terça-feira, 18 de março de 2014

GP da Austrália: A corrida da cautela



No baixar da bandeira quadriculada para a incontestável vitória de Nico Rosberg em Melbourne, a minha impressão é de que a prova ficou devendo algo a mais para os fãs. Depois de uma classificação tão interessante, com um grid atraente, eu esperava mais dessa primeira etapa. Mas um breve raciocínio me fez enxergar as coisas de outro modo.
Quando as equipes se reuniram para os primeiros testes, alguns comentários apareceram de que os pilotos não podiam usar toda a potência dos novos motores exatamente para preservá-los naqueles primeiros dias. Até faz sentido, pois nos oitos dias seguintes, no calor do deserto de Sakhir, eles puderam acelerar ao máximo extraindo tudo, ou quase tudo, de seus propulsores. Em Melbourne fiquei com a impressão de os pilotos estavam cautelosos demais, arriscaram pouco em tentar alguma manobra de ultrapassagem. Outro fator que deve ter contribuído – e muito – para isso, foi a preocupação com o consumo de combustível que mais tarde ceifaria a segunda posição de Ricciardo. Salvo as belas ultrapassagens de Bottas, o único a se arriscar de fato nessa corrida, é que acabou sendo a salvação de um GP que poderia ter sido interessante.
Apesar disso a prova serviu para mostrar que a Mercedes apresenta um bom carro neste início de temporada e que os seus motores são fortes. Não dá para saber a real potência deles – ano passado rodou o boato de que tinha em torno de 100cv a mais que Ferrari e Renault – mas percebe-se que tem um bom desempenho e suas clientes estão bem servidas nesse quesito. A Williams que o diga...
Aproveitando o gancho, Valtteri Bottas foi o grande nome do dia em Melbourne com a sua série de ultrapassagens e após uma bela recuperação após tocar o muro na décima volta, que acabou por estourar o pneu esquerdo direito quando já estava na cola de Alonso. Recuperou-se bem e terminou em sexto. Baseando-se no que Bottas fez durante as 58 voltas, dá para imaginar o que teria conseguido Felipe Massa, caso este não tivesse ficado de fora logo na largada quando Kobayashi o acertou. Mas o fato é que a Williams possui um bom e que pode reservar a equipe bons resultados no decorrer do ano.
Além de Bottas, não posso esquecer-me de falar de Magnussen e Kyyat que tiveram uma boa jornada em Melbourne. Enquanto que o dinamarquês levou foi ao pódio pela primeira vez, conseguindo em alguns estágios pressionar Daniel Ricciardo na luta pela segunda posição, Kvyat esteve no encalço de Kimi Raikkonen e a frente do seu companheiro de Toro Rosso, Vergne. Daniil garantiu um ponto que serviu também para colocá-lo na história da F1 como o piloto mais novo a pontuar, superando Sebastian Vettel. Já Kevin Magnussen, além de ser o primeiro dinamarquês a chegar ao pódio, mostrou qualidades que pode garantir a ele um bom ano de estréia e também, quem sabe, colocar o sobrenome Magnussen entre os melhores da categoria, algo que seu pai, Jan, deixou escapar nos anos 90.
Para os australianos ficou a frustração de um final de semana que tinha sido perfeito para Daniel Ricciardo, que conseguiu se colocar à frente de Vettel no grid e que passou toda a corrida na segunda colocação. O rolo entre FIA e Red Bull com a história do fluxômetro, acabou por tirar os dezoitos pontos que conquistara. Uma pena.
Apesar do temor de nenhum carro completar o GP – quanto exagero – até que o número de pilotos que completaram o GP foi decente: catorze chegaram ao final, sendo que dos oito abandonos 6 foram por problemas. Vettel e Hamilton saíram logo no início, o primeiro mostrando que o motor Renault ainda não tem toda força, apesar da bela corrida de Ricciardo que não apresentou problemas, e outro, com um foguete nas mãos, teve uma avaria ainda nas primeiras voltas, sendo forçado a se retirar.
Já a Ferrari não apresentou grande ritmo nessa prova e parecia que tanto Alonso, quanto Raikkonen estavam pilotando caminhões – se alguém da Ferrari ler isso – tamanha a dificuldade de ambos.
Quando os carros estiveram rodando pelo circuito de Sepang nos dias 28, 29 e 30 de março, é que podemos continuar a analisar as coisas. Como disse, a impressão que tive é que os pilotos estavam comedidos, receosos em arriscar. Talvez numa pista permanente, com bons pontos de ultrapassagens, eles possam tentar algo mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário