posto, principalmente no uso da bandeira azul. Geralmente eu e o pessoal marcamos um ponto onde posso avisar com rapidez eles. Nunca tive problemas. Mas o pessoal perguntava sempre em qual posição estava Hamilton. Faziam contas. Pista seca, pista molhada. Super indefinição assim como aconteceu com Hamilton/Alonso/Kimi ano antes. Última volta. Os três do posto torcendo, mas prestando atenção na pista. "Massa está na Junção... subindo... Reta dos Boxes... Bandeirada!... Desce pessoal pra show de bandeiras!" Enquanto desciam eu ficava atento no Hamilton. Ele ainda não tinha cruzado a bandeirada. Nisso vejo do posto que um dos meus camaradas acabou se exaltando e quase foi para o meio da pista. Digo que ele quase foi atropelado pelo Massa e, no mesmo instante, o recado: "Hamilton campeão! Hamilton campeão!" Desci fui informar o pessoal e o mais exaltado não me ouvia. Peguei ele pelo braço e lancei seco: "Massa não é campeão". Num instante o rosto dele se modificou. Aquela exaltação deu lugar a uma profunda tristeza. Se agachou e começou a chorar baixinho. Emocionante. Aos poucos a arquibancada da nossa frente vai se esvaziando. Estamos recolhendo todo o material sem falar nada. Silêncio sepulcro. O mesmo acontece no caminho para o ponto de encontro. Uns riam, outros mais comedidos apenas ficavam em silêncio. Desses vi alguns olhos inchados. Estava triste também, mas achei uma ótima corrida. Fomos nos despedindo, acho que peguei uma carona até mas no final veio uma frase, "foi só mais uma corrida e assim ela é", alguém me disse e essa foi uma daquelas coisas marcantes, para se levar para o resto da vida e ela continua para todos nós. Eu, o cara que foi ladeira abaixo dentro de um banheiro químico, o exaltado e Felipe Massa.

Saudades pra caralho desses dias.”


Paulo Abreu
"Quando terminou a decisão de 2007, aquela onde Kimi Raikkonen saiu de um certo terceiro lugar no mundial para conquistar o título daquela temporada em Interlagos, eu me perguntava “Será que veremos algo igual, ou melhor, em termos de decisões na F1?” Certamente eu me auto-respondia “Sem dúvida que não!”. De certa forma seria difícil acontecer isso novamente. A última vez que algo assim havia acontecido remontava à 1986, naquela decisão que envolveu Prost, Mansell e Piquet na disputa pelo mundial na corrida final em Adelaide. Mas o azarado “Red Five” teve um pneu estourado em pleno retão abandonando o GP australiano e por precaução, a Goodyear recomendou que Nelson fossem aos boxes fazer a sua troca para que não acontecesse o mesmo. E nisso o caminho ficara aberto para Alain vencer o seu segundo mundial consecutivo.

Mas passado exatamente 1 ano estávamos novamente em Interlagos para vivenciar outra disputa, e dessa vez envolvendo dois caras que ainda buscavam o seu primeiro título: Lewis Hamilton, que por muito pouco não vencera em 2007, e Felipe Massa, que havia ganho a confiança da Ferrari e que agora era o cara que poderia dar a “Rossa” um título que fecharia de forma esplendorosa aquela época para os vermelhos.

Se a sexta e sábado foram dias “mornos”, por conta dos treinos, o domingo foi de cortar a respiração. Cerca de meia hora antes de começar a corrida, uma nuvem se formou ao redor do autódromo e quando já nos preparávamos para o início um forte trovão anunciou a chegada da chuva... e não demorou muito para que ela viesse e forma intensa. Só me lembro de ter pensado “Poxa, São Pedro, pra quê tanta pressa? Não poderia deixar ao menos os caras largarem?”. Apesar de ser complicado trabalhar nestas condições, é sempre divertido ver o quebra cabeça se formar logo no início das corridas...

Eles atrasaram a largada e logo depois que ela aconteceu teve o acidente no S que forçou a entrada do Safety Car... Mas quando a corrida pôde transcorrer normalmente, Felipe Massa pilotou de forma imaculada, como fizera nos anos anteriores, sem ter o incômodo de ninguém e nem mesmo a chuva fraca, que foi aumentando gradativamente nas últimas três voltas, não tiraram dele a concentração – coisa que me surpreendi totalmente. Quando Felipe passou pela linha de chegada e seu campeonato parecia garantido fui para a pista, mas o Toninho (chefe da sinalização do GP do Brasil na época) acabou nos informando que Hamilton havia ultrapassado o Glock entre o Mergulho e a entrada da Junção. Timo havia apostado que a chuva não viria, ou até mesmo que ela não seria forte, e preferiu continuar com os sulcados enquanto que a maioria optou pelos intermediários. Para o alemão da Toyota a aposta havia surtido efeito nas duas voltas anteriores, mas na última era possível ver que ele tentava como podia se equilibrar naqueles pneus. Quando passou pelo meu posto, Vettel e Hamilton tinham acabado de descer a curva do Lago, mas mesmo assim não levava fé que alcançassem Glock. O problema é que exatamente no Mergulho – que coisa, não? – era onde estava mais molhado e o Toyota não conseguiu tracionar o suficiente. Aquela quinta posição era suficiente para ele sagrar-se campeão mundial. É claro que assim que o locutor anunciou a manobra decisiva de Lewis, o autódromo passou da euforia incontrolável para um sonoro “AHHHH...”. Se em alguns setores as pessoas ficaram mudas, ao menos no local onde trabalhei com o Arnaldo e o Kaue – posto 11, na subida do Laranjinha – as que estavam na pequena arquibancada aplaudiram os dois personagens principais daquela decisão. Assim como nos outros anos, também fui para a beira da pista aplaudir aqueles caras, não somente os dois principais daquele final de semana, mas os outros que haviam feito um trabalho excepcional.

Como os demais, recolhemos o material e fomos para o depósito. Risos, indignação, tristeza... Tudo misturado no mesmo ambiente. É claro que a chance de um piloto daqui vencer um mundial justamente em Interlagos podia ter sido histórico, mas aquela decisão por si só foi magistral. Um título mudar de mãos num intervalo de 30 segundos foi algo extraordinário e que dificilmente acontecerá novamente. Com tudo resolvido por ali, fomos para os boxes. Fotos, autógrafos, uma breve conversa com ainda novato Sebastian Vettel que arriscou algumas palavras em português, fez ganhar crédito com o pessoal ao mostrar toda simpatia. Barrichello que vivia a sua possível aposentadoria na ocasião, também estava sorridente assim como o já aposentado David Coulthard. Até mesmo o Fernando Alonso estava alegre pela sua segunda posição naquele GP... de certo foram horas alegres naquele dia 2 de novembro de 2008 e mais tarde, quase que um ano depois tornar-se-iam ainda mais saudosos quando uma boa parte daqueles que haviam trabalhado naquele GP do Brasil  ficaram de fora da edição de 2009. Foi uma pena.

Mas ainda carrego aqueles dias, não somente aqueles, mas os de outros anos também, com todo carinho na mente. Não me importava se teria que acordar as três da madrugada para chegar as 4:30, ou até mesmo dormir na frente do autódromo – como aconteceu em 2003 – para não correr o risco de chegar atrasado, mas queria estar lá dentro. Tive essa oportunidade por seis anos seguidos e aprendi bastante com todos que trabalharam comigo naquelas edições. Foi divertido pra caramba.

E pra você que vai ao GP do Brasil pela primeira vez, não importa se seja para assistir ou trabalhar, mas que goste mesmo do automobilismo aproveite. A atmosfera daquele templo em dias de F1 é única. E apesar da categoria não ser mais aquela belezura de outrora, ainda dá para você sentir a essência do automobilismo nos trabalhos dos boxes, na pilotagem dos pilotos... Coisas que as câmeras não flagram.

Me diverti bastante, não somente no GP de 2008, mas nos outro cinco anteriores, e o que resta hoje são apenas as ótimas lembranças daqueles dias."

*Quero agradecer ao André Peragine, Edison Fernandes, Bruno Lima, Marcio Silveira, Cristiano Carreira, Rubem Ferresi Jr. e Alexandre Galvão por ter reservado uma pequena parte do seus respectivos tempos para relembrarem um pouco do que foi aquele GP do Brasil de 2008. Aqui fica o meu muito obrigado, camaradas! 


Nenhum comentário:

Postar um comentário