quarta-feira, 30 de julho de 2014

Vídeo: Uma pequena homenagem ao saudoso Mussum

Ontem completou 20 anos da morte do Antônio Carlos Bernardes Gomes, o Mussum. Foi daí que lembrei de um filme que os Trapalhões eram mecânicos numa equipe de corridas e o cenário das provas era nada mais que o velho Interlagos. Aliás, aí está um prato cheio com várias imagens do antigo traçado do circuito paulistano. E para os que gostavam dos Trapalhões também será uma boa rever um dos seus clássicos, este que leva o título de "O Incrível Monstro Trapalhão".
Divirtam-se!

Foto 374: 1000Km de Spa, 1971

(Foto: Nigel Snowdon)
Mais uma foto do Porsche 917K da John Wyer. Aqui, Pedro Rodriguez ao volante do carro que ele dividiu com Jackie Oliver durante os 1000Km de Spa Francorchamps de 1971.
A dupla venceu a prova, seguido pelo outro Porsche da John Wyer que foi pilotado por Jo Siffert/ Derek Bell. A terceira colocação foi da Alfa Romeo T33/3 de Andrea De Adamich/ Henri Pescarolo.

domingo, 27 de julho de 2014

GP da Hungria: Atacar é preciso

E que belas foram estas voltas finais em Hungaroring, não? Observando as atitudes dos três primeiros na luta intensa que foi pela vitória, Ricciardo mais uma vez, a exemplo do que acontecera no Canadá, atacou no momento certo e fez duas belas ultrapassagens em Hamilton e depois em Alonso para vencer a sua segunda corrida na F1. Fernando era uma aposta certeira para que tivesse de fazer mais uma parada de box devido o longo tempo que estava usando os macios, mas preferiu arriscar em vista de que não tem nada a perder. E quase ganhou... . Lewis sem dúvida foi o cara da prova e quando passou por Vergne, eu botava fé que ele chegaria em Alonso. Me enganei. Teve que passar pelo constrangimento de ouvir da Mercedes a mensagem para deixar Rosberg passar - sendo que este nem ameaçou - e depois se aproximar de Alonso em passo de formiga. Talvez ele estivesse poupando os pneus para um ataque no final, que nunca veio. Não chegou atacar o piloto da Ferrari com veemência a ponto de tentar fazer com ele errasse ou fizesse a manobra na marra, bem ao seu estilo. Daniel, que havia trocado os pneus nas últimas 15 ou 13 voltas finais, se aproximou e esperou para ver o que acontecia... e não aconteceu nada. Daí a sua atitude de atacar os dois veteranos.
Daniel tem a mesma raça de Hamilton, mas sabe usá-la em momentos certos como aconteceu em Montreal e hoje em Hungaroring. É como aquela raposa que vigia o galinheiro e num momento de distração que a porta ficou aberta, ela vai lá e ataca sem dar a mínima chance para a sua presa.
Daniel foi espetacular nestas voltas finais e mostrou mais uma vez o seu valor. E sem dúvida é o piloto do ano até aqui.

A corrida
Foto: Darko Vojinovic / AP

Aquelas provas enfadonhas de Hungaroring deram uma trégua hoje - ok, em algumas situações os "trenzinhos" foram formados, mas tem que se dizer que o uso do DRS num grupo que tenha três carros, ou mais, anula o proveito do piloto que está logo atrás. Foi assim que se manteve aquele grupo formado por Vergne, Alonso, Rosberg, Vettel e Hamilton.
A aposta numa chuva que não chegou no restante da prova, matou as poucas chances da Mclaren fazer um bom resultado na pista húngara, com seus dois pilotos arriscando com pneus intermediários após a saída do primeiro SC.
A Williams também se deu mal, mas talvez pelas estratégias que usou para Bottas e Massa. Creio que com alguma boa cartada, principalmente com Valtteri, a equipe poderia colocado-o na briga pela vitória. Fica para Spa e Monza, onde creio que a equipe terá uma boa chance de vencer.
Raikkonen teve uma boa prova até, fazendo dois pit-stops e se aguentando por 32 voltas com pneus macios. Até pensei que ele conseguiria chegar mais à frente, mas se meteu numa dura batalha com Massa e assim ficou até o fim, terminando em sexto.
Vettel estava muito bem e também tinha hipóteses de uma vitória, visto que tinha um bom ritmo e aguentando bem a pressão de Hamilton. Mas uma rodada na entrada da reta dos boxes e escapando milagrosamente de uma batida - que seria bem parecida com que Perez sofrera minutos antes -, tirou as suas possibilidades de um lugar no pódio.
E não posso esquecer de mencionar Vergne que fez, talvez, a sua melhor corrida na F1 com um belo desempenho e dando combate a Alonso, Rosberg e Hamilton.
E a F1 voltará em agosto, bem no seu finalzinho, com o GP belga. E até lá especulações e mais especulações numa série de campos da categoria.
Assunto não vai faltar

sábado, 26 de julho de 2014

Crash: 24 Horas de Spa-Francorchamps

E as coisas estiveram animadas nas primeiras duas horas de prova em Spa. Nada menos que quatro acidentes, sendo três na Eau Rouge-Raidillon e outra na Blanchimont. Algumas horas depois um pavoroso acidente na zona da Blanchimont envolvendo duas Ferraris da classe Gentleman Drivers, onde a prova acabou por ser interrompida.
A primeira panca foi do russo Viecheslav Maleev, que demoliu a Ferrari 458 quando atacou demais a zebra na subida da Eau Rouge, indo de encontro na barreira de pneus do outro lado e parando na Raidillon.

Na segunda o Mclaren MP4-12C de Tim Mullen bateu forte na Blanchimont, tanto que o piloto seguiu para o centro médico onde nada foi diagnosticado. Na relargada, foi a vez de Karim Ojjeh - com outra Mclaren - se espatifar na Eau Rouge, forçando outra entrada do SC.

Não satisfeitos, os pilotos trataram de arrumar outra panca e desta vez das grandes ao envolver quatro carros (Alex Dermidjan - Mclaren MP4-12C; Tim Muller - Ferrari 458; Andrew Howard - Aston Martin; Andrew Danyliw). Apesar da imagem, onde até um dos carros chegou a ter princípio de incêndio, os pilotos escaparam inteiros.

O pior acidente até aqui aconteceu há cerca de uma hora e meia, onde duas Ferraris se enroscaram na Blanchimont. Markus Mahy e Vadim Kogay tiveram suas Ferraris inteiramente destruídas e Mahy acabou por ser levado ao hospital de helicóptero. A prova ficou paralisada por um bom tempo exatamente para essa remoção.
 

GP da Hungria - Classificação - 11a Etapa

Se parecia que Rosberg teria alguma dificuldade neste treino, ela se esvaneceu quando Hamilton parou na Q1 com um incêndio no motor devido um vazamento de combustível. Mesmo com Vettel num ótimo dia e oferecendo uma certa ameaça, Nico esteve na ótima forma de sempre e cravou a sua sexta pole no ano.
A Red Bull, pelas mãos de Vettel, esteve bem e amanhã uma possível vitória não é descartada frente aos problemas que a Mercedes tem enfrentado. Ricciardo sairá em quarto, mas tem as suas chances de pódio, mesmo que tenha de lutar contra as Williams e Alonso.
Outro bom trabalho da equipe de Tio Frank, já as perspectivas para este circuito não eram das melhores. Com um carro tão bom em retas, será complicado alguém ultrapassá-los e também de segurá-los. Suponho que Vettel não terá vida fácil com Bottas logo atrás dele.
Para a Ferrari, restou apenas Alonso em quinto e Raikkonen limado ainda no Q1. Também mostraram uma certa evolução - a exemplo da Red Bull, credito isso ao circuito húngaro.

O que esperar da corrida?
Acredito num duelo ferrenho pela ponta se caso Vettel ou outro pular à frente de Rosberg. Caso contrário, já era.
Sobre Hamilton, largar dos boxes é uma boa pedida para tentar se livrar de possíveis enrroscos na primeira curva. Mas num todo, espera-se mais uma bela corrida dele.

Foto: Mark Thompson / Getty Images
Grid de largada para o Grande Prêmio da Hungria - 11ª Etapa

Pos  Piloto             Equipe                  Tempo      Dif
 1.  Nico Rosberg       Mercedes              1m22.715s
 2.  Sebastian Vettel   Red Bull-Renault      1m23.201s  +0.486s
 3.  Valtteri Bottas    Williams-Mercedes     1m23.354s  +0.639s
 4.  Daniel Ricciardo   Red Bull-Renault      1m23.391s  +0.676s
 5.  Fernando Alonso    Ferrari               1m23.909s  +1.194s
 6.  Felipe Massa       Williams-Mercedes     1m24.223s  +1.508s
 7.  Jenson Button      McLaren-Mercedes      1m24.294s  +1.579s
 8.  Jean-Eric Vergne   Toro Rosso-Renault    1m24.720s  +2.005s
 9.  Nico Hulkenberg    Force India-Mercedes  1m24.775s  +2.060s
10.  Kevin Magnussen    McLaren-Mercedes
11.  Daniil Kvyat       Toro Rosso-Renault    1m24.706s  +1.396s**
12.  Adrian Sutil       Sauber-Ferrari        1m25.136s  +1.826s
13.  Sergio Perez       Force India-Mercedes  1m25.211s  +1.901s
14.  Esteban Gutierrez  Sauber-Ferrari        1m25.260s  +1.950s
15.  Romain Grosjean    Lotus-Renault         1m25.337s  +2.027s
16.  Jules Bianchi      Marussia-Ferrari      1m27.419s  +4.109s
17.  Kimi Raikkonen     Ferrari               1m26.792s  +1.851s***
18.  Kamui Kobayashi    Caterham-Renault      1m27.139s  +2.198s
19.  Max Chilton        Marussia-Ferrari      1m27.819s  +2.878s
20.  Marcus Ericsson    Caterham-Renault      1m28.643s  +3.702s
21.  Lewis Hamilton     Mercedes
22.  Pastor Maldonado   Lotus-Renault

*Kevin Magnussen largará dos boxes por ter trocado o câmbio e por avaria no chassi, após o seu acidente no Q3

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Foto 373: Inspecionando

"Deixe-me ver o que tem de tão especial neste Lotus, Rindt?". Chris Amon e Jochen Rindt durante o fim de semana do GP de Mônaco de 1970.

GP da Hungria - Treinos Livres - 11ª Etapa

Lewis Hamilton: “Tivemos dificuldades com a pouca aderência da pista hoje. Eu não sei se é por causa dos pneus ou da pista em si, mas estava muito ruim nas duas sessões
Será importante conseguir uma boa posição de largada amanhã, pois será difícil seguir os carros nesta pista e é sempre difícil ultrapassar aqui.
Temos algum trabalho para fazer durante a noite para garantir que vamos ter o melhor acerto para o fim de semana, já que não estamos totalmente confortáveis com o carro ainda. Mas nosso ritmo de corrida pareceu OK. Vamos precisar olhar para toda a telemetria para realmente saber em que pé estamos”.


Nico Rosberg: “Eu fiquei um pouco surpreso que tivemos o carro mais rápido hoje, pois eu esperava que a Red Bull se aproximasse novamente, então é um começo bem encorajador para o fim de semana.
O carro está ótimo e super rápido nas curvas, então, no geral, estou bem contente. Ainda preciso encontrar mais tempo e há mais trabalho para ser feito no acerto do carro essa noite se quisermos conseguir isso. Mas estou confiante de que podemos fazer acontecer.
A classificação vai ser crucial aqui, pois ultrapassar não é fácil nessa excelente pista. Vamos trabalhar duro durante a noite, como sempre, para ver o que acontece amanhã”.
 

Sebastian Vettel: “Acho que podemos estar um pouco mais perto neste fim de semana, hoje pelo menos pareceu um pouco melhor. Mas de novo nós vimos que as pessoas podem dar um grande passo de sexta para sábado, especialmente a Williams, então temos que ter cuidado.
Esperamos que possamos dar um passo grande o suficiente para manter o ritmo de hoje e para podermos usar um pouco mais de potência, mas temos que esperar para ver onde estamos”.

Felipe Massa: “Tudo que a gente experimentou hoje a gente vai usar no carro, lógico que eu tenho algumas coisas mais antigas, que eu vou continuar usando, mas continuo achando que não é uma pista para nós. A Red Bull e a Ferrari devem crescer aqui também. E agora é tentar fazer o máximo amanhã para fazer o máximo que der na classificação.
Acho que vai ser difícil alguém chegar na Mercedes aqui. Eles possuem o melhor carro, sem dúvida, e aqui também. Talvez, a Red Bull esteja um pouco mais perto da Mercedes aqui e a Ferrari também deve estar um pouco mais competitiva do que nas últimas corridas. Mas apenas relativo à pista.
Tive um problema na parte traseira do carro e aí toda a curva para a direita, o carro tinha uma reação estranha. Curva para esquerda era normal, mas para a direita era estranha. Ainda precisamos analisar, agora precisamos desmontar e ver o que houve.
Nós temos de analisar porque estava acontecendo isso com a traseira do carro. Ele saia para um lado só em um tipo de curva. Estava muito diferente do que deveria ser, por isso nós paramos para analisar o carro. E, sem dúvida, vamos trocar o que precisar trocar para amanhã".



O resultado dos dois treinos livres em Hungaroring

Treino Livre 1

Pos Piloto               Equipe                    Tempo       Dif   Voltas
 1. Lewis Hamilton       Mercedes                1m25.814s           27
 2. Nico Rosberg         Mercedes                1m25.997s  +0.183s  31
 3. Kimi Raikkonen       Ferrari                 1m26.421s  +0.607s  29
 4. Fernando Alonso      Ferrari                 1m26.872s  +1.058s  23
 5. Sebastian Vettel     Red Bull-Renault        1m27.220s  +1.406s  28
 6. Kevin Magnussen      McLaren-Mercedes        1m27.357s  +1.543s  28
 7. Jean-Eric Vergne     Toro Rosso-Renault      1m27.683s  +1.869s  30
 8. Daniel Ricciardo     Red Bull-Renault        1m27.782s  +1.968s  16
 9. Jenson Button        McLaren-Mercedes        1m27.804s  +1.990s  27
10. Felipe Massa         Williams-Mercedes       1m27.960s  +2.146s  24
11. Esteban Gutierrez    Sauber-Ferrari          1m27.967s  +2.153s  25
12. Nico Hulkenberg      Force India-Mercedes    1m28.101s  +2.287s  28
13. Daniil Kvyat         Toro Rosso-Renault      1m28.208s  +2.394s  32
14. Pastor Maldonado     Lotus-Renault           1m28.266s  +2.452s  28
15. Valtteri Bottas      Williams-Mercedes       1m28.330s  +2.516s  21
16. Sergio Perez         Force India-Mercedes    1m28.376s  +2.562s  24
17. Romain Grosjean      Lotus-Renault           1m28.593s  +2.779s  24
18. Adrian Sutil         Sauber-Ferrari          1m29.025s  +3.211s  23
19. Kamui Kobayashi      Caterham-Renault        1m30.363s  +4.549s  30
20. Marcus Ericsson      Caterham-Renault        1m30.892s  +5.078s  24
21. Max Chilton          Marussia-Ferrari        1m31.004s  +5.190s  5
22. Jules Bianchi        Marussia-Ferrari        1m31.248s  +5.434s  20

Treino Livre 2
Pos Piloto                Equipe                     Tempo      Dif   Voltas
 1. Lewis Hamilton        Mercedes                 1m24.482s          38
 2. Nico Rosberg          Mercedes                 1m24.720s +0.238s  38
 3. Sebastian Vettel      Red Bull-Renault         1m25.111s +0.629s  33
 4. Fernando Alonso       Ferrari                  1m25.437s +0.955s  26
 5. Kevin Magnussen       McLaren-Mercedes         1m25.580s +1.098s  34
 6. Kimi Raikkonen        Ferrari                  1m25.730s +1.248s  30
 7. Daniel Ricciardo      Red Bull-Renault         1m25.983s +1.501s  29
 8. Valtteri Bottas       Williams-Mercedes        1m25.999s +1.517s  37
 9. Jenson Button         McLaren-Mercedes         1m26.234s +1.752s  33
10. Felipe Massa          Williams-Mercedes        1m26.402s +1.920s  18
11. Daniil Kvyat          Toro Rosso-Renault       1m26.689s +2.207s  42
12. Jean-Eric Vergne      Toro Rosso-Renault       1m26.703s +2.221s  37
13. Nico Hulkenberg       Force India-Mercedes     1m26.789s +2.307s  39
14. Adrian Sutil          Sauber-Ferrari           1m26.919s +2.437s  41
15. Sergio Perez          Force India-Mercedes     1m27.013s +2.531s  39 
16. Pastor Maldonado      Lotus-Renault            1m27.019s +2.537s  40
17. Romain Grosjean       Lotus-Renault            1m27.021s +2.539s  14  
18. Esteban Gutierrez     Sauber-Ferrari           1m27.480s +2.998s  32
19. Kamui Kobayashi       Caterham-Renault         1m28.370s +3.888s  35 
20. Jules Bianchi         Marussia-Ferrari         1m28.469s +3.987s  26
21. Max Chilton           Marussia-Ferrari         1m28.586s +4.104s  35
22. Marcus Ericsson       Caterham-Renault         1m29.036s +4.554s  34

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Os embriões do Volta Rápida e os cinco anos do blog

O que faz um garoto de 13 anos? Paquerar as garotas? Sempre fui um paquerador, mas levava (e ainda levo) fora das garotas. Sair pra jogar bola com a molecada? Jogava e até fazia os meus gols, mas era um perna de pau daqueles. Aprontar poucas e boas e depois se preparar para uma bela surra? Confesso que até fui quieto. Mas por outro lado o que mais me prendeu a atenção em toda a minha vida, foram as corridas. Inicialmente com a Fórmula-1 e depois com outras categorias. De fato uma paixão que foi despertada ainda quando criança, quando assisti um pedacinho - do que lembro - do GP da África do Sul de 1985. A imagem em preto e branco da TV de casa com o Lotus descendo aquele antigo retão do circuito sul-africano, não me sai da memória.
Sinceramente sempre tive uma necessidade de escrever. Todo tipo de reportagem sobre a F1 que chegava em minhas mãos, tratava imediatamente de ler, recortar e colar. Não importava se era da época ou de alguns anos atrás, mas fazia. Deste modo fui criando uma base do que viria a fazer no futuro.
Outra coisa importante foi eu ir contra o êxodo que se criou no pós morte de Senna. Quem acompanhava a F1 por causa dele, imediatamente parou de assistir ou via apenas de modo esporádico - meu pai, que era torcedor do Piquet, foi um caso desse. No GP de Mônaco já estava na frente da TV e ficava claro que nem a morte do meu piloto preferido interferiria na minha paixão pelas corridas. Naquela época, o volume de informações sobre a história da categoria e Ayrton Senna vieram de forma avassaladora. Foi um período bom pra continuar a estudar sobre a categoria.
Passado dois anos, comecei a escrever as corridas em cadernos. Minha mãe era um pouco exagerada e acabava comprando alguns cadernos de dez matérias, onde alguns nem eram usados em sua totalidade e assim tive a idéia de transferir o que aprendi até ali para um caderno. O caderno de inglês foi usado para essa finalidade e inicialmente seria apenas anotações como grid de largada, posições de chegada (os seis primeiros), melhor volta e alguma marcação e outra que interessasse. Mas na verdade acabei montando um "anuário" com recortes, textos, análises... e por aí vai. O legal é que os colegas de classe, quando souberam disso, trataram de pegar o caderno a cada segunda pós-GP para ler o acontecido na corrida do dia anterior. Nem precisa dizer o quanto que ficava satisfeito por isso... Foi um período legal.
E a partir daquele ano continuei a fazer os cadernos em toda temporada. Comecei a agregar a história sobre a F1 e também algumas anotações sobre outras categorias como a Fórmula Indy e Lights, DTM, IRL, Stock Car, F3 Sul-Americana, 500cc, Super Turismo Sudam... o que eu acompanhava sobre esporte a motor, eu anotava. Foi uma boa época, pois muitas categorias passavam na TV aberta e isso ajudava muito.
Fiz as minhas anotações em cadernos até a metade de 2009, quando a idéia de criar um blog na internet ficou madura. Tinha uma vontade de fazer isso há algum tempo, mas não tinha a manha de trabalhar com a grande rede de computadores. Era um "burro xucro" tentando entender um pouco daquele mundo cibernético. Não era muito afeiçoado a essa tecnologia, mas lembrei-me das palavras de um professor de geografia que sempre nos dizia que "o analfabeto deste novo milênio, não seria apenas aquele que não sabia ler e escrever, mas também aquele que não soubesse domar a internet". Guardei isso por alguns anos enquanto continuava a relutar em aprender sobre a internet. No fim das contas, acabei aprendendo e me aperfeiçoando - não fiz nenhum curso - o suficiente para não ficar perdido naquela ferramenta. E claro, foi ótimo e tem sido assim até hoje.
O blog foi criado em 23 de julho de 2009, há exatos cinco anos. Era apenas uma idéia, como disse, mas foi feito de última hora. Fui lá, fiz o blog e faltava o nome... Tinha dois nomes em mente: Voando Baixo e Cadernos do Automobilismo. O primeiro tinha sido criado pelo Rafael Lopes meses antes, senão me engano, e o Cadernos - do Daniel Médici -descobri durante a pesquisa que fiz para ver se já constava este nome em algum blog. Aí surgiu o Volta Rápida. Pesquisei e não encontrei nenhum blog com este nome e cravei ele. Porém, quando registrei e veio a URL do blog, faltava o "a" após o "r" no voltarapida. Alguns meses depois que fui descobrir que existia outro blog com este nome, mas que estava inativo desde 2007 ou 08. Por isso do endereço ter o seu registro como voltarpida.
Não sei se sou o único ansioso deste mundo da blogosfera, mas ficava um pouco chateado quando os números não eram lá estas coisas. Teve vezes de as postagens nem chegarem a dez visualizações no dia e o total nem bater a marca das trinta. Bateu o desânimo várias vezes, mas continuava bravamente.
A maré começou a ficar boa conforme ia conhecendo alguns camaradas como o Paulo Alexandre Teixeira, Ron Groo, Marcos Antônio... caras que eu acompanhava já há um bom tempo. Você vai ampliando os seus horizontes e melhorando e aperfeiçoando seus conhecimentos. Assim o Volta Rápida atingiu o seu primeiro dia com 100 ou mais visualizações em 2010, 100.000 visualizações em 2012, 200.000 ano passado... e por aí vai. Este ano, naquele período sobre os 20 anos da morte de Senna, o blog chegou a 900 visualizações. Tão cedo chegarei a este recorde.
O blog completa hoje cinco anos de existência. Pensei em desistir, mas procurei melhorar na minha escrita para conseguir chamar mais público para o Volta Rápida. Textos rápidos e bem escritos, ajudam também e isso tem funcionado. O link do blog está em outros locais de grande reconhecimento e isso me deixa imensamente feliz. Faço parte daqueles que não deixam a história do automobilismo ficar apenas na gaveta ou com alguma nota pequena em algum livro ou site, mas procurar por mais informações e enriquecer aquele fato que marcou a categoria. Isso é de um prazer incomensurável, principalmente quando você é citado em outra praça pelo seu trabalho. Isso rendeu um convite que fico eternamente grato ao Diego Trindade que me convidou a integrar a equipe que esteve à frente na produção da saudosa Revista Speed. Sem dúvida gostei e muito.
Sempre agradeço a todos, sempre citando nomes, mas desta vez, para não ser injusto, vou apenas dizer o meu muito obrigado a vocês que sempre apoiaram esta idéia. Desde a galera que estudou comigo, passando pelos meus amigos de bandeiradas na Speed Fever e fora da equipe, por aqueles que conheci nestes doze anos que trabalho com automobilismo, até os leitores e também meus amigos blogueiros. Tenho que agradecer a Deus por ser rodeado de pessoas verdadeiras e que apoiaram a idéia do blog desde o início.
Pois bem, o blog continua. Vambora para mais cinco anos!
Valeu!

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Foto 372: Slow Zone

A imagem dos comissários correndo para retirar o carro de Adrian Sutil do local de onde ficou parado, após a rodada na entrada da reta dos boxes de Hockenheim, me fez gelar a espinha. A única "segurança" que eles tinham naquele momento, eram as bandeiras amarelas. Para aqueles que já trabalharam em algum GP da F1 - tanto aqui no Brasil, quanto fora - sabe que os pilotos da categoria obedecem, em sua maioria, a sinalização e sempre tiram o pé neste tipo de situação.
Não entendi o porque de Charlie Whiting, que está nessa função de diretor de provas há anos, não ter colocado o Safety Car em ação para que fosse retirado o Sauber de Sutil com total segurança e tranquilidade pelos fiscais. Se a questão era não embaralhar as cartas naquele momento do GP, errou feio. Durante este vinte anos a categoria trabalhou pesado nesta parte de segurança que às vezes chega a ser exagerada, mas ontem precisava da entrada do SC exatamente para dar segurança a todos. Um carro rodar do mesmo jeito que Sutil e vir para dentro da pista não era muito difícil. Acho que Whiting não acompanhou aqueles tempos em que os caras tinham que atravessar a pista para socorrer e/ou retirar algum carro do outro lado, correndo o risco de serem acertados por alguém. Recomendo a ele ver o vídeo do acidente fatal de Tom Pryce em Kyalami, 1977. Talvez isso alerte ele.
Se a intenção é não colocar o SC para não atrapalhar o andamento da corrida, julgando que o trabalho possa ser feito rapidamente, o certo seria adotar o "Slow Zone" que foi muito bem feito durante as 24 Horas de Le Mans. No local do acidente, devidamente sinalizado com bandeiras amarelas, os pilotos passariam numa velocidade bem reduzida e só voltariam a acelerar quando entrassem na zona de bandeira verde. Não atrapalharia o andamento da corrida com a entrada do SC, que certamente tiraria a vantagem que líder trabalhou por todo certame, e deixaria os comissários trabalharem com mais segurança e tranquilidade.
Seria uma boa saída para este impasse que aconteceu ontem em Hockenheim. 

domingo, 20 de julho de 2014

Foto 371: 1000Km de Buenos Aires, 1970

Bela foto da largada dos 1000Km de Buenos Aires de 1970. Na dianteira a Alfa Romeo T33/3 #6 de Andrea De Adamich/ Piers Courage, seguido pelo Porsche 917K #28 de David Piper/ Brian Redman; Porsche 908/2 #12 de Alex Soler Roig/ Jochen Rindt; e pelo Berta LR de Berta/ Luis Di Palma/ Carlos Marincovich.
A vitória ficou para o Matra - Simca MS630/650 #10 de Jean Pierre Beltoise/ Henri Pescarolo, seguido pelo Porsche de Alex Soler Roig/ Jochen Rindt e do Porsche 908/2 #38 de Tony Dean/ Eduardo Copello.

Foto 370: Esmerilho

A impressionante imagem da capotagem de Felipe Massa após a largada do GP da Alemanha.
Acabou rendendo uma bela foto, apesar do tremendo susto.
*A foto foi retirada do twitter oficial de Massa.

GP da Alemanha: Como nas antigas

Costumo dizer que os pilotos da atual Fórmula 1 são preguiçosos, cuidadosos demais (não todos, claro) quando entram numa disputa de posições. Exatamente por receber instruções para que "tragam as crianças para casa", eles não se arriscam tanto quanto os caras do passado, que iam para a disputa como se estivessem duelando por uma donzela. Não havia curva, zebra ou qualquer outro obstáculo que impedisse-os de tentar a ultrapassagem. Se não terminasse numa bela manobra, fatalmente terminaria com um ou ambos fora da corrida. Era o tipo: vai ou racha!
Os de hoje, com estas instruções de conservar o equipamento, exatamente por causa dessa mania doida que a FIA implementou nos últimos anos de economizar tudo, deixa os caras com a pulga atrás da orelha na hora de dividir uma freada com quem vai à frente. É claro que existe aqueles doidos de pedra que vão para cima do oponente como uma vaca brava e acabam nos proporcionando alguns acidentes quase que cinematográficos e toques que poderiam, muito bem, ser evitados. Maldonado, Perez, Gutierrez, Ericsson são caras que manjam bem deste assunto.
Mas existem os mais conscientes - ou quase isso - quando se trata de duelar por posições. O que Alonso e Vettel nos brindaram em Silverstone quinze dias atrás, extendeu-se até este GP da Alemanha com Hamilton e Ricciardo passando quem estava na frente de qualquer jeito: usando ou não asa móvel; batendo rodas; pedaços de asas voando para todo lado; passando por fora, por dentro; pegando um ou mais dois carros... foi um belo festival de ultrapassagens que deixou o GP em Hockenheim animadíssimo do início - com a panca, seguida de capotagem, de Massa com Magnussen - ao fim, com os duelos entre Bottas e Hamilton pela segunda colocação e Alonso e Ricciardo pela quinta. Foi um ótimo GP.
Acredito que os pilotos, ultimamente, tem mandado às favas aquele discurso diplomático de ter que levar o carro inteiro para casa. Acho que eles , além de entreter o público, também se divertiram. E para isso a coragem nestas disputas roda a roda tem que estar acima da média.
E nós é que ganhamos nisso hoje.

Sobre a corrida
Foto: Kai Pfaffenbach / Reuters

Se teve um cara que nem teve trabalho foi Rosberg, que liderou desde o início ao fim sem ter o incômodo de ninguém. Tornou-se o primeiro alemão a vencer o GP da Alemanha com a Mercedes desde Rudolf Caracciola no GP de 1939.
Bottas foi mais uma vez constante e passou toda a prova em segundo e teve alguma oposição apenas com Hamiton, que ameaçou a sua segunda colocação nas voltas finais da corrida, mas se beneficiando do melhor rendimento de sua Williams nas retas pôde sustentar a segunda colocação. Aos poucos, e com bom resultados, vai ganhando espaço na equipe.
A Red Bull nestas duas últimas etapas teve companhia da Ferrari, especialmente de Fernando Alonso. Apesar de Sebastian ter fechado em quarto e Ricciardo, que fez a sua melhor corrida na categoria até aqui, em sexto, não dá para saber se a Ferrari é que teve uma evolução ou se a Red Bull estagnou em seu desempenho. Os seus dois pilotos tiveram que suar o macacão para superar o virtuosismo de Alonso nestas duas corridas. Raikkonen esteve naquele dia de "Pinball" onde levou porrada de todo lado.
Sobre o acidente de Massa no início da prova, certamente ele errou ao não ver que outro piloto (no caso Magnussen) estava ao seu lado. O certo é que aquele tipo de manobra é até comum em largadas, mas o piloto brasileiro não soube calcular bem o espaço. E nisso arruinou a sua prova e do Kevin.
Tivemos duas corridas interessantes em Silverstone e Hockenheim, mas não espero muito de Hungaroring. A não ser que os pilotos estejam ainda com este espírito de luta em voga para o GP húngaro, o que seria formidável.

sábado, 19 de julho de 2014

Crash: Pirelli World Challenge, Toronto

O acidente entre Butch Leitzinger (Bentley Continental #8) e Albert von Thurn and Taxis (Lamborghini Gallardo FL2 #24) durante a nona etapa do Pirelli World Challenge disputado em Toronto. Ambos abandonaram a corrida.
A vitória ficou com Nick Tandy, com um Porsche 911 GT3. O brasileiro Marcelo Hanh, que disputa o campeonato com um Lamborghini Gallardo FL2, terminou em décimo.

GP da Alemanha - Classificação - 10a Etapa

Apesar de toda a proibição do uso do FRIC para esta etapa e crendo que a Mercedes perderia muito sem o uso desta, os efeitos até agora foram mínimos para eles. Talvez na corrida, quem sabe, eles sentirão algo, mas até este treino classificatório Nico Rosberg e Lewis Hamilton se revezaram na ponta da tabela de tempos e coube ao dono da casa a pole position. Lewis acabou por bater na freada para a segunda curva do Stadium, quando teve uma quebra no freio dianteiro quando estava no andamento da Q1. Aparentemente, apesar das dores, estará no grid amanhã saindo da 16a posição.
As Williams continuam a sua toada positiva com Bottas saindo numa ótima segunda colocação (ficou há dois décimos de Rosberg) e Massa em terceiro. Será uma boa oportunidade ver o quanto que os dois podem importunar Rosberg na prova de amanhã, principalmente Valtteri que tem feito boas corridas ultimamente e sempre com boa dose de velocidade e agressividade. E ainda tem Felipe, que costuma fazer boas largadas.
Kevin Magnussen fez um belo trabalho ao se posicionar em quarto, fechando assim um quarteto de motores Mercedes. A Red Bull ocupa a terceira fila com Ricciardo, mais uma vez, batendo Vettel na classificação. Alonso sai em sétimo e Raikkonen em 12o, em outro treino sofrível para a Ferrari.

O que esperar da prova?
Creio em mais uma vitória da Mercedes, principalmente por amanhã ter possibilidade de chuva e isso ajudar muito a parte mecânica que deve ter sofrido bastante no forte calor que faz em Hockenheim. Por outro lado, caso Rosberg e Hamilton tenha problemas, a corrida viraria uma loteria. E neste cenário, Williams e Red Bull aparecem com chances.

Grid de largada para o Grande Prêmio da Alemanha - 10ª Etapa

Pos Piloto                Equipe                 Tempo       Dif   
 1. Nico Rosberg          Mercedes             1m16.540s            
 2. Valtteri Bottas       Williams-Mercedes    1m16.759s  +0.219s   
 3. Felipe Massa          Williams-Mercedes    1m17.078s  +0.538s   
 4. Kevin Magnussen       McLaren-Mercedes     1m17.214s  +0.674s   
 5. Daniel Ricciardo      Red Bull-Renault     1m17.273s  +0.733s   
 6. Sebastian Vettel      Red Bull-Renault     1m17.577s  +1.037s   
 7. Fernando Alonso       Ferrari              1m17.649s  +1.109s   
 8. Daniil Kvyat          Toro Rosso-Renault   1m17.965s  +1.425s   
 9. Nico Hulkenberg       Force India-Mercedes 1m18.014s  +1.474s   
10. Sergio Perez          Force India-Mercedes 1m18.035s  +1.495s   
11. Jenson Button         McLaren-Mercedes     1m18.193s  +1.084s
12. Kimi Raikkonen        Ferrari              1m18.273s  +1.164s
13. Jean-Eric Vergne      Toro Rosso-Renault   1m18.285s  +1.176s
14. Esteban Gutierrez     Sauber-Ferrari       1m18.787s  +1.678s
15. Romain Grosjean       Lotus-Renault        1m18.983s  +1.874s
16. Lewis Hamilton        Mercedes             no time
17. Adrian Sutil          Sauber-Ferrari       1m19.142s  +1.511s
18. Jules Bianchi         Marussia-Ferrari     1m19.676s  +2.045s
19. Pastor Maldonado      Lotus-Renault        1m20.195s  +2.564s
20. Kamui Kobayashi       Caterham-Renault     1m20.408s  +2.777s
21. Max Chilton           Marussia-Ferrari     1m20.489s  +2.858s
22. Marcus Ericsson       Caterham-Renault     no time

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Foto 369: 1000Km de Monza, 1970

A grande batalha entre Porsche e Ferrari nos 1000Km de Monza, 1970. Na foto os Porsches 917K de Jo Siffert/ Brian Redman (#8), Pedro Rodriguez/ Leo Kinnunen (#7) e Vic Elford/ Kurt Ahrens Jr. (#10) contra a solitária Ferrari 512S de Ignazio Giunti/ Nino Vaccarella (#3). As outras duas Ferraris inscritas vinham logo atrás.
Foi a primeira vez que a prova válida pelo Mundial de Marcas foi realizada no traçado normal, sem a utilização da bancada alta.
A vitória ficou para Rodriguez/ Kinunnen.

GP da Alemanha - Treinos Livres - 10ª Etapa

Lewis Hamilton: “Não me sinto tão mal, foi uma sessão bem boa. Há muito para aprender. A temperatura está tão alta que é muito difícil para os pneus e provavelmente vai ser uma das corridas mais difíceis para cuidar dos pneus.
A pole é importante em qualquer lugar que vamos. Há uma longa reta até a Curva 6, então talvez você tenha um pouco mais de chance se estiver em segundo, mas pe mais fácil se você largar na pole”

Nico Rosberg: “Com certeza, vai mudar um pouco as coisas andar sem a suspensão interligada. Há alguns novos desafios para reequilibrar o carro e encontrar minha forma de sair feliz do carro.
Houve um bom progresso. Eu estava feliz no carro pela manhã e tentamos algumas coisas diferentes.
Pareceu um pouco mais próximo, mas na sexta-feira você nunca sabe o que as pessoas estão fazendo com combustível e coisas assim. Então vamos esperar e ver amanhã e no domingo”

Kimi Raikkonen: "Como todas as sextas, nosso programa cobria trabalho nos ajustes durnte a primeira sessão, então avaliamos os pneus e fizemos simulação de corrida à tarde. Infelizmente, pela manhã, por causa de um problema técnico, eu tive de voltar para a garagem e não pude fazer voltas adicionais com o pneu macio. Mas graças ao ótimo trabalho do time, consegui voltar rapidamente.
Pela tarde, compensamos a perda de tempo conseguimos melhorar em todas as frentes. No geral, foi um dia positivo, mas ainda é cedo para previsões. Temos que esperar até amanhã para sabermos mais"

Susie Wolff: “Quando eu saí e senti o problema, eu apenas pensei: ‘Eu preciso levar o carro de volta para os pits’. Eu não sabia se era algo com o motor ou a parte eletrônica. Mas tinha de levar o carro de volta, então tentei ficar calma, porque também essas coisas estão fora do seu controle. Então, o time consertou o problema e eu pude voltar.
Mas eu estava com uma sensação muito boa com relação a tudo isso. Então, eu pensei: ‘Isso não vai acabar assim. Eu sempre procuro ter essa visão mais otimista e acreditar que não é o fim. Eu sabia exatamente o que fazer. As informações que passar para os boxes. Além disso, conheço muito bem essa pista dos tempos do DTM. Eu apenas estava focada em voltar ao carro, porque é o que queremos fazer no fim das contas. E foi muito bom. Estou satisfeita.
É complicado dizer quando vou poder voltar ao carro. Ao menos nesta temporada será difícil, e acho que isso está claro. As coisas não são fáceis na F1, as oportunidades são raras, mas a equipe ficou satisfeita com a minha performance, e isso prova que estamos na direção certa”


Os tempos dos dois treinos livres:

Treino Livre 1

Pos Piloto                Equipe                   Tempo      Dif    Vol
 1. Nico Rosberg          Mercedes               1m19.131s           29
 2. Lewis Hamilton        Mercedes               1m19.196s  +0.065s  25
 3. Fernando Alonso       Ferrari                1m19.423s  +0.292s  21
 4. Daniel Ricciardo      Red Bull-Renault       1m19.697s  +0.566s  27
 5. Jenson Button         McLaren-Mercedes       1m19.833s  +0.702s  24
 6. Sebastian Vettel      Red Bull-Renault       1m20.097s  +0.966s  28
 7. Kevin Magnussen       McLaren-Mercedes       1m20.105s  +0.974s  32
 8. Kimi Raikkonen        Ferrari                1m20.210s  +1.079s  21
 9. Daniil Kvyat          Toro Rosso-Renault     1m20.337s  +1.206s  28
10. Adrian Sutil          Sauber-Ferrari         1m20.505s  +1.374s  18
11. Felipe Massa          Williams-Mercedes      1m20.542s  +1.411s  19
12. Jean-Eric Vergne      Toro Rosso-Renault     1m20.586s  +1.455s  23
13. Nico Hulkenberg       Force India-Mercedes   1m20.592s  +1.461s  22
14. Sergio Perez          Force India-Mercedes   1m20.598s  +1.467s  24
15. Susie Wolff           Williams-Mercedes      1m20.769s  +1.638s  22
16. Giedo van der Garde   Sauber-Ferrari         1m20.782s  +1.651s  23
17. Romain Grosjean       Lotus-Renault          1m21.603s  +2.472s  20
18. Pastor Maldonado      Lotus-Renault          1m21.854s  +2.723s  30
19. Kamui Kobayashi       Caterham-Renault       1m22.572s  +3.441s  31
20. Jules Bianchi         Marussia-Ferrari       1m22.982s  +3.851s  24
21. Marcus Ericsson       Caterham-Renault       1m23.256s  +4.125s  35
22. Max Chilton           Marussia-Ferrari       1m23.299s  +4.168s  22
 
Treino Livre 2 
 
Pos Piloto                Equipe                   Tempo      Dif    Dif
 1. Lewis Hamilton        Mercedes               1m18.341s           38
 2. Nico Rosberg          Mercedes               1m18.365s  +0.024s  39
 3. Daniel Ricciardo      Red Bull-Renault       1m18.443s  +0.102s  35
 4. Kimi Raikkonen        Ferrari                1m18.887s  +0.546s  38
 5. Kevin Magnussen       McLaren-Mercedes       1m18.960s  +0.619s  40
 6. Felipe Massa          Williams-Mercedes      1m19.024s  +0.683s  36
 7. Jenson Button         McLaren-Mercedes       1m19.221s  +0.880s  40
 8. Sebastian Vettel      Red Bull-Renault       1m19.248s  +0.907s  35
 9. Fernando Alonso       Ferrari                1m19.329s  +0.988s  32
10. Valtteri Bottas       Williams-Mercedes      1m19.385s  +1.044s  34
11. Adrian Sutil          Sauber-Ferrari         1m19.417s  +1.076s  41
12. Daniil Kvyat          Toro Rosso-Renault     1m19.452s  +1.111s  27
13. Sergio Perez          Force India-Mercedes   1m19.581s  +1.240s  28
14. Nico Hulkenberg       Force India-Mercedes   1m19.593s  +1.252s  32
15. Jean-Eric Vergne      Toro Rosso-Renault     1m19.760s  +1.419s  32
16. Pastor Maldonado      Lotus-Renault          1m20.158s  +1.817s  35
17. Romain Grosjean       Lotus-Renault          1m20.358s  +2.017s  35
18. Esteban Gutierrez     Sauber-Ferrari         1m20.504s  +2.163s  40
19. Jules Bianchi         Marussia-Ferrari       1m21.328s  +2.987s  31
20. Marcus Ericsson       Caterham-Renault       1m21.870s  +3.529s  21
21. Max Chilton           Marussia-Ferrari       1m21.898s  +3.557s  28
22. Kamui Kobayashi       Caterham-Renault       1m23.728s  +5.387s  12 

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Vídeo: Uma volta On Board no Rondeau M378 - Le Mans Classic 2014

O vídeo foi feito durante a Le Mans Classic, que foi realizada no fim de semana dos dias 4, 5 e 6 de julho. Mais sobre a história do Rondeau, recomendo um post que escrevi em agosto de 2013.

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Foto 368: 1000Km de Nurburgring, 1984

O cartaz comemorativo da Porsche pela vitória de Stefan Bellof/ Derek Bell nos 1000Km de Nurburgring de 1984, que foi disputado no moderníssimo circuito de Nurburgring. A vitória que escapara no ano anterior no lendário Nordscheleif, tinha chegado.
Essa foi a corrida que contou com a única participação de Ayrton Senna numa prova de Endurance: dividindo o Porsche 956 da New Man com Stefan Johansson e o mestre Henri Pescorolo, o trio garantiu um honroso 8° lugar após inúmeros problemas.

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Foto 367: 24 anos



Interessante ver o período que os países que chegaram ao tetra campeonato mundial de futebol coincidem com o sucesso que alcançaram na Fórmula-1.
Apesar do tempo de espera pelo quarto título mundial em Copas do Mundo ser a mesma - 24 anos - este período também foi frutífero para Brasil, Itália e Alemanha: o Brasil conquistou a Copa em 1970 e depois ganhou oito mundiais na F1 com Emerson, Nelson e Ayrton entre 1972 e 1991 e cinco vices - 73, 75, 80, 89 e 93 para depois vencer a Copa em 1994.
A Itália ganhou o Mundial de 1982 e apesar de tido apenas Michele Alboreto com chances de ser campeão na F1 em 1985 - quando este ficou com o vice -, os italianos tiveram na Ferrari a sua chance de vencer na F1, o que aconteceu em 1983 com a conquista do Mundial de Construtores e depois para chegar na gama de títulos conquistados entre 1999 e 2004 na era Schumacher (6 de Construtores e 5 de Pilotos). Em 2006, na Copa da Alemanha, chegaram ao seu quarto mundial.
Para a Alemanha foi ainda mais dourado este período após a sua conquista na Copa de 1990, com os sete títulos de Michael Schumacher e os outro quatro em sequência de Sebastian Vettel. E ontem voltaram ao topo do futebol com a conquista do Mundial aqui no Brasil. 
Apesar da tradição deles nestas duas modalidades, o horizonte para os alemães aparenta ser infinitamente mais vitorioso. Tanto na Fórmula-1, quanto em Copas do Mundo.

domingo, 13 de julho de 2014

Foto 366: Stefan Bellof, Nurburgring 1983

O acidente que custou uma vitória. A foto é de Stefan Bellof que acabara de bater sua Porsche 962 na veloz - e perigosa - Pflanzgarten durante os 1000km de Nurburgring de 1983.
O piloto alemão estava estava num nível acima doa demais naquele final de semana: além da volta mais veloz do velho Nurburgring para obtenção da pole (6'11"13), ele também cravara a melhor volta da corrida em 6'25"91. Daí veio o acidente...

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Foto 365: E quase seis anos depois...

Lembro o quanto que a galera falou merda naquele final de GP do Brasil de 2008 onde a maioria acreditava que Timo Glock, com o seu Toyota, mal conseguia se sustentar na pista já molhada naquela última volta de corrida quando ocupava a quarta colocação. O seu erro em não trocar para pneus intermediários, acreditando que a pista não molharia tanto naquele final, acabou lhe custando o quarto posto e foi ultrapassado por Vettel (4º) e Hamilton (5º). O quinto lugar deu o título ao inglês e automaticamente tirou das mãos de Massa o campeonato, que sido garantido segundos antes.
E agora é a vez dele, Timo Glock, tirar um sarro dos brasileiros com número 17 que ele leva em seu BMW no DTM, ao colocar a bandeira brasileira na frente do #1 e da Alemanha logo após o #7, fazendo uma alusão ao placar histórico entre as duas seleções nesta Copa do Mundo.  

Vídeo: ADAC Classic 2014

Para quem gosta dos clássicos e do velho Nordschleife, eis o endurance que rolou no final de semana das 24 Horas de Nurburgring disputado no mês passado.
Divirtam-se!

Foto 364: Patrick Dempsey em Interlagos



Aproveitando a sua passagem pelo Brasil, onde assistiu a um jogo do Brasil em um bar daqui de São Paulo, Patrick Dempsey também compareceu ao Autódromo de Interlagos para conhecer o traçado paulistano.
Aproveitando que os Porsches da GT3 Cup estavam em Interlagos para três dias de testes antes da realização da terceira etapa dos campeonatos Challenge e Cup, Dempsey tomou posse do Porsche #1 de Ricardo Rosset – atual campeão da categoria Cup – para acelerar nos 4.309 metros do Templo.
Com direito a dois jogos novos de pneus e com um bom número de voltas, que ficou entre 20 e 30 giros, o ator e piloto americano cravou um bom tempo na casa de 1’40, já que o recorde para a os Porsches da Cup está em torno de 1’38. Após o seu treino, Patrick mostrou-se bastante satisfeito e empolgado com a pista.
Pelos rumores, é bem provável que ele participe das últimas etapas do WEC e sendo assim, quem sabe, possa correr aqui quando será realizada às 6 Horas de Interlagos, última etapa do WEC em novembro.
Patrick participará do Porsche Mobil1 Supercup em Hockenheim, onde a categoria fará – como nas demais etapas – o evento suporte da Fórmula-1 nos dias 18,19 e 20 de julho. 





quarta-feira, 9 de julho de 2014

F1 Teste: Inglaterra, dias 1 e 2

Foram dois dias de testes em Silverstone onde as melhores marcas, respectivamente, ficaram para Felipe Massa (terça) e Jules Bianchi (quarta) que substituiu Kimi Raikkonen no comando da Ferrari F14T.
Mas a principal novidade foi a apresentação e uso dos pneus aro 18 da Pirelli para um possível uso daqui alguns anos, dependendo da opinião das equipes . A Lotus foi a equipe escolhida para este teste e Paul Hembery mostrou-se satisfeito com o que viu: “Mesmo que o desempenho não tenha sido prioridade aqui, os novos pneus ainda assim se comportaram bem, dentro das nossas expectativas. Estamos no início do desenvolvimento de equipamentos — rodas e pneus — que, por muitos anos, permaneceram inalterados”
E ele também falou sobre os trabalho que foi feito nestes dois dias em Silverstone: “Aproveitamos para realizar uma série de trabalhos já para o próximo ano, a curto prazo. Aprendemos tanto com os testes de pneus anteriores, realizados no Bahrein e em Barcelona, que agora fomos capazes de realizar muito mais coisas, já focados em 2015, contando com um circuito rápido e exigente”



Resultado dos dois dias de testes
Silverstone - Dias 8 e 9 de Julho

8/7/2014


Pos  Piloto             Time                  Tempo        Dif Voltas
 1.  Felipe Massa       Williams-Mercedes     1m35.242s           42
 2.  Daniel Ricciardo   Red Bull-Renault      1m35.248s  +0.006s  72
 3.  Nico Rosberg       Mercedes              1m35.573s  +0.331s  90
 4.  Adrian Sutil       Sauber-Ferrari        1m35.674s  +0.432s  74
 5.  Jules Bianchi      Marussia-Ferrari      1m36.148s  +0.906s  108
 6.  Stoffel Vandoorne  McLaren-Mercedes      1m36.462s  +1.220s  71
 7.  Sergio Perez       Force India-Mercedes  1m36.583s  +1.341s  79
 8.  Jean-Eric Vergne   Toro Rosso-Renault    1m36.688s  +1.446s  28
 9.  Pastor Maldonado   Lotus-Renault         1m37.131s  +1.889s  97
10.  Pedro de la Rosa   Ferrari               1m37.988s  +2.746s  49
11.  Will Stevens       Caterham-Renault      1m40.627s  +5.385s  95
 
9/7/2014 
 
Pos Piloto                Time                    Tempo       Dif     Voltas
 1. Jules Bianchi         Ferrari                 1m35.262s           89
 2. Daniil Kvyat          Toro Rosso-Renault      1m35.544s  +0.282s  56
 3. Kevin Magnussen       McLaren-Mercedes        1m35.593s  +0.331s  91
 4. Giedo van der Garde   Sauber-Ferrari          1m36.327s  +1.065s  84
 5. Lewis Hamilton        Mercedes                1m36.680s  +1.418s  47
 6. Valtteri Bottas       Williams-Mercedes       1m37.193s  +1.931s  40
 7. Max Chilton           Marussia-Ferrari        1m37.359s  +2.097s  77
 8. Daniel Juncadella     Force India-Mercedes    1m37.449s  +2.187s  52
 9. Sebastian Vettel      Red Bull-Renault        1m39.410s  +4.148s  76
10. Charles Pic           Lotus-Renault           1m41.906s  +6.644s  38
11. Julian Leal           Caterham-Renault        1m42.635s  +7.373s  51
 

terça-feira, 8 de julho de 2014

Foto 363: Dallas, 1984

40° graus ambiente, 66° graus na pista. Calor absurdo que fez boa parte dos pilotos perderem a concentração e, combinado com o asfalto esfarelando em alguns pontos devido a prova dos Can-Am e a temperatura elevadíssima, os erros eram fatais. Treze pilotos ficaram de fora.
Keke Rosberg, de cuca fresca, venceu e Nigel Mansell, tentando chegar ao final, empurrou o seu Lotus até desmaiar quando tentava garantir o sexto lugar após seu carro apresentar problemas de câmbio.
Foi a única visita da F1 naquele local.

segunda-feira, 7 de julho de 2014

F1 Battles: Dois duelos separados por 20 anos

Ayrton Senna vs Alain Prost - e posteriormente Michael Schumacher - 1993; Fernando Alonso vs Sebastian Vettel 2014. Dois duelos memoráveis no circuito de Silverstone separados por quase 21 anos (a prova de 1993 foi disputada em 11 de julho).
Sem dúvida o de ontem já entra no panteão dos grandes duelos da categoria, junto do de 1993.

domingo, 6 de julho de 2014

GP da Grã-Bretanha: Um duelo de choros, mas dos bons

Nesta semana que passou foi relembrado o magistral duelo entre Gilles Villeneuve e René Arnoux em Dijon, 1979 e nos textos que apareceram na blogosfera sobre o tema a disputa foi exaltada ao máximo principalmente pela lealdade que um tinha para com o outro e os carros, que eram puramente mecânicos sem nenhum tipo de eletrônica ou ajuda para auxiliar nas ultrapassagens. Era no braço e mais nada.
Hoje Fernando Alonso e Sebastian Vettel nos brindaram com um duelo memorável, onde os dois se entregaram totalmente a uma batalha que valia a quinta colocação no GP bretão. Foi belíssimo ver Alonso atacando Vettel na Copse e depois se defendendo como podia dos ataques do piloto alemão por quase (ou) dez voltas, para depois Sebastian lhe dar o troco definitivo no mesmo local. Independentemente se um ou outro excedesse os limites da pista, foi a grande disputa da temporada e de muitos anos na F1. A única coisa que tenho que lamentar é o tanto de reclamações que vieram das duas partes. Pilotos tem que disputar e mais nada. A não ser que aconteça algo de grotesco, ele deve ficar quieto e apenas pilotar. E outra coisa: se existe um extensão, por mais pequena que seja na divisória entre a pista e grama, ela acabará sendo usada pelos pilotos. Cabe à FIA rever isso para que não aconteça este monte de choros como este entre Alonso e Vettel que acabou manchando um pouco a genial disputa entre os dois melhores  da atua F1.

Sobre a corrida
(Foto: Andrew Yates/AFP)
O acidente de Raikkonen na primeira volta foi assustador e podia muito bem ter causado algo mais sério, mas por sorte Massa conseguiu frear a tempo e bater apenas a traseira. Infelizmente isso saiu caro para ele, que abandonou em seguida.
Falando de Williams ainda, que corrida de Bottas neste domingo. Mais uma vez mostrando velocidade e agressividade, que foram importantes para ele chegar ao pódio que inicialmente seria em terceiro e que virou segundo após o abandono de Rosberg. As suas ultrapassagens foram seguras e agressivas, sem perder muito tempo.
Hamilton venceu em casa e fazendo o que é de se esperar dele: cravando voltas velozes e se livrando das Mclarens no início. O duelo com Rosberg seria iminente, mas o problema no câmbio do alemão facilitou  vida dele. Foi um dia revitalizante após um desastroso sábado.
Ricciardo mais uma vez no pódio e andando com pneus duros desde a volta 16. Talvez por isso tenha diminuído bastante a sua performance no final da corrida, possibilitando a aproximação de Button.
As Mclarens tiveram uma boa jornada no seu GP caseiro, com Button ficando em quarto e Magnussen, que passou as últimas quinze voltas comboiando o pega pra capar entre Alonso e Vettel, esperando um enrrosco dos dois, fechou em sétimo.
Foi um belo GP em Silverstone, e apesar da vitória estar garantida para um dos Mercedes, os pilotos - em geral - estiveram em grande forma. Agora é esperar pelo GP alemão, que acontecerá em quinze dias.

sábado, 5 de julho de 2014

GP da Grã-Bretanha - Classificação - 9a Etapa

Não tive tempo de assistir ao treino classificatório, mas pelo que li foi uma loteria das boas em Silverstone e que veio a coroar a esperteza de Nico Rosberg que apostou em uma volta nos segundos finais que lhe garantiu a quarta pole no ano. E não foi uma simples pole: além de superar um soberbo Sebastian Vettel, que mostrou um pouco da sua classe que o fez ganhar os últimos quatro mundiais ao fazer o segundo tempo do grid, ele viu Lewis Hamilton despencar de uma pole que já parecia garantida para um sexto lugar frustrante. E Hamilton teve a chance de ratificar a primeira colocação, mas abortou na sua última tentativa, exatamente quando os demais o superaram. Foi um cruzado de direita que o deixa um pouco cambaleante para amanhã.
O tempo instável e a péssima estratégia da Williams e Ferrari sacrificaram seus pilotos, fazendo com que todos fossem limados ainda na Q1. Um dia pra lá de desastroso para eles.

O que esperar da corrida?
Como a previsão para a hora da corrida é de tempo seco, a tendência é que Rosberg tenha uma facilidade em domar a corrida a seu gosto, enquanto que Vettel, Button, Hulkenberg, Magnussen, Hamilton e Ricciardo, estarão enrolados numa possível batalha. Mas também temos que considerar uma boa largada de Vettel e de Hamilton, que deixaria a disputa abertissíma em Silverstone. E se for para apostar em algum destes dois cenários o segundo é mais interessante, pois Hamilton estará com a cabeça voltada para virar o jogo em casa após uma classificação tão desastrosa.
No fundo do pelotão, outra corrida interessante poderá ser vista com a recuperação que os duos da Williams e Ferrari proporcionará a todos em Silverstone.
Resumindo, independentemente se haja chuva, ou não, a prova tende a ser uma das melhores da temporada.
(Foto: Autosport)

Grid de largada para o Grande Prêmio da Grã-Bretanha - 9ª Etapa

Pos Piloto                Equipe                 Tempo       Dif   
 1. Nico Rosberg          Mercedes              1m35.766s  
 2. Sebastian Vettel      Red Bull-Renault      1m37.386s  +1.620s
 3. Jenson Button         McLaren-Mercedes      1m38.200s  +2.434s
 4. Nico Hulkenberg       Force India-Mercedes  1m38.329s  +2.563s
 5. Kevin Magnussen       McLaren-Mercedes      1m38.417s  +2.651s
 6. Lewis Hamilton        Mercedes              1m39.232s  +3.466s
 7. Sergio Perez          Force India-Mercedes  1m40.457s  +4.691s
 8. Daniel Ricciardo      Red Bull-Renault      1m40.606s  +4.840s
 9. Daniil Kvyat          Toro Rosso-Renault    1m40.707s  +4.941s
10. Jean-Eric Vergne      Toro Rosso-Renault    1m40.855s  +5.089s
11. Romain Grosjean       Lotus-Renault        1m38.496s  +3.626s
12. Jules Bianchi         Marussia-Ferrari     1m38.709s  +3.839s
13. Max Chilton           Marussia-Ferrari     1m39.800s  +4.930s
14. Esteban Gutierrez     Sauber-Ferrari       1m40.912s  +6.042s
15. Pastor Maldonado      Lotus-Renault        1m44.018s  +9.148s
16. Adrian Sutil          Sauber-Ferrari       no time
17. Valtteri Bottas       Williams-Mercedes    1m45.318s  +4.938s
18. Felipe Massa          Williams-Mercedes    1m45.695s  +5.315s
19. Fernando Alonso       Ferrari              1m45.935s  +5.555s
20. Kimi Raikkonen        Ferrari              1m46.684s  +6.304s
21. Marcus Ericsson       Caterham-Renault     1m49.421s  +9.041s
22. Kamui Kobayashi       Caterham-Renault     1m49.625s  +9.245s