quarta-feira, 23 de julho de 2014

Os embriões do Volta Rápida e os cinco anos do blog

O que faz um garoto de 13 anos? Paquerar as garotas? Sempre fui um paquerador, mas levava (e ainda levo) fora das garotas. Sair pra jogar bola com a molecada? Jogava e até fazia os meus gols, mas era um perna de pau daqueles. Aprontar poucas e boas e depois se preparar para uma bela surra? Confesso que até fui quieto. Mas por outro lado o que mais me prendeu a atenção em toda a minha vida, foram as corridas. Inicialmente com a Fórmula-1 e depois com outras categorias. De fato uma paixão que foi despertada ainda quando criança, quando assisti um pedacinho - do que lembro - do GP da África do Sul de 1985. A imagem em preto e branco da TV de casa com o Lotus descendo aquele antigo retão do circuito sul-africano, não me sai da memória.
Sinceramente sempre tive uma necessidade de escrever. Todo tipo de reportagem sobre a F1 que chegava em minhas mãos, tratava imediatamente de ler, recortar e colar. Não importava se era da época ou de alguns anos atrás, mas fazia. Deste modo fui criando uma base do que viria a fazer no futuro.
Outra coisa importante foi eu ir contra o êxodo que se criou no pós morte de Senna. Quem acompanhava a F1 por causa dele, imediatamente parou de assistir ou via apenas de modo esporádico - meu pai, que era torcedor do Piquet, foi um caso desse. No GP de Mônaco já estava na frente da TV e ficava claro que nem a morte do meu piloto preferido interferiria na minha paixão pelas corridas. Naquela época, o volume de informações sobre a história da categoria e Ayrton Senna vieram de forma avassaladora. Foi um período bom pra continuar a estudar sobre a categoria.
Passado dois anos, comecei a escrever as corridas em cadernos. Minha mãe era um pouco exagerada e acabava comprando alguns cadernos de dez matérias, onde alguns nem eram usados em sua totalidade e assim tive a idéia de transferir o que aprendi até ali para um caderno. O caderno de inglês foi usado para essa finalidade e inicialmente seria apenas anotações como grid de largada, posições de chegada (os seis primeiros), melhor volta e alguma marcação e outra que interessasse. Mas na verdade acabei montando um "anuário" com recortes, textos, análises... e por aí vai. O legal é que os colegas de classe, quando souberam disso, trataram de pegar o caderno a cada segunda pós-GP para ler o acontecido na corrida do dia anterior. Nem precisa dizer o quanto que ficava satisfeito por isso... Foi um período legal.
E a partir daquele ano continuei a fazer os cadernos em toda temporada. Comecei a agregar a história sobre a F1 e também algumas anotações sobre outras categorias como a Fórmula Indy e Lights, DTM, IRL, Stock Car, F3 Sul-Americana, 500cc, Super Turismo Sudam... o que eu acompanhava sobre esporte a motor, eu anotava. Foi uma boa época, pois muitas categorias passavam na TV aberta e isso ajudava muito.
Fiz as minhas anotações em cadernos até a metade de 2009, quando a idéia de criar um blog na internet ficou madura. Tinha uma vontade de fazer isso há algum tempo, mas não tinha a manha de trabalhar com a grande rede de computadores. Era um "burro xucro" tentando entender um pouco daquele mundo cibernético. Não era muito afeiçoado a essa tecnologia, mas lembrei-me das palavras de um professor de geografia que sempre nos dizia que "o analfabeto deste novo milênio, não seria apenas aquele que não sabia ler e escrever, mas também aquele que não soubesse domar a internet". Guardei isso por alguns anos enquanto continuava a relutar em aprender sobre a internet. No fim das contas, acabei aprendendo e me aperfeiçoando - não fiz nenhum curso - o suficiente para não ficar perdido naquela ferramenta. E claro, foi ótimo e tem sido assim até hoje.
O blog foi criado em 23 de julho de 2009, há exatos cinco anos. Era apenas uma idéia, como disse, mas foi feito de última hora. Fui lá, fiz o blog e faltava o nome... Tinha dois nomes em mente: Voando Baixo e Cadernos do Automobilismo. O primeiro tinha sido criado pelo Rafael Lopes meses antes, senão me engano, e o Cadernos - do Daniel Médici -descobri durante a pesquisa que fiz para ver se já constava este nome em algum blog. Aí surgiu o Volta Rápida. Pesquisei e não encontrei nenhum blog com este nome e cravei ele. Porém, quando registrei e veio a URL do blog, faltava o "a" após o "r" no voltarapida. Alguns meses depois que fui descobrir que existia outro blog com este nome, mas que estava inativo desde 2007 ou 08. Por isso do endereço ter o seu registro como voltarpida.
Não sei se sou o único ansioso deste mundo da blogosfera, mas ficava um pouco chateado quando os números não eram lá estas coisas. Teve vezes de as postagens nem chegarem a dez visualizações no dia e o total nem bater a marca das trinta. Bateu o desânimo várias vezes, mas continuava bravamente.
A maré começou a ficar boa conforme ia conhecendo alguns camaradas como o Paulo Alexandre Teixeira, Ron Groo, Marcos Antônio... caras que eu acompanhava já há um bom tempo. Você vai ampliando os seus horizontes e melhorando e aperfeiçoando seus conhecimentos. Assim o Volta Rápida atingiu o seu primeiro dia com 100 ou mais visualizações em 2010, 100.000 visualizações em 2012, 200.000 ano passado... e por aí vai. Este ano, naquele período sobre os 20 anos da morte de Senna, o blog chegou a 900 visualizações. Tão cedo chegarei a este recorde.
O blog completa hoje cinco anos de existência. Pensei em desistir, mas procurei melhorar na minha escrita para conseguir chamar mais público para o Volta Rápida. Textos rápidos e bem escritos, ajudam também e isso tem funcionado. O link do blog está em outros locais de grande reconhecimento e isso me deixa imensamente feliz. Faço parte daqueles que não deixam a história do automobilismo ficar apenas na gaveta ou com alguma nota pequena em algum livro ou site, mas procurar por mais informações e enriquecer aquele fato que marcou a categoria. Isso é de um prazer incomensurável, principalmente quando você é citado em outra praça pelo seu trabalho. Isso rendeu um convite que fico eternamente grato ao Diego Trindade que me convidou a integrar a equipe que esteve à frente na produção da saudosa Revista Speed. Sem dúvida gostei e muito.
Sempre agradeço a todos, sempre citando nomes, mas desta vez, para não ser injusto, vou apenas dizer o meu muito obrigado a vocês que sempre apoiaram esta idéia. Desde a galera que estudou comigo, passando pelos meus amigos de bandeiradas na Speed Fever e fora da equipe, por aqueles que conheci nestes doze anos que trabalho com automobilismo, até os leitores e também meus amigos blogueiros. Tenho que agradecer a Deus por ser rodeado de pessoas verdadeiras e que apoiaram a idéia do blog desde o início.
Pois bem, o blog continua. Vambora para mais cinco anos!
Valeu!

5 comentários:

  1. Bom saber que tudo está firme!
    rsrsrsrsrs
    Parabéns!

    Ah... eu tb tive um caderno com a capa da Ferrari F2004...

    ResponderExcluir
  2. Vida longa ao blog, Paulo! Não sou muito de comentar, mas estou sempre por aqui... É um dos espaços que visito diariamente.

    Parabéns! 5 anos não é uma marca para qualquer um...

    ResponderExcluir
  3. Simplesmente PARABÉNS PAULÃO!

    ResponderExcluir
  4. Me identifiquei com várias passagens do seu texto:

    "Naquela época, o volume de informações sobre a história da categoria e Ayrton Senna vieram de forma avassaladora. Foi um período bom pra continuar a estudar sobre a categoria. "
    Creio que pra mim também foi o período de maior aprendizagem. Considero um especial da TV Cultura na época a maior referência, que me levou a pesquisar ainda mais.

    Quanto aos cadernos, lembrei do amigo, e também colega blogueiro, Claudio Heliano, do "Apaixonado por F1", que costumava anotar resultados dos treinos e das corridas de F1 e F-Indy. Meu fanatismo era mais de comprar revistas e gravar vídeos, de treinos, corridas e reportagens da F1, um grande acervo que carece de digitalização e tempo para tal.

    "No GP de Mônaco já estava na frente da TV e ficava claro que nem a morte do meu piloto preferido interferiria na minha paixão pelas corridas".
    Me debrucei mais sobre a F1 após a morte de Senna, em especial, por lamentar não ter acompanhado os primeiros anos de sua carreira, desejava fazê-lo com Barrichello. Assim o fiz, muitas expectativas que não foram satisfeitas, mas já é uma outra história.

    "ficava um pouco chateado quando os números não eram lá estas coisas. Teve vezes de as postagens nem chegarem a dez visualizações no dia e o total nem bater a marca das trinta..."
    Não é ansiedade, é a expectativa de que um texto elaborado e trabalhoso seja reconhecido, e muitas vezes isto não ocorre. Passo por isto também lá no blog SennaBR. Com o tempo as postagens ganham mais visitas.

    Sempre observei o "a" faltante no nome do blog, tá aí a explicação.

    Pra não me estender muito mais, te parabenizo pelo blog, sei quão trabalhoso é mantê-lo, eu mesmo escrevo bem menos do que gostaria, pois fica difícil conciliar com o dia a dia de trabalho e família. Seria muito bom se fosse mais valorizado, pois é uma excelente ferramenta de consulta sobre automobilismo.

    Abraço e parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Diego, Jaime, Tourtle e Faez... meu muito obrigado! :)

    ResponderExcluir