quarta-feira, 25 de abril de 2012

F1 Battles: Ricardo Patrese vs Gilles Villeneuve, GP de Mônaco 1980

Gilles tinha o dom de ultrapassar e quando isso acontecia em Mônaco, era de encher os olhos. Patrese viu bem como é levar uma ultrapassagem, por fora, na entrada da St. Devote. 
Uma volta antes ele tinha feito o mesmo com Arnoux, mas por dentro. Mágico!

terça-feira, 24 de abril de 2012

Foto 78: Pai e filho

O garotinho que está no comando da moto, tendo Steve Mcqueen na garupa, é simplesmente o seu filho, Chad Mcqueen, que na época contava 10 anos de idade. A foto foi tirada durante uma das pausas da gravação do lendário filme "Le Mans", que teve a direção e atuação do seu pai.
Chad, que hoje está com 52 e é ator e diretor, conta como foi estar no set de filmagem: "Lyndon Conrad Bell: Então, como foi no set de Le Mans?
Chad McQueen: Olhando para trás, agora percebo o quão incrível era realmente. Eu fazia as refeições com caras como David Piper, Gerard Larrousse, Jonathan Williams, Bell Derek, Masten Gregory  e Herbert Linge. Um dia, meu pai até me levou no circuito sentado no seu colo no Porsche 917 que ele usou no filme."

Podemos dizer que o garoto, do alto dos seus dez anos de idade, foi um privilegiado.

*Lyndon Conrad Bell é do site "Motor Authority", e fez em 2010, ano que completou o 40º aniversário do filme "Le Mans, uma breve entrevista com Chad Mcqueen que pode ser conferida neste link.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Vídeo: Daily Mail Indy Troph, Brands Hatch 1978

Já havia escrevido sobre essa corrida, de modo rápido, exatamente há dois anos atrás. Este "Daily Mail Brands Hatch" foi uma das duas provas extra-campeonatos que a USAC fez na Inglaterra em 1978. A outra foi em 1º de outubro, em Silverstone. Os vencedores dessa corridas foram A.J Foyt (Silverstone) e Rick Mears (Brands Hatch). Segue o vídeo:

Foto 77: Índio

Jody Scheckter estava a brincar de índio?
A foto é de Bernard Cahier, no fim de semana do GP do Brasil de 1975.

sábado, 21 de abril de 2012

Pole Lap: Juan Pablo Montoya, Spa-Francorchamps 2001

Desbancar a Ferrari do início da última década, principalmente a de Schumacher, da tabela de tempos, já era uma baita conquista. Em Spa-Francorchamps a Williams deu as cartas.
Aquele treino de uma hora era sensacional. Apesar dos pilotos ficarem quase que meia hora dentro dos boxes, esperando o momento exato para fazer a melhor volta, valia a pena no final. Principalmente nos últimos cinco, três minutos de treinos.
O classificatório daquele ano foi disputado com a pista molhada, mas o final do treino já havia um trilho que fez os tempos despencarem. Montoya, com aquela vontade insana de bater Schumi de qualquer forma, comandou a disputa naqueles minutos finais na pista belga.
Inicialmente ele havia cravado o tempo de 1'55''875, desbancando Schumi da pole. Em seguida foi Ralf quem lhe tirou a pole com a marca de 1'55''531. Um belo tempo do irmãozinho mais novo, mas não o suficiente. E ainda tinha Michael, que estava logo atrás do colombiano, só na espreita. Mas Juan veio com a sua pilotagem bruta, passando por sobre as zebras molhadas, estraçalhando a segunda parcial de seu parceiro em 2.7 mais rápido para acertar uma pole em 1'52''072, 3.459 mais veloz que Ralf. Uau! Schumi veio em seguida e não conseguiu lhe roubar a pole. Restava o outro Schumacher, mas este falhara ao fazer apenas 1'52''959.
A Williams tinha dois carros na primeira fila, eMontoya estava com a sua segunda pole na F1 assegurada.

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Uma tempestade sobre algo que sabemos e conhecemos bem

O ser humano, em sua maioria, tem uma mania de se incomodar com algo que ele sabe que está errado, mas teima em fechar os olhos e tapar os ouvidos quando isso é proferido de alguém que vem de fora. E quando é falado por alguém importante, isso soa mais forte e acaba sendo como um soco no estômago. Mais ou menos assim é o que tem acontecido nas últimas horas com a declaração de Sebastian Vettel, que disse que “Quando vamos ao Brasil, não é o lugar onde queremos estar, dependendo da área. Mas não é um grande problema". Não tiro a razão dele, afinal de contas quem gostaria de estar no meio de uma manifestação não pacifica, ou numa guerra civil? A diferença é que por aqui, em especial São Paulo não está numa guerra civil, mas a violência acontece a todo o momento. Quantas pessoas param seus carros em um farol e não são assaltadas e/ou mortas? Em condomínios de luxo, quantas vezes este ano não aconteceram arrastões? Pedestres que são assaltados em plena luz do dia nas ruas, principalmente pelo lado do centro de SP? Acho que todos daqui desta cidade estão mais do que calejados de tanto saber os problemas que esta megalópole enfrenta e tem enfrentado.
A critica de Vettel é a mesma de outro tanto de turistas que vem ao Brasil para passar férias, festas, visitar familiares e afins. A diferença é que Sebastian é um cara conhecido, superstar da F1, bicampeão da categoria e então sua declaração soou forte demais. Mas como disse, não foge muito do que é ouvido pelos turistas que freqüentam este país todo santo ano. Porque acham que o Brasil perde milhões e milhões durante o ano com o turismo? Por causa da violência das grandes cidades. Sempre há alguma notícia sobre assaltos e até assassinatos de estrangeiros nos períodos de férias e o máximo que é falado pelas autoridades, é “uma fatalidade”. Fatalidade que entra ano e saí ano e ninguém faz nada para que este tipo de coisa não ocorra. E não digo apenas para fazer algo pela segurança dos que vem de fora, mas também para os que estão aqui. Um pai de família que recebe seu mísero salário e é assaltado assim que vira a esquina, não tem o respaldo da segurança pública para que isto não acontecesse. Isso quando não perde a vida, e a família é consolada por um “sinto muito”. Talvez se tivessem mais rigor com os bandidos, os crimes cairiam por mais pela metade. Mas como todos sabem, por aqui há uma máfia tanto dentro quanto fora polícia. E isso não é só em São Paulo. Enquanto isso não for erradicado, infelizmente será assim. E por muito tempo.
No autódromo de Interlagos, por exemplo, há sempre casos de assaltos por aquelas redondezas. Não é muito recomendável sair do autódromo após as sete, oito da noite em diante, porque corremos o risco de sermos assaltados. Confesso que quando saio de lá nestas horas, principalmente quando há algum evento noturno como provas de endurance (que não acontecesse faz tempo, diga-se), o cuidado é redobrado. Dificilmente você vê carros de polícia no perímetro daquele local, e olha que um pouco acima do portão sete do autódromo, que é o principal, tem uma base da polícia militar. Nos dias de GP até que a polícia é ativa, mas já houve casos de roubos assim que saíram de raio de ação dos homens da lei. Foi numa dessas que Button, em 2010, foi assaltado. Portanto Interlagos, não importando qual que seja o evento, não é uma lugar recomendado para sair muito tarde de lá.
Vettel gosta do Brasil, como ele já disse no passado, mas como um bom cidadão, ele sabe dos problemas que este país enfrenta. E certamente eu não gostaria de estar numa guerra civil e nem ficar por horas e horas com uma arma apontada pela cabeça vagueando pela cidade, como acontece sempre. Temos nossos problemas e precisamos cobrar sempre das nossas autoridades para que as coisas melhorem, para que os de lá fora falem bem não apenas das nossas belezas naturais, mas também do cuidado dos órgãos públicos com saúde, educação e segurança. E isso é o que nós todos queremos.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Análise dos dez primeiros - GP da China - 3ª Etapa

1. Nico Rosberg - Fez uma pole numa volta impecável que dificilmente seria batida por alguém, mas não era favorito para a prova justamente por causa do alto desgaste dos pneus. Esse problema não apareceu de forma tão latente como se esperava, e quem teve esse azar foram seus concorrentes diretos. Manteve uma boa distância de Schumi no início e mais tarde sobre Button, que era o seu oponente mais perigoso. Foi uma merecida vitória.

2. Jenson Button – Pulou de quinto para terceiro na largada, o que facilitou bastante a sua vida, e isso parecia ajudar-lhe quando as Mercedes começassem a ter os problemas de pneus. Isso não aconteceu, mas ele estava com chances de vencer quando fez a sua última para de box. Ali ele perdeu a oportunidade quando um mecânico atrasou-se na colocação de um dos pneus. Perdeu tempo atrás de Raikkonen e Vettel e isso lhe custou uma possível chance de brigar contra Rosberg pela vitória.

3. Lewis Hamilton – Tinha carro para largar na primeira fila, como ele demonstrou no sábado, mas a punição pela troca de câmbio relegou-o para sétimo. Fez uma corrida cautelosa e não se afobou no duelo que teve com Pérez pela terceira posição. Aliás, ele terminou nesta mesma colocação, repetindo o resultado das duas corridas anteriores e com isso, é o líder do mundial. Tem tido desempenhos bem administrados, o que é elogiável.

4. Mark Webber – Nestas primeiras etapas, onde a Red Bull tem apresentado algumas dificuldades, ele tem sido bem regular. Largou em sexto, teve um bom ritmo, duelou com Alonso, Button e Hamilton por posições e terminou a corrida em quarto podendo até, caso os pneus tivessem agüentado, conquistado um pódio. Mostrou que o carro rubro taurino, em corridas, é bem melhor que nos treinos ao andar próximo das Mclarens em quase toda a corrida.

5. Sebastian Vettel – Falhou na classificação ao ficar de fora do Q3, fato que não acontecia desde o GP do Brasil de 2009. Recuperou-se bem e chegou brigar pelo pódio enquanto seus pneus agüentaram. Apesar de algumas critícas que tem recebido, mostrou uma boa velocidade e garra na prova chinesa.

6. Romain Grosjean – Enfim marcou os seus primeiros pontos no ano. Andou muito bem durante todo certame e levou o seu carro inteiro ao final. Protagonizou com Maldonado uma dos melhores duelos da corrida, ao bater rodas em algumas curvas quando disputavam posições na casa dos pontos. Com mais calma, poderá estar presente mais vezes na casa dos pontos neste ano, pois o carro da Lotus é muito bom.

7. Bruno Senna – Saiu em 14º e teve uma tarde trabalhosa no meio do pelotão, ao batalhar contra Saubers, Force Índias, Ferraris e Red Bull por um lugar na zona de pontos. Teve um toque na traseira do Ferrari de Massa, que poderia ter arruinado com a sua corrida. Fora isso, esteve bem e por pouco não chegou em sexto, perdendo-a nas últimas voltas para Grosjean. Precisa apenas melhorar nas classificações.

8. Pastor Maldonado – Assim com seu parceiro Bruno, escalou o pelotão para levar o outro Williams à casa dos pontos. Mostrou o espírito combativo de sempre ao duelar contra Alonso e Grosjean de forma dura e crua, o que vem agitando bastante aquele pelotão intermediário nas últimas corridas. E este desempenho só reforça que o carro é muito bom e que a dupla da Williams, que era criticada por ser pagante, tem dado conta do recado.

9. Fernando Alonso – Dificilmente repetiria o desempenho da Malásia, e ele próprio sabia disso. Mas lutou como sempre e chegou em nono, mesma posição que largara. O carro ainda tem muito que melhorar.

10. Kamui Kobayashi – Esperava-se mais dele após o belo treino que fizera no sábado, ao colocar a Sauber em terceiro. Mas a péssima largada, despencado para sétimo na primeira volta, arruinou uma possível chance de pódio. Marcou a melhor volta e bateu o badalado Pérez no duelo que tiveram na pista. Ao menos demonstrou que não ficou abatido com toda a atenção que o mexicano atraiu para si após a bela apresentação da Malásia.


Grande Prêmio da China - Corrida - 3ª Etapa

Rosberg, enfim, chegou à sua primeira vitória na F1.
FOTO: REUTERS
A pole de Rosberg havia sido recebida com alegria, mas ainda tinha uma corrida para ser realizada e todos na Mercedes sabiam bem que as limitações do carro, por causa do alto desgaste de pneus, era grande e isso poderia prejudicar-lhes durante as 56 voltas. Mas a cada volta que se passava o jogo melhorava à favor de Nico: inicialmente a desistência de Schumacher, após um erro do mecânico durante o seu primeiro pit-stop, deixou Rosberg mais isolado na frente e nem a proximidade de Button, em laguns momentos, o abalou. Os pneus, que eram o principal ponto fraco dos Mercedes, resistiram e Nico foi um dos poucos, se não o único, a não sentir tanto os efeitos do desgaste que pegou os outros pilotos de calças curtas, principalmente nas últimas 20, 16 voltas quando os duelos pelas posições, mais precisamente da segunda para trás, foi de uma intensidade tremenda. E isso deu à corrida um interesse, até porque estava modorrenta e dependente apenas das estratégias dos times. Button também foi vitíma do erro de um mecânico no seu último pit stop, e juntando o fato de ter ficado retido por voltas e voltas atrá de Raikkonen, isso acabou atrapalhando-o na tentativa de buscar a liderança de Nico.
Os pneus Pirelli determinaram o passo da corrida, mas isso só ficou mais latente quando a prova caminhava para o seu final. As disputas ficaram mais intensas e ferozes, como no duelo entre Grosjean vs Maldonado vs Alonso vs Pérez, que por algum momento chegaram a tocar rodas. Pérez não limitou-se à essa disputa. Travou rodas por várias vezes ao defender a sua terceira posição contra Hamilton por duas voltas e nas últimas voltas, esteve discutindo com seu companheiro Kobayashi. O trenzinho formado por Raikkonen, que ocupava a segunda posição à 16 voltas do fim, ajudou para houvesse ótimos duelos na casa dos pontos também atrasou Button em tentar chegar em Rosberg. Raikkonen despencou várias posições quando os seus pneus não aguentaram mais, Seguindo este exemplo de Kimi, que ficou apenas com duas paradas de box, Vettel conseguiu andar em segundo por algumas voltas, mas cairia para quinto no final após seus pneus desgastarem. Hamilton fechou em terceiro, repetindo a mesma colocação que conquistara nas duas provas iniciais e com isso, está liderando o mundial. Um feito interessante por sua parte, pois tem tido atuações sólidas deixando a afobação de lado, que o tanto prejudicou nos últimos anos.
Rosberg venceu e tirou um peso das costas. Da sua geração, de pilotos bem sucedidos em categorias menores, ele era o único que não havia marcado pole e nem vencido. Robert Kubica, Heikki Kovalainen, Lewis Hamilton e Sebastian Vettel, já estavam com vitórias e até títulos nas costas. Nico, que estreara em 2006 no Bahrein pela Williams marcando um ponto e fazendo a melhor volta, passou épocas difíceis na equipe do tio Frank e achou na Mercedes um lar em que poderia, enfim, mostrar o seu trabalho e pensar seriamente em vencer corridas. Demorou, mas ela veio. 
E com essa vitória, a Mercedes se dá a oportunidade de pensar alto neste ano.
Button teve chance de tentar a vitória em Xangai, que foi arruinada por um erro no último pit stop e depois pelo atraso que tivera atrás de Raikkonen e Vettel em disputas por posições.
FOTO: AP


Alonso fez o que pôde com o seu Ferrari, mas acabou termindo onde largou: em nono. Webber levou o seu Red Bull até a quarta colocação e teve bons duelos durante a prova.
FOTO: REUTERS

Nico e Schumacher conseguiram sustentar as suas posições após a largada, algo que Kobayashi não fez ao despencar de terceiro para sétimo.
FOTO: REUTERS


Bruno fez outra boa corrida ao terminar em sétimo, logo à frente de Maldonado. Poderia ter conseguido a sexta posição, mas perdeu-a para Grosjean durante as batalhas das últimas voltas.
FOTO: REUTERS


De terceiro em terceiro...: Hamilton repetiu a mesma colocação final nestas três corridas do campeonato, até aqui disputadas e é o novo líder do mundial. É a prova de que está pensando mais no campeonato do que na corrida em si. Teve um duelo dos bons com Sérgio Pérez, que o segue nesta foto.
FOTO: AP


Massa até que conseguiu um bom desempenho no início da corrida e a estratégia parecia ser boa, visando a casa dos pontos no final da corrida. Parecia. Ele terminou em 12º, à frente de Raikkonen que sofreu com o desgaste dos pneus e despencou de 2º para 13º no final. Koba marcou 1 ponto, mas esperava-se mais dele nesta prova depois da bela classificação do sábado.
FOTO: REUTERS


Grande Prêmio da China
Circuito de Xangai - 56 voltas
15/04/2012 - 3ª Etapa

1. Nico Rosberg (ALE/Mercedes) - 1h36min26s929
2. Jenson Button (ING/McLaren) - a 20s626
3. Lewis Hamilton (ING/McLaren) - a 26s012
4. Mark Webber (AUS/Red Bull) - a 27s924
5. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull) - a 30s483
6. Romain Grosjean (FRA/Lotus) - a 31s491
7. Bruno Senna (BRA/Williams) - a 34s597
8. Pastor Maldonado (VEN/Williams) - a 35s643
9. Fernando Alonso (ESP/Ferrari) - a 37s256
10. Kamui Kobayashi (JAP/Sauber) - a 38s720
11. Sergio Pérez (MEX/Sauber) - a 41s066
12. Paul Di Resta (ESC/Force India) - a 42s273
13. Felipe Massa (BRA/Ferrari) - a 42s700
14. Kimi Raikkonen (FIN/Lotus) - a 50s500
15. Nico Hulkenberg (ALE/Force India) - a 51s200
16. Jean-Eric Vergne (FRA/Toro Rosso) - a 51s700
17. Daniel Ricciardo (AUS/Toro Rosso) - a 1min03s100
18. Vitaly Petrov (RUS/Caterham) - a 1 volta
19. Timo Glock (ALE/Marussia) - a 1 volta
20. Charles Pic (FRA/Marussia) - a 1 volta
21. Pedro de la Rosa (ESP/Hispania) - a 1 volta
22. Narain Karthikeyan (IND/Hispania) - a 2 voltas
23. Heikki Kovalainen (FIN/Caterham) - a 3 voltas             

sábado, 14 de abril de 2012

Foto 76: De cabeça fresca


 O GP de Dallas de 1984 é mais lembrado pelo forte calor e dos pedaços de asfalto que se soltavam, do que pelo desempenho dos pilotos. Aliás foi uma corrida caótica, começando pelo horário absurdo da prova que foi colocado para a parte da manhã, afim de não pegar o forte calor. Isso deu à Jacques Laffite a oportunidade de, em protesto pelo horário da prova, ir para o grid vestido com seu pijama.
Mesmo assim o calor foi forte, e isso minou alguns favoritos da corrida. Prost, Alboreto, Mansell e outros bateram após perderem a concentração devido à alta temperatura e o asfalto esfarelante. Keke saiu do oitavo lugar para vencer a prova, com uma certa tranquilidade.
Mais tarde souberam da sua tática: ele havia enchido a parte superior do seu capacete com gelo. Com isso ele mantinha a cabeça resfriada, eliminando os efeitos do calor que poderiam afetar a sua concentração durante a prova.



Grande Prêmio da China - Classificação - 3ª Etapa

Rosberg, à caminho da sua primeira pole
FOTO: Getty Images/Brasil
Diferentemente do que vimos nos dois treinos classificatórios até aqui realizados, não tínhamos uma idéia precisa de quem seria o pole. Hamilton, que foi o pole-man nas duas últimas corridas, já estava fora de combate desde a sexta quando a Mclaren trocou o câmbio de seu carro e assim, conforme a regra, ele perderia 5 posições no grid. Mas mesmo assim ele esteve forte, e mostrou que poderia ter conquistado mais uma pole neste sábado. O difícil mesmo é saber se ele seria páreo para Nico Rosberg, que enfim, cravou a sua primeira pole depois de 110 GPs disputados. Rosberg fez uma bela marca logo no início do Q3, 1'35''121, colocando mais de meio segundo sobre Hamilton e Schumacher. E isso foi até o fim sem que ele fosse incomodado por nenhum deles. Com a punição de Hamilton, que sairá em sétimo, a Mercedes marca a sua primeira fila desde o GP da Holanda de 1955, quando Fangio e Moss fizeram 1-2 naquela classificação. A última pole foi pelas mãos de Fangio, em Monza, no mesmo ano.
Kamui Kobayashi fez um belo treino ao colocar a sua Sauber em terceiro, e terá a compania de Raikkonen que ficou com o quarto posto para a Lotus, mostrando que os dois anos que ficou de fora não lhe afetou em nada. E digo mais, o Rallye o ajudou bastante. Button ficou com quinta posição  e terá ao seu lado Webber, que foi o melhor das duas Red Bull. Vettel falhou na sua classificação e ficou de fora da última parte do treino, ao marcar apenas a 11ª posição. Pérez, Alonso e Grosjean fecharam em oitavo, nono e décimo. Massa chegou a ter alguma chance de passar ao Q3, mas ficou em 12º. Bruno andou próximo de Maldonado e largará em 14º, logo atrás do venezuelano. Com o bom ritmo que a Williams tem apresentado nas corridas e possível chance de chuva, pode dar ao time do velho Frank uma oportunidade de levar os dois carros à casa dos pontos. Mas isso acontecerá, claro, se nenhum dos dois errarem e se o motor Renault aguentar o tranco.
Para a corrida não acredito muito na Mercedes. O carro tem uma lto desgaste de pneus e isso limitará uma possível chance de um dos dois tentar uma vitória amanhã. Kobayashi pode fazer uma bela prova e não estranhem se ele pular para a ponta no início da corrida, uma vez que ele sempre faz belas largadas. Kimi também pode fazer bonito e dependendo da estratégia, e das nuances dessa corrida, quem sabe, pode subri ao pódio. Mas acredito mesmo é que uma das Mclarens vença amanhã. Button anda muito bem em Xangai, à exemplo de Hamilton, e isso credência o time de Woking a sair com uma vitória amanhã. Porém algo tem que ser dito: o ritmo de provas deles não é tão bom assim, e Webber pode entrar nessa disputa já que o carro da Red Bull, em corrida, tem tido um bom desempenho.
Agora é esperar pela madrugada.

GRID DE LARGADA PARA O GRANDE PRÊMIO DA CHINA - 3ª ETAPA

1: Nico Rosberg (ALE/Mercedes) - 1min35s121
2: Michael Schumacher (ALE/Mercedes) - 1min35s691
3: Kamui Kobayashi (JAP/Sauber) - 1min35s784 
4: Kimi Raikkonen (FIN/Lotus) - 1min35s898
5: Jenson Button (ING/McLaren) - 1min36s191
6: Mark Webber (AUS/Red Bull) - 1min36s290
7: Lewis Hamilton (ING/McLaren) - 1min35s626*
8: Sergio Perez (MEX/Sauber) - 1min36s524
9: Fernando Alonso (ESP/Ferrari) - 1min36s622
10: Romain Grosjean (FRA/Lotus) - sem tempo
11: Sebastian Vettel (ALE/Red Bull) - 1min36s031
12: Felipe Massa (BRA/Ferrari) - 1min36s255
13: Pastor Maldonado (VEN/Williams) - 1min36s283
14: Bruno Senna (BRA/Williams) - 1min36s289
15: Paul Di Resta (ESC/Force India) - 1min36s317
16: Nico Hulkenberg (ALE/Force India) - 1min36s745
17: Daniel Ricciardo (AUS/Toro Rosso) - 1min36s956
18: Jean-Eric Vergne (FRA/Toro Rosso) - 1min37s714
19: Heikki Kovalainen (FIN/Caterham) - 1min38s463
20: Vitaly Petrov (RUS/Caterham) - 1min38s677
21: Timo Glock (ALE/Marussia) - 1min39s282
22: Charles Pic (FRA/Marussia) - 1min39s717

*Marcou o segundo posto, mas perdeu cinco posições por troca de câmbio

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Foto 75: Soberbo

E debaixo daquele aguaceiro de Mônaco, 1984, não foi apenas Ayrton que mostrou ao mundo que sabia andar sobre água: Stefan Bellof estava formidavelmente rápido naquela prova e, talvez, passasse por Senna e Prost e venceria a corrida monegasca. Mas a bandeira vermelha acabou com esta chance e mais tarde a Tyrrell perderia todos os resultados daquele campeonato, por ter usado combustível com alto teor de chumbo.
Mas Bellof tinha dado o seu cartão de visitas.

FOTO: Motorsport Retro

Vídeo: Nigel Mansell, Long Beach 1993

Neste final de semana a Indy fará a sua terceira etapa no circuito citadino de Long Beach, e aproveito para deixar um vídeo da pole de Nigel Mansell naquele circuito, no longínquo ano de 1993.
Confesso que gostava mais deste traçado do que do atual. Mas a pista ainda continua bela e mantiveram a reta "Shoreline Drive". Ao menos isso.

terça-feira, 10 de abril de 2012

BMW

Steve Soper com a BMW M3 em Norisring (?), 1993. No final deste mês a marca bávara volta ao cenário da DTM após 18 anos, na prova de abertura da categoria em Hockenheim, e contará com os serviços de Augusto Farfus Júnior em um dos seus seis carros.

terça-feira, 3 de abril de 2012

Grandes Atuações: Jean Pierre Beltoise, Monte Carlo 1972


Beltoise e sua condução magnífica em Monte Carlo, 1972
Após uma carreira bem sucedida em categorias menores com títulos na F2 e F3, o nome de Beltoise apareceu na F1 pela primeira vez no GP da Alemanha de 1966, disputado em Nurburgring, quando ele correu pela Matra. Naquela ocasião ele conseguiu um bom oitavo lugar e ano seguinte ele disputou outros três GPs pela Matra: Mônaco (não classificou-se); EUA e México (foi sétimo em ambas). Em 1968 ele conseguiu definitivamente a vaga de titular na Matra, mas ao seu lado, um tal de Jackie Stewart, estava pronto para tentar o seu primeiro título mundial. Assim como aconteceria com Cevert, que também foi companheiro do escocês na Tyrrell anos depois, Beltoise aprendeu com Stewart. Acumulou um punhado de pódios nos dois anos que correu junto dele e em 1970, estava liderando a equipe Matra. Quando estava pronto para iniciar a temporada de 71, foi suspenso pela FIA por ter sido considerado culpado pela morte de Ignazio Giunti que acertara a traseira do Matra que Beltoise, de forma imprudente, empurrava sem gasolina pelo meio da pista durante os 1000 km de Buenos Aires, válido pelo Mundial de Marcas. Mesmo voltando e disputando algumas corridas em 71, sem sucesso, o que lhe restou foi assinar com a BRM para a temporada de 1972.
A BRM também vinha de um ano difícil, pois havia perdido seus dois principais pilotos em acidentes em provas distintas: Pedro Rodriguez morreu em Norisring, durante uma prova de carros Sport e Jo Siffert na corrida extra-campeonato disputada em Brands Hatch, nomeada de “Victory Race”. Mesmo após estes abalos, Louis Stanley, o homem forte da BRM, aproveitou-se da entrada maciça da Marlboro na competição e colocou em alguns GPs cinco carros, o que aumentou de forma considerável o trabalho dos mecânicos nas corridas que estivessem presentes estes cinco bólidos. Desse modo Beltoise, ao lado de Peter Gethin, estava incumbido de levar a BRM de volta às vitórias e junto de Howden Ganley, Reine Wisell e Helmut Marko, formaram o quinteto. Curiosamente, mesmo com esse contingente em pista, a equipe marcou apenas catorze pontos na tabela dos construtores.
Beltoise, assim como seus outros quatro companheiros de BRM, não havia marcado nenhum ponto nas três primeiras corridas daquele ano. Mônaco era a quarta etapa daquele mundial e a previsão era de chuva no dia da corrida. O grid em Monte Carlo, que tradicionalmente acomodava 16 carros, deu um salto para 25 naquele ano devido o grande número de equipes. Corrida com chuva, 25 carros no grid e as traiçoeiras curvas do Principado, era um convite para uma prova tumultuada. Isso sem contar as mudanças no traçado.
O treino para a BRM foi promissor: Beltoise e Gethin posicionaram-se em quarto e quinto, enquanto que os outros três carros da equipe apareciam abaixo da 15ª posição. Emerson Fittipaldi tinha feito a pole, seguido por Ickx e Regazzoni. Após o término da sessão classificatória, a chuva desabou e estendeu até o domingo.
A chuva ainda era intensa antes da largada, mas isso não foi problema para Beltoise que pulverizou, naquele dia, a máxima de quem larga a primeira fila em Monte Carlo já tem 50% da vitória garantida. Jean Pierre subiu de quarto para primeiro já na largada, aproveitando a patinada do Lotus de Emerson (que caiu para quarto) e da Ferrari de Ickx (que também havia caído uma posição, mas recuperou prontamente após um erro de Regazzoni).
Com a visão totalmente clara, o piloto francês abriu grande vantagem nas voltas seguintes e nem Ickx, o mestre em pista molhada, não pode alcançá-lo. Enquanto Beltoise abria caminho para uma provável vitória, seus parceiros de BRM ficavam pelo caminho: Wisell abandonara por problemas no motor; Gethin foi desclassificado após receber ajuda externa para ir aos pits após um acidente e Ganley bateu com Hailwood. Marko conseguiu sair inteiro do dilúvio e levou seu carro até a oitava posição.
Mesmo com um domínio absoluto debaixo daquele aguaceiro, Jean Pierre ainda teve alguns sustos quando, por exemplo, quase bateu de traseira na “Portier” e quando deu um toque no Surtees de Tim Schenken na Lowes. Fora estes contratempos, Beltoise conduziu sua BRM a uma vitória soberba com quase 40 segundos de vantagem sobre Ickx. Uma festa para Louis Stanley e principalmente para a Marlboro, que iniciava o seu apoio à equipes da F1. Emerson Fittipaldi, que terminou em terceiro com uma volta de atraso, saiu líder do mundial naquele dia. Mas nada disso importava, frente o que Beltoise havia conseguido naquela tarde chuvosa de 14 de maio.
No pódio, ele levantou o troféu com apenas uma mão. Algo normal, se não fosse a sua debilidade do braço esquerdo que quase perdera num acidente durante as 12 horas de Reims em 1963.
Foi a sua primeira e única vitória na F1. Para a BRM, a última.

segunda-feira, 2 de abril de 2012

F1 Battles: John Watson vs Marc Surer - GP do Brasil, 1981

Enquanto que Carlos Reutemann caminhava para uma polêmica vitória no GP do Brasil de 1981 com a Williams, Watson e Surer duelavam pela quinta posição. O piloto irlandês acabou rodando algumas voltas depois e terminou em oitavo. Marc Surer levou sua Ensign ao quarto lugar.

Foto 74: Gêmea?

Ora Graham, ninguém sabia que você tinha uma irmã, digamos... gêmea!

domingo, 1 de abril de 2012

Foto 73: Irmandade italiana

A equipe Quadrifoglio: Giuseppe Campari, Enzo Ferrari (chefe da Scuderia Ferrari, que era a equipe oficial da Alfa Romeo), Tazio Nuvolari e Baconin Borzacchini horas antes do GP da Itália, disputado em 7 de setembro de 1930.
Borzacchini foi o melhor dos Alfas, ao terminar em terceiro. Os outros dois abandonaram a corrida por problemas de pneus, mas Nuvolari deixou a sua marca ao fazer a melhor volta. A prova foi vencida por Achille Varzi, que foi seguido por Ernesto Maserati fazendo, assim, a dobradinha da Maserati.
Campari e Borzacchini perderiam a vida em Monza, três anos mais tarde, num acidente que envolveu ambos. Junto deles faleceu, também, o Conde polonês Stanislav Czaikowisk, que bateu no mesmo local que tirara a vida dos dois pilotos italianos minutos antes.