quinta-feira, 27 de junho de 2013

O vídeo comemorativo da Porsche sobre suas conquistas nestas 24 Horas de Le Mans

E a Porsche divulgou, a exemplo da Audi, o vídeo que exalta as vitórias da marca de Weissach nesta edição das 24 Horas de Le Mans nas categorias LMGTE-PRO (Marc Lieb/Richard Lietz/Romain Dumas com o Porsche 991 do Team Manthey AG) e na LMGTE-AM (Narac/ Jean-Karl Vernay/ Christophe Bouchut da IMSA Performance Matmut).
E aio final do vídeo, uma pequena e justa homenagem a Allan Simonsen, morto durante a prova em Sarthe.

A saída de Mark Webber e o lugar mais cobiçado do grid para 2014

"Tchau, Webber!": O piloto australiano deixará a F1 ao final deste campeonato e defenderá a Porsche no WEC
(Foto: The Guardian)
Como todos sabem Mark Webber não ficará mais na Fórmula-1 para o ano de 2014. Ele dará continuidade a sua carreira no Mundial de Endurance (WEC) deixará a categoria máxima após doze anos por lá, tendo passado por Minardi, Jaguar, Williams e atualmente pela Red Bull, para quem ele pilota desde 2007. Fará falta? Pelo menos para mim não, uma vez que não aprecio sua pilotagem, mas reconheço que foi  um ótimo piloto até o ano de 2010 quando teve chances de conquistar algo de mais concreto - leia-se título mundial - e não o fez por ter se arrebentado durante um trilha - ou seja lá o que for - com um mountain bike.
Por outro lado, acho louvável sua atitude de seguir o caminho que tantos outros ex-pilotos da F1, que deram certo, ou não, na categoria, de ir correr no Campeonato Mundial de Endurance (antigo Mundial de Marcas, Sport Prototipos). Mark Webber esteve por lá no final dos anos 90 - precisamente 98 e 99  -onde defendeu as cores da Mercedes pilotando os belos Mercedes CLK GTR1, que o fez dar umas cambalhotas em Le Mans no ano de 1999. A sua ida para lá reforça o a equipe da Porsche, com quem vinha mantendo negociações, que eram constantemente rebatidas pelo próprio Mark em várias coletivas. Até mesmo um rumor de uma possível renovação com a Red Bull tinha sido ventilada na imprensa, mas hoje pela manhã o boato mais forte deu razão a toda a fumaça erguida há meses sobre essa possível junção de Mark com a Porsche a partir de 2014. Sinceramente foi um bela escolha pela parte dele, uma vez que o ambiente do Endurance é muito - mas muito - tranquilo do que a panela de pressão que é a F1. Os seus dias de parceiro de Sebastian Vettel já estavam contados depois do entrevero do GP malaio e desde lá, Webber vem apresentando um desempenho bem pobre e, se brincar, bem pior do que a do ano passado. Ele vai se juntar a Timo Bernhard, Romain Dumas e Neel Jani, que foi confirmado pela Porsche na segunda-feira pós 24 Horas de Le Mans. É um ótimo quarteto para os "Mestres de Le Mans".
Sobre o seu possível substituto na Red Bull, as apostas repousam sobre Kimi Raikkonen, que tem um bom relacionamento com Vettel, mas como diz o ditado "amigos amigos, negócios à parte". Acho difícil uma convivência tranquila entre os dois. Pode até ser que o início seja um mar de rosas por aquelas bandas, mas a natureza difícil de Sebastian, que já foi mostrada este ano, pode muito bem azedar tudo por lá. Afinal de contas, Raikkonen não entrará para brincar: apesar do seu tipo desligadão, voltou em grande forma e só não está numa disputa mais acirrada pelo título, porque a Lotus tem caído das pernas financeiramente falando o que dificulta o desenvolvimento do carro durante a temporada (vide 2011 e 2012 onde o carro caiu de rendimento no meio da temporada, voltando a se dar bem no final). Mas o que pesa uma possível saída de Raikkonen é o futuro incerto da Lotus, uma vez que o seu principal trunfo, James Allison, responsável pelos ótimos carros da equipe nestas últimas temporadas, saiu de lá no início do mês de maio e a parte financeira poderá influenciar bastante. Não é a toa que a equipe tem sondado Pastor Maldonado (leia-se a grana da PDVSA) para ocupar um dos cockpits do carro negro em 2014.
Mas ainda tem os novatos da Toro Rosso, que estão sedentos por um lugar ao sol na melhor equipe da atual F1. Pegar aquele cockpit, agora vago, é novo "turbo" para o ânimo de Ricciardo e Vergne que tem lutado constantemente em superar um ao outro, mas sem empolgar a cúpula da Red Bull. E ainda tem outros dois caras que no passado, tiveram seus nomes ligados a assumir o lugar de Webber, caso este viesse a sair: Sebastién Buemi - que é piloto de testes do time e defendeu a Toyota em Le Mans - e o de Nico Hulkenberg que, se não me falhe a memória, tem um ano de contrato com a Sauber e que teve seu nome indicado para ir para equipe rubro-taurina em 2013.
A verdade é que o grande atrativo da futura "Silly Season" é em saber quem será o premiado a ocupar o lugar deixado por Webber. No mínimo será divertido.

quarta-feira, 26 de junho de 2013

A famosa primeira volta do GP da Grã-Bretanha, 1973

Jody Scheckter era nitidamente um piloto veloz e isso já havia despertado aatenção dos donos de equipe pelo paddock da Fórmula-1 naquele ano de 1973. Mas o único problema dele, como a maioria dos jovens afoitos que apareceram - e que aparecerião - nestas décadas na categoria, era a falta de cérebro. Podemos dizer que Jody foi um precursor do que veríamos no dias de hoje em pilotos como Romain Grosjean e Pastor Maldonado, em termos de velocidade pura - isso é inegável - e também na facilidade em causar grandes confusões. Nesse quesito Grosjean ganha fácil de Maldonado uma vez que ele iniciou as carambolas nos GPs da Bélgica de 2009 e 2012, principalmente a desta última, que foi de causar inveja ao que Jody havia feito 40 anos atrás em Silverstone.
Scheckter estava em sua quarta participação na F1. Havia feito outras três corridas, todas a serviço da Mclaren, nos GPs de Watkins Glen (1972), África do Sul e França. Aliás, neste mesmo GP da França, disputado no sempre belo circuito de Le Castellet, ele havia feito uma corrida impecável ao lutar bravamente contra o campeão reinante Emerson Fittipaldi pela vitória. Largou em segundo e já estava na liderança da prova ao dobrar da primeira curva e dali até a 41ª volta, duelou com Fittipaldi pela vitória até que o brasileiro tentou uma ultrapassagem na última curva e teve a porta fechada por Jody, ocasionando a quebra da suspensão do Lotus e consequentemente o abandono de Emerson. O sul-africano abandonaria duas voltas depois. Mas Silverstone foi o ápice do arrojo exagerado de Scheckter.
Jody saíra bem da sexta para a quarta colocação na largada e estava colado no câmbio do seu companheiro de equipe Peter Revson. Enquanto que as atenções estavam voltadas para a disputa Stewart-Peterson pela liderança, só pôde ver um carro branco levantando poeira após rodar na saída da rápida Woodcote: Jody Scheckter rodara e batera n muro interno da reta principal, e a maioria que veio atrás não conseguiu desviar, causando o maior acidente naquela pista antes da famosa corrida de 1975.
Nada mais que onze carros ficaram de fora da segunda largada, sendo que o prejuízo maior ficou para a equipe Surtees, que teve seus três carros limados da segunda prova - entre eles José Carlos Pace -, e Andrea de Adamich que, devido aos ferimentos desse acidente, encerrou a sua carreira.
A prova foi retomada e a vitória coube a Peter Revson, a primeira dele na F1. Para Jody Scheckter, restou as critícas e depois mais outras duas corridas pela Mclaren naquele ano (EUA e Canadá), até despertar o interesse do velho Ken Tyrrell que o levou para o seu Team em 1974.

segunda-feira, 24 de junho de 2013

24 Horas de Le Mans 2013: Sangue, Drama e Glória em Sarthe

Quando Tom Kristensen desceu do seu Audi e-tron quattro #2, ele se tornara, pela nona vez, o vencedor das 24 Horas de Le Mans. Uma marca respeitável e que reforça ainda mais o título de "Mister Le Mans" neste período de 16 anos, que se iniciou em 1997 com a sua primeira vitória em Sarthe a bordo de um Porsche WSC-95 formando trio com Stefan Johansson e Michele Alboreto. Mas havia muito mais emoção em jogo: a morte de seu conterrâneo Allan Simonsen ainda nas primeiras horas de prova, tinha tirado o brilho de qualquer conquista em uma das quatro classes que competiam. Ao tentar desviar de um dos Ferraris, que rodara na saída da Tertre Rouge, Allan perdeu o controle de seu Aston Martin #95 - que havia largado da pole na categoria LMGTE-AM - indo bater violentamente contra o guard-rail externo daquela curva. Apesar de ter sido retirado dali e levado para o hospital, as notícias vindas de lá nos davam mais conforto com relação ao seu estado de saúde, mas ao fechamento da segunda hora de prova chegou a notícia de que Allan Simonsen, que estava prestes a completar 35 anos e que disputava as 24 Horas de Le Mans pela sétima vez, morrera devido os ferimentos do acidente que ocorrera na quarta volta. Um baque para todos, que não acontecia desde 1997 com o acidente mortal de Sebastien Enjolras durante os treinos e de Jo Gartner, durante a prova de 1986.
Este era o momento em que Kristensen ainda estava nos boxes, esperando o momento que Allan McNish e Loic Duval terminassem os seus turnos no comando do Audi #2. Certamente já sabia da notícia e quando assumiu o comando do carro na sexta hora, já era líder da prova após os problemas de câmbio que foi apresentado pelo Audi #1 e o pneu furado do #3, quase que tudo ao mesmo tempo. A sabedoria e cadência do velho Kristensen, que tão bem conhece cada cada canto daquele circuito, junto de McNish - que é outro que dispensa comentários - e mais Duval, levaram o Audi #2 a uma vitória que não aparentava ser deles no início da corrida.
A Audi, mais uma vez, esteve em boa forma em Sarthe e nem os problemas nos carros #1 e #3 os abalaram, mas tiveram que ficar de olho no desempenho dos Toyotas que por mais que não fossem tão rápidos durante todo o certame, estavam com uma volta de desvantagem para o carro #2. O TS030 Hybrid #8 e #7 estiveram próximos por toda o certame, exceto na última meia hora de corrida quando o #7, pilotado por Nicolas Lapierre, bateu na barreira de pneus da curva Porsche. Para a Toyota a única possibilidade de lutar contra o poderio da Audi, repousava sobre o tempo chuvoso que deu as caras em Sarthe em algumas situações - principalmente no início da corrida, que proporcionou a equipe japonesa a chance de lutar contra o Audi #1 pela liderança naquelas primeira voltas antes da intervenção do Safety Car, devido o acidente de Simonsen, com o carro #7 de Lapierre contra o André Lotterer. Mais atrás, se beneficiando da chuva, aparecia o #8 de Anthony Davidson numa verdadeira briga de foice contra os outros dois Audis. Três voltas alucinantes. Mas com a pista seca, este cenário se reverteu totalmente para a Audi, que pôs seus três carros nas primeiras posições até que os problemas jogassem o #1 - que era pilotado por Tréluyer - para a 24ª posição, fazendo com que o trio deste carro fizesse uma corrida de recuperação até levá-lo a quinta posição no final. O #3 teve um pneu furado justamente no momento que estava prestes a assumir a liderança, o que deixou o caminho aberto para o Audi #2. Ao menos o trio do Audi #3, formado por Marc Gene/ Lucas Di Grassi/ Oliver Jarvis, conseguiu ficar com a terceira posição no final.
Na LMP2 a OAK Racing conquistou a dobradinha com os seus dois Morgan Nissan #35 (Bertrand Baguete/ Martin Plowman/ Ricardo González) e #24, mas não foi tão fácil como mostra a tabela final: o #24 ficou na liderança por um bom período até que ele tivesse um contratempo na Maison Blanc, após uma rodada - que quase levou um dos Audis junto - jogando o carro para o meio do pelotão no decorrer da sexta hora. Isso deixou o outro carro da equipe numa disputa direta contra o #26 da G-Drive - então líder - e o #38 da Jota Sport. Com o as paradas de box e intervenções do Safety Car, a liderança voltou para o comando da OAK assim como a recuperação do trio Olivier Pla/ Alex Brundle/ David Heinemeier no #24. A terceira posição foi do #26 da G-Drive, pilotado por Roman Rusinov/ John Martin/ Mike Conway.
Na LMGTE-PRO o duelo ficou restrito a Aston Martin (AMR) contra a Porsche (Team Manthey AG), que estiveram próximos durante todas as 24 Horas se alternando na liderança da prova. Coube a Porsche a vencer este duelo após a desistência por acidente de Fred Mackowiecki no #99 da Aston Martin, após bater na saída da primeira chicane da Mulsanne. E isso se estendeu para a LMGTE-AM, que viu a Porsche vencer com o carro #76 da equipe IMSA Performance Matmut, pilotado por Raymond Narac/ Jean-Karl Vernay/ Christophe Bouchut, enquanto que o único Aston que ficou presente naquela categoria, o #96 de Roald Goethe/ Jamie Campbell-Walther/ Stuart Hall, fechou em sexto naquela categoria. Infelizmente não foi uma boa jornada para os carros britânicos, que ficaram na prova a pedido - segundo nota oficial da equipe - da família de Simonsen e que estavam confiantes numa dupla vitória nas duas classes dos GTs.
Estas 24 Horas de Le Mans teve um número recorde de intervenções de Safety Car que, ao total de todas as entradas, ficou por volta de seis horas. Ou seja, a corrida teve 18 horas de disputas diretas, entremeadas por estas intervenções. Mas as mais demoradas foi por causa dos reparos nos guard-rails em três situações.
Ao final dessa corrida, as lembranças de Allan Simonsen ainda estavam vivas nas palavras de Jacky Ickx no pódio e o abraço emotivo que ele deu em Kristensen, visivelmente emocionado, só reforçou este sentimento.
Para Kristensen, que havia perdido o pai em março passado, ele dedicaria esta vitória a ele, mas o piloto dinamarquês decidiu fazer essa em homenagem a Allan: “Perdemos alguém que compartilhava do mesmo sonho, um cara absolutamente humilde e gente boa. É um sentimento misto”, comentou. “Meu pai morreu em março, e ele me disse que eu iria ganhar Le Mans este ano. Espero que eu possa ganhar outro e dedica-lo ao meu pai, porque [a vitória] este ano é para Allan Simonsen”.
Esperamos ver a décima vitória sua em 2014, Kristensen, mas dessa vez numa forma mais alegre e festiva.

sábado, 22 de junho de 2013

24 Horas de Le Mans 2013: 10ª Hora

A nona hora de corrida em Sarthe vai chegando ao fim e as posições na LMP1 continuam inalteradas. O incansável Tom Kristensen continua na liderança com o Audi #1, com as Toyotas #8 e #7 em segundo e terceiro. Em quarto segue o Audi #3 e na 16ª colocação o Audi #1.
Na LMP2 nada alterado: a OAK segue com a sua dobradinha, #35 em primeiro e #24 em segundo a terceira colocação do #38 da Jota Sport.
Na LMGTE-PRO, liderança tranquila para o Aston Martin #99 de Rob Bell, com o outro Aston Martin de Darren Turner em segundo. A terceira posição ainda é do Porsche #92 de Marc Lieb.
A única mudança significativa de todos os ponteiros das quatro classes foi na LMGTE-AM, onde #88 da Proton Competition, com Roda ao volante, acabou encalhado na brita e viu sua liderança cair no colo do Porsche #77 da Dempsey-Del Piero. Em segundo vem o Porsche #76 da IMSA Performance Matmut e em terceiro a Ferrari #55 da AF Corse. O #88 se encontra na quinta posição, 40º no geral.

24 Horas de Le Mans 2013: 9ª Hora

Perto de completar nove horas de prova, Tom Kristensen segue na liderança da LMP1 com o Audi #2. Uma volta atrás, ocupando a segunda posição, o Toyota #8 de Stéphane Sarrazin que tem 2 segundos de vantagem sobre o Toyota #7 de Kazuki Nakajima. Em quarto, com duas voltas de atraso com relação ao líder, aparece o Audi #3 de Lucas Di Grassi. O Audi #1 está em 16º e com Marcel Fässler ao volante.
Na LMP2, dobradinha da OAK Racing com o #35 em primeiro e o #24 em segundo. O #42 da Greaves Motorsport está em terceiro.
Na LMGTE-PRO, Senna entregou o carro #99 para Rob Bell que continua líder nessa classe com quase vinte segundos de vantagem sobre o outro Aston Martin #97 de Darren Turner. A terceira colocação é do Porsche #92 do Team Manthey, com Marc Lieb no comando, que tem 46 segundos de atraso para o líder dessa categoria.
E na LMGTE-AM, o Porsche #88 da Proton Competition é líder com o outro Porsche da Dempsey-Del Piero - que está sendo pilotado neste momento por Patrick Dempsey - é o segundo. A Ferrari #55 da AF Corse é a terceira.

24 Horas de Le Mans 2013: 8ª Hora

Final da oitava hora em Le Mans e a prova está sob Safety Car devido a detritos na curva Porsche. A liderança é do Audi #2 com Tom Kristensen ao volante, seguido pelos dois Toyotas #8 e #7. Na quarta colocação o Audi #3 e o #1 vem subindo na classificação: havia voltado em 24ª e atualmente se encontra na 22ª posição.
Na LMP2, a liderança neste momento pertence ao #35 da OAK Racing, coom o #38 da Jota Sport em segundo e o outro carro da OAK Racing, o número 24, em terceiro num boa recuperação após a batida na sexta hora de prova. Na LMGTE-PRO, Bruno continua no comando do Aston Martin #99 e na liderança da prova e agora tem a Porsche #92 de Lietz na sua cola. O outro Aston Martin #97 de Peter Dumbrek aparece em terceiro. E na LMGTE-AM, um trio de Porsches no comando da prova: liderança para o Porsche #88 da Proton Competition que tem o outro Porsche #77 da Dempesey-Del Piero em segundo e o Porsche #76 da IMSA Performance Matmut é terceiro. A Ferrari #55 da AF Corse, que liderou boa parte dessa classe, é o quarto.

24 Horas de Le Mans 2013: 7ª Hora

E os últimos 20 minutos finais da sexta hora das 24 Horas de Le Mans, foram de apreensão para a Audi que apresentou problemas em dois de seus três carros: o #1 de Benoite Tréluyer teve problemas na caixa de câmbio e a equipe teve consertá-la. Com isso o trio bi-campeão dessa prova despencou para 15ª posição, com oito voltas de desvantagem para o agora líder Audi #2. O #3 também enfrentou problemas com um carro da LMP2 quando foi dobrá-lo e teve que ir aos boxes e ocupa agora a quarta posição. Essese contratempos ajudaram - e muito - os Toyotas que agora ocupam a segunda e terceira colocações (#8 e #7)
Na LMP2 liderança para o #26 da G-Drive, com o #35 da OAK Racing em segundo e o #38 da Jota Sport em terceiro. Na LMGTE-PRO Bruno Senna continua na liderança com o Aston Martin #99, com o o outro Aston Martin em #97 em segundo e o Porsche em #91 em terceiro. Já na LMGTE-AM, a AF Corse com o #55 continua líder, 41 segundos a frente do Porsche #76 que trava um belo duelo contra o outro Porsche #88, da Proton Competition, pela segunda colocação.
Já é noite em Le Mans.

24 Horas de Le Mans 2013: 6ª Hora

A sexta hora de prova teve a visita do SC em duas oportunidades: primeiro por causa dos pedaços soltos pelo Alpine #36 na Tértre Rouge, após ter um pneu traseiro esquerdo furado. Após a pista ser limpa e ter dado a relargada, um acidente nos esses Porsche quase pôs fim a prova do líder da LMP1 Benoit Tréluyer, que está no comando do Audi #1, que estava prestes a passar pelo líder da LMP2, o Morgan Nissan #24 da OAK Racing, quando este rodou e bateu na barreira de pneus retornando a pista. Tréluyer preciso frear forte para não bater. Mais à frente, na Mulsanne, a carenagem traseira do Lotus #32 ficou pela pista o que forçou mais uma vez a entrada do SC, que ficou por pouco tempo.
A liderança continua com o Audi #1, com seus dois "irmãos gêmeos" a escoltá-lo e a Toyota está com o #8 e #7 em quarto e quinto.
Na LMP2 a liderança agora é da G-Drive com Rusinov ao volante do Oreca #26, seguido pelo #35 da OAK e pelo #38 da Jota Sport. Na LMGTE-PRO, Peter Dumbrek lidera a dobradinha da Aston Martin ao pilotar o #97 e Bruno Senna em segundo no #99. O Porsche #92 é o terceiro, a quatro segundos de Peter.
Na LMGTE-AM, a AF Corse segue líder com o seu #55, mas agora tem na sua companhia dois Porsches: o #88 em segundo e o #76 em terceiro.

24 Horas de Le Mans: E quase que um Audi se foi...

Baita susto que deve ter levado Olivier Jarvis com a rodada e batida do então líder da LMP2 Heinemeir Hansson, piloto do número #24 da OAK Racing.
Jarvis, que está no comando do Audi #3 continua forte na terceira colocação, mas Heinemeir despencou na classificação devido a este acidente.

24 Horas de Le Mans 2013: 5ª Hora

E com quase cinco horas de prova completadas, o Audi #1 continua absoluto na liderança da LMP1 sem ser incomodado por ninguém. O Audi #2 de Loic Duval vem em segundo e o #3 de Jarvis o terceiro. E para os Toyota, as mesmas posições das últimas horas: #8 em quarto e #7 em quinto.
Na LMP2 as três primeiras posições ainda pertencem a OAK Racing (com o #24 em primeiro e o #35 em terceiro) e a segunda colocação ficando para a G-Drive #26 de Rusinov.
Entre os GTs, na categoria PRO, duelo acirrado entre as duas Aston Martin #99 e #97, com Mackowiecki (#99) levando vantagem e abrindo vantagem de 18 segundos sobre Mücke (#97). Em terceiro vem o Porsche #92 e Romain Dumas, 43 segundos atrás. Na categoria LMGTE-AM, a AF Corse faz 1-2 com os carros #61 e #55 e em terceiro está o Porsche #88 da Proton Racing.
No momento a prova transcorre normalmente e com pista seca.


24 Horas de Le Mans 2013: 4ª Hora

Após a os pit-stops, onde houveram troca dos pilotos, o cenário continua o mesmo na LMP1. A Audi #1, agora com Benoit Tréluyer ao volante, segue na frente com o Audi #2 de Loic Duval em segundo e o #3 de Olivier Jarvis em terceiro. Os Toyotas seguem nas mesmas posições, com o #8 de Sebastien Buemi em quarto e Alexander Wurz, no #7, em quinto.
Na LMP2, liderança continua com o #24 da OAK Racing com Alex Brundle ao volante; em segundo vem o #26 da G-Drive, com Mike Conway pilotando e em terceiro o segundo carro da OAK, o #35 conduzido por Gonzalez.
Na LMGTE-PRO, o Aston Martin #97 de Stefan Mücke segue na frente com o Porsche #92 e Romain Dumas em segundo e outro Aston Martin #99 de Frank Mackowiecki em terceiro. Na LMGTE-AM, liderança absoluta para a Ferrari #61 da AF Corse, com o Porsche #67 em segundo e o Ferrari #55 em terceiro.
Em nota, a AMR Racing, equipe que tem quatro Aston Martin dividida nas categorias LMGTE-PRO e AM,  disse que continuará na prova em memória de Allan Simonsen, que faleceu a cerca de uma hora após o seu grave acidente na Tértre Rouge.


24 Horas de Le Mans 2013: 3ª Hora

E com a terceira hora de prova completada, a liderança ainda é da Audi # de André Lotterer seguido pelo Toyota #8 de Antony Davidson e o o Audi #3 e Lucas Di Grassi.
Os pilotos tem enfrentado com a chuva desde a chicane Dunlop e por toda extensão da Mulsanne, aliviando um pouco a partir da Indianápolis. Agora pouco a Toyota sofreu um susto quando o #7 de Nicolas Lapierre, que vem em quinto, parou na Mulsanne apresentando problemas, mas voltando em seguida. A diferença entre o ponteiro e o segundo é de 17 segundos.
Na LMP2 a liderança ainda é da OAK Racing com Bertrand Baguete com o #35 e a segunda posição com o #38 da Jota Sport, conduzido por Oliver Turvey. A terceira posição é do outro carro da OAK Racing, pilotado por Alex Brundle.
Na LMGTE-PRO, a liderança e segunda posição pertecem aos dois Aston Martin #97 e #98 respectivamente. As Porsches do Team Manthey seguem em terceiro e quarto. E na LMGTE-AM, nada alterado com relação a última hora: liderança e terceira colocação para as Ferraris da AF Corse (#61 e #55 respectivamente) e segunda posição para o Porsche #67 da IMSA Performance (que teve o pneu traseiro esquerdo furado ao final dessa hora).

ATUALIZADO: Segundo fontes, Allan Simonsen, que se acidentou no início da prova após bater seu Aston Martin na Tértre Rouge, faleceu. Tinha 34 anos.

24 Horas de Le Mans 2013: 2ª Hora

Após um início onde o SC esteve presente por um longo tempo, a segunda hora de prova foi tranquila. Após as paradas de box para abastecimento, a Audi ocupa as três primeiras colocações com Lotterer na liderança e Di Grassi em segundo, duelando fortemente com McNish pela segunda colocação.
Com a pista seca neste momento, o desempenho dos Toyota caíram um pouco: o #8 de Davidson ocupa a quarta colocação e #7 de Lapierre a quinta posição.
Na LMP2 os dois carros da OAK Racing seguem na ponta, seguido pelo Zytek da Jota Sport de Oliver Turvey na terceira posição. Na LMGTE-PRO, duelo dos bons entre as Porsches (Manthey) e das Aston Martin (Aston Martin Racing) pelas quatro primeiras posições. A liderança é do Aston Martin #97 de Darren Turner.
Na LMGTE-AM, liderança para a Ferrari #61 da AF Corse, seguida pelo Porsche #67 da IMSA Performance Matmut e pelo outro Ferrari #55 da AF Corse.

24 Horas de Le Mans 2013: 1ª Hora

A 90ª Edição das 24 Horas de Le Mans teve a sua largada dada com a pista molhada em boa parte do longo circuito de Sarthe, e apesar de uma boa partida do Audi #1 de André Lotterer, que assumiu a ponta antes da chicane Dunlop, ele teve a companhia do Toyota #7 de Nicolas Lapierre que atacou os outros dois Audis ainda na primeira volta, ficando no encalço do carro dos Bi-Campeões de Le Mans.
O outro Toyota #8, conduzido por Anthony Davidson, também partiu com tudo para cima dos outros Audis, travando uma duelo sensacional pela quarta e terceira colocações. Mas na terceira volta um acidente com o Aston Martin #95 da categoria LMGTE-AM de Allan Simonsen, na saída da Tértre Rouge, pôs a corrida em regime de Safety Car para conserto do guard-rail e retirada do carro. Allan passa bem.
Abaixo as colocações da LMP1, LMP2, LMGTE-PRO e AM:



24 Horas de Le Mans: O acidente de Allan Simonen

E mal começou as 24 Horas de Le Mans e já tivemos uma panca na saída da Tértre Rouge: o Aston Martin #95, da categoria LMGTE-AM pilotado por Allan Simonsen/ Christoffer Nygaard/ Kristian Poulsen bateu forte, destruindo por completo o carro. 
Neste momento a prova está sob Safety Car e Allan Simonsen, que estava ao volante, foi levado para o hospital.


sexta-feira, 21 de junho de 2013

24 Horas de Le Mans - Carros, pilotos e time table deste fim de semana

E abaixo ficará a lista ilustrada da turma que participará da 90ª Edição das 24 Horas de Le Mans, que terá início amanhã as 15:00 da França (10:00 da manhã aqui no Brasil).
(Clique para ampliar)

(Clique para ampliar)

(Clique para ampliar)

24 Horas de Le Mans 2013: Pole para a Audi

(Foto: Audi Motorsport)
Devido a chuva e acidentes que encurtaram as outras duas sessões de treinos classificatórios realizados ontem em Sarthe, a pole position ficou com o Audi e-tron quattro #2 pilotado por Tom Kristensen/ Löic Duval/ Alan McNish, com a volta sendo estabelecida pelo francês Duval no primeiro treino classificatório realizado na quarta-feira com o tempo de 3'22''349. Mesmo com as condições variáveis das outras duas qualificações de ontem, os outros dois Audis apenas se aproximaram do tempo feito de Duval. O Audi #1 dos bi-campeões André Lotterer/ Benoit Tréluyer/ Marcel Fässler sairá em segundo e o #3 pilotado por Marc Gené/ Lucas Di Grassi/ Olivier Jarvis ficou com a terceira colocação.
Já os Toyotas estiveram um degrau (ou seriam 2, 3, 4 degraus?) abaixo da Audi. O melhor dos dois TS030 Hybrid é o #8 conduzido por Anthony Davidson/ Sebastien Buemi/ Stéphane Sarrazin ficou "apenas" a 4''3 segundos do pole e a 2"3 do pior dos Audis. O outro Toyota #8, pilotado por Alexander Wurz/ Nicolas Lapierre/ Kazuki Nakajima largará em quinto, 0''022 centésimos do outro Toyota. Um desempenho bem abaixo do esperado para o time japonês que fez muito mais na sua reaparição em Sarthe ano passado sem ter se preparado muito. A única esperança, aparentemente, respousa sobre a possibilidade de chuva que igualaria as performances entres alemães de japoneses. Mas isso parece estar distante.
Na LMP2 pole para o trio Olivier Pla/ Alex Brundle/ David Henemeir-Hänsson com o Morgan Nissan #24 da OAK Racing com o tempo de 3'38''621, 0''914 melhor que o trio da G-Drive Roman Rusinov/ John Martin/ Mike Conway com o Oreca Nissan #26. A terceira posição é do Team Jota com o #38 pilotado por Simon Dolan/ Lucas Luhr/ Oliver Turvey.
Na LMGTE-PRO domínio do Aston Martin #99 do trio Fred Makowiecki/ Bruno Senna/ Rob Bell que fez o tempo de 3’54″635 contra 3'55''445 do outro trio da Aston Martin, que pilotará o #97, formado por Stefan Mücke/ Darren Turner/ Peter Dumbreck. A terceira posição ficou com o Porsche 911 (991) do Team Manthey #92, que será conduzido por Marc Lieb/Richard Lietz/Romain Dumas.
Na última classe, a LMGTE-AM, a primeira colocação ficou para o Aston Martin #95 do trio Allan Simonsen/ Christoffer Nygaard/ Kristian Poulsen com o tempo de 3’57″776, seguido pelo Porsche #88 da Proton Speed que será conduzido por Paolo Ruberti/ Christian Ried/ Gianluca Roda e pelo outro Aston Martin #96 de Jamie Campbell-Walter/Roald Goethe/Stuart Hall.
Apesar da LMP1 apresentar um cenário de domínio amplo por parte da Audi, é bom lembrar o quanto que os carros da Toyota são econômicos com realção ao combustível. Talvez este seja um trunfo para o time japonês que, ao menos nos treinos, apresentaram uma ritmo bem abaixo do que era esperado.
Nas outras categorias, o que não faltará é duelos, principalmente na classe dos GTs onde a Aston Martin aparece bem cotada, mas sempre com Ferrari, Porsche e, quem sabe a Corvete, na cola deles. 

Foto 217: Os vencedores das 24 Horas de Le Mans – Parte 9

O início desta década começou sob uma batalha intensa entre Audi e Peugeot pelo domínio das 24 Horas de Le Mans. Mas os franceses, que pareciam mais forte com o seu modelo 908HDi totalmente repaginado, tropeçou na sua arrogância ao subestimar o poderio dos carros da Audi na edição de 2010.
A Peugeot ocupou as quatro primeiras colocações na fase de classificação, colocando quase que quatro segundos de vantagem sobre o melhor dos Audi R15 que aparecia somente na quinta posição. Para se ter uma idéia da força dos franceses naquela classificação, o carro da Matmut Oreca, equipe semi-oficial da Peugeot e que largou na quarta colocação, colocou 2.4 segundos de vantagem sobre o Audi R15 conduzido por Kristensen/ McNish/ Capello.
Mas os franceses pagaram caro: apesar dos quatro carros serem extremamente velozes, eles foram se perdendo pelo caminho por problemas de suspensão e motor. Na última hora de prova o único Peugeot na pista era o semi-oficial da Oreca, mas este não tinha mais o que fazer devido o alto número de voltas que tinha de atraso para o Audi R15 #9 de Mike Rockenfeller/ Timo Bernhard/ Romain Dumas.
Em 2011 outro duelo entre Audi e Peugeot agitou a prova em Sarthe e desta vez com os alemães estreando o novo carro, o Audi R18 TDi. Esta prova foi dramática para a Audi, que perdera dois de seus três carros em acidentes antes da corrida ter chegado a metade. O restante da prova foi de concentração total para com o Audi #2 de Marcel Fäsler/ André Lotterer/ Benoit Treluyer que acabaram por vencer em Sarthe, mesmo sofrendo uma assédio do Peugeot #9 conduzido por Sebastien Bourdais/ Simon Pagenaud/ Pedro Lamy no fim da corrida. Por irônia, numa corrida em que optaram por serem conservadores após a lição de 2010, a Peugeot terminou com seus quatro carros em pista e em perfeitas condições, mas talvez tenham errado na estratégia de tentar atacar o único Audi que restava um pouco tarde. E o sentimento de derrota foi ainda mais doloroso quando foi verificado que o carro a Audi tinha um furo e um dos pneus naquele estágio da corrida.
A edição de 2012 não contou com a presença da Peugeot que retirara a sua equipe ainda no início do ano numa manobra para cortar custos da fábrica. Desse modo a Audi aparecia totalmente absoluta para ganhar em Sarthe com folga, mas a reaparição da Toyota entre os LMP1 após treze anos de ausência dava um tom de que poderíamos ter algum duelo. Infelizmente os dois TS030 Hybrid inscrito pelos japoneses não chegaram ao fim devido a acidentes nas cinco primeiras horas de prova, mas o ritmo foi satisfatório ao dar algum trabalho aos quatro Audi R18 presentes na corrida. A vitória acabou por ficar para o trio Marcel Fäsler/ André Lotterer/ Benoit Treluyer pilotando o #1, conquistando assim o bi-campeonato nessa prova.

2010 - Mike Rockenfeller - Romain Dumas - Timo Bernhard (Audi R15 TDI Plus)

2011 - Bénoit Tréluyer - Andre Lotterer - Marcel Fässler (Audi R18 TDi)

2012 - Bénoit Tréluyer - Andre Lotterer - Marcel Fässler (Audi R18 e-tron quattro)

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Foto 216: Os vencedores das 24 Horas de Le Mans – Parte 8

Com a saída da Porsche no final dos anos 90 do cenário das provas Endurance com sua equipe oficial, a disputa era em saber quem poderia ocupar o lugar da mais vitoriosa fábrica nas 24 Horas de Le Mans.
Mercedes e Toyota encerraram as suas atividades nas corridas de longa duração após os desaires nos últimos anos em Le Mans e o que parecia e que a BMW, então vencedora de 1999, pudesse dominar este cenário. Mas quem tomou de assalto as provas de Endurance, em nível mundial, foi a fábrica de Ingolstadt: a Audi.
Com um corpo técnico fortissímo e contando com os trabalhos de pilotos do naipe de Tom Kristensen, Rinaldo "Dindo" Capello, Frank Biela, Michele Alboreto, Emanuele Pirro e Allan McNish, a fábrica que ressurgiu do restou na lendária Auto Union dos anos 30 e que teve sucesso nos Ralies dos anos 80 com o seu Audi Quattro, dominou amplamente a prova de Sarthe. Das dez corridas disputadas na década passada, eles venceram oito (5 com o modelo R8 e outras três com o modelo R10 TDi movido a diesel, que tornou-se o primeiro carro a vencer em Le Mans com este tipo de combustível logo na sua estréia, em 2006). Um domínio tão brutal quanto ao da Porsche nos anos 80.
Os anos 2000 foram de retornos de dois gigantes à Sarthe: a Bentley voltou em 2002 e venceu em 2003, 73 anos depois da sua última conquista, com o seu modelo Speed 8. Outro retorno festejado, e que deu trabalho ao poderio da Audi na segunda metade da década, foi o da Peugeot com o seu belo 908HDi FAP movido a diesel que venceu a edição de 2009.
Outros dois acontecimentos notáveis no mundo do Endurance tiveram espaço naquela época: a volta de um campeonato para os protótipos que era comandada pelo Automovel L'Oueste, chamada Le Mans Series, que teve ramifcações espalhadas nos EUA, Europa e Ásia. A outra foi a quebra do recorde de vitórias de um piloto nas 24 Horas de Le Mans com Tom Kristensen chegando a oito triunfos, superando as seis conquistas de Jacky Ickx entre 1969 e 1982.


2000 - Frank Biela - Tom Kristensen - Emanuele Pirro - (Audi R8 Race Car)


2001 - Frank Biela - Tom Kristensen - Emanuele Pirro - (Audi R8 Race Car)


2002 - Frank Biela - Tom Kristensen - Emanuele Pirro - (Audi R8 Race Car)


2003 - Tom Kristensen - Rinaldo Capello - Guy Smith - (Bentley Speed 8)


2004 - Tom Kristensen - Rinaldo Capello - Seiji Ara - (Audi R8 Race Car)


2005 - Tom Kristensen - JJ Lehto - Marco Werner - (Audi R8 Race Car)


2006 - Frank Biela - Emanuele Pirro - Marco Werner (Audi R10 TDI)


2007 - Emanuele Pirro - Frank Biela - Marco Werner (Audi R10 TDI)


2008 - Tom Kristensen - Rinaldo Capello - Allan McNish (Audi R10 TDI)


2009 - David Brabham - Marc Gené - Alexander Wurz (Peugeot 908 HDi FAP)

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Crash: O acidente de Tracy Krohn em Le Mans

E os ensaios livres para as 24 Horas de Le Mans tiveram seu início hoje cedo em Sarthe, com o domínio absoluto da Audi colocando seus três carros nas primeiras posições. O melhor tempo foi de Loïc Duval com o #2 (3:25.415), seguido por Benoit Tréluyer com #1 e por Gené com o #3 no LMP1.
Na LMP2 o melhor tempo ficou com o #35 da OAK Racing (3:42.813), seguido pelo #46 da Thiriet By TDS Racing e pelo #26 da G-Drive Racing. Entre os LMGTE-PRO melhor tempo para o #92 da Porsche AG Team Manthey (3:58.347), com a Ferrari 458 #71 da AF Corse em segundo e o Porsche 911 RSR da Porsche AG Team Manthey em terceiro. Na LMGTE-AM a melhor marca foi para o #95 da Aston Martin Racing (4:00.650), seguido pela Ferrari 458 #61 da AF Corse e pelo Porsche 911 GT3 #88 da Proton Competition.
Mas os treinos foram marcados por dois acidentes que darão trabalho para os mecânicos das suas respectivas equipes: Tracy Krohn, dono e piloto da equipe que leva o seu nome, bateu a Ferrari 458 #57 na saída dos esses Dunlop e espatifou a traseira desta, causando a bandeira vermelha que acabou por encerrar o treino. O outro acidente aconteceu com o Zytec #41 da Greaves Motorsport, com Eric Lux ao volante, que deixou o carro bem destruído.
Trabalho pesado para ambas equipes.
O carro da Greaves Motorsport, destruído durante os ensaios livres
(Foto: AUTOhebdo)

Foto 215: Os vencedores das 24 Horas de Le Mans – Parte 7

Se os anos oitenta foram sensacionais para o mundo dos SportsCars, os anos 90 foi melancólico com a extinção do Campeonato Mundial de Esporte Protótipos em 1992. Dessa forma, os grandes construtores ficaram de fora das 24 Horas de Le Mans e o que se viu foram grid magros, como bem ficou registrado na edição de 1992 quando apenas 28 carros alinharam para aquela prova.
A década de noventa ainda teve a despedida da poderosa Porsche que, antes de se retirar das pistas com sua equipe oficial ou semi-oficial, ainda venceu mais outras quatro vezes em Sarthe aumentando seu recorde para 16 conquistas.
A Jaguar ainda beliscou uma vitória em 1990 (a sétima da marca em Le Mans) e a Mazda tornou-se a primeira - e única - fábrica japonesa a vencer as 24 Horas de Le Mans. A Peugeot teve um breve domínio com os eu modelo 905 que foi venceu no biênio 92/93. A Mclaren, com o seu belo e eficiente F1 GTR com motor BMW, conquistou a edição de 1995 assim como a própria BMW com o seu V12 LMR no ano de 1999, quando duelou com a Toyota pela conquista em Le Mans.
Foi nessa mesma década que começou a trajetória de Tom Kristensen para tomar o recorde de Jacky Ickx nessa prova: ele venceria a edição de 1997 junto de Michele Alboreto e Stefan Johansson, no comando do Porsche WSC-95.


1990 - John Nielsen - Price Cobb - Martin Brundle - (Jaguar XJR-12)


1991 - Volker Weidler - Johnny Herbert - Bertrand Gachot - (Mazda 787B)


1992 - Derek Warwick - Yannick Dalmas - Mark Blundell - (Peugeot 905)


1993 - Gary Brabham - Christophe Bouchut - Eric Hélary - (Peugeot 905)


1994 - Yannick Dalmas - Hurley Haywood - Mauro Baldi - (Dauer 962 Le Mans)


1995 - Yannick Dalmas - JJ Lehto -Masanori Sekiya - (McLaren F1 GTR)


1996 - Manuel Reuter - Davy Jones - Alexander Wurz - (Porsche WSC-95)


1997 - Michele Alboreto - Stefan Johansson - Tom Kristensen - (Porsche WSC-95)


1998 - Laurent Aïello - Allan McNish - Stéphane Ortelli - (Porsche 911 GT1)


1999 - Pierluigi Martini - Yannick Dalmas - Joachim Winkelhock - (BMW V12 LMR)