domingo, 28 de março de 2021

GP do Bahrein - Um real Dogfight

Lewis Hamilton e Max Verstappen foram os grandes nomes deste GP barenita
(Foto: FIA/Twitter)

Aquele período curto dos testes de pré-temporada lá em Sakhir nos dava um cenário bem diferente e ao mesmo tempo complexo: enquanto víamos uma Red Bull parecer andar sobre trilhos e tendo o acompanhamento da irmã Alpha Tauri com bom ritmo, a Mercedes parecia perdida e isso refletia em sua cliente mais próxima que é a Aston Martin. Um carro nervoso, com uma suspensão que não dava aos pilotos a oportunidade de usar os pneus de forma integral e mais uma temperatura elevada, dava a entender que a Mercedes teria um final de semana mais complicado do que poderia parecer já na etapa de abertura ali mesmo no circuito barenita. 

Passados 15 dias a sensação de ver a Mercedes em dificuldades foi amaciada para esta etapa e pudemos ver muito bem quando os treinos iniciaram, mesmo que Max Verstappen tenha doutrinado os treinos livres e classificação com ritmo muito bom e isso indicava que a Red Bull era sim a favorita a vencer em Sakhir. Mas treinos são treinos e corridas são corridas. Apesar daquele gap de distância entre Red Bull e Mercedes ter beirado os oito décimos, como indicavam após os testes, pareceu cair para meio segundo nos treinos livres e na classificação Hamilton ficou três décimos de Verstappen, que realizara uma volta excelente para cravar a sua quarta pole na carreira. 

Mas é na corrida que as coisas importam de verdade e nem sempre os treinos livres conseguem dar a real diretriz do que pode acontecer. Verstappen largou bem e foi seguido por Hamilton, mas o inglês não deixou que a diferença entre eles chegassem aos dois segundos e isso foi primordial para que a Mercedes chamasse seu piloto para o pit-stop e lhe desse um jogo de pneus duros e conseguisse andar mais veloz que Max, que acabou esticando a seu stint com os médios e quando resolveu parar nos boxes caiu para segundo. Lewis se manteria na liderança até a 29 volta, quando foi aos boxes pela última vez e colocou novamente um jogo de pneus duros e como da outra vez, passou a diminuir a diferença para Max que faria seu pit-stop na 40ª volta colocando, também, pneus mais duros. Tendo um pneu 11 voltas mais novos, a chance de Max era nítida e a espera era pra quando ele poderia chegar e passar por Lewis que chegou a escapar na curva 10 e perder um segundo para Verstappen que aproveitou-se muito bem para efetuar a ultrapassagem na curva quatro em bela manobra por fora, mas ele acabou espalhando e levando vantagem na manobra feita na curva quatro e precisou devolver a posição mais adiante. Como a prova teve uma volta a menos devido o segundo procedimento de largada após o Red Bull de Sergio Perez ter ficado parado na pista após uma pane, a corrida desceu de 57 para 56, Max não teve mais tempo para tentar reaproximar de Lewis que acabou vencendo na abertura do mundial sua 96ª prova. 

Por mais que a corrida tenha tido um vencedor que todo mundo conhece e já está cansado de ver, não pode-se dizer que foi uma conquista fácil. Como bem disse, as coisas poderiam se desenhar mais desastrosas pelo que foi visto nos testes e depois diminuído nos treinos para depois na corrida, as duas equipes andarem bem próximas. As estratégias dos pneus foram o toque no meio dessa batalha de nervos que foi a prova do Bahrein, onde a Red Bull foi a grande derrotada num final de semana que podia ter sido perfeito com Max Verstappen dominando todas as ações. Lewis Hamilton efetuou de forma correta toda a estratégia e isso foi fundamental para que a Mercedes chegasse ao grande trunfo nessa prova e isso dá uma moral e tanto. As reclamações de Max logo após a bandeirada, onde ele disse que preferia ter tomado os cinco segundos, já que poderia ter ampliado a vantagem acima dos cinco segundos até rapidamente, mostram que a Red Bull poderia ter saído com a vitória mesmo tendo sido encurralada pela equipe alemã na estratégia. Neste momento acredito que tenham o melhor conjunto, mas não podem vacilar com uma Mercedes que pode - e deve - recuperar-se ainda mais nas próximas etapas. 

Portanto, não foi nenhum exagero quando Toto Wolff disse que as coisas seria uma "verdadeira briga de cães" quando os treinos livres terminaram na sexta-feira. 

Embolados

A largada para o GP do Bahrein
(Foto: Fórmula-1/ Twitter)

O meio do pelotão é algo que tem chamado atenção e isso faz um bom par de temporadas, mas desta vez a briga parece mais visceral que o normal. Alpha Tauri apareceu e muito bem desde os treinos, mas os problemas na asa dianteira do carro de Pierre Gasly acabaram minando as chances da equipe conseguir um bom resultado. Porém, o estreante e aguerrido Yuki Tsunoda conseguiu dois pontos para a equipe. A Ferrari também esteve em boa prova com Charles Leclerc e Carlos Sainz que já haviam largado entre os dez primeiros, travando bons duelos com Alpine, Aston Martin e Mclaren, conseguindo marcar pontos com os dois pilotos. Mclaren foi outra que esteve muito bem desde os treinos, especialmente com Lando Norris que usou bem seu tempo de casa para dominar o seu novo companheiro de equipe Daniel Ricciardo. Foi um inicio bem animador para Mclaren ao marcar pontos com seu dois pilotos. Alfa Romeo chegou a flertar com os pontos nesta primeira etapa, o que pode considerar até mesmo um avanço se olharmos para 2020 e a dificuldade dos dois pilotos. Alpine teve um bom presságio com a nona colocação de Fernando Alonso e até que as primeiras voltas do espanhol foram boas, principalmente em se envolvendo em duelos com Vettel e Sainz, mas problemas no carro logo após a primeira parada de box e depois detritos na entrada de ar dos freios, fez com que Alonso perdesse rendimento e abandonasse quando já estava fora da casa dos pontos. Esteban Ocon, que saiu da 16ª posição não conseguiu ir além da 13ª colocação - talvez o toque que levou de Sebastian Vettel na freada para a primeira curva tenha atrasado bastante o francês. 

Sobre Vettel, tinha uma grande expectativa em torno de sua estréia pela também re-estreante Aston Martin, mas as coisas não foram as melhores para ele: uma classificação complicada que o deixou o deixou de fora do Q2 e ainda teve o desrespeito com as bandeiras amarelas que deu a ele uma punição de cinco posições no grid e ainda três pontos na carteira que acabaram convertendo em cinco no domingo por conta do incidente com Ocon. Stroll conseguiu salvar o final de semana da equipe ao terminar em décimo, perdendo a nona posição para Tsunoda nas últimas voltas, mas com bom ritmo e andando frequentemente entre os dez primeiros. Já Williams e Haas continuam seu calvário, mas com uma melhora sensivel da equipe inglesa que pode, neste momento, se vangloriar em não ter ficado nas últimas posições. Para a Haas a nova dupla foi bem problemática: Nikita Mazepin já escapou logo após a largada no lado oposto onde teve o terrível acidente de Romain Grosjean ano passado, mas sem grandes consequencias desta vez. Já Mick Schumacher acabou rodando na curva quatro, mas prosseguindo para fechar em 16º.

A categoria volta no dia 18 de abril para a realização do GP da Emilia Romagna em Ímola.

quarta-feira, 24 de março de 2021

Foto 1005: Onofre Marimon, Spa-Francorchamps 1953

  (Foto: Motorsport Images) Onofre Marimon com o Maserati A6GCM durante o GP da Bélgica de 1953, então quarta etapa daquele mundial de Fórmu...