domingo, 21 de junho de 2015

GP da Áustria: Fazendo apenas o básico

(Foto: Autosport)
Nico Rosberg é um cara subestimado. A sua pilotagem não é tão vistosa como de outros pilotos top, sempre deixa as pessoas a duvidar se ele é capaz, ou não, de conseguir o sucesso com mais freqüência. Talvez não se lembrem de suas ótimas provas, principalmente aquelas onde ele soube aproveitar-se bem dos problemas enfrentados por Lewis Hamilton, para cravar uma vitória e colecionar os pontos que eram importantes para o andamento do mundial. A temporada de 2014 ficou muito marcada mais pelos seus erros nas provas finais – e o incidente com Lewis na Bélgica – do que pela sua velocidade que é, talvez, o seu único trunfo e isso ficou claro principalmente nas classificações da temporada passada. Mas como vale é o resultado final, a última impressão é a que ficou.
Este ano tem sido crítico para Rosberg tentar algo nas classificações. Nas voltas em que ele tenta superar Hamilton, sempre acontece um erro para atrapalhá-lo. Descontando em Barcelona, onde ele foi soberano, cometeu erros em Monte Carlo, Montreal e agora no Red Bull Ring, quando passou reto na última curva quando estava prestes a tomar a pole de Lewis. O carro ficou parado na brita e o piloto alemão voltou a pé para os boxes.
Se beneficiando de uma largada bem melhor que Hamilton, Nico conseguiu repetir o que fizera brilhantemente em Barcelona: cravou voltas extremamente melhores que o seu companheiro e apenas passou a administrar a vantagem para Lewis, sem nunca receber ameaça. Relaxou um pouco na parte final da corrida ao deixá-lo chegar mais perto, mas com a punição de cinco segundos que seria acrescida ao tempo de Hamilton, devido a queima da faixa branca na saída do box, Rosberg estava mais relaxado do que nunca para se dar esse luxo. O reconhecimento do bom trabalho dele por Lewis, só mostra o quanto ele estava acima dos demais nesse fim de semana.
Nico Rosberg tem a estirpe de um Damon Hill: não é brilhante, mas é veloz. Faz o básico e isso acaba gerando um pouco a implicância dos que não vêem nele um piloto sem aquela aura de campeão do mundo. Mas assim como Hill, faz o “feijão com arroz” para manter-se vivo entre os demais e com o carro que tem, ainda pode guardar as suas reservas para tentar algo mais ousado.
Apesar de não ter apresentado uma pilotagem que arrancasse aplausos unânimes talvez um dia essa oportunidade chegue, mas por enquanto ele vai fazendo o básico para continuar na luta pelo seu primeiro título mundial. Se vai conquistar, é outra história, mas já é bastante para um cara que muitos acreditavam que nem iria fazer frente a Lewis neste ano. E tem conseguido.

Sobre a corrida


Foi uma boa corrida até. É claro que sempre se espera um pouco mais de ação, mas com toda a preocupação em torno da economia de combustível, as primeiras voltas sempre se tornam mais amarradas por conta disso. Mas não foi o que Rosberg fez parecer ao conseguir uma largada bem melhor que Hamilton e sumir na frente, cravando tempos de volta bem superiores que qualquer e se tomando uma boa distância de seu companheiro. Com poucas voltas, o duo da Mercedes possuía toda a reta dos boxes de vantagem sobre Sebastian Vettel. Impossível não dizer o tamanho da lavada que mais uma vez eles deram na concorrência, mas a impressão é que por mais que a Ferrari melhore seu carro e motor, os alemães têm uma (boa) reserva para tirar. Mas isso é apenas quando é preciso, como foi o caso de hoje: é como se tivessem deixado a Ferrari se divertir nos treinos livres, e tomando o brinquedo da mão deles no domingo.
Sebastian Vettel estava se encaminhando bem para mais um pódio, mas o erro no pit stop, quando um mecânico não conseguiu encaixar rapidamente o pneu traseiro direito, o fez perder a terceira colocação para Felipe Massa. A caça implacável de Vettel sobre o brasileiro nas voltas finais foi um dos melhores momentos do ano, mas Felipe estava num bom dia e conseguia tracionar melhor seu Williams nas saídas de curvas, principalmente naquelas onde davam acesso aos setores para o uso do DRS, e isso dificultava demais a vida de Sebastian que não teve uma chance real de ultrapassagem.
Por falar em duelos, Maldonado teve dois momentos bem tensos na prova onde poderia ter tido um daqueles acidentes cinematográficos, ao quase escapar com seu Lotus após a primeira curva e pouco tempo depois ter feito uma manobra assustadora que fez o seu carro balançar totalmente: estes dois lances foram em momentos que ele procurava ultrapassar Max Verstappen na luta pela sétima colocação. Ele conseguiu exatamente na segunda vez, onde precisou de uma habilidade acima da média para segurar o carro. Na sequência, com o Lotus devidamente alinhado, passou por Max que errara a freada. Apesar da tensão na manobra – e por saber que era Maldonado quem estava na jogada –, as coisas deram certo. Felipe Nasr também teve boa atuação, que tinha sido demonstrada desde os treinos, mas o Sauber não é melhor dos carros e piloto brasileiro acabou ficando em 11ª. Ao menos seus desempenhos têm sido muito bons, até.
Talvez muito inspirado na sua conquista em Le Mans, Hulkenberg fez a sua melhor corrida até aqui nesta temporada ao conseguir um ritmo satisfatório a ponto de andar entre os primeiros por toda a prova, perdendo a posição para Bottas. Apesar a comoção da maioria pós vitória em Le Mans, onde todos aclamavam – e aclamam – para que ele consiga uma equipe de ponta já para o ano que vem, basta lembrar que o trabalho que Hulkenberg precisa fazer para conquistar tal espaço, precisa ser feito dentro da F1. Lá fora ele demonstrou, sim, que é um dos melhores, mas a vitória não foi apenas dele.
Sobre Kimi Raikkonen e McLaren, as coisas chegam a dar pena, confesso: enquanto que o finlandês teve o seu segundo dissabor, ao ver o carro destracionar praticamente em linha reta e causar um acidente que poderia ter machucado ele e Alonso, a McLaren continua com a nuvem negra acompanhando ela a todo o momento: já não bastassem os problemas nos treinos que jogaram seus dois pilotos para a última fila, ainda teve o acidente que tirou Alonso da corrida logo na primeira volta e o abandono de Button após ele ter pagado o drive through ainda recorrente as posições restantes da punição que levou.
O único sinal que não aparenta ter fim para aqueles lados, é o término da draga que eles se meteram.

  

Um comentário:

  1. Foi fundamental para o Rosbreg o safety car que inibiu a voracidade do Hamilton ao tentar recuperar a posição.

    ResponderExcluir