domingo, 2 de novembro de 2014

GP dos EUA: A dois passos


Depois daquela pole avassaladora de Rosberg, imaginavasse que as coisas poderiam pender para o lado do piloto alemão. De fato, você conseguir uma "vitória parcial" no meio desta batalha interna acaba ajudando bastante para tentar desestabilizar o seu concorrente direto. A verdade é que Nico aguentou bem a pressão na largada, sustentando-se bem à frente de Lewis, mas este, após o primeiro pit-stop, resolveu atacar Rosberg de forma gradativa até que efetuasse a ultrapassagem ainda no primeiro terço da corrida para não perdê-la mais. E aquele balde de água gelada que Nico dera em Lewis, foi devolvida hoje na parte do fim de semana que mais interessa que é a corrida.
Impressiona bastante esta fase de Lewis onde ele está mais seguro. Também tem que se valer que os problemas externos que sempre o atrapalharam, estão mais tranquilos. Qualquer rusga com o pai ou uma das inúmeras separações com a namorada, sempre o deixavam perdido. Desta vez, com tudo correndo a seu favor, as coisas tem fluido normalmente sem nenhum percalço.
Certamente este cenário ajudou muito ele para que aguentasse os problemas que teve anteriormente sem maiores contratempos, fazendo com que não perdesse o foco.
Agora faltam duas provas, com 75 pontos em jogo, e a tendência é que o piloto inglês passe a trabalhar serenamente rumo ao seu segundo mundial.

A corrida

Não foi aquele primor, mas foi bom ver o desempenho de alguns pilotos como Ricciardo, Alonso e Vettel se entregando totalmente as disputas como se não houvesse um amanhã. Talvez você não goste de um ou do outro, mas cabe reconhecer que não entregam o ouro tão facilmente e quando pilotos deste calibre estão em posse de carros não tão bem balanceados - como é o caso de Alonso e Vettel -, você passa a ver as qualidades de cada um de forma mais clara e vistosa, coisa que um carro superior, muito bem acertado, acaba mascarando e nos leva a levantar suspeitas de suas qualidades.
Quem me decepcionou um pouco foi a Williams. Esperava bem mais da equipe inglesa, mas erros de estratégia nos pits de Bottas e Massa os deixaram para trás após serem superados por Ricciardo que ganhou as posições baseando-se na estratégia traçada pela Red Bull e nos erros da equipe inglesa.
Por ter sido uma corrida bem abaixo do que esperávamos, destaco os duelos pelas posições intermediárias, aquelas onde as ultimas colocações pontuáveis são disputadas a tapas. Vergne e Grosjean quase misturaram tinta num momento em que Vettel, após a sua paradas há sete voltas para colocar pneus macios, lhe deu a chance de vir papando quem estivesse na frente sem nenhuma piedade e isso lhe rendeu uma ótima sétima posição. No entanto, outros postulantes as ultimas posições pontuáveis, continuaram se matando para conseguir as migalhas, como foram oa casos de Button, Kvyat, Maldonado, Grosjean, Raikkonen. Mas quem se deu melhor mesmo foi Maldonado, que garantiu o seu primeiro ponto no ano.
De resto foi uma corrida normal, com emoções bem contidas. Esperamos que Interlagos honre a sua reputação de GP marcante, que tanto nos animou nos últimos anos.

Um comentário:

  1. Hamilton le lleva 24 puntos a Rosberg. Si en Brasil gana Lewis y abandona Nico, se va a 49. Pero si en la última abandona Hamilton y gana Rosberg, el alemán sería campeón por 1 punto de ventaja.
    O sea, el campeón ganaría 5 GP en el año, y el subcampeón 11...
    Abrazos!

    ResponderExcluir