sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Estaria a Fórmula-1 mais fácil?

Quando Hamilton disse na última quinta-feira que a atual F1 não o empolgava muito, por não dar aquele desafio de outrora, fomos de encontro ao anúncio de um dia antes de Max Verstappen pela Toro Rosso que a partir de 2015 ele passará a ser o piloto da equipe com apenas 17 anos. De fato isso mostra que os carros da F1 podem estar mais fáceis de pilotar - mas não entendo, também, a ênfase que os pilotos tanto deram ao desafio de controlar os carros em saídas de curvas, por estes estarem mais nervosos e também ao freá-los. Vai saber...
Hoje, nos dois primeiros treinos livres para o GP da Bélgica, podemos ver que o estreante André Lotterer, que tão bem conhecemos do Endurance, foi capaz de guiar no mesmo ritmo que Marcus Ericsson, seu companheiro de Caterham. No primeiro treino, Lotterer foi 0.091 centésimos melhor que Ericsson, que deu o troco no TL2 por 0.043 centésimos. De certa forma temos que dar a mão à palmatória de que Lotterer não é nenhum "Zé ninguém": a vaga foi lhe dada exatamente para que ele pudesse passar um melhor feedback das evoluções que foram levadas para Spa e também por ser reconhecidamente um dos melhores pilotos de testes atualmente. Por isso a sua vaga. Por outro lado, ele conhece bem circuito belga: além de ter corrido em outras épocas, este ano ele esteve presente naquela pista em três oportunidades (WEC, GT Francês e 24 Horas de Spa). Portanto a única adaptação que ele teria que se preocupar era com relação ao carro. De fato, ele chegando e já colocando-se à frente de Ericsson, dá entender que a coisa parece que está mais fácil que antes. Mas repito que ele conhece bem o circuito e isso ajuda. Michael Schumacher, por exemplo, não conhecia Spa e nem o carro da Jordan, e de cara já colocou tempo em Andrea De Cesaris.
Pode ser que tudo esteja mais fácil que antes, mas acredito que ainda exista o fator dom natural em conseguir se adaptar rapidamente a uma situação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário