segunda-feira, 9 de junho de 2014

GP do Canadá: Montreal não decepciona

Acredito que os pilotos quando entram na pista de Montreal, ficam imbuídos com o espiríto de Gilles Villeneuve. E isso tem sido a cada ano. Quando você imagina que aquela corrida de determinado ano foi espetacular, a primeira coisa que vem à cabeça é "será que veremos outra dessa novamente?". Assim foi com aquelas voltas finais de 2012, com Button atacando de forma impiedosa Vettel e ano passado, com aquelas voltas finais que pareciam mais pareciam uma loteria infidável, era de se imaginar que fatalmente demoraríamos a ver isto novamente por aquelas bandas. Principalmente com este domínio avassalador dos dois Mercedes.
Mas Montreal não apenas carrega o nome de Gilles Villeneuve, mas também o seu espiríto de luta. Impossível você ver um piloto não estar pronto para defender ou atacar uma posição. Até mesmo pilotos mais burocráticos, que optam pela discrição ao invés de uma performance mais acrobática, mandam às favas este estilo conservador e atacam seus oponentes como se fosse a última oportunidade na corrida. Jenson Button é um desses caras e foi assim que ele venceu em 2012 de forma lendária e ontem, quando surgiu num quarto lugar impensável. Montreal tem o dom de transformar estes caras.
E o que falar de Daniel Ricciardo, que estava levando uma sova de Vettel desde o primeiro treino livre e passou toda a corrida apenas "cozinhando o galo", para definir tudo nas últimas cinco voltas? Atacou Perez numa das mais belas ultrapassagens do ano na entrada do S, para depois atacar impiedosamente um indefeso Rosberg que se arrastava com um problemático Mercedes. Foi uma primeira vitória categórica, maiúscula de um cara que até o ano passado era questionado e que para muitos seria presa fácil para Sebastian Vettel. E as coisas tem sido diferente até agora.
Montreal renovou por mais dez anos a sua permanência no calendário da F1. Mas na verdade deveria ser efetivada de vez na categoria.

Sobre a corrida
(Foto: Reuters)
Se havia algo que pudesse confrontar as Mercedes nesse ano, não seria nenhuma equipe ou algum piloto que andasse além do carro. Os problemas mecânicos apareceram de forma brutal nos dois carros. Inicialmente com perda de potência e depois nos freios, exatamete no momento que Rosberg e Hamilton duelavam ferozmente pela primeira posição e logo depois pela segunda posição. O abandono de Lewis foi um breve alívio para Nico, mas a presença constante de Perez, Ricciardo, Vettel e Massa colocou em prova a resistência mental do piloto alemão. Nico aguentou como pôde a pressão Ricciardo até que foi ultrapassado. Para a sorte da Mercedes, Perez segurou bem aquela trio e se não fosse isso, Rosberg nem teria chegado ao pódio.
A Red Bull chegou a sua primeira vitória no ano se aproveitando bem dos problemas com a Mercedes. Mas o mais importante foi a atitude de Ricciardo em resolver a parada nas cinco voltas finais, com uma ultrapassagem memorável sobre Perez e depois caçando Nico para conseguir ultrapassá-lo e chegar a sua primeira vitória na F1. Foi importante aquela manobra sobre o piloto mexicano que mais parecia um tampão para os carros rubro taurinos. Vettel fez uma bela corrida também, mas não esperava que voltasse atrás de seu companheiro após seu último pit stop, o que privou o tetra-campeão de tentar a sua primeira conquista no ano. A parada tem sido dura para ele este ano.
A Williams esteve em grande forma nesta corrida, e confesso que quando Massa disse que poderia desafiar as Mercedes em Montreal, achei de um otimismo exagerado. Mas eles foram bem, muito bem. E foi Felipe quem teve a grande oportunidade de dar um pódio à equipe, e quem sabe, se tivessem ousado mais ou não errado no seu primeiro pit stop, poderiam até ter conquistado a vitória em Montreal. Massa fez uma das melhores corridas de sua carreira nos últimos quatro anos e não fosse o assustador acidente com Perez, poderia muito bem ter discutido o terceiro lugar com Vettel naquela volta final.
Com relação a Ferrari, parece que a cada corrida o carro anda mais para trás. Dessa vez Alonso e Raikkonen lutaram incessantemente contra as Toro Rosso nas posições intermediárias. Tem sido penoso ver Fernando e Kimi lutarem com um carro que tem tido uma queda de performance absurda durante os GPs. A dor de cabeças naqueles lados tende a aumentar ainda mais.
Gostei da Force India neste GP. Seus dois pilotos souberam bem administrar o consumo dos pneus e caso tivessem passado para o Q3 poderiam ter discutido a vitória nesta corrida. E Jenson Button apareceu do nada para surgir em quarto.
A próxima parada será no revitalizado A1Ring, que agora se chama Red Bull Ring. E como todos sabem, é uma pista de alta velocidade e a tendência é que tenhamos uma boa prova por lá também.

Nenhum comentário:

Postar um comentário