quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Vídeo: Uma volta na velha Laguna Seca

Chip Robinson e o seu Jaguar XR-7 numa volta no circuito de Laguna Seca em 1985, três anos antes das modificações no traçado da pista californiana.
Pode-se ver que era um circuito de alta velocidade e curto, tendo 3.04 Km de extensão. Em 1988, para atender as exigências de segurança por parte da FIM (Federação Internacional de Motociclismo) e a FIA, o circuito foi remodelado com a adição um novo trecho logo após a reta dos boxes.
Ao que parece a F1 deveria ter corrido lá em 1989, mas optaram pelo circuito citadino de Phoenix. A alegação é que a pista era muito curta.
Coisas do Tio Bernie.
Abaixo a volta de Chip Robinson:

Foto 251: Voltando pra casa

Nos dias de hoje você avistar um carro de corrida em meio ao trânsito, ou alguma rodovia, pode saber que é algum evento promocional da categoria, mas em outras épocas, as mais românticas, isso era tão normal quanto beber um copo d'água. E isso acontecia principalmente quando os percursos de uma pista para outra eram curtos.
Nessa foto, uma Ferrari (801 ou Dino 246? Ou outra máquina?) sendo conduzida numa rodovia da Europa - creio eu.
Outros tempos.

Foto 250: Titânio


O bater do titânio no asfalto e as belas cenas dos Fórmula-1 soltando uma "chuva" de fagulhas nos traçados cheios de imperfeições. A prancha de madeira liquidou com esse espetáculo em 1994.
Nos Gifs, Michele Alboreto e sua Ferrari em algum momento de 1988.

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Pole Lap: Kimi Raikkonen, Monza 2006

Final de treino vertiginoso aquele para o GP da Itália de 2006, com Michael Schumacher cravando uma volta com a marca de 1'21''486 contra 1'21''621 de Kimi Raikkonen. Até parecia que o alemão já estava com pole garantida e em meio a festa da torcida italiana naquela tarde, Raikkonen respondeu com estilo bateu a marca de Schumi em dois milésimos. Mas ainda faltava Alonso, que já vinha penando com a falta de ritmo do Renault, que saltou de nono para quinto na sua última tentativa.
A pole era do sensacional finlandês.

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Foto 249: Cartaz

O cartaz para a prova de Nurburgring, em 1934, certamente feita em tinta à óleo. Os cartazes eram tão belos e chamativos, que instigavam o público a comparecer nos eventos.
Uma prova de que até esta arte, como disse em um post anterior, foi suplantada pela tecnologia. Uma pena.

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Foto 248: Nurburgring, 1984


(Foto: Motorsport Golden Age/ Facebook)
A prova inaugural do novo traçado de Nurburgring, que na época era o mais moderno da Europa. Como todos sabem - estão cansados, diria - a prova foi realizada pela Mercedes que entregou aos pilotos participantes o modelo 190. Aliás, só top drivers naquela ocasião: Niki Lauda, Jody Scheckter, Phil Hill, Klaus Ludwig, John Surtees, Alain Prost e outros e mais um tal de Ayrton Senna... que acabou por dominar amplamente aquela corrida.
Na foto que encabeça o post Senna perseguindo Lauda em um dos estágios da corrida e abaixo o resultado final da prova, com o brasileiro chegando quase dois segundos na frente do austríaco. 

GP da Bélgica - Corrida - 11ª Etapa

A 31ª da carreira: Vettel se iguala a Nigel Mansell com a vitória de ontem em Spa
(Foto: Getty Images)


A declaração de Sebastian Vettel ao final da corrida em Spa, apenas mostra o quanto que as coisas beiraram a perfeição para ele e a Red Bull na pista belga. Ao dizer que "quando o carro começou a ficar mais leve, eu também fiquei mais contente com o desempenho com os pneus médios e era um prazer pilotar. Aí eu não pensei no campeonato ou nos pontos" comprova que o RB9 atingiu, ou está atingindo, um nível de performance acima do que foi mostrado até aqui. Os problemas de alto desgaste do pneus foi resolvido - e isso foi antes da mudança feita pela Pirelli em Hungaroring - e agora Sebastian e, invariavelmente Webber, podem usar a carga total do desempenho do carro que segundo Horner e Marko, estava sendo tollhido pelos pneus. E isso já pôde ser visto na vitória conquistada por Vettel em Montreal, num desempenho bem parecido com que foi apresentado neste domingo.
Sebastian definiu a vitória com a ultrapassagem sobre Hamilton na Kemmel, sem dar nenhuma chnace de reação ao piloto inglês e daí em diante a traseira do Red Bull #1 foi desaparecendo do campo de visão de Lewis, que precisou se preocupar com o avanço de um surpreendente Fernando Alonso que partiu da nona colocação e virou a La Source em quinto. O espanhol escalou as primeiras posições até estagnar na segunda colocação e até procurou tirar alguma vantagem de Vettel, que em voltas seguintes tinha a resposta em forma de melhor volta contra a possível reação de Alonso. O Ferrari, tão criticado por ele, especialmente na Hungria, esteve numa jornada em Spa, mas não tinha fôlego para alcançar Sebastian, que controlava a corrida com a precisão de um Clark. A segunda posição acabou sendo lucrativa após uma classificação desastrada pelos lados da "Rossa".
A prova não teve grandes novidades na dianteira, com os ponteiros conseguindo uma diferença confortável entre si o que minava a chances de duelos. A tão aclamada chuva não veio e corrida, pelo menos neste setor, foi modorrenta. Mas as câmeras mostraram bons duelos no meio do pelotão, como as disputas entre Grosjean x Perez (que resultou na punição ao piloto mexicano por ter espremido o francês na Le Combes) as ultrapassagens na entrada da Eau Rouge por conta de Sutil e um breve duelo entre Hamilton e Grosjean, quando o inglês voltava de seu pit-stop que durou duas voltas. Pastor Maldonado voltou aos seus velhos tempos, ao ocasionar um acidente que envolveu as duas Force India na última chicane do circuito. Pior para Di Resta que teve que abandonar. Mais tarde Pastor pagaria um Stop & Go por causa deste entrevero. A tarde também não foi boa para Kimi Raikkonen, que se viu fora da zona de pontos pela primeira vez desde o GP da Alemanha de 2009. Os freios do Lotus apresentaram problemas ainda no início da prova, mas Kimi ainda se sustentou até a 26ª volta quando abandonou.
Apesar de não ter sido aquela corrida clássica, com a qual estamos acostumados a assistir naquela pista com disputas e o tempo mudando a cada volta, ao menos serviu para mostrar que Vettel já começa a se aproximar fortemente do seu tetracampeonato. Ainda temos oito corridas pela frente e claro, muita coisa pode acontecer neste período, como um possível crescimento da Mercedes ou Ferrari que poderia dificultar as coisas para o time rubro taurino. Mas os 46 pontos de vantagem que Sebastian tem sobre Alonso (197x151) e mais a forma que foi comprovada no GP belga, só abre a discussão em que prova Vettel embolsará o seu quarto título mundial. 
E para os demais, é bom começar a pensar em 2014. 


Resultado Final 
Grande Prêmio da Bélgica
Circuito de Spa-Francorchamps - 44 Voltas 
25/08/2013 - 11ª Etapa


1) Sebastian Vettel (ALE/Red Bull), 44 voltas em 1h23m42s196
2) Fernando Alonso (ESP/Ferrari) + 16s869
3) Lewis Hamilton (ING/Mercedes) + 27s734
4) Nico Rosberg (ALE/Mercedes) + 29s872
5) Mark Webber (AUS/Red Bull) + 33s845
6) Jenson Button (ING/McLaren) + 40s794
7) Felipe Massa (BRA/Ferrari) + 53s922
8) Romain Grosjean (FRA/Lotus) + 55s846
9) Adrian Sutil (ALE/Force India) + 1m09s541
10) Daniel Ricciardo (AUS/Toro Rosso) + 1m13s470
11) Sergio Pérez (MEX/McLaren) + 1m21s936
12) Jean-Eric Vergne (FRA/Toro Rosso) + 1m26s740
13) Nico Hulkenberg (ALE/Sauber) + 1m28s258
14) Esteban Gutiérrez (MEX/Sauber) + 1m40s436
15) Valtteri Bottas (FIN/Williams) + 1m47s456
16) Giedo van der Garde (HOL/Caterham) + 1 volta
17) Pastor Maldonado (VEN/Williams) + 1 volta
18) Jules Bianchi (FRA/Marussia) + 1 volta
19) Max Chilton (ING/Marussia) + 2 voltas


Não completaram a prova:

20) Paul di Resta (ESC/Force India) - a 18 voltas
21) Kimi Raikkonen (FIN/Lotus) - a 19 voltas
22) Charles Pic (FRA/Caterham) - a 36 voltas

Melhor Volta:  Sebastian Vettel (ALE/Red Bull) - 1'50''756 (40ª volta)

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Vídeo: GP da Bélgica, 1955

Um belo vídeo sobre o GP da Bélgica de 1955, mostrando todas as movimentações desde a montagem da pista, treinos, o paddock e a prova, que foi dominada pela Mercedes com Fangio em primeiro e Moss em segundo.
Outros tempos.

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Foto 247: Arena

A placa na parte interna da La Source mostrando as corridas que foram e seriam realizadas em Spa-Francorchamps no ano de 1988. Só coisa fina num dos mais belos e agradáveis lugares para o esporte a motor.
Na foto, Ayrton Senna a caminho de mais um vitória naquela temporada.

Foto 246: 917

(Foto: Porsche 917 The Legend/ Facebook)
Layouts, cores, formas, chassis recuperados e tantas outras variações. Talvez haja alguma controvérsia em volta de quantos carros foram feitos - ou recuperados nesse período -, mas o legal de tudo é que este pôster é interessante: os Porsche 917, uma das grandes jóias da casa de Weissach e da história do esporte a motor do último século, e as suas mutações nos quatro anos em que esteve competindo entre Mundial de Marcas e Can-Am (1969-1973).

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Foto 245: Lugar preferido

"Eu aposto que todo piloto gosta de Spa. Para mim é o maior circuito de corridas do mundo. É o meu lugar favorito."
Pode acreditar, Kimi. Não é só você que gosta deste lugar.

Arte: O pôster do GP da Bélgica

Este não é o pôster oficial do GP da Bélgica deste ano, mas bem que podia ser. A arte foi feita pelo mexicano César Galindo em homenagem a Sergio Perez, onde ele reproduz o "Checo" com a sua Mclaren Mercedes mergulhando para iniciar a subida da Eau Rouge.
O mais legal é que Galindo resgatou um pouco do que eram os pôsteres de antigamente, feitos a mão. Infelizmente a computação gráfica praticamente "matou" essa arte.
Um pouco do trabalho de César Galindo pode ser visto no seu site Speed Art.

terça-feira, 20 de agosto de 2013

F1 Battles: As ultrapassagens na Eau Rouge

Ontem eu postei quatro Gifs que mostram as ultrapassagens de Webber sobre Alonso (2011) e de Raikkonen sobre Schumacher (2012), logo na entrada para a subida da Eau Rouge. Foram belas, mas não as únicas, claro. E aqui fica alguns vídeos do pessoal a executar essas manobras que são de cortar o fôlego naquele local.

Alonso vs Hamilton, em 2007: Deixou Ron Dennis sem mais alguns fios de cabelo naquela ocasião. Sem contar o gelo que deu na espinha.
Kimi vs Michael Schumacher, 2004: Detalhe dessa corrida é que a Globo não passou ao vivo, deixando para transmitir um VT completo logo após a final do Vôlei Masculino nas Olímpiadas de Atenas. Foi uma das melhores corridas daquela década. Foi a única vitória da Raikkonen naquele ano e última vez que teve quatro pilotos brasileiros na pista - Barrichello (Ferrari); Massa (Sauber); Zonta (Toyota) e Pizzonia (Williams). Ralf Schumacher vs Jenson Button, 2000: Jenson ainda era um novato naqueles tempos, mas não intimidou-se em colocar a Williams na terceira posição do grid do GP belga de 2000. Mas Ralf Schumacher não quis saber e pôs o jovem inglês no seu devido lugar. Felipe Massa vs Juan Pablo Montoya, 2004: Felipe Massa, nos seus tempos áureos, onde tirava o que podia da sua Sauber - passando um pouco do limite, às vezes -, aproveitou a saída de boxa de Montoya para lhe aplicar uma bela ultrapassagem na subida da "Água Vermelha". O colombiano teve que tirar o pé. Jacques Villeneuve, 2005: Ok não é uma ultrapassagem, mas só a correção de Jacques Villeneuve no meio da Eau Rouge já é digno de aplausos. E vale lembrar que o seu BAR, em 1999, escapou exatamente naquele ponto indo estampar na barreira de pneus do outro lado, já no topo da curva. Mais tarde Ricardo Zonta resolveu imitá-lo.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Arte: Eau Rouge

Em 2011, um passão de Webber sobre Alonso que arrancou aplausos da maioria em Spa. O local da manobra? Na temida e excitante Eau Rouge. Para quem viu na hora, ou depois, classificou aquilo como único e que talvez não se repetisse tão cedo, afinal o cara para fazer aquela manobra precisa de ser muito macho... e o cara que leva a ultrapassagem, precisa apenas de um pouco de juízo. Só isso.
Mas Kimi Raikkoenen, o "Rei de Spa" nos últimos anos, mostrou que não precisávamos de muito tempo para ver outra manobra parecida e sobre o outro rei de outrora do circuito belga, um tal de Michael Schumacher, Kimi foi preciso no bote ao fazer uma manobra parecida com a de Webber para avançar uma posição durante o GP de 2012.



sábado, 17 de agosto de 2013

Crash: Volkswagen Scirocco R-Cup, Nurburgring

E na prova nº1, disputada hoje em Nurburgring, válida pela 4ª etapa do Volkswagen Scirocco R-Cup, um acidente na freada para a chicane "Veedol" por muito pouco não causou sérias consequências para o piloto e comissários que trabalhavam no local.
Lukas Schreier, com o Scirocco preto #8, parece ter calculado mal a distância para o outro competidor e acabou fechando o espaço quando retomava para fazer a tangência para a entrada da chicane e acabou sendo tocado na traseira. Com isso o seu carro saiu para a direita e capotou antes de bater forte no guard-rail - pode-se ver alguns comissários correndo ao fundo. Apesar de sair atordoado, Lukas foi levado para o hospital militar de Koblenz e ficará de fora da corrida 2, que será realizada amanhã. A corrida, que tinha um total de 14 voltas, teve a entrada do safety car na 10ª volta e encerrada na 11ª. A vitória foi do sul-africano Kelvin van der Linde, que também é líder do campeonato na classe Pro.
Outra atração deste campeonato da Scirocco R-Cup é a presença de ex-pilotos que são convidados a integrar a classe Legends. Nessas provas de Nurburgring, pilotos como Emanuele Pirro, Christian Danner (ex-F1 e DTM), Markku Alèn e Juha Kankkunen (ex-WRC Grupo B) são alguns dos ilustres senhores nesse camepeonato à parte no Scirocco R-Cup.
Para quem se interessar, corrida 2 será realizada amanhã às 15:20 horário local (10:20 horário de Brasília) e terá streaming pelo site da Volkswagen Motorsport.

Foto 244: Piquet, 61 anos

Nelson Piquet deixando um rastro de fagulhas com a sua Williams FW11B durante o fim de semana do GP da Áustria de 1987, prova qual ele largou da pole e fechou em segundo com a vitória ficando para Nigel Mansell.
Hoje o tri-campeão completa 61 anos.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Foto 243: Cortando Grama

E antes que vencesse a primeira corrida de 12 Horas com Cortadores de Grama, junto com Derek Bell em 1978, Stirling Moss já havia experimentado o brinquedo em 1975
Não sei se alguém pela web já viu alguma foto ou publicou algum artigo sobre, mas eu vi esta foto de Stirling Moss  correndo com um cortador de grama e fui procurar saber do que se tratava. É uma corrida de cortadores de grama que teve início em 1973 na cidade inglesa de Wisbourough Green,  perto de West Sussex. A idéia partiu de alguns caras que estavam aborrecidos pelo alto custo que era entrar para o mundo das corridas e sendo assim, partiram para as corridas com cortadores de grama e criaram associações como a Bristish Lawn Mower Racing Association e mais tarde foi feita, chamada de North West Lawn Mower Racing Association.
Mas antes que os ingleses se enveredassem nesse tipo de competição, os americanos já estavam na "vanguarda" dessas provas em 1963 quando corridas com os cortadores já eram realizadas na cidade de Twelve Miles, em Indiana. Nos anos 70 este tipo de prova atingiu status de "Grand Prix", mas apenas em 1996 é que passou a ter  duas categorias destinadas a motores de quatros tempos - para os cortadores da marca Briggs - e para cortadores modificados. A corrida "Twelve Miles 500" é realizada no Dia da Independência e a prova consiste em 60 voltas em uma pista de quarto de milha, em Plank Hill Park. São 33 pilotos na corrida e para classificar-se para esta, o piloto tem que atingir em torno de 30 MPH (48KM/H). A única mudança nesses cortadores, é a remoção da lâminas.
Além desses locais, existem provas na Carolina do Norte (EUA) e na Austrália. Abaixo um vídeo de uma prova de 12 Horas de Wisbourough disputada em 2009, tendo o ex-piloto Derek Bell que deu a largada para essa corrida. O interessante é que o inglês, cinco vezes vencedor das 24 Horas de Le Mans e de três edições das 24 Horas de Daytona, participou dessa prova de 12 Horas em 1978... e a venceu, junto de um tal de Stirling Moss.

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Foto 242: 1000 Km de Vallelunga, 1973

A linha de frente para os 1000 Km de Vallelunga, segunda etapa do Mundial de Marcas de 1973. Na pole a Matra MS670B #4 de François Cevert/ Jean Pierre Beltoise, com a Ferrari 312PB #1 de Jacky Ickx/ Brian Redman em segundo; em terceiro a outra Matra MS670B #5 do trio Henri Pescarolo/ Gérard Larousse/ François Cevert e em quarto a outra Ferrari 312PB #2 de José Carlos Pace/ Arturo Merzario. Ao fundo, saindo da quinta colocação, a outra Ferrari 312PB #3 de Tim Schenken/ Carlos Reuteman que dividiu a terceira fila com o Mirage M6 #6 Ford de Derek Bell/ Howden Ganley, que já se encontrava atrás da Ferrari de Pace/ Merzario.
Apesar da forte oposição dos Ferraris, a Matra acabou levando a prova com o carro #5 de Pescarolo/ Larousse/ Cevert. A outra Matra saiu da corrida com problemas no motor na volta 155. Em segundo ficou a Ferrari Schenken/ Reuteman, seguido por Ickx/ Redman e Pace/ Merzario.

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Foto 241: Apenas uma visão

Por um bom tempo essa foi a visão que a Ferrari - com o seus belos 512S - teve dos carros da Porsche - com o lendários 917 - durante as primeiras temporadas dos anos 70 do Mundial de Marcas.
E alguém fez questão de lembrar disso.

Foto 240: Auto Avio

Devido a questões legais com o pessoal da Alfa Romeo, com quem Enzo Ferrari teve uma parceria por vários anos no esporte a motor italiano como equipe semi-oficial, o "Commendatore" não pôde usar o seu nome e nenhum carro até depois da Segunda Guerra Mundial, mas isso não o impediu de construir carros. E esse foi o caso do Auto Avio Construzione 815 que foi produzido em 1940, que foi feito na fábrica que levava o mesmo nome e onde eram feitas peças de aeronaves para o governo italiano.
Este carro teve estréia no Grande Prêmio de Brescia de 1940, que substituia a famosa Mille Miglia. Dois carros foram destinados para Lotario Ringoni/ Nardi com o #020 e Alberto Ascari/ Giuseppe Minozzi com o #021, todos na classe até 1.500cc. Apesar dos problemas enfrentados por Ascari que o alijaram da liderança, Ringoni estava absoluto na liderança e com uma folga de mais de meia hora para o segundo colocado até que o motor pifou.
Após a Guerra, e livre da impossibilidade de usar o seu nome em seus carros, Enzo construiu e pôs em pista o Ferrari 125 S em 1947 tendo a estréia no mesmo ano na pista de Piacenza, onde não completou com Franco Cortese ao volante. Mas não demorou muito para que o carro vencesse a sua primeira corrida com o próprio Cortese, no Grande Prêmio de Roma catorze dias depois da sua estréia. Este carro ainda venceria outras cinco provas naquele ano.
Fernando Alonso (com a Auto Avio) e Felipe Massa (com a Ferrari 125S) pilotaram essas duas máquinas tempos atrás.



Foto 239: Drift

Falamos tanto de Ronnie Peterson e Gilles Villeneuve que tinham pilotagens acrobáticas, fazendo o carro dançar de um lado para o outro como tornando-se um hipnose, e nos esquecemos, na maioria das vezes, que Tom Pryce tinham o mesmo dom de levar o seu Shadow ao limite extremo derrapando nas quatro e fazer o público ter a sensação de que poderia se estatelar no próximo muro a cada curva.
Na foto deste post o piloto galês levando além do limite a sua Shadow DN3 durante o fim de semana do GP do Brasil, no velho e saudoso traçado de Interlagos em 1975
.

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Foto 238: Os preferidos de Vettel

E Sebastian Vettel elegeu os seus dez carros preferidos na F1 que foi divulgado pelo site alemão "Sport Bild". E para quem pensava que o atual tri-campeão colocaria um dos seus "Touros Vermelhos" no topo da lista, se enganaram.
Junto das fotos, a observação de Sebastian para com os carros:

1. MCLAREN MP4/8 - 1993: “Meu carro favorito, definitivamente. A McLaren não tinha o melhor carro naquele ano, mas ainda assim Senna conquistou cinco vitórias”

2. RED BULL RB6 - 2010: “O melhor modelo daquele ano, seria uma pena se não tivéssemos vencido com ele”

3. RED BULL RB7 - 2011:
“Era confiável e rápido em todos os circuitos.”

 4. BRABHAM BT46B - 1978: "O carro de Lauda com uma hélice gigante na traseira. Após a vitória na Suécia, o "aspirador de pó" foi banido."

5. LOTUS 72 - 1972:
“Bonito, mas trágico”

6. FERRARI F2002 - 2002:
“Parecia que ele [Schumacher] podia fazer jogos com os adversários. Não à toa ele conquistou o título ainda no GP da França [com seis etapas de antecedência]”

7. MCLAREN MP4/13 - 1998: "Este carro foi uma das maravilhas de Adrian Newey."

8. WILLIAMS FW14 - 1992: "Outro carro fantástico de Adrian Newey. Com a suspensão ativa, parecia andar sobre trilhos."

 9. MERCEDES W196 - 1954: "Um carro lendário."

10. BRABHAM BT52B - 1983: “Diziam que ele tinha mais de mil cavalos de potência na classificação, fazendo dele mais um foguete do que um carro de corrida. Gostaria de pilotá-lo”

Foto 237: Luz, câmera e... Tyrrell na pista... agora com Depailler

( Foto: Rainer Schlegelmilch )
E aí fica mais um registro das gambiarras que a Tyrrell colocava em seus carros - o que não era exclusividade dela - para registrar a condução de seus pilotos em alguns fins de semana de Grande Prêmio  ou testes. Mas claro, isso não era feito durante os treinos e muito menos durante as corridas.
Nesse registro feito por Rainer Schlegelmilch durante o fim de semana do GP de Mônaco de 1978, Patrick Depailler conduz o Tyrrell 8 #4 com a câmera acoplada acima do santoantonio para as tomadas. Alguns anos trás coloquei uma foto do Jackie Stewart andando com este carro em Mônaco, no mesmo fim de semana, fazendo as filmagens.
Sobre a corrida, esta acabou por ser vencida pelo mesmo Patrick Depailler que largara da quinta posição.

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Foto 236: Varzi e Mansell


Dois senhores que costumavam abrilhantar seus fãs com pilotagens aguerridas. Achille Varzi, um dos maiores rivais de Tazio Nuvolari e com quem dividiu as atenções da Itália durante os anos 30, completaria hoje 109 anos.
E Nigel Mansell, o "Il Leone", com ultrapassagens memoráveis e uma coragem acima da média - fora as trapalhadas -, chega aos 60 anos.

Foto 235: Nuvolari, Spa 1939

Tazio Nuvolari e sua Auto Union Type D #2 durante o chuvoso GP da Bélgica de 1939, disputado em Spa-Francorchamps. Essa prova ficou marcada pelo acidente que custou a vida do inglês Richard Seaman da Mercedes, quando este bateu em uma árvore na curva La Source.
Tazio, que largou da quarta posição - dividindo esta com Seaman -, abandonou após um furo no radiador. A prova foi vencida por Hermann Lang com a Mercedes W154, seguido por Rudolf Hasse da Auto Union e por Manfred von Brauchitsch com a Mercedes.
No próximo domingo, dia 11, completará 60 anos da morte do "Il Mantovano Volante".

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Foto 234: Lowes

Que bela foto do Lotus 99T-Honda Turbo com Ayrton Senna ao volante, descendo e cuspido fogo rumo ao contorno da Lowes durante o final de semana do GP de Mônaco de 1987.
Foi o ano que o brasileiro começou o seu domínio no Principado.

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Foto 233: Alcañiz

Apesar de parecer um pouco com as estreitas ruas que fizeram parte de provas como Targa Florio ou Coppa Ciano, a foto foi feita na cidade espanhola de Alcañiz, que fica no nordeste da Espanha. A pista é conhecida como Circuito de Guadalupe e abrigou corridas locais de 1965 a 2003. Apesar de ser uma pista urbana, com 3.900 metros, era uma das mais rápidas até o início da década de 90. Em 1992 a Federação Espanhola de Automobilismo exigiu a colocação de duas chicanes para abrandar a velocidade dos carros, que já haviam sido altas durante a realização do Campeonato Espanhol de Carros de Turismo.
Era uma das pistas mais populares da Espanha, arrastando um bom número de espectadores que, segundo fontes, era de 60 à 70 mil pessoas a cada Grande Prêmio. Pilotos do naipe de Alex Soler Roig, José Juncadella, Jesus Puras, Luis Perez Sala e Carlos Sainz, que correram em várias categorias pelas Europa, também pilotaram nessa pista.
Infelizmente a Federação Espanhola, alegando falta de segurança, proibiu provas naquele local após 2003. O recorde da pista pertence ao piloto espanhol Juan Fernandez que, pilotando um Osella PA9-BMW, conquistou a marca com o tempo de 1'33''67 com a média de 149.888Km/h.
A foto do post é da prova de 1969, válido pelo Campeonato Espanhol de Velocidade. A vitória foi de Juan Fernandez com o Porsche 908/8 #1 com Alex Soler Roig fechando em segundo, com a outra Porsche 908/8 #5.

Foto 232: Argentina, 1955

Fangio sendo saudado pela imprensa e pelo público, nas arquibancadas
(Foto: Reprodução)
O calor escaldante daquele GP da Argentina, que foi a prova de abertura do campeonato de 1955 da F1, não foi empecilho para que Juan Manuel Fangio vencesse a corrida.
Junto do forte calor, o desgaste físico - e mecânico - foram os grandes rivais dos pilotos, tanto que a segunda colocação foi conquistada por três pilotos que partilharam a Ferrari 625 #12 (José Froilan Gonzalez/ Giuseppe Farina/ Maurice Trintignant) e quarta colocação foi da Mercedes W196 com Stirling Moss/ Hans Hermann/ Karl Kling. Mas o desempenho de Fangio foi assombroso, pois completou a prova sem partilhar o carro com ninguém - se bem que ele deveria ter entregue o Mercedes para Moss, segundo uma ordem de Alfred Neubauer, que ele acabou por ignorar.
Com os pilotos levando seus respectivos carros para que seus companheiros assumissem o volante, devido ao tempo quente, Fangio continuava na pista: “Comecei a imaginar que eu era um homem perdido na neve e que teria que seguir em frente senão morreria de frio. Houve um momento que achei que não conseguiria, porem quando um  certo momento critico era superado, meu animo se restabelecia e a vontade de vencer retornava” Declarou logo após a corrida.
Juan venceu a prova com quase dois minutos de avanço sobre o trio da Ferrari, mas após encostar a sua Mercedes, foi atendido pela equipe médica.

sábado, 3 de agosto de 2013

Foto 231: 1000 Km de Spa, 1974

As Matras e um Mirage em um dos antigos trechos do velho Spa-Francorchamps durante os 1000Km de Spa, segunda etapa do Mundial de Marcas de 1974.
Na frente os futuros vencedores da prova com o Matra MS 670C Jean Pierre Jarier/ Jacky Ickx, seguidos pelo Mirage GR7 de Derek Bell/ Mike Hailwood (que terminariam em segundo) e na terceira colocação a outra Matra MS 670C de Henri Pescarolo/ Gérard Larrousse, que abandonaria a prova com problemas no cabeçote. O pódio foi completado pela dupla Gijs Van Lennep/ Herbert Müller com o Porsche Carrera RSR Turbo da Martini Racing.

Documentário: O Audi 90 Quattro na IMSA GTO, 1989

(Foto: SpeedHunters.com)
Depois do sucesso alcançado com o seu projeto nos Rallies, com o Audi Quattro com tração integral, a fábrica de Ingolstadt rumou para os EUA. O desafio em questão não era apenas enfrentar os americanos em seu próprio território, mas também recuperar um pouco do prestígio da marca que estava em baixa devido os problemas com os seus carros. A solução foi aproveitar toda as informações adquiridas durante os anos no finado Grupo B dos Rallies e aplicá-los nas pistas de corrida.
A primeira aparição da Audi nas competições americanas, em caráter oficial, foi em 1988 no campeonato da Trans-Am e não fez feio: com a intenção de acumular informações, a Audi, com o seu modelo 200 Quattro que foi entregue a Hurley Hailwood, Hans Joachim Stuck e Walter Röhrl, venceu oito provas das 13 disputadas naquele ano com Hailwood sagrando-se campeão. O plano seguinte era a IMSA, uma categoria mais aberta do que a Trans-Am, onde a Audi podia trabalhar mais com o seu projeto Audi Quattro.
A máquina que foi construída para aquela temporada de 1989 tinha praticamente o mesmo pacote do que foi utilizado nos rallies: tração integral, chassi em fibra de carbono e motor 700HP Turbo. Com a denominação de Audi 90 Quattro, este foi entregue a Hans Stuck e Walter Röhrl e um segundo para Hurley Hailwood e Scott Goodyear, que participou de algumas provas na classe GTO.
Com a oposição dos Mercury Cougar XR-7 e dos Nissan 280Z, a Audi conseguiu vencer sete provas (todas com Hans Stuck, sendo que uma foi em parceria com Röhrl nos 500 Km de Watkins Glen) das doze que não tinham a participação dos protótipos. Apesar dos bons resultados, o título ficou com Peter Halsmer pilotando o Mercury Cougar do Team Roush Racing, alcançando 203 pontos. O mais bem classificado dos pilotos Audi foi Hans Stuck, que terminou em terceiro com 173 pontos.
Apesar do grande sucesso alcançado nestes dois anos, a Audi rumou de volta para a Europa, onde começaria o seu projeto no DTM com o seu modelo V8 Quattro. E não foi preciso muito tempo para vencer: Stuck viria a ganhar o campeonato naquele ano e Frank Biela repetindo o feito em 1991.
Mudou-se o cenário, mas o sucesso continuou o mesmo.
Abaixo o documentário da Audi no campeonato na IMSA em 1989. Infelizmente está em alemão, mas vale a pena.

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Vídeo: Can-Am em Mid Ohio, 1971

Uma pena que o vídeo não seja um resumo do que foi a prova, mas já é o suficiente para ver o quanto eram belos estes carros da Can-Am em 1971 e ouvir o som dos V8 trabalhando fortemente na quinta etapa daquele campeonato realizado em Mid-Ohio.
Foi a época de ouro da Can-Am e também da Mclaren, que dominava amplamente aquele campeonato desde 1967. A pole para aquela etapa foi de Denny Hulme com o Mclaren M8F #5 Chevrolet, com Peter Revson na segunda colocação com outro Mclaren M8F #7 e em terceiro Jackie Stewart, com o Lola T260 da Carl Haas Racing.
Apesar da superioridade da Mclaren naquela época, os carros na tradicional cor laranja não venceram: Hulme e Revson abandonaram com problemas mecânicos e a vitória ficou com Stewart, seguido por Jo Siffert (Porsche 917/10) e Tony Adamowicz (Mclaren M8B).
O título daquela temporada ficou para Peter Revson, que derrotou Denny Hulme por dez pontos (142x132).

Foto 230: Rondeau

A traseira futurista do belo Rondeau M482 da equipe Bussi Racing, durante a edição de 1985 das 24 Horas de Le Mans. Além desse, outros quatro foram alinhados - a Bussi Racing tinha mais um em pista; a Primagaz alinhou um M382; a Jean-Phillipe Grand tinha um M482 e a Ecurie Blanchet Locatop levou um M379, todos empurrados pelos Ford Cosworth DFV. A melhor colocação de um Rondeau nessa prova ficou por conta do #39 da Bussi Racing que terminou na 18ª colocação com os pilotos Bruno Sotty/ Jean-Claude Justice/ Patrick Oudet.
A Rondeau foi formada do que restou da equipe Inaltera, que foi fundada por Jean Rondeau em 1976 - tal equipe que teve a participação de Lella Lombardi e Christine Beckers, que terminaram em 11º nas 24 Horas de Le Mans de 1977. Com a perda de um dos patrocinadores oficiais do time, Jean Rondeau formou a equipe que levava o seu sobrenome em 1978 e naquele ano ele alinhou um M378 que foi conduzido por ele, Bernard Damiche e Jacky Haran durante as 24 Horas de Le Mans onde obtiveram a nona colocação.
Para 1979 Jean levou três M379 para Le Mans e contratou Henri Pescarolo, que dividiu o volante com Jean-Pierre Beltoise. A Rondeau conseguiu posicionar seus três carros entre os 25 primeiros, sendo que dois ficaram entre os 10: Jean Ragnotti e Bernard Damiche terminaram na quinta colocação e Pescarolo e Beltoise em 10º. O outro carro, conduzido por Jean e Jacky Haran, fechou em 25º.
Para 1980 veio a grande desforra: após uma duelo contra a Porsche 908/08 de Jacky Ickx e Reinhold Joest durante as 379 voltas das 24 Horas de Le Mans, Jean Rondeau e Henri Pescarolo, no comando do Rondeau M379B, venceram a prova e de quebra teve outro carro do time no pódio com Gordin Spice/ Philippe Martin/ Jean-Michel Martin. Até hoje foi a única vez que um piloto venceu as 24 Horas de Le Mans com um carro feito por ele mesmo.
Em 1981, na esteira do sucesso do ano anterior, Jean levou cinco carros para Le Mans e conseguiu um segundo e um terceiro lugares no final, perdendo para a nova Porsche 936/81 de Jacky Ickx e Derek Bell. Foi nessa prova que o francês Jean Louis Lafosse perdeu a vida quando bateu forte na Hanaudiéres, justamente quando estava no comando de um Rondeau na terceira hora de prova.
Os anos seguintes não foram de grandes alegrias para Jean Rondeau: a partir de 1982, além dos carros do seu time, ele passou a fornecer chassi para outras equipes - como a Bussi Racing e a Primagaz -, mas os resultados não foram animadores e em 1983 a equipe Rondeau foi fechada. Jean morreu em dezembro de 1985, quando o carro que ele dirigia foi acertado por um trem.
O último chassi que participou em Le Mans levando a marca Rondeau remonta à 1988, quando o time formado por Pierre-Alain Lombardi - em dupla com Bruno Sotty - levou um M379C e terminou na 27ª colocação.
A foto é do belo acervo de Dale Kistemaker.