domingo, 25 de outubro de 2015

GP dos EUA: Austin, a melhor do ano

Ainda no twitter escrevi que a prova de Austin é daquelas provas doidas que acontecem de vez em quando, como as de Adelaide 1995 e Monte Carlo 1996. Mas a verdade é que esta corrida tornou-se sensacional pela tensão do primeiro "Match Point" na decisão do campeonato e devido o início dela com a pista ainda molhada.
A presença dos dois pilotos da Red Bull, aproveitando-se bem do acerto para chuva, deu um calor na Mercedes que fizeram a maioria pensar que hoje a equipe energética sairia do zero neste ano para vencer a primeira. O ritmo de Ricciardo - sempre espetacular na condução - e de Kvyat - que também soube fazer uma corrida agressiva - deu o tom de uma batalha interessantissima, onde Daniel chegou a liderar. Uma pena que a pista secou e toda essa vantagem deles foi para o limbo.
O caminho ficou aberto para Vettel, que agora era o homem a ameaçar o poderio da Mercedes: uma recuperação digna de mestre o colocou com chances de até mesmo vencer, quando adiantou-se na parada de box quando aconteceu a entrada do SC para a retirada do Sauber de Ericsson.
O uso de pneus médios frente aos macios d Mercedes, abria a possibilidade de conquista. Mas as paradas dos dois
Mercedes - mais a entrada do SC por conta do acidente de Kvyat - logo os coloca de volta na briga e Vettel sucumbe ao melhor ritmo de Rosberg. Ao menos tentou um ataque ao seu compatriota no fim, o que lhe daria a chance de adiar a decisão para o México, mas não conseguiu.
Até mesmo a presença das Mclarens em quinto e sexto numa certa parte da prova, foi surpresa para muitos. Button terminou em sexto e Alonso, com perda de potência no Honda, fechou em 11o. Não podemos deixar de destacar o grande trabalho de Max Verstappen, que chegou a incomodar Vettel num certo ponto da corrida e depois disputar o terceiro posto com o mesmo. Terminou em quarto.
Para Rosberg, que fez uma corrida muito boa em Austin, os erros foram frutos de um desespero em tentar algo que deveria ter feito durante todo ano e diferente da sua forma em 2014, este foi decepcionante. Com um desempenho deste em algumas etapas, poderia ter dificultado mais para Lewis.
E Hamilton fez apenas o trivial: não se meteu em disputas que poderiam lhe dar alguns problemas, exceto a largada, onde jogou duro com Nico Rosberg pela liderança - e venceu. Vitória mais que merecida na corrida e no título.
A prova de Austin acabou sendo o contrário de algo que é normal nestas pistas "Tilkeanas", onde a corrida é uma procissão. Não sei se os pilotos estavam animados em dar ao público um belo espetáculo ou se o pouco tempo de pista - principalmente com ela seca, que foi inexistente - ajudou para este belo GP.
Mas sem dúvida foi a melhor da temporada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário