domingo, 20 de julho de 2014

GP da Alemanha: Como nas antigas

Costumo dizer que os pilotos da atual Fórmula 1 são preguiçosos, cuidadosos demais (não todos, claro) quando entram numa disputa de posições. Exatamente por receber instruções para que "tragam as crianças para casa", eles não se arriscam tanto quanto os caras do passado, que iam para a disputa como se estivessem duelando por uma donzela. Não havia curva, zebra ou qualquer outro obstáculo que impedisse-os de tentar a ultrapassagem. Se não terminasse numa bela manobra, fatalmente terminaria com um ou ambos fora da corrida. Era o tipo: vai ou racha!
Os de hoje, com estas instruções de conservar o equipamento, exatamente por causa dessa mania doida que a FIA implementou nos últimos anos de economizar tudo, deixa os caras com a pulga atrás da orelha na hora de dividir uma freada com quem vai à frente. É claro que existe aqueles doidos de pedra que vão para cima do oponente como uma vaca brava e acabam nos proporcionando alguns acidentes quase que cinematográficos e toques que poderiam, muito bem, ser evitados. Maldonado, Perez, Gutierrez, Ericsson são caras que manjam bem deste assunto.
Mas existem os mais conscientes - ou quase isso - quando se trata de duelar por posições. O que Alonso e Vettel nos brindaram em Silverstone quinze dias atrás, extendeu-se até este GP da Alemanha com Hamilton e Ricciardo passando quem estava na frente de qualquer jeito: usando ou não asa móvel; batendo rodas; pedaços de asas voando para todo lado; passando por fora, por dentro; pegando um ou mais dois carros... foi um belo festival de ultrapassagens que deixou o GP em Hockenheim animadíssimo do início - com a panca, seguida de capotagem, de Massa com Magnussen - ao fim, com os duelos entre Bottas e Hamilton pela segunda colocação e Alonso e Ricciardo pela quinta. Foi um ótimo GP.
Acredito que os pilotos, ultimamente, tem mandado às favas aquele discurso diplomático de ter que levar o carro inteiro para casa. Acho que eles , além de entreter o público, também se divertiram. E para isso a coragem nestas disputas roda a roda tem que estar acima da média.
E nós é que ganhamos nisso hoje.

Sobre a corrida
Foto: Kai Pfaffenbach / Reuters

Se teve um cara que nem teve trabalho foi Rosberg, que liderou desde o início ao fim sem ter o incômodo de ninguém. Tornou-se o primeiro alemão a vencer o GP da Alemanha com a Mercedes desde Rudolf Caracciola no GP de 1939.
Bottas foi mais uma vez constante e passou toda a prova em segundo e teve alguma oposição apenas com Hamiton, que ameaçou a sua segunda colocação nas voltas finais da corrida, mas se beneficiando do melhor rendimento de sua Williams nas retas pôde sustentar a segunda colocação. Aos poucos, e com bom resultados, vai ganhando espaço na equipe.
A Red Bull nestas duas últimas etapas teve companhia da Ferrari, especialmente de Fernando Alonso. Apesar de Sebastian ter fechado em quarto e Ricciardo, que fez a sua melhor corrida na categoria até aqui, em sexto, não dá para saber se a Ferrari é que teve uma evolução ou se a Red Bull estagnou em seu desempenho. Os seus dois pilotos tiveram que suar o macacão para superar o virtuosismo de Alonso nestas duas corridas. Raikkonen esteve naquele dia de "Pinball" onde levou porrada de todo lado.
Sobre o acidente de Massa no início da prova, certamente ele errou ao não ver que outro piloto (no caso Magnussen) estava ao seu lado. O certo é que aquele tipo de manobra é até comum em largadas, mas o piloto brasileiro não soube calcular bem o espaço. E nisso arruinou a sua prova e do Kevin.
Tivemos duas corridas interessantes em Silverstone e Hockenheim, mas não espero muito de Hungaroring. A não ser que os pilotos estejam ainda com este espírito de luta em voga para o GP húngaro, o que seria formidável.

Um comentário:

  1. Paulo,

    a corrida foi boa mesmo...

    mas o Massa continua abaixo da crítica e o acidente do Hamilton no sábado, durante a classificação, pra mim foi estranho demais...

    abs...

    ResponderExcluir