segunda-feira, 31 de março de 2014

GP da Málasia: Is faster than you... remember?

(Foto: © The Cahier Archive)
Engraçado de como as coisas passam e simplesmente elas retornam de modo simples e direto, mesmo quando a pessoa já está em um outro lugar e talvez não imagine que possa passar por isso novamente. As palavras proferidas durante a aproximação de Valtteri sobre Massa ontem na Malásia, certamente fez o piloto e a maioria dos espectadores se teletransportarem para o dia 25 de julho de 2010, data do difamado GP da Alemanha, onde Felipe ouviu um "Fernando is faster than you" e teve que abrir passagem e deixar a sua primeira colocação para o espanhol. Ontem, em Sepang, o cenário foi diferente apenas com relação as posições em questão e também pela circunstância em que se encontrava o campeonato: enquanto que em 2010 o mundial estava iniciando a sua segunda metade, este de 2014 está apenas na segunda etapa.
Acredito que Massa fez a sua parte, primeiramente pela sua honra (manchada no episódio de 2010) e segundo por uma questão de posicionamento dele na equipe. Sendo assim, ele achou certo em fazer o que deveria ter feito anos atrás e mostrou que ainda assim merece o respeito da equipe e dos demais. Para Valtteri Bottas, que certamente passará a ser visto como um "vilão" por alguns daqui do país, restou apenas engolir a raiva e discutir com a equipe sobre o que fazer caso eles se encontrem novamente neste situação no decorrer deste campeonato.
Mas faltou um pouco de vontade para o jovem finlandês ao meu ver. Ele ameaçou Felipe uma única vez quando tentou algo no final da reta dos boxes, e não atacou mais o piloto brasileiro, esperando apenas uma boa vontade do seu companheiro em lhe servir a posição de bandeja. Pegando como exemplo o famoso caso do "Multi-21" que aconteceu há exato um ano, lá mesmo em Sepang, entre Vettel e Webber, ele deveria ter feito como Sebastian e partido com tudo para resolver a situação. É claro que Felipe defenderia o seu território, mas pelo menos as coisas podiam ter sido mais justas para ambos os lados, sem ter um interferência direta da equipe. No caso do ano passado, o que pega uma certa polêmica, é que parece que as coisas tinham sido acordadas antes do GP de um pacto entre os pilotos para que não houvesse um duelo naquele momento final da corrida. Ignorando essa situação e dando um "migué", Sebastian "rasgou" o pacto e foi com a cara e a coragem para definir a prova à seu favor, para raiva de Webber. Em 2010, indo na mesma linha do "Multi-21", já estava combinado entre os vermelhos e esperaram apenas o momento para colocar em prática a "ultrapassagem" de Alonso sobre Massa. Ontem, pelo menos, não deu a entender que havia algo combinado de ante-mão, portanto se quisessem algo que resolvessem na pista.
Para a Williams ainda falta traquejo para lidar com essas situações. Aconselho a Claire Williams que faça um curso na Ferrari sobre essas operações...

Sobre a corrida, nada de especial: Hamilton venceu com extrema tranquilidade, apresentando sua velha forma de quando tinha um carro rápido nos tempos áureos da Mclaren. Para Rosberg e Vettel, que estiveram próximos, mas sem iniciar um duelo direto, restou apenas encontrar o sorridente inglês no "Parc Ferme" e pódio e parabenizá-lo. Foi interessante observar o quanto que a Red Bull evoluiu e aqueles problemas de confiabilidade que a equipe enfrentou na pré-temporada, parecem estar quase que sob controle. O RB10 também se mostrou muito bom, possibilitando Vettel a acompanhar o ritmo de Rosberg em alguns estágios.
Falando em Mercedes, o carro é muito bom mesmo e enquanto que a Red Bull não evolui o seu RB10, ela vai tratando de abrir uma boa vantagem no mundial de construtores. No de pilotos, a briga deve ser intensa e com essa de um tirar pontos de outro, pode beneficiar o rival ao lado - Sebastian Vettel, no caso. Bahrein é um circuito que Rosberg tem um bom desempenho e assim pode batalhar contra Lewis por uma vitória por lá.
Fernando Alonso e Kimi Raikkoenen continuam remando com um carro que ainda não desencantou - e será que vai desencantar? - e tiveram outra jornada trabalhosa. Se Alonso batalhou contra Hulkenberg para salvar um quarto lugar, Raikkonen teve fazer uma prova de recuperação após um pneu furado depois de um toque com Magnussen. A cena de Kimi lutando com carros como a Caterham e Lotus e tendo sérias dificuldades em conseguir uma ultrapassagem, mostra bem o ano que ele e Fernando terão nas próximas etapas.
A Mclaren me decepcionou um pouco nesta corrida, principalmente pela boa performance apresentada em Melbourne. Tanto Button quanto Magnussen não conseguiram avançar muito no pelotão, ficando restritos a uma batalha contra os "Martini Cars" da Williams. Engraçado que acabou sendo uma luta direta de duas equipes que prometiam bastante ser as rivais mais próximas da Mercedes. Claro, ainda estamos no início do campeonato e no Bahrein as coisas podem mudar de figura, mas como sou pessimista, acredito que estão no nível de Ferrari e Force India. Aliás, outra bela performance de Hulkenberg, que chegou até a liderar a prova por poucas voltas, mas sempre esteve entre os cinco primeiros e ofereceu um trabalho extra para Fernando Alonso nesta corrida.
Não posso me esquecer de duas personagens: a Lotus, que conseguiu completar a corrida com Grosjean na 11ª colocação - e lutando contra uma Ferrari... de Raikkonen - e Kamui Kobayashi que chegou a ficar em décimo num certo estágio da corrida. Com um pouco mais de sorte - diga-se quebras -, teriam chances de pontuar.
Semana que vem é a prova do Bahrein, que agora será disputada do entardecer para a noite. Mais uma do Tio Bernie...

Nenhum comentário:

Postar um comentário