domingo, 9 de novembro de 2014

GP do Brasil - Um bom GP em Interlagos


Não foi aquela corrida louca que cansamos de ver nos últimos anos em Interlagos. Talvez a tão aclamada e desejada chuva, que rondou o autódromo nos últimos dias, pudesse dar aquele algo a mais para a prova deste ano. Mas de toda forma, foi um GP interessante. Principalmente pelo fato dos pneus, que instalaram um sinal amarelo com as inúmeras bolhas que foram aparecendo durante o certame e que deixou a todos com a impressão de que alguns pneus pudessem estourar a qualquer momento. Apesar da boa aderência que este novo asfalto deu aos carros - fazendo com que o recorde de dez anos caísse ontem -, também revelou-se abrasiva e combinada com o calor que fez hoje, o desgaste foi acima do esperado.
Sobre os pilotos, Rosberg foi bem até a sua penúltima parada de box conseguindo, primeiramente, abrir uma boa diferença pra depois abrir um pouco mais sobre Lewis que errara na descida do lago. Mas as voltas finais foram apreensivas com Hamilton a pressioná-lo.
Lewis poderia ter saído vencedor caso não tivesse errando quando liderava, mas não seria nada fácil passar por Rosberg que parecia ter uma melhor tração na subida da Junção e isso dificultava bastante uma melhor aproximação para tentar algo no final da reta dos boxes. O erro lhe custou uma possível vitória, mas está numa boa situação para Abu Dhabi.
Como era de se esperar a Williams fez uma prova solitária, principalmente com Massa que foi ao pódio pela segunda vez ano. Me surpreendi com as voltas iniciais onde os carros brancos da Williams estavam a pouco segundos das Mercedes, mas após as primeiras paradas de box a diferença aumentou. Se Bottas não teve um dia bom, Massa garantiu um resultado que era de esperar pelo seu bom conhecimento do traçado paulistano. Teve seus erros nos boxes - excedeu a velocidade e depois errou o pit -, mas nada que influenciasse no resultado final.
A briga de foice pelas outras posições foi o ponto alto, principalmente pelos bons desempenhos de Button, Vettel, Hulkenberg (que chegou a figurar em terceiro em algumas ocasiões e até liderou na primeira rodada de pit stop), Kvyat, Raikkonen e Alonso. Ricciardo é quem não teve uma boa jornada em Interlagos quando abandonou com problemas na suspensão dianteira esquerda.  Aliás, foi o primeiro grande primeiro que ele enfrentou numa temporada magistral que tem feito até aqui.
Interlagos não teve a chance de decidir o mundial - primazia que ficará para a insossa Abu Dhabi -, mas viu a Mercedes igualar o recorde de vitórias numa mesma temporada que é pertencente a Mclaren (1988) e Ferrari (2002 e 2004). O título do mundial para qualquer um de seus pilotos, será o Gran Finale para uma fábrica que voltou para a categoria há quatro anos e que pelo que parece (esta é a minha impressão), sacrificou duas temporadas para chegar a esse sucesso arrebatador de 2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário