quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Documentário: A história da Audi

Apesar de ter sido construída com dinheiro e apoio nazista, não pode-se negar que as "Silver Arrows" escreveram uma parte importante na história do automobilismo de competição na segunda metade do anos 30, suplantando a até então imbatível irmandade italiana comandada por Enzo Ferrari, Tazio Nuvolari, Achille Varzi e Alfa-Romeo.
Neste documentário, de quase 55 minutos, a história da Audi é contada desde a sua formação no início dos anos 30; a sua participação vitoriosa e dominante a ao lado da Mercedes; o desaparecimento durante a Segunda Guerra Mundial até os eu reaparecimento nas competições pelo Rally, com seu mítico Audi Quattro Turbo no insano Grupo B dos anos 80. O vídeo é de 1992.

Crash: Mini Cooper Cup e Fórmula Ford

Provas bem agitadas na Grã-Bretanha neste fim de semana passado. Começando pela largada caótica no campeonato Celta da Mini Cooper Cup, na pista de Knockhill, com o capotamento de um dos concorrentes após o contorno da primeira curva:



E na Fórmula Ford, disputado sob chuva no veloz circuito de Snetterton,  um triplo acidente após a saída do Safety Car. Nos dois acidentes, do Cooper e dos F-Ford, todos os pilotos saíram sem ferimentos.



Os 20 anos da primeira vitória de Schumacher na F1


Schumacher comemorando a primeira das suas 91 vitórias, em Spa 1992
(Foto: Getty Images)
Aquele alemão queixudo, de cabelo com corte típico dos anos oitenta que pouca gente conhecia, a não ser alguns que acompanhavam o Mundial de Sport Protótipos, estreou e fez algum barulho na F1 quando levou o Jordan ao sétimo lugar do grid do GP da Bélgica de 1991. Um feito notável, uma vez que ele nunca tinha corrido por lá e Willi Weber, seu empresário, jurou de pé junto que o seu garoto conhecia a pista belga muito bem. Enganou direitinho e caso o câmbio não quebrasse após virar a La Source depois da largada, Michael poderia muito bem ter se dado ao luxo de tentar algo muito melhor naquela prova, pois o desempenho do Jordan naquela pista foi tão bom que De Cesaris chegou a discutir a vitória com Senna. Passado um ano, ele voltou e venceu em Spa como se tivesse marcado hora e lugar para que a sua primeira vitória acontecesse lá. Foi astuto ao trocar os pneus na hora certa em que a pista secava e teve a sorte de as Williams sofrerem problemas mecânicos. Venceu bem e convenceu toda a crítica que já via nele um futuro vencedor de Grandes Prêmios. Para Flavio Briatore, que tinha desalojado Pupo Moreno um ano antes para dar lugar a Michael, o investimento estava dando resultado e para Schumacher a caminhada para algo maior estava apenas começando.
Aquela vitória na tarde molhada de 30 de agosto parece agora, vinte anos mais tarde, o início de algo grandioso que na época era difícil de perceber: o domínio de um cara só. Apesar de que Ayrton ainda estivesse por lá, outros ases tinham, ou estavam deixando a categoria: Piquet pendurou o capacete em 1991 e foi respirar outros ares; Prost estava num ano sabático após ter sido escorraçado pela Ferrari ao final de 91, mas já arquitetava por debaixo dos panos a sua volta à F1 pela Williams que Mansell acabara de levar aos títulos de Pilotos e Construtores. Este último também caiu fora para 93, indo se divertir na IndyCar. Senna também estivera envolvido num vai ou racha quanto à sua permanência na categoria e na McLaren, que foi resolvido apenas na temporada de 93. Ou seja, a velha guarda, mesmo tendo Senna e Prost no comando ainda em 1993, começava a pensar na aposentadoria. Os novatos não eram tão promissores e também não estavam em grandes equipes: salvo Alesi que ainda era uma esperança do automobilismo francês, onde depositavam as fichas apostando que seria o substituto de Prost. Schumacher era o único que estava numa equipe, que de fato, tinha condições de vencer corridas. Jean estava na Ferrari, era jovem, rápido, brigador, mas a equipe italiana passava por uma crise técnica e administrativa que era pavorosa. Michael também era veloz e ousado, mas estava numa equipe muito mais bem organizada e era o Team oficial – se é que podemos dizer assim – da Ford na F1 sendo que todas as especificações dos HB e novidades passavam pela equipe ítalo-inglesa. O corpo técnico também era dos bons: Rory Byrne e Ross Brawn acharam em Schumacher o cara perfeito, o piloto por excelência, para desenvolver os bem sucedidos Benettons que saiam de suas mesas de projeto. E apesar da aparição de Barrichello, Christian Fittipaldi, Damon Hill e a volta de Mika Hakkinen, se alguém ainda quisesse apostar algo, Alesi e Schumacher encabeçariam a lista.
Mas Michael, como disse antes, era o mais bem apanhado tecnicamente. O seu talento floresceu ainda mais em 93, apesar de ter conquistado apenas uma vitória e em 1994, com um carro melhor – ou poderíamos dizer dopado? – que a Williams, ele apareceu forte nas primeiras etapas ao derrotar Senna e tomar conta do resto do campeonato quando o brasileiro morreu. Michael, apesar de todas as controvérsias ao redor do desempenho do seu Benetton B194, ganhou o mundial daquele ano. O pupilo da Mercedes tinha chegado ao topo em dois anos e meio e daí e diante não pararia mais e a figura de ídolo que ele construiu nos anos 90 motivou os garotos alemães a começarem a competir e isso de ajuda muito o automobilismo em qualquer parte do mundo.
Os alemães tiveram uma época de ouro com os resultados das imbatíveis Mercedes e Auto Union na segunda metade dos anos trinta. Rudolf Caracciola, Bernd Rosemeyer, Hans Stuck, Manfred Von Brauschitsch e Hermann Lang eram os nomes que haviam elevado a Alemanha à potência automobilística de competição que foi quase dizimada após a Segunda Guerra Mundial. Mesmo com a volta da Mercedes em alto estilo ao mundo das corridas, com títulos na F1 e nas principais provas européias, ainda faltava-lhes um grande piloto e até a sua saída em 1955, motivada pela tragédia de Le Mans, este não havia aparecido. Wolfgang Von Trips, que parecia ser o piloto primeiro alemão a ser campeão do mundo, acabou falecendo num acidente em Monza 1961, justamente quando decidia o título contra seu companheiro de Ferrari Phil Hill. Os alemães esperariam por mais 23 anos até que Stefan Bellof, que tinha talento suficiente para tal conquista, aparecesse e desaparecesse feito um raio ao morrer em Spa-Francorchamps num a prova válida pelo Mundial de Sport Prototipos em 1985. Michael apareceria seis anos depois, lá mesmo em Spa, como a mais nova esperança de um piloto alemão de chegar ao olimpo. E este conseguiu.
Michael atingiu números inimagináveis e suas conquistas motivaram os garotos. Da mesma forma que os títulos de Emerson, Nelson e Ayrton influenciaram garotos que decidiram apostar no automobilismo e tentar a sorte de um dia, quem sabe, chegar à F1, a “Schumachermania” também criou uma legião de meninos que ingressaram no kart na segunda metade dos anos 90 e que agora estão na F1: Vettel, Hulkenberg, Rosberg, Glock (que não é tão garoto assim) e todos, ou quase todos, tiveram sucessos nas categorias por onde passaram. A presença constante de Schumacher no topo da F1 foi vital para que o automobilismo alemão voltasse a ser uma das forças do cenário em termos de pilotos, e não apenas entres as fábricas. Aliás, aí está um fator interessante para que o automobilismo de alguns países pegue pra valer: a falta de um piloto vencedor, que motive os jovens também a competirem. Mas para isso as Confederações precisam estar engajadas e aproveitar o momento para incentivar ainda mais a prática do esporte motorizado, com parcerias para criações de novas categorias – monopostos e turismo – com preços acessíveis para os novos participantes e divulgação em massa para que o público possa lotar as pistas para prestigiar e apoiar os novos valores que vão aparecer. Aqui no Brasil é isso o que está faltando, mas a Confederação está mais preocupada em bater recordes em números de novas carteirinhas, do que em criar categorias para que os garotos que saem do kart não precisem pegar logo de cara um F-3 com mais de 300cv.
O caminho traçado por Michael Schumacher está tendo continuidade com Vettel, que ainda reinará por muito tempo como melhor piloto alemão na categoria e com o passar do tempo, é bem provável que apareçam outros pilotos alemães tão bons quanto o Sebastian e o velho Michael. A história de sucesso do automobilismo alemão, que deveria ter tido início pelas mãos de Bellof durante os anos 80, foi abreviada em Spa e reaberta lá mesmo em 91, com a estréia de Michael e confirmada pelo mesmo um ano depois no mesmo local. E de quebra ele completará 300 GPs neste fim de semana em... Spa-Francorchamps.
De fato, um lugar especial para ele.

    

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Gerhard Berger, 53 anos

O fiel escudeiro de Ayrton nos tempos de Mclaren e que anos depois tirou a Ferrari da fila de vitórias que duravam quatro anos (1990-94), completa hoje 53 anos. Ah, ele também foi o responsável pela primeira e a última vitória da Benetton na F1: GP do México de 1986 e GP da Alemanha de 1997.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

IndyCar Battles: Cleveland 1995

Talvez um dos melhores duelos da história da extinta CART, com cinco pilotos na luta pela vitória no circuito montado no Burke Lakefront em Cleveland.
Enquanto que Michael Andretti parecia tranquilo na liderança rumo à vitória, Scott Pruett, Gil De Ferran, Brian Herta e Jacques Villeneuve travavam duelos vicerais pelas 2ª e 4ª colocações. Faltando três voltas para o fim, De Ferran tentou uma ultrapassagem por dentro e teve a porta fechada por Pruett e ambos acabaram na grama. Momentos antes Jacques havia ganho a quarta colocação de Herta, mas a perderia logo em seguida após o enrrosco de Gil e Scott. Por algum motivo, Andretti perdeu rendimento na penúltima e tinha em seu encalço Herta, que já vinha com boa distância para Villeneuve que parecia conformado com os terceiro posto. Na tentativa de passar para a liderança Brian colocou o Reynard por dentro na última curva do circuito e efetuou a ultrapassagem, mas acabou errando a freada e permitindo com que Andretti voltasse para a liderança. O problema é que nenhum deles, e nem mesmo os que estavam presentes naquela tarde, acreditaram quando o Reynard azul claro da Forsythe de Villeneuve apareceu feito um raio no meio dos dois e subiu para a primeira posição na . Michael ainda tentou recuperar a ponta, mas tocou no pneu traseiro direito do carro de Jacques o que danificou a sua suspensão fazendo com que caísse na classificação. Herta ainda comboiou o canadense na tentativa de tentar uma última cartada, que nunca aconteceu e assim Jacques pôde conquistar a sua quarta vitória no ano e sua última na CART.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Foto 112: Um ano antes...

Gilles e Didier lado a lado na saída de box do circuito de Ímola, em 1981. Ambos terminaram aquela corrida, com Pironi ficando à frente de Villeneuve ao chegar em quinto e o canadense terminar em sétimo. Nelson Piquet venceu aquela prova, com Patrese em segundo e Reutemann em terceiro.


domingo, 19 de agosto de 2012

Vídeo: A épica chegada da ALMS em Road America

Foi apenas 0''083 centésimos que separaram os vencedores Chris Dyson/ Guy Smith (Dyson Racing - Lola B12/60 Mazda) do duo Klaus Graf/Lucas Luhr (Muscle Milk Racing - HPD-ARX 03a) do final da sétima etapa do campeonato do American Le Mans Series disputado no circuito de Road America.
As últimas voltas foram de batalha total pela vitória entre as duas equipes, sempre com Smith à frente de Luhr usando o tráfego intenso das últimas voltas para se defender dos ataques do piloto da Muscle Milk. Apesar do ataque final de Luhr, na entrada da última curva que lhe valeu momentaneamente a liderança, Smith conseguiu emparelhar e fechar na frente do rival com a miníma diferença da história da categoria. Ano passado, lá mesmo em Road America, as mesmas equipes já haviam travado um ótimo duelo com a vitória ficando por conta da Muscle Milk.
O detalhe é que as duas duplas tiveram contratempos: enquanto que a Muscle Milk teve um vazamento de água, que fez a dupla perder quatro voltas nos boxes - e que foram recuperadas, o duo da Dyson Racing partiu do fundão para uma espetacular vitória.  

Crash: Super GT: 1000Km de Suzuka

E nos 1000Km de Suzuka, prova válida pelo Super GT, Toshihiro Kaneshi/ Koudai Tsukakoshi bateram o seu Honda HSV #17 na saída da veloz 130R. O acidente aconteceu devido uma quebra da roda traseira direita e apesar do forte impacto, Toshihiro saiu ileso.
A prova vencida pelo duo Masataka Yanagida/ Ronnie Quintarelli, que pilotaram o Nissan GT-R #12. Eles completaram a prova em 5:59'01.662. João Paulo de Oliveira, que dividiu o volante do Nissan GT-R # com Tsugio Matsuda, terminou em quarto.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

As 23 do Nelsão

E aqui fica a minha homenagem aos 60 anos que Nelson Piquet completa hoje. São 23 fotos das suas 23 vitórias na F1.

1ª GP dos EUA – Long Beach -
30/03/1980
Brabham/Ford



2ª GP da Holanda – Zandvoort -
31/08/1980
Brabham/Ford



3ª GP da Itália – Ímola -
14/07/1980
Brabham/Ford




4º GP da Argentina – Oscar Galvez -
12/04/1981
Brabham/Ford


5º GP de San Marino – Ímola -
03/05/1981
Brabham/Ford
*20ª Vitória brasileira na Fórmula 1
6º GP da Alemanha – Hockenheim -
02/08/1981
Brabham/Ford



7º GP do Canadá – Montreal -
13/06/1982
Brabham/BMW



8º GP do Brasil – Jacarepaguá -
13/03/1983
Brabham/BMW



9º GP da Itália – Monza -
11/09/1983
Brabham/BMW





10º GP da Europa – Brands Hatch -
25/09/1983
Brabham/BMW

11º GP do Canadá – Montreal -
17/06/1984
Brabham/BMW

12º GP dos EUA – Detroit -
24/06/1984
Brabham/BMW

13º GP da França – Paul Ricard -
07/07/1985
Brabham/BMW

14º GP do Brasil – Jacarepaguá -
23/03/1986
Williams/Honda
15º GP da Alemanha – Hockenheim -
27/07/1986
Williams/Honda

16º GP da Hungria – Hungaroring -
10/08/1986
Williams/Honda

17º GP da Itália – Monza -
07/10/1986
Williams/Honda
18º GP da Alemanha – Hockenheim -
26/07/1987
Williams/Honda

19º GP da Hungria – Hungaroring -
09/10/1987
Williams/Honda
*40ª Vitória brasileira na Fórmula 1

20º GP da Itália – Monza -
06/09/1987
Williams/Honda
21º GP do Japão – Suzuka -
21/10/1990
Benetton/Ford

22º GP da Austrália – Adelaide -
04/11/1990
Benetton/Ford
*GP de número 500 da Fórmula 1

23º GP do Canadá – Montreal -
02/06/1991
Benetton/Ford

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Foto 111: Na Hungria, há 20 anos...

(Foto: Sutton Images)

(Foto: Divulgação)
As duas fotos são de momentos distintos, que aconteceram no mesmo final de semana do GP da Hungria de 1992: a primeira é do Nigel "Il Leone" Mansell, que enfim chegava ao seu primeiro título Mundial que lhe havia escapado pelos dedos nos anos de 86, 87 e 91, todos pela Williams.
Por outro lado, no mesmo paddock, a Brabham fazia o seu último Grande Prêmio na F1 após Damon Hill qualificar-se em 25º e terminar em 11º, quatro voltas atrás do vencedor Ayrton Senna. Foi o melhor resultado da equipe naquele ano, sendo que nas outras dez corridas anteriores haviam classificado em outras duas oportunidades: na corrida inaugural em Kyalami, quando Eric Van De Poele largou em 26º e completou a corrida na 13ª posição e no GP da Grã-Bretanha com Damon Hill, que largou em 26º e terminou em 16º. Nas demais eles foram limados ainda nas pré-qualificações ou nos classificatórios. Além de Poele e Hill, Giovana Amati foi a outra piloto da equipe.
A partir do GP da Bélgica, a equipe fundada por Jack Brabham e Ron Tauranac, não apareceu mais na F1. 

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Foto 110: Bebericando

Sebastian Löeb, Ken Block e Kimi Raikkonen num momento de descontração em um bar de Cardiff durante o fim de semana do Rally do País de Gales de 2010.
Isso tem história meus amigos...

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Foto 109: Matagal Made In Austria

Essa foto me fez lembrar do Tuka Rocha - que hoje corre de Stock Car - que ficou perdido com o seu Dallara Nissan no meio do mato na Junção de Interlagos, durante os treinos livres da extinta Super Nissan, quando esta correu aqui no Brasil no final de 2002.
A foto, em questão, é do Derek Daily que rodou e ficou no meio da relva do velho circuito de Zeltweg durante o GP da Áustria de 1978 com seu Ensign.
O mato de Interlagos, quase 12 anos atrás, estava assim. Ou maior.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Vídeos: As chegadas do BTCC e NASCAR

Pelo jeito ontem foi dia de chegadas memoráveis nas provas de turismo pelo mundo. Se na NASCAR Marcos Ambrose garantiu uma vitória -  a segunda dele em Watkins Glen - no braço, Andrew Jordan, no BTCC, venceu após uma batalha memorável onde os dois primeiros Jason Plato e Matt Neal, na penúltima volta, se engalfinharam durante a disputa da primeira colocação na segunda prova disputada em Snetterton.

A chegada da NASCAR:

E a do BTCC, na corrida 2 em Snetterton:

sábado, 11 de agosto de 2012

F1 Battles: Ayrton Senna vs Nigel Mansell - GP da Bélgica, 1991

Senna e Mansell mais uma vez duelando pela liderança em um GP. Dessa vez em Spa-Francorchamps, 1991.
Nigel abandonou na volta 22 por problemas elétricos e Senna venceu aquele GP belga, lutando com um carro que vinha com problemas de câmbio, e chegou à 1.9 segundos à frente de Berger. Nelson Piquet e Roberto Pupo Moreno levaram os seus Benettons à 3ª e 4º colocações naquela corrida e a melhor volta ficando por conta de Moreno.
Bons tempos!

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Vídeo: Ari Vatanen em Pikes Peak, 1988

Sem asfalto, densa poeira e sol na cara. Assim era a velha subida de Pikes Peak, realizada em Colorado Springs. Em 1988 Ari Vatanen quebrou o recorde da prova com o seu Peugeot 405 T16 e isso virou um curta-metragem dirigido pelo francês Jean Louis Mourey que foi premiadíssimo nos Festivais de cinema de Chamonix, Chicago, Houston e Val D'Isere todos em 1990.
Apesar de hoje o percurso ter sido totalmente asfaltado, a prova ainda é sensacional e acontecerá neste final de semana.

A F1, para salvar a Grécia

Imersa em um das maiores crises finaceiras da sua história, a Grécia parece que ainda tem alguma grana para queimar ao desejar uma prova de F1 nas ruas de Drapetsona, na cidade portuária do Pireu.
A idéia surgiu em 2011 e a pista seria projetada por um arquiteto residente em Atenas, cujo nome não foi dito. O traçado seria um misto de autódromo e vias urbanas, utilizando uma área de 210.000 metros quadrados e o perímetro seria de 3,23 Km com 25 curvas.
Konstantinos Cavaras, Ministro do Esporte da Grécia, apoia a idéia de uma corrida por lá: "A possibilidadede ter uma corrida de Fórmula Um em Drapetsona seria muito importante para o desenvolvimento de Pireu."
O Ministro da Cultura e Turismo, Kostas Tzavaras, foi na mesma toada de seu companheiro: "A principal prioridade deste governo é criar instrumentos de desenvolvimento. Neste momento crítico para o nosso país, todos os esforços que promove a Grécia e atrai interesse internacional é bem-vinda e merece o nosso apoio. A perspectiva de realizar corridas de Fórmula Um em Drapetsona aumenta as expectativas para atualizar o nosso produto turístico, através da promoção do histórico Porto de Pireu e a reforma de toda a região. Esse projeto criaria novos empregos e colocaria nosso país de novo no cenário internacional."
Uma simulação do que pode vir a ser o circuito de Drapetsona, já foi feita. O traçado até que é interessante:

Não é por nada, mas os Gregos poderiam pensar em algo melhor para tirar o país dessa draga que estão enfrentando. Uma corrida de F1 só traria dor de cabeça. O velho Bernie iria sugar o resto de dinheiro que eles possuem e talvez a corrida saíria de lá rapidamente, assim como foi as provas de Aida, no Japão, que abrigou no biênio 94-95 as provas do GP do Pacífico. Ecclestone ajudou o idealizador e fundador do circuito, o japonês Hajime Tanaka a queimar toda a grana nestes dois eventos e depois caiu fora, deixando a travada pista de Aida no limbo.
Pode até trazer alguns dividendos uma prova por aquelas bandas gregas, mas acho que deveriam pensar em outra solução para tentar reerguer o país.  

Fonte: PlanetF1.com

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Tosquices Ecclestianas

Em meio ao campeonato de 1989, para coibir o domínio enjoativo que Senna, Prost e Mclaren davam à aquele certame, Bernie Ecclestone saiu com mais uma das suas ao propor a idéia - sem pé e nem cabeça - de o vencedor fazer uma parada obrigatória no próximo GP. Caso vencesse outra seguida, faria duas e assim por diante. Claro, não vingou, mas foi mais uma das idéias sem noção do tio Bernie que a usou como forma de dar satisfação aos patrocinadores e emissoras de TV da época.
Senna venceu 3 provas seguidas em 1989. Ou seja, teria que fazer três paradas
obrigatórias no GP do EUA (Phoenix).

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Revista Speed, Edição 2

A segunda edição, ou terceira, como queiram, afinal a primeira foi de número 0, da Revista Speed já está no ar desde a manhã deste dia 8 de agosto.
Com 68 páginas, a revista trás aos leitores um belo conteúdo: duas entrevistas; a história de Didier Pironi, um balanço sobre a primeira parte deste mundial de F1, duas colunas e a passagem do WTCC pelo circuito de Curitiba, que ainda teve a prova Auto GP.
Paulo Alexandre Teixeira nos apresenta a história da carreira de Pironi, desde os tempos de Volant Elf até a sua morte numa prova Offshore disputado na Grã-Bretanha, 1987; o GP Memória, relebrando o fim de semana do GP alemão de 1982, onde o próprio Pironi quase perdeu a vida; uma entrevista com o paulistano Ubiratan Bizarro Costa, que desenvolveu um sistema que pode evitar acidentes semelhantes ao que Maria Villota sofreu mês passado e a sua coluna "O Grande Circo", onde ele fala sobre a aposentadoria de Sebastian Löeb.
A outra entrevista dessa edição é com o piloto venezuelano Ernesto Viso, feita pela Patrícia Sayuri Fukui onde ele conta o seu início de carreira, a passagem rápida pela F1 e sua vida na Indy. Duas estréias nessa revista: Eduardo Cassola Filho, que disseca a primeira parte do campeonato da F1 e de Rafael Ligeiro, que assina a coluna que leva o seu sobrenome, contando como foi a primeira vez que viu um carro de F1.
Bruno Mendonça acompanhou as provas do WTCC e da AutoGP em Curitiba e eu assinei mais uma história na revista, onde conto como foram as duas provas da Copa Perón de 1951, vencidas de forma genial por Jose Froilan Gonzalez.
Boa leitura!

http://speedrevista.wordpress.com/

Nigel Mansell, 59 anos

Uma ajeitadinha no retrovisor
(Foto: Dale Kistemaker)
Louco, corajoso, paranóico, brigador. Assim era o velho Mansell nos seus tempos de F1. "Il Leone" completa hoje 59 anos.

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Vídeo: GP da França, 1974

Um pequeno resumo do que foi aquela nona etapa do Mundial de F1 de 1974, vencida por Ronnie Peterson com sua Lotus.
Foi a primeira visita da categoria ao circuito de Dijon-Prenois, que abrigou o GP da França daquele ano.

Foto 108: O elenco de "Le Mans"


Os senhores do filme "Le Mans". Da esquerda em diante: Mike Parkes, Jean-Pierre Jabouille, Gerard Larrousse, David Piper, Jonathan Williams, Steve McQueen, Derek Bell, Masten Gregory, Hughes de Fierlant, Herbert Linge, e o diretor Lee Katzin.

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Foto 107: Rosemeyer, Donington 1937

Bernd Rosemeyer queimando a borracha (?) do seu Auto Union Type C após a dominante vitória que obteve em Donington Park, em outubro de 1937.
Ele terminou a prova com 37 segundos de avanço sobre Manfred Von Brauchitsch e com 1minuto e 16 segundos sobre Rudolf Caracciola, que estavam ao volante das Mercedes W125 .