domingo, 19 de abril de 2015

GP do Bahrein: Um outro Hamilton

Foram tantas às vezes em que criticamos Lewis Hamilton em seus tempos de McLaren, e até mesmo nesse seu período de Mercedes, onde ele não tinha a mínima noção em poupar equipamento e consequentemente os pneus, que eram sem dúvida o seu ponto fraco durante as provas.
Desde o ano passado para cá, temos visto o piloto inglês numa forma muito positiva neste quesito e aliando isso a sua indiscutível velocidade e habilidade, tem se mostrado altamente superior aos demais na pista, principalmente à Rosberg.
A corrida de hoje em Sakhir foi a prova disso: soube poupar os pneus, dando a si a oportunidade de parar bem depois das Ferraris e quando parecia que teríamos uma batalha pela primeira colocação devido ao fabuloso ritmo de Raikkonen na parte final, ele respondia com voltas equivalentes ou até mesmo ligeiramente melhores que Rosberg e o finlandês. Em outros tempos, teríamos a oportunidade de ver Lewis fazendo o que podia para se equilibrar em pneus aos frangalhos, resultado puro e único da sua brutalidade na condução de um carro.
E essa sua abordagem nas pilotagens tem dado a ele a oportunidade de aniquilar aos poucos o que resta de chances de Rosberg tentar igualar as condições dentro da Mercedes.
E olha que Nico foi bem hoje, mas Lewis foi melhor ainda.

A corrida

Sem dúvida a prova de hoje bem parecida com a da semana passada em Xangai, com a Mercedes dando aos seus pilotos a oportunidade de parar depois das Ferraris, mas a única diferença – e que se tornou uma ameaça real no fim – foi a proximidade de Raikkonen. A Ferrari apostou num longo período de Kimi com os pneus médios para depois colocá-lo de volta à pista com os macios, que o fizeram andar até dois segundos mais veloz que o duo da Mercedes. Se alcançar a liderança de Lewis – que respondia de vez em quando a esse ritmo do ferrarista – seria complicado, a segunda colocação de Nico Rosberg era bem possível e isso foi facilitado quando o alemão teve problemas de freio na abertura da penúltima volta ao frear no final da reta dos boxes. Isso facilitou a vida de Raikkonen, que conseguiu o seu primeiro pódio no ano.
Em contraste ao seu companheiro, o dia não foi dos melhores para Vettel que, além de ter tomado três ultrapassagens de Rosberg – duas delas com muito arrojo por parte de seu conterrâneo, diga-se – Sebastian parecia estar com o ritmo de carro bem comprometido, conseguindo em algumas situações até seguir as Mercedes, mas se perdendo em outras – como foi no caso do primeiro ataque de Rosberg, quando ele passou direto na freada da primeira curva, dando a oportunidade para que Nico encostasse nele. Aliás, Vettel deve ter tido problemas de freios nessa corrida, onde ele errou quatro vezes e na última quase batendo na traseira do carro de Bottas, quando ambos disputavam a quarta colocação.
E por falar em Rosberg, até que a sua corrida não foi de todo mal, conseguindo um ótimo ritmo e atacando as Ferraris com arrojo. Pena que não teve ritmo suficiente para alcançar Hamilton.
Felipe Massa teve mais um dos seus azares ao ficar parado no grid de largada e quando estava escalando o pelotão, teve problemas no assoalho do Williams o que comprometeu a sua evolução no GP. Nasr teve também uma boa performance – com belas ultrapassagens sobre Massa e Hulkenberg –, mas ao que parece a equipe pecou na estratégia e ele fechou em 12º.
Apesar de suas limitações mecânicas, a Mclaren, que teve apenas Alonso na prova já que Button ficou de fora devido os intermináveis problemas que o seguiram desde sexta, apresentaram um ritmo bem parecido com que o fizeram na China. Fernando arriscou em apenas duas paradas que lhe valeram a 11ª colocação.
Apesar de uma corrida muito boa que resultou em mais um vitória da Mercedes, fica claro que Ferrari está em sua cola, mas dependerá e muito de dois fatores para conseguir bater as Silver Arrows novamente: entrada do Safety Car e uma má jornada da equipe inteira. As possíveis atualizações que levarão para Barcelona podem dar às eles um gás maior para essa batalha.

Caso contrário, terão que remar muito para chegar na Mercedes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário