segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Crash: Fórmula Renault 2.0 e ADAC GT Masters

Os acidentes de Andrea Pizzitola - Fórmula Renault 2.0 - durante a etapa da categoria disputada em Paul Ricard e os dois acidentes de Gerd Beisel (Corvete) e Rahel Frey (Audi R8)durante a largada para a primeira corrida da rodada dupla do ADAC GT Masters que encerrou a temporada na pista de Hockenheim.
Os pilotos nada sofreram.

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Foto 257: Kubica no comando do BMW V12 LMR


Kubica pilotando o V12 LMR e abaixo, com Mario Theissen
(Foto: 24-lemans.com)
E Robert Kubica teve o prazer de pilotar um dos mais bonitos carros de Endurance do mundo: o BMW V12 LMR foi conduzido pelo polonês em 7 de dezembro de 2008 durante a final mundial da Fórmula BMW no autódromo Hermanos Rodriguez.
O carro que Kubica pilotou não foi exatamente o que venceu as 24 Horas de Le Mans de 1999, mas sim o que estreou em Sebring sob o comando de Jörg Muller/ Tom Kristensen/ J.J. Lehto no mesmo ano.

Vídeo: Trailer do filme sobre a 81ª 24 Horas de Le Mans

Mês passado a ACO divulgou em seu site que um filme sobre a edição deste ano sobre as 24 Horas de Le Mans já estava em andamento e hoje a já foi publicado um trailer sobre a película, que será lançada nos cinemas franceses em 5 de outubro. O filme terá 90 minutos de duração.
Agora é esperar para que alguma alma bondosa a coloque na íntegra lá no Youtube.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Foto 256: Clark, Nurburgring 1964

Uma das mais belas fotos que já vi de um GP disputado no velho Nurburgring. Aqui Jim Clark e sua Lotus 33 durante o GP alemão de 1964, prova que foi vencida por John Surtees com a Ferrari. Graham Hill e Lorenzo Bandini completaram o pódio.
Clark abandonou a corrida na sétima volta com problemas de motor.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Prost tem razão

O texto abaixo foi extraído do site Total Race, publicado hoje a tarde:

A F-1 mudou, mas habilidade é a mesma da minha época, diz Prost

Crédito da foto: James Moy
Tetracampeão dos anos 1980 e 1990 lembra que hoje há mais eletrônica, mas não acha que isso substitui o talento
‘Na época do Senna era campeão quem tinha mais talento, agora é só o carro’. Que fã brasileiro da categoria nunca ouviu uma frase desta? Mas um dos grandes personagens daqueles tempos, o tetracampeão Alain Prost, não concorda. Para o francês, tudo é difícil de ser comparado, menos a necessidade de habilidade por parte dos pilotos.
“Eles nunca conviveram com acidentes, com o risco, e isso gera uma mentalidade diferente. A maneira como eles trabalham agora com os carros e as equipes é obviamente distinto, é muito mais eletrônico, muito mais organizado, e não dá para comparar. Mas a habilidade, a perícia, o talento ainda estão lá. E temos uma boa geração de pilotos”, defende o francês.
Prost também destaca a juventude dos novos pilotos, que amadurecem já ganhando corridas e títulos.
“Eles mudaram, mas é normal. A sociedade mudou, assim como a maneira como eles começam. Olhe para Sebastian, ele será tetracampeão nesta temporada, com 26 anos. Eu venci minha primeira corrida com 26 anos, não dá para comparar, é uma geração diferente.”
- See more at: http://www.totalrace.com.br/site/noticia/2013/09/a-f-1-mudou-mas-habilidade-e-a-mesma-da-minha-epoca-diz-prost#sthash.jGNq6JwK.dpuf


Normalmente não uso um texto completo de site ou blog, mas neste caso achei interessante reproduzir na sua totalidade.
Já há algum tempo que tenho uma opinião formada sobre essa história de que "os caras de antigamente que eram bons... os de hoje não são tudo isso". Agora pouco escrevi um comentário no grupo Oversteering, no Facebook, e que reproduzo aqui. É a minha opinião, claro, e respeito quem discordar de mim:
"Foi bom o Prost falar isso. Certa vez me vi no meio de um discussão exatamente sobre os pilotos de hoje não serem tão competitivos dos que de antigamente. Eu, há muito tempo atrás, antes de criar o blog, também achava que os caras de hoje não seriam páreo para os pilotos das antigas exatamente por achar que hoje a coisa é uma "boiada" perto do que era na época dos turbos, por exemplo.
Mas depois eu pesquisando mais a fundo a história, percebei que piloto de corridas é piloto de corridas. Não importa qual carro ele esteja pilotando, mas ele fará o trabalho dele e poderá tirar o máximo do seu bólido, Pode ser que em certa categoria ele não consiga fazer nada de especial, mas em outras ele sobressaia fantasticamente. Um exemplo bom é o Sebastian Bourdais que detonava todos na ChampCar e quando veio pra F1 tomou uma sova do Vettel. 
E outro cara que onde pilota é sensacional, é o Sebastien Loeb. Não importa qual carro ele estará conduzindo, mas sempre ficará entre os primeiros (vide GT Series, algumas incursões em Le Mans e testes na F1). Para mim, é o melhor piloto do mundo na atualidade.
Portanto os caras de hoje da F1, Vettel, Alonso, Hamilton, Raikkonen, no meu ver, não devem nada aos caras do passado. São ótimos pilotos e certamente fariam frente aos grandes drivers do passado."

Vídeo: Hakkinen e Coulthard ao volante dos Mclarens

Está saindo melhor do que encomenda estes especiais da Mclaren sobre os 50 anos da equipe. Desta vez, junto da BBC, ela levou David Coulthard e Mika Hakkinen para Silverstone para que eles pudessem pilotar os clássicos M23 (campeão de 1974) e o MP4/4 (campeão de 1988). Depois lhes foi entregue as outras duas jóias da casa: o MP4/13 (campeão de 1998) e o MP4/23 (campeão de 2008).
Claro, Mika esteve ao volante do MP4/13 que lhe proporcionou o primeiro de seus dois títulos mundiais. As lembranças afloraram, com certeza.

terça-feira, 24 de setembro de 2013

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Crash: Rali de Hellendorn, Truck Racing Championship e Blancpain Endurance Series

Um Porsche batendo, capotando e caindo num lago durante o Rali de Hellendorn, na Holanda; o acidente na largada do Campeonato Europeu de Caminhões em Zolder e uma batida durante os 1000Km de Nurburgring, válidos pelo Blancpain Series, foram os acidentes deste fim de semana no Motorsports.

WEC: 6 Horas de Austin (vídeo)

E para aqueles que não assistiram a prova realizada no Circuito das Américas, eis a corrida completa dividida em três partes.
Foi a quinta vitória da Audi no ano e 100ª da fábrica das quatro argolas na categoria LMP. Assistam:

GP de Cingapura - Corrida - 13ª Etapa

Mais uma pra conta: 33ª vitória na carreira após uma noite perfeita em Marina Bay.
(Foto: Getty Images)
As maçantes 61 voltas do GP cingapuriano - que por alguns momentos pareciam intermináveis -, serviu para que Sebastian Vettel ratificasse o que já havíamos visto durante os treinos livres e o de classificação sobre o seu favoritismo naquela pista montada em Marina Bay. O único adversário para o piloto alemão foi únicos segundos que Nico Rosberg permaneceu na liderança - se é que podemos dizer isso, afinal o piloto da Mercedes chegou a efetuar a ultrapassagem, mas alargou muito na saída da primeira perna da chicane e perdeu a liderança para Vettel em seguida após um "X". Feito isso, a única visão que os adversários tiveram de Vettel foi durante a intervenção do SC, devido a batida de Ricciardo - que belo modo de se apresentar como futuro piloto Red Bull - e depois no pódio. Foi outra corrida impecável do piloto alemão, futuro tetra campeão do mundo. A minha única reclamação nessa prova é que o número de voltas que são realizadas na pista de Marina Bay. Um circuito com uma extensão de 5.2 Km e 61 voltas é deveras cansativo para o público, e foi possível ver que a alguns nativos da região, devidamente sentados nas arquibancadas, bocejavam a toda hora. E outra coisa: além da prova beirar as duas horas limite, o alto consumo de combustível também é crítico naquela pista. O que tem salvado de acontecer uma "epidemia" de pane seca nos carros, são as entradas do Safety Car durante essa corrida. Desde 2008 que pelo menos uma vez o SC é acionado para que seja removido o carro, ou carros, de lugares perigosos e isso tem sido bem vindo. Por outro lado, as inúmeras voltas atrás deste atrasa ainda mais a corrida. Ontem, por exemplo, a prova terminou exatamente com as duas horas limite já estouradas. Estranho apenas o fato das equipes não ter reclamado algo sobre um diminuição das voltas - algo em torno de cinco ou seis - que já deixaria a prova menos sonolenta para o público e sanaria um pouco a possibilidade de uma hecatombe de carros sem gasolina pela pista.
Voltando a corrida, Vettel fez um trabalho brilhante ao abrir uma diferença que oscilou entre nove e dez segundos para Rosberg após a largada e apenas administrou. Ele sabia bem que ficando atrás da Mercedes, seus pneus poderiam se deteriorar facilmente e isso causaria um atraso imenso. E mais uma vez vimos essa aula quando a relargada foi dada e em quatro voltas ele já possuía nove segundos de avanço sobre Nico Rosberg. Sebastian apenas administrou e quando era preciso, ele apertava o pedal da direita para construir essa vantagem como aconteceu após a sua última parada de box e já via Alonso no seu retrovisor. Com as reservas que Vettel tem em seu RB9, ele pode muito bem variar as condições que a corrida pede e não precisará se preocupar tanto com o desgaste de pneus, que foi um pesadelo que incomodou a Red Bull durante as primeiras etapas do ano. Aquela vantagem que Horner e Marko tanto falavam e que era barrada devido aos pneus de farinha da Pirelli, apareceu de forma brutal nessa fase final do mundial.
Para os seus rivais, a prova não foi de todo mal: Alonso fez uma largada brilhante e já era terceiro após a chicane e foi esperto ao trocar pneus durante o SC e aguentar 30 voltas com estes quando assumiu a segunda posição após as paradas de Rosberg, Webber e Hamilton e ficar nesta colocação até o fim. Raikkonen, com as suas costas doloridas, escalou no pelotão e fechou num ótimo - e inesperado - terceiro lugar. Para os Mercedes, restaram apenas ficar com a quarta colocação de Rosberg e a quinta de Hamilton e dois pilotos visivelmente não satisfeitos com o desempenho do carro. E Felipe Massa teve um desempenho mediano, apresentando apenas algum brilhantismo nas voltas finais.
Depois deste "massacre em Marina Bay", o que restou de otimismo por parte dos que ainda esperavam tentar deter Vettel, agora é mirado para 2014. Isso significa que Vettel e Red Bull já passam a contar os quilômetros que restam para que equipe e piloto possam comemorar o duplo tetra campeonato - mundiais de pilotos e construtores.

Resultado Final
Grande Prêmio de Cingapura 
Circuito de Marina Bay - 61 Voltas 
22/9/2013 - 13ª  Etapa

1) Sebastian  Vettel (ALE/RBR): 61 voltas em 1h59m13s132    
2) Fernando Alonso (ESP/Ferrari) + 32s627                     
3) Kimi Raikkonen (FIN/Lotus) + 43s920              
4) Nico Rosberg (ALE/Mercedes) + 51s155                    
5) Lewis Hamilton (ING/Mercedes) + 53s159                      
6) Felipe Massa (BRA/Ferrari) + 1m03s877                     
7) Jenson Button (ING/McLaren) + 1m23s354             
8) Sergio Pérez (MEX/McLaren) + 1m23s820            
9) Nico Hulkenberg (ALE/Sauber) + 1m24s261             
10) Adrian Sutil (ALE/Force India) + 1m24s668            
11) Pastor Maldonado (VEN/Williams) + 1m28s479             
12) Esteban Gutiérrez (MEX/Sauber) + 1m37s894             
13) Valtteri Bottas (FIN/Williams) + 1m45s161             
14) Jean-Eric Vergne (FRA/STR)+ 1m53s512      
15) Mark Webber (AUS/RBR) + 1 volta        
16) Giedo van der Garde(HOL/Caterham) + 1 volta             
17) Max Chilton (ING/Marussia) + 1 volta            
18) Jules Bianchi (FRA/Marussia) + 1 volta           
19) Charles Pic (FRA/Caterham) + 1 volta             
 
Não completaram:
Paul Di Resta (ESC/Force India) +  7 voltas           
Romain Grosjean (FRA/Lotus) + 24 voltas             
Daniel Ricciardo (AUS/STR) + 38 voltas

sábado, 21 de setembro de 2013

GP de Cingapura - Classificação - 13ª Etapa

Faltou unha para o Vettel: 41ª pole na carreira
(Foto: Getty Images)
A imagem de Vettel roendo as unhas nos minutos finais da classificação em Marina Bay, lembrou a sensação de um vestibulando em saber se havia sido aprovado, ou não, para a tão sonhada universidade. Mas o que estava em jogo mesmo era a pole. Por mais que a sua volta tenha sido brilhante, com cerca de quase um segundo sobre o segundo colocado, a presença das Mercedes ainda requeria cuidados. De fato havia sido uma volta brutal - 1'42''841 - a visão inicial era de que ele podia muito se dar ao luxo de entrar no boxes e acompanhar o restante do treino, agarrado a uma garrafa d'água e analisar tranquilamente as voltas de seus adversários... em outros tempos ele até pôde fazer isso com certa paz, como ficou registrado em algumas classificações de 2011. Desta vez a tranquilidade deu lugar a um nervosismo incomum e Vettel roía as unhas mais e mais a cada parcial de Nico Rosberg e Mark Webber. Certamente não havia mais o que roer quando ele constatou que Rosberg passara à 0''091 centésimos acima da sua marca... um gelo na espinha que quase lhe custou a 41ª pole de sua carreira.
Mas o desempenho de Sebastian com os pneus super macios foi extremamente positivo. Um exemplo disso ficou no Q2 quando ele enfiou oito décimos em Webber e nove em Rosberg. Uma volta que impressionou bastante. Mas no Q1, onde usou os médios, o desempenho não foi tão poderoso, tendo ficando em terceiro, atrás de Hulkenberg - que usara super macios - e de Webber. Talvez nesse ponto de usar os pneus médios, é que haja uma possibilidade de equilibrio. Mas claro, é apenas uma impressão deste pobre mortal.
Enquanto que Vettel destruía os tempos - e as unhas -, seus rivais tinham um desempenho mediano: Raikkonen ficou de fora do Q2 - 13ª colocação - e com fortes dores nas costas que quaseo limaram da classificação; Fernando Alonso não pôde fazer muito frente ao fraco desempenho da Ferrari no Q3 e sairá em sétimo, logo atrás de Massa que assinalou a sexta posição. Hamilton ficou com a quinta posição.
Não há muito o que falar sobre o que pode ser da corrida de amanhã. O certo mesmo é que Vettel mais uma vez é disparado favorito para vencer em Marina Bay colocar mais alguns dedinhos na taça de tetra campeão do mundo. Rosberg terá que fazer uma largada foguete para tentar pensar em algo e barrar um possível "sumiço" de Sebastian na dianteira da corrida.

Grid de Largada para o Grande Prêmio de Cingapura - 13ª Etapa

1) Sebastian Vettel (ALE/RBR) 1m42s841             
2) Nico Rosberg (ALE/Mercedes) 1m42s932  +0s091    
3) Romain Grosjean (FRA/Lotus) 1m43s058  +0s217    
4) Mark Webber (AUS/RBR) 1m43s152  +0s311    
5) Lewis Hamilton (ING/Mercedes) 1m43s254  +0s413    
6) Felipe Massa (BRA/Ferrari) 1m43s890  +1s049      
7) Fernando Alonso (ESP/Ferrari) 1m43s938  +1s097    
8) Jenson Button (ING/McLaren) 1m44s282  +1s441    
9) Daniel Ricciardo (AUS/STR) 1m44s439  +1s598    
10) Esteban Gutiérrez (MEX/Sauber) sem tempo
11) Nico Hulkenberg (ALE/Sauber) 1m44s555 
12) Jean-Eric Vergne (FRA/STR) 1m44s588    
13) Kimi Raikkonen (FIN/Lotus) 1m44s658
14) Sergio Pérez (MEX/McLaren) 1m44s752    
15) Adrian Sutil (ALE/Force India) 1m45s185    
16) Valtteri Bottas (FIN/Williams) 1m45s388  
17) Paul di Resta (ESC/Force India) 1m46s121   
18) Pastor Maldonado (VEN/Williams) 1m46s619    
19) Charles Pic (FRA/Caterham) 1m48s111
20) Giedo van der Garde (HOL/Caterham) 1m48s320     
21) Jules Bianchi (FRA/Marussia) 1m48s830    
22) Max Chilton (ING/Marussia) 1m48s930

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Pole Lap: Juan Pablo Montoya, Detroit 1999

Juan Pablo Montoya em um das suas famosas voltas alucinantes em classificações, desta vez na sua estadia na CART em 1999 na pista de Detroit. Ele cravou a pole - e com direito a uma "beliscada" no muro.
O colombiano, que voltará para a Indy em 2014 pela Penske, completa hoje 38 anos.

Foto 254: Mclarens

Um gif muito legal com alguns Mclarens que ajudaram a construir a história da fábrica de Bruce Mclaren. A arte é do pessoal da Art Of The Automobile.

Foto 253: Silverstone, 1991

Nigel Mansell e sua Williams FW14 em Silverstone, durante o final de semana do GP da Grã-Bretanha. Os temores de Ayrton Senna estavam se confirmando e a FW14, sob os comandos do "Il Leone" e Ricardo Patrese, já havia ganho no México (com Patrese) e na França (com Mansell).
O inglês venceu o GP bretão conquistando um Hat-Trick e foi por seguido por Berger, Prost e Senna. 

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Foto 252: Catalunya

Não sei de que ano é a foto, mas é o que menos importa perante a beleza do instantâneo registrada no circuito da Catalunya. Uma jóia.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Indycar: O retorno de Montoya

"Estou realmente excitado por me juntar a esta lendária equipa a partir da próxima temporada", começou por dizer o piloto colombiano. Tive a oportunidade de guiar com algumas das melhores equipas do mundo e sempre admirei Roger Penske pela sua organização. Considero uma honra que que me foi oferecida uma oportunidade de guiar para eles"
Estas foram as palavras de Juan Pablo Montoya, divulgadas no site da Penske hoje a tarde. O piloto colombiano de 38 anos se juntará a Helio Castroneves e Will Power na equipe do senhor Roger Penske, que alinhará, assim, três carros para a próxima temporada.
Roger Penske também falou sobre o novo contratado: "Juan é um vencedor mais do que provado em todos os niveis desportivos. Venceu uma série de corridas e campeonatos e tem uma multidão de fãs apaixonados atrás de si. Estamos ansiosos por construir uma relação de sucesso e acreditamos que vai ser uma mais valia para a Penske".
Montoya retornará a um território onde mostrou do que foi capaz no biênio 99/2000, quando esteve a serviço da Chip Ganassi. Venceu o campeonato de 1999 da extinta CART e ganhou com sobras as 500 Milhas de Indianápolis pela mesma equipe em 2000, sem contar as inúmeras vitórias e duelos que fez a sua fama de "Win or Wall"ganhar força e mais a sua coragem extrema. Como não se lembrar das voltas finais em Michigan quando ele e Michael Andretti praticamente tocaram rodas a todo percurso, em 1999?
A verdade é que este acaba sendo um grande reforço para a Penske e também para a IRL, que anda mal das pernas. Montoya ainda tem aquela gana que o fez conquistar fãs pelo mundo, mas andou adormecido neste seu período da NASCAR. As suas atuações na Grand-Am, onde conquistou por três vezes as 24 Horas de Daytona (2007, 2008 e 2013) comprovam isto.
Conseguindo perder os quilinhos a mais que conquistou com os churrascos, milk shakes e big macs da vida, certamente será uma das estrelas do campeonato do ano que vem e incomodará o sossego de Helinho e Power a todo momento.
E quem sabe, caso vire a realidade da Penske retornar ao Endurance via a Porsche, o colombiano não de o ar da graça por lá também... 

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

F1: O confronto da velha geração



Kimi Raikkonen e Fernando Alonso. Fernando Alonso e Kimi Raikkonen. Não importa a ordem dos nomes, mas hoje estes dois senhores, que já estão na casa dos 30 anos, são dois superstars da Fórmula-1. Enquanto que Fernando acumula dois mundiais e uma série de polêmicas em seu cartel, Kimi tem no seu currículo um mundial, algumas aventuras pelo mundo do motorsport após a sua retirada em 2009 e frases e atitudes com o seu modo peculiar de “não estar nem aí” que angariou fãs pelos cantos que a categoria passou. Dois modos de vida bem diferentes que estarão frente a frente na próxima temporada a serviço da Ferrari, e que podem muito bem formar a melhor dupla da categoria ou até mesmo a mais explosiva, em todos os sentidos.
A presença de Raikkonen na Ferrari para a próxima temporada acaba sendo uma resposta forte de Montezemolo a rebeldia de Fernando Alonso, que tem batido de frente constantemente com a parte técnica da Ferrari nas últimas corridas devido ao baixo desempenho do carro vermelho. Talvez Luca pudesse ter fechado com Hulkenberg – que não teria sido de todo mal -, mas a vinda de alguém do mesmo naipe de Fernando e que conhece bem aquele ambiente explosivo da Ferrari – apesar de ser totalmente oposto da natureza de Raikkonen – elevará o nível de performance da equipe. Mas para isso os dois precisarão de um bom carro, que possa atender a todas as necessidades dos dois ótimos pilotos que a casa de Maranello terá a sua disposição em 2014. E ainda com a vinda de James Allison e, talvez, da presença de Rory Byrne, que comandarão as pranchetas, a equipe pode ter um revival dos tempos da “Era Schumacher”.
Mas, e o duelo entre os pilotos? Como será? Apesar dos comandantes da Ferrari não pensarem nisso – na verdade já estão evitando imaginar esse confronto, diga-se – acredito que será algo bem parelho. Não imagino que nem Alonso e Raikkonen terão desempenhos tão acima um do outro. É claro que em uma situação e outra, ambos conseguirão suplantar o desempenho do outro, mas isso acontecerá de forma esporádica. Fernando pode muito bem dar uma sova em Raikkonen em Barcelona e depois o finlandês devolver em dobro quando os dois estiverem em Spa, ou até mesmo um final de semana muito parelho em Suzuka, por exemplo. São apenas suposições, mas a minha principal impressão é que Raikkonen seja mais veloz que Alonso nas classificações e que Fernando consiga igualar as forças durante as corridas. Apesar de rápido, as qualificações de Alonso nunca me chamaram a atenção, ao contrário das corridas, onde a sua performance sempre foi notável principalmente quando esteve em situações critícas. Já Kimi sempre foi formidável nas classificações, principalmente nos seus tempos de McLaren onde ele extraía o máximo dos carros. Coulthard, Montoya e De La Rosa sabem contar muito bem como eram aquelas voltas canhão de Raikkonen durante a sua estadia na McLaren. Nas corridas não há nada do que reclamar da sua velocidade que até hoje, mesmo tendo ficado de fora da F1 por duas temporadas, continuou intacta. Apenas nas classificações é que percebi uma pequena queda no seu rendimento, tanto que possibilitou Grosjean largar à sua frente em algumas etapas. No entanto, nas corridas, Kimi superou o francês até com certa facilidade. E olha que Romain é rápido... porém atrapalhado. Vendo dessa forma, o duelo entre os dois pode ser bem acirrado sem que a balança penda para um dos lados.   
E a Ferrari, estaria preparada para uma batalha nos moldes Senna-Prost? Não está, mas por outro lado só acontecerá um embate deste molde se as coisas fugirem totalmente do seu controle. E outra: Fernando Alonso conhece bem Kimi Raikkonen, até mais que nós pensamos. Os dois já se enfrentaram nos tempos do Kart, quando Alonso ficou em terceiro no Mundial da categoria disputado em 1995 e Kimi se saiu como campeão. E exatos dez anos depois, eles se enfrentariam pela disputa pelo mundial de F1, que acabou ficando com o espanhol. Além de se conhecerem bem, existe um respeito recíproco por ambas as partes, exatamente por esta convivência e duelos anteriores. Fernando tem a personalidade forte e vibrante, como a de qualquer outro latino, enquanto que Raikkonen prefere ficar fora de qualquer discussão ou polêmica, mas quando está na pista é tão lutador e bravo quanto o espanhol. Serão bons duelos.
A verdade é que este duo estará pronto para desafiar a Red Bull e Mercedes na nova era que a F1 iniciará a partir de 2014, com a adoção dos motores Turbo. Todo o terreno que a Ferrari perdeu nestes anos e que foram de total domínio da Red Bull e Sebastian Vettel, será trabalhado arduamente com a presença destes dois pilotos e mais a equipe técnica que está se reforçando com presença de James Allison e agora da recente contratação de Dirk de Beer, que era chefe de aerodinâmica da Lotus.
A “Rossa” deu um passo importante, enfim, para poder encarar o poderio da Red Bull ano que vem. E não serão mais aceites as desculpas de que o carro não está lá grande coisa.
Alonso e Kimi, Kimi e Alonso... não importa: a Ferrari está muito bem servida para 2014.

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Crash: Fórmula Renault Argentina e Ferrari Challenge

E as coisas estiveram animadas na Fórmula Renault Argentina, que realizou a sua oitava etapa nas apertadas ruas de Santa Fé no último dia 1 de setembro. E após uma relargada, onze carros se envolveram num acidente que fechou a passagem obrigando a interrupção da prova. Por questões de segurança, os comissários acabaram por encerrar a corrida.
Já no Ferrari Challenge Coppa Shell, disputado em Hockenheim domingo passado, a largada foi agitada com um acidente que envolveu seis carros. Um acidente digno de Porsche Cup.
Com relação aos pilotos, nada de grave com os envolvidos.



quinta-feira, 5 de setembro de 2013

WEC: Um pouco sobre a segunda edição das 6 Horas de São Paulo


A largada das 6 Horas de São Paulo
(Foto: Paulo Abreu/ Volta Rápida)

Pela segunda vez estive presente no fim de semana do WEC em Interlagos, a primeira para acompanhar a corrida “in loco”, já que ano passado fui somente ao treino classificatório e a corrida acompanhei via streaming. Foi um ótimo evento.
Começando pela corrida, havia uma ansiosa espera por um duelo entre a Toyota e a Audi no solo paulistano, mas eu via essa possibilidade com algum ceticismo devido ao desempenho dos carros nipônicos nas três corridas anteriores: mesmo com um TS030 revisado, a fábrica japonesa não havia conseguido fazer frente aos alemães em Spa, Silverstone e Le Mans. O carro até que conseguiu importunar a Audi em Spa e Silverstone, mas foi por pouco tempo. As quebras nestas duas corridas e mais a surra que foi levada em Sarthe, deixou dúvidas de como as coisas seriam em Interlagos pista na qual eles derrotaram a Audi em 2012 conquistando uma bela vitória naquela ocasião e deixando a fábrica de Ingolstadt em alerta com a sua performance, principalmente quando repetiu o feito em Xangai e Fuji. Mas passado um ano daquela vitória, a Toyota não esteve em grande forma em São Paulo vindo a conquistar, apenas, um breve domínio no primeiro treino livre de sexta-feira. A Audi, com os seus dois e-trons, dominaram todas as ações desde a segunda prática até a bandeirada final. Nos 35 minutos em que esteve na pista, o Toyota estava em terceiro e via a sua diferença aumentar consideravelmente para os dois Audis, mas aposta dos japoneses repousava estritamente nas paradas de boxes que, segundo eles, deveria ser uma a menos que o dos Audis. Portanto era de se esperar uma briga boa no final da corrida se isso tivesse acontecido e se eles conseguissem manter uma distância aceitável para os carros alemães. Infelizmente as ambições nipônicas caíram por terra quando Stéphane Sarrazin foi dobrar o Lotus T128 #32 de Dominik Kraihamer e este, na tentativa de corrigir uma saída de traseira do carro, como ele disse após a prova, acabou acertando o Toyota na curva do Sol e indo de encontro nas barreiras de pneus. Apesar do esforço de Sarrazin em levar o carro de volta para os boxes, a frente ficou muito danificada e a corrida para Toyota terminou ali de forma prematura com um pouco mais de 35 minutos de corrida realizada. Um balde de água gelada em todos (o que não seria nada mal, devido ao forte calor que fez domingo) que acreditavam num possível duelo pela vitória na LMP1.
Com a ameaça mais forte de fora pela briga da vitória na LMP1, restou para a Audi fazer o seu passeio dominical na pista paulistana e nem mesmo um susto com a roda solta do #2 de Loïc Duval, que levou este preso no seu carro até os boxes, interferiu na dobradinha da casa das quatro argolas. Marcel Fässler/Andre Lotterer/Bénoit Tréluyer levaram o #1 à vitória após seis horas de corrida e 235 voltas, três a mais que o trio Allan McNish/Tom Kristensen/Loïc Duval. O abandono da Toyota acabou ajudando a Rebellion Racing, que pôde levar o seu Lola Toyota para a terceira posição com o trio Nicolas Prost/Mathias Beche/Nick Heidfeld.
Na LMP2 a G-Drive Racing, com o seu Oreca Nissan #26, venceu na categoria com um belo desempenho do trio formado por Roman Rusinov/Mike Conway/John Martin que colocaram uma volta sobre o segundo e terceiro colocados (#35 Bertrand Baguette/Martin Plowman/Ricardo Gonzalez e #49 Nicolas Minassian/Pierre Kaffer/Luis Perez-Companc).
Na LMGTE-PRO duelo dos bons entre a Ferrari da AF Corse #51 de Giancarlo Fisichella/ Gianmaria Bruni contra o Aston Martin #97 de Stefan Mücke/Darren Turner durante todo o certame da prova, com as duplas terminando com uma pífia vantagem de 1.4 segundos. A terceira colocação nessa classe pertenceu ao Porsche 911 #91 do Team Manthey, pilotado por Jörg Bergmeister/Patrick Pilet. Já na LMGTE-AM vitória ficou com o Aston Martin #96 de Stuart Hall/Jamie Campbell-Walter, após estes terem herdado a vitória que já era certa do trio da Aston Martin #95 Nicki Thiim/Christoffer Nygaard/Kristian Poulsen, que tiveram um pneu solto quando estavam próximos da curva do Café e isso acabou forçando o abandono. O pódio dessa classe foi completado por Rui Águas/Enzo Potolicchio/Davide Rigon com a Ferrari #81 da 8Star Motorsports e por  Paolo Ruberti/Gianluca Roda/Christian Ried com o Porsche 911 #76.
Para os pilotos brasileiros, a tarde não foi das melhores: Bruno Senna vinha bem até se envolver num incidente que danificou a suspensão do seu Aston Martin #99 na segunda hora de prova, forçando o seu abandono. Fernando Rees, que comando o Corvete #50 ao lado de Julien Canal e Patrick Bornhauser, enfrentou problemas mecânicos que custou ao trio a perda de 11 voltas parado nos boxes. Eles voltaram para corrida, concluindo-a na sexta posição da classe, 19º no geral.
O único susto nessa corrida ficou por conta do fogo no Ferrari #71 de Kamui Kobayashi/ Toni Vilander, exatamente quando o finlandês estava ao volante. O fogo começou na parte traseira do carro ainda no miolo do circuito, e o piloto só encostou a Ferrari já na subida para a curva do Café. A traseira do carro ficou bem destruída.
A próxima etapa do WEC acontecerá em Austin, nos dias 20, 21 e 22 de setembro.
 
O Audi e-tron quattro de Marcel Fässler/Andre Lotterer/Bénoit Tréluyer, que venceu o duelo contra o seu
"irmão gêmeo" pilotado por

Allan McNish/Tom Kristensen/Loïc Duval na LMP1(Foto: Paulo Abreu/ Volta Rápida)

O Oreca Nissan da G-Drive, pilotado por Roman Rusinov/Mike Conway/John Martin, vencedores na LMP2(Foto: Paulo Abreu/ Volta Rápida)

O Ferrari da AF Corse, conduzido por Giancarlo Fisichella/ Gianmaria Bruni, venceram na LMGTE-PRO após
um belo duelo contra o Aston Martin de Stefan Mücke/ Darren Turner
(Foto: Paulo Abreu/ Volta Rápida)

E na LMGTE-AM, a vitória escapou de um Aston, mas caiu no colo de outro: Stuart Hall/Jamie Campbell-Walter herdaram a vitória do trio
Nicki Thiim/Christoffer Nygaard/Kristian Poulsen(Foto: Paulo Abreu/ Volta Rápida)
 


O evento

Ano passado estive presente apenas na sexta-feira para acompanhar os treinos – livre e classificatório - a corrida acompanhei via internet. Mas visível a melhora do evento: ano passado apenas a roda-gigante era a grande atração para a molecada (e porque não dizer, dos adultos também) e algumas lojas (poucas, por sinal) estavam instaladas para a venda de souvenires. Este ano todo o estacionamento, que fica no antigo trecho da curva do sol, foi tomado por lojinhas, barracas de alimentação, um parque de diversão com mais brinquedos do que ano passado, tendas com simuladores, autorama, um telão para acompanhar a prova... este ano a coisa estava mais completa e pôde deixar o público entretido, afinal não é todo mundo que aguenta ficar vendo seis horas de corrida direto. A não ser que você seja um doente por corridas, assim como este que vos escreve...
A criançada, além do parque, simuladores e do cineminha da Disney, tiveram uma aula de trânsito numa “pista” improvisada na parte de cima de onde havia uma exposição de carros antigos. Nesta exposição, alguns carros que fizeram história do automobilismo nacional e mundial, com destaque para o Kharman Ghia que pertenceu a José Carlos Pace e Wilson Fittipaldi; o Opala que foi campeão da Stock Car de 1983, com Paulo Gomes ao volante e outro Opala, que foi conduzido por Wilson Fittipaldi nos anos 90. E claro, a presença do Penske com o qual Emerson Fittipaldi venceu a Indy 500 de 1993, mais o Pace Car da prova de 1989, que o “Rato” também venceu. Só achei que esta exposição ficou mais “largada” que a do ano passado.
Bom, por outro lado, o mais legal de tudo é facilidade com que você tem para se locomover pelas dependências do autódromo, principalmente por causa dos eventos extra que ela proporcionou ao espectadores. Sim, eu aproveitei bastante essa facilidade em andar de um local para o outro sem ter aquela preocupação em ser barrado. Rendeu boas fotos essa andança por Interlagos, principalmente no domingo.

A visitação dos boxes durou 50 minutos. Foi bem aproveitável, mas no box da Aston Martin a muvuca era maior, só
comparável ao da Audi e Toyota. Pra tirar essa foto de Bruno Senna e Rob Bell, tive arranjar um canto rapidamente, caso
contrário, não teria conseguido.
(Foto: Paulo Abreu/ Volta Rápida)

O homem que comanda a poderosa Audi: Dr. Wolfgang Ulrich esteve pela primeira vez em solo paulistano e pôde
comandar mais uma conquista dos "Auto Unions"
(Foto: Paulo Abreu/ Volta Rápida)


Allan McNisch, Loïc Duval e o senhor Le Mans, Tom Kristensen, durante os autográfos. Ao fundo, a estrela maior
esperando o momento de entrar na pista de Interlagos
(Foto: Paulo Abreu/ Volta Rápida)

O Corvete de Fernando Rees e de seus parceiros Julien Canal e Patrick Bornhauser, enfrentaram problemas com o
motor, que passou a trabalhar com apenas 6 cilindros devido falhas com as velas. Mas enquanto esteve firme, o "Trovão" V8 gritou forte
(Foto: Paulo Abreu/ Volta Rápida)

O solitário Toyota TS030 foi entregue para Stéphane Sarrazin, Sebastien Buemi e Anthony Davidson. Infelizmente estes
dois últimos não tiveram o gosto de pilotar o carro durante a corrida, devido o enrosco de Sarrazin com a Lotus de Dominik Kraihamer antes dos 40 minutos de prova. Desaire para a equipe vencedora em 2012
(Foto: Paulo Abreu/ Volta Rápida)

O Copersucar FD04 com o qual Emerson Fittipaldi disputou o mundial de 1977 da Fórmula-1. Olhando bem o carro, vi o quanto que as dimensões deste bólido dos anos 70 era menor do que os atuais e a sua fragilidade. Mas em questão de beleza, dá um banho nos F1 de hoje
(Foto: Paulo Abreu/ Volta Rápida)

O Morgan Nissan da OAK Racing, o "Art Car" como foi apelidado. Um dos mais belos layouts da competição automobilística da atualidade...
(Foto: Paulo Abreu/ Volta Rápida)

...e Emerson Fittipaldi não resistiu e deu algumas voltas com ele em Interlagos
(Foto: Fernando Lima)
No meio de tantas fotos "repetidas", devido ao ângulo em que elas foram feitas, fiz uma arte no Audi #2 no finzinho da tarde de domingo
(Foto: Paulo Abreu/ Volta Rápida)

O Lola Toyota da Rebellion Racing foi preferido da galera, pelo jeito. E as cores em preto, dourado e vermelho, casaram bem. A foto foi feita minutos antes da bandeirada quadriculada. Gostei do resultado
(Foto: Paulo Abreu/ Volta Rápida)

Bom, até que a foto ficou decente,  já que eu estava longe. Foi um belo fim de semana em Interlagos, enfim. Agora é esperar por 2014
(Foto: Paulo Abreu/ Volta Rápida)