sexta-feira, 15 de julho de 2016

Foto 583: O grande duelo até aqui



Para quem acompanha o mundial desde a pré-temporada, sabe que a esperança maior para mudar um pouco as ações durante as provas era depositada especialmente sobre a Ferrari, devido ao grande desempenho oferecido nos testes. Mas como bem sabemos, os testes tendem a ser mentirosos, mas até a prova da China a Ferrari parecia muito forte e próxima da Mercedes o que nos levava a crer que as evoluções que cada time levasse para as provas seguintes, seriam como movimentos de peças num jogo de xadrez. Mas para a maior surpresa, ou nem tanto assim, o fator Red Bull, que andou apagado em 2015, ressurgiu bem já na prova da China. E de lá para cá, tem sido uma pedra enorme no sapato da Ferrari e também um pedrisco que vira e mexe incomoda a Mercedes. Como bem falou Luca Di Montezemolo ano passado, a boa fase que a Ferrari passava naquele momento era mais fruto da queda de rendimento da Red Bull e Williams, do que de um salto enorme de qualidade. De certa forma eles melhoraram, mas talvez não tanto assim como imaginassem.    
Foram os mais variados problemas do time até aqui e claro que os mais graves repousam estritamente as falhas no câmbio e também nas estratégias, que tiraram especialmente de Sebastian Vettel, a possibilidade de vencer algumas etapas que poderiam deixá-lo em melhores condições de tentar se aproveitar da fase complicada que Mercedes tem enfrentado com a guerra entre seus dois pilotos. Mas outro ponto importante é que o SF16-H tem perdido terreno para o RB12 da Red Bull de forma progressiva. Porém, assim como o carro italiano, os austríacos também tem tido os seus altos e baixos nessa ascensão como vimos bem em Baku e Montreal, o que ajudou bastante a manter a Ferrari em segundo no Mundial de Construtores até aqui. Desde a prova da China é que temos observado bem este duelo pelo segundo escalão: a segunda posição de Ricciardo no grid, mais a sua inicial apresentação, andando no mesmo ritmo das Mercedes (até o furo no pneu que o jogou para o fundo do pelotão) e a terceira posição de Kvyat, mostrou a real evolução de um carro que parecia não estar tão próximo assim da Mercedes e Ferrari nas etapas iniciais. Para a Ferrari, o real confronto com a Red Bull se deu em Barcelona quando o duo da Mercedes resolveu resolverem as diferenças ainda nos primeiros quilômetros de prova e se auto eliminando, deixando caminho aberto para uma luta de gigantes entre ferraristas e rubro taurinos. Apesar das estratégias de box terem jogado os reais pretendentes a vitória – Vettel e Ricciardo – para terceiro e quarto, respectivamente, Verstappen e Raikkonen se encontraram com reais chances de conquistar aquela prova. E foi um momento propício para que observássemos como as coisas poderiam acontecer dali em diante: com um carro com muito mais carga aerodinâmica, dava a Max a vantagem de se defender dos ataques de Raikkonen quando ambos chagassem a grande reta aproveitando integralmente da melhor eficiência do RB12 nos dois últimos trechos mais sinuosos da pista espanhola. Não era muito difícil ver que o jovem holandês conseguia estilingar bem da saída da chicane para ingressar na reta feito um raio e quando Raikkonen conseguia alcança-lo, já estava em cima da zona de frenagem. Nem mesmo o uso da asa móvel ajudava. Para Ricciardo era o inverso: se ele conseguia aproximar-se de Vettel nos trechos já citados, no decorrer da grande reta Sebastian conseguia abrir bem a diferença. Mesmo assim, Daniel ainda conseguiu arriscar-se no seu melhor que é “mergulhar por dentro e seja o que Deus quiser”. A prova espanhola é um bom resumo para se ver em que pé estão as duas equipes.
Mônaco foi outra demonstração clara de como a Red Bull está bem: Ricciardo não apenas conquistou uma pole sensacional, como também esteve em grande forma naquele dia no Principado ao desafiar de forma imponente a Mercedes de Lewis Hamilton. Não fosse o erro grotesco da equipe na sua última parada de box, certamente teria vencido, e até com certa folga. Para mostrar o quanto que este carro rubro taurino é bom em condições que precisam de altas cargas aerodinâmicas, Max Verstappen estava se redimindo do seu erro na classificação ao fazer uma exibição de gala e abrir caminho na estreita pista com ousadas ultrapassagens, até achar o guard-rail no Cassino. Para a Ferrari, sobrou a quarta posição de Vettel numa prova bem apagada do time que ainda seria eclipsada pela Force India de Sergio Perez, que terminou logo a sua frente.
Arrivabene jogou na mesa que veríamos uma outra Ferrari à partir de Montreal, e ele não mentiu: uma corrida tão fantástica de Vettel que merecia de fato a vitória, mas a estratégia mal feita pelos italianos acabou deixando o alemão na segunda posição num momento que ele tinha um carro superior a Hamilton. Para Red Bull, que já esperava algumas dificuldades por conta da natureza da pista da Ilha de Notre Dame, o que restou a comemorar foi a ótima performance de Max Verstappen frente ao assédio nas voltas finais de Nico Rosberg. Em Baku, as coisas pareciam pender para a Red Bull, principalmente após a ótima segunda colocação de Ricciardo no grid, mas na corrida foi a Ferrari, com Vettel, que deu as cartas e terminou em segundo.
A prova austríaca foi um pouco mais equilibrada, mas com ligeira vantagem para a Ferrari. O problema no pneu de Vettel, num momento que ele se preparava para tentar uma estratégia diferente e surpreender a Mercedes, deu à Red Bull a chance de chegar ao pódio e que foi agraciado após o entrevero dos dois Mercedes na volta final, dando à Max a chance de chegar em segundo, logo a frente de Raikkonen que o pressionava fortemente.
Neste duelo particular entre os dois times, talvez a maior lavada tenha sido vista exatamente nesta prova de Silverstone, quando a Ferrari não se encontrou bem desde os treinos e a Red Bull, representada pela figura de seu “golden boy” Max Verstappen, conseguiu desafiar a Mercedes de Rosberg de forma forte e viril com direito a uma ultrapassagem de mestre do jovem holandês sobre Nico na saída do complexo das rápidas Maggots, Becketts e Chapel. E este desempenho apagado da Ferrari, traduzido num até muito bom quarto lugar de Raikkonen e num péssimo nono lugar de Vettel, está gerando um desconforto na Rossa que forçou até Sergio Marchionne a realizar uma reunião de urgência com equipes técnicas da equipe. E as coisas precisam ser fortes e incisivas, uma vez que Hungria e Hockenheim, a primeira vista, favorecem os carros da Red Bull.
Não tivesse a presença da Mercedes na disputa, a batalha pelo título mundial seria extremamente apertada entre estes dois times.

Nenhum comentário:

Postar um comentário