domingo, 12 de outubro de 2014

GP da Rússia: Chatin

Ultimamente tem me despertado uma certa preguiça em acompanhar a F1 quando ela estréia uma nova pista. Na verdade as pistas feitas por Hermann Tilke são chatas em sua maioria, mas acredito também que para a corrida se tornar chamativa vai muito da atitude dos pilotos. Se arriscam mais nas manobras, facilmente tornará a prova legal. Mas temos que admitir que as equipes limitam um pouco as coisas ao alertarem seus pilotos para conservarem o equipamento. Talvez isso influencie bastante na hora de dividir uma freada com outro piloto.
A pista de Sochi me fez lembrar bastante o de Valência em várias seções do circuito. Incrivelmente a prova tornou-se igualmente modorrenta. Devido os comentários animadores dos pilotos, que elogiaram o traçado e o asfalto, era de se pensar que a prova fosse mais disputada. E o que se viu em algumas situações, foram alguns pelotões se formarem e não darem nenhum tipo de chance para ultrapassagem.
Sobre o campeonato, a corrida de Hamilton podia ter sido mais trabalhosa caso Rosberg tivesse se mantido à frente após a largada, mas a fritada de pneus fez com que o alemão escapasse e devolvesse a posição mais à frente para depois entrar nos boxes e realizar a sua única troca de pneus. Foi arriscado, afinal tinha que atacar os oponentes e ainda se preocupar com os pneus macios para não desgastá-los, mas funcionou e ele terminou em segundo.
As Williams, especialmente com Bottas, foram bem. Valtteri teve uma primeira parte de corrida muito boa acompanhando o ritmo de Lewis, mas o desgaste dos pneus acabaram tirando a chance de até mesmo conseguir a segunda colocação. Massa seguiu a mesma linha de estratégia de Rosberg e até metade da corrida estava no encalço de Rosberg. Mas encontrou Pérez pelo caminho e lá ficou até o fim, terminando em 11o.
As demais equipes fizeram o que puderam: a Mclaren fez a sua melhor apresentação no ano com a quarta posição de Button e quinta de Magnussen, confirmando um bom fim de semana que se desenhava desde a sexta. Red Bull e Ferrari lutaram entre si para ser a melhor dos carros sem motores Mercedes, e Fernando Alonso pôde dar este resultado à Ferrari ao manter-se à frente de Ricciardo nas últimas 13 voltas, terminando em sexto.
Foi uma boa prova dos Toro Rosso, pena que foram caindo pelas tabelas no decorrer da corrida. Mas mostraram boas performances com seus dous pilotos.
E para a Mercedes restou confirmar algo que era o seu título de construtores, o primeiro da marca na história da categoria. Um resultado sensacional para a equipe que completou 60 anos neste 2014 do seu retorno ao mundo dos Grand Prix.
Faltam três etapas, mas no andar da carruagem o título começa a pender para Hamilton neste momento.

Um comentário: