terça-feira, 27 de setembro de 2022

Foto 1020: Reims, Fórmula 2 1969


O grid da Fórmula 2 em Reims bem recheado de estrelas que faziam - e fariam - parte da Fórmula 1 em breve. A primeira fila formada por Jacky Ickx, que marcou a pole com o seu Brabham BT23C #30, tendo ao seu lado Piers Courage (Brabham BT30 #24 da equipe de Frank Williams) e na outra ponta o Tecno 68/F2 #28 de Nanni Galli. Ainda podemos ver a presença de Jackie Stewart com um Matra MS7; Jo Siffert com um BMW 269; Jochen Rindt com um Lotus 59B; François Cevert com um Tecno 68/F2 e Graham Hill, mais ao fundo, com um Lotus 59B. Ao todo largaram 20 carros para esta que era uma das provas extra-oficiais do Campeonato Europeu de Fórmula 2 de 1969, aqui intitulada como "35º Grand Prix de Reims".

Após 35 voltas, a vitória ficou para François Cevert tendo Robin Widdows (Brabham BT23C #40) em segundo e em terceiro Piers Courage. Ickx acabou tendo problemas no motor de seu Brabham, vindo abandonar na volta 10. 

Jackie Stewart fechou em quarto e Galli em quinto;Pedro Rodriguez (Matra MS7) ficou em sétimo; Siffert teve quebra de motor na volta 21; Rindt, Hill e Jean Pierre Beltoise, este último com um Matra MS7, abandonaram por acidente.  

O Campeonato Europeu de Fórmula 2 daquele ano foi vencido por Johnny Servoz-Gavin (Matra MS7 Cosworth) ao marcar 37 pontos, nove a mais que o vice-campeão Hubert Hahne (BMW).

domingo, 19 de junho de 2022

GP do Canadá - Sobre a vitória de Max Verstappen em Montreal

 Lá no canal do Volta Rápida falei um pouco sobre o GP do Canadá. Espero que gostem!



4 Horas de Santa Cruz do Sul - Frio, problemas e vitória do AJR #444

 

(Foto: Rodrigo Guimarães HD)

As etapas de Goiânia e Interlagos foram provas bem atribuladas, principalmente para aqueles que iam à frente: enquanto que os principais protótipos foram tendo seus percalços, o Ligier #17 e o Mercedes AMG GT3 #27 passaram para vencer as duas respectivas provas com autoridade. Mas era uma questão de tempo para que os reinantes AJR e até mesmo o rápido, mas ainda frágil, Sigma, estivessem com total chance de conquistar a terceira etapa. Por motivos que ainda são desconhecidos, a prova estava marcada para o veloz circuito de Cascavel e acabou sendo remarcada para a pista de Santa Cruz do Sul que é reconhecida como seletiva pelos pilotos, mas com um agravante a mais que é a abrasividade do asfalto. Sem sombra de dúvida, um desafio a mais para os pilotos e equipes. 

Mas as coisas começaram bem complicadas: se na quinta, durante os treinos extras, a pista estava seca, na sexta a chuva reinou por todo dia e isso acabou forçando o adiamento da qualificação para o sábado, horas antes da realização da corrida. Isso significava um trabalho a mais para todos, visto que ainda precisariam converter os carros da qualificação para a corrida. 

Essa qualificação custou uma baixa no grid e também para a equipe M3 Motorsport, que cuida atualmente dos dois Sigma #2 e #12: o Sigma #12 saiu para sua qualificação com Beto Ribeiro no comando e acabou batendo o protótipo. Segundo informações, ele teria quebrado os dois tornozelos e também no joelho esquerdo. Esta corrida acabaria por ser bem desastrosa para as equipes que possuem os protótipos Sigma: com o #12 fora, restou o #2 pilotado por Erik Mayrink/ Hugo Cibien que largaram na quinta posição e estavam em sexto quando os problemas no pneu traseiro esquerdo passou a atormentar a dupla, que viria a repetir mais à frente com outro furo do mesmo lado e este deixando o Sigma #2 por um bom tempo nos boxes para arrumar os problemas que foram além dos furos de pneus, como em barra estabilizadora e cabo de vela defeituosa. 

Outro Sigma, o da equipe MC Tubarão, batizado como Tubarão XI, estreou nova pintura nesta etapa - vermelho em alusão ao Tubarão I, primeiro da grande equipe em 1996 - e chegou fazer todas as atividades até a manhã de sábado, quando a equipe decidiu retirar o protótipo da prova por entender que o carro ainda não está no nível dos demais e precisar de mais desenvolvimento. Na qualificação o Tubarão XI foi conduzido por Arthur Leist - que dividiria o comando com Tiel Andrade - e sua volta foi de 1'23''2 e a pole, que foi feita pelo AJR #444, foi de 1'10''2. 


Muito frio e várias visitas do Safety Car

A largada para as 4 Horas de Santa Cruz do Sul

Apesar do sol e céu limpíssimo, o frio estava presente e isso foi um fator a ser considerado: se por um lado ajudava na conservação mecânica dos carros, piorava para que os pneus atingissem a temperatura ideal - apesar deste último não ter interferido no desempenho dos pneus, a pista abrasiva acabou causando alguns furos de pneus e curiosamente do lado esquerdo traseiro, onde o Sigma #12, MCR Grand-Am #18 e o Ligier #17 tiveram seus furos. 

O inicio da corrida foi de uma batalha bem interessante entre o AJR #444 (Vicente Orige/ Gustavo Kiryla) e o Ligier #17 (Guilherme Botura/ Gaetano Di Mauro) onde o carro francês, mesmo sem toda velocidade de reta do AJR #444, conseguia acompanhar o ritmo do protótipo nacional e isso durou por um bom tempo. As entradas do Safety Car, pelas mais diversas situações, deu ao outro AJR da equipe Motorcar - o #1 pilotado por Fernando Ohashi/ Marcelo Vianna/ Vitor Genz - a possibilidade de entrar nessa disputa pela primeira posição na geral. 

Com essa chegada do AJR #1, o Ligier #17 passou a ficar mais para a terceira posição e apenas acompanhar a disputa entre os dois carros da equipe Motorcar. Enquanto que os dois AJR disputavam a primeira posição, o Ligier teve um pneu furado e quando estava para entrar nos boxes teve um toque com o AJR #35 (Pedro Queirolo/ David Muffato) e bateu forte no muro da entrada do box. Foi uma pena para eles, já que os problemas com a caixa de direção do protótipo francês tinham os deixado de fora em Interlagos. 

Mesmo com o tráfego pesado, os dois AJR da Motorcar tiveram tempos na casa de 1'12 - para se ter uma idéia, a pole foi feita pela manhã na casa de 1'10 - e isso indicava que a disputa seria apenas entre eles. Mas no decorrer da prova o melhor andamento do AJR #444 garantiu a primeira colocação, enquanto que o AJR #1 teve que travar uma boa disputa com o AJR #35, que fez uma corrida de recuperação após largar dos boxes por conta de problemas de motor que atingiram a dupla Queirolo/ Muffato desde a quinta. Mais a frente o #35 assumiria a segunda posição, enquanto que o #444 passava para vencer a prova - nesta que foi a redenção da dupla Orige/ Kiryla que estavam com ritmo muito bom em Interlagos e liderando quando quebraram. No meio do caos que foi esta etapa de Santa Cruz do Sul, foi um desempenho brilhante e recompensador para eles.

Na P2 a vitória ficou para o MCR Grand-Am #18 de Fernando Poeta/ Claudio Ricci que chegaram enfrentar um furo no pneu, mas conseguindo trazer o carro para os boxes e sustentar a liderança. O MRX #73 da LT Team (Gustavo Ghizzo/ Leandro Totti/ Leonardo Yoshi) ficaram em segundo e a terceira posição, mesmo não tendo terminado a corrida por conta de uma quebra de eixo, ficou o Ferrari 458 #155 de Tom Filho/Ricardo Mendes. Na P2L a vitória foi do MRX #74 de Leonardo Yoshi/ Eduardo Souza/ Leandro Totti.   


Nos GTs

(Foto: Marcos Gomes/ Instagram)

Na classe dos GTs as disputas foram ferrenhas, mais uma vez. A batalha entre o Mercedes AMG GT3 #9 de Xandinho Negrão/ Marcos Gomes e o Mclaren 720S #16 de Marcelo Hahn/ Allan Khodair animaram a classe dos GT3, com estes ficando na disputa por quase toda corrida e até rolando um toque entre o #9 e o Mercedes #50 de Maurizio Billi/ Marco Billi/ Max Wilson, possibilitando uma bela ultrapassagem do Mclaren #16 - então pilotado por Khodair - sobre o Mercedes #9 que estava aos cuidados de Marcos Gomes. 

O Mclaren #16 - que teve um Drive & Through por fazer a parada de box abaixo dos 4 minutos obrigatórios - esteve muito bem nessa corrida e a chance de vitória era real até as voltas finais, quando um problema no amortecedor tirou deles essa oportunidade de ganhar na classe e deixou o caminho livre para a vitória de Negrão/ Gomes - ao menos terminaram em segundo, enquanto que o Porsche 911 RSR #55 da Stuttgart Motorsport (Ricardo Mauricio/ Marçal Muller/ Marcel Visconde) ficaram em terceiro após travar uma disputa com o BMW M4 de Átila Abreu/ Leo Sanchez. 

O Mercedes #27 de Cacá Bueno/ Ricardo Baptista teve problemas no radiador e inicialmente era fim de prova para eles quando a corrida faltava duas horas para o final, mas um tempo depois o Team RC conseguiu resolver o problema e devolveu a dupla para terminar na 24ª posição na geral e em 8º e último na GT3.   

Na classe GT4 a vitória ficou para o Mercedes #31 da Autlog de Leandro Ferrari/ Renan Guerra/ Marco Pisani, a segunda posição ficou para o Porsche 718 #21 de Jacques Quartiero/ Danilo Dirani e a terceira para o Mustang #22 de Cassio Homem de Mello/ André Moraes/ Gustavo Conde. A baixa nessa classe aconteceu durante a corrida ainda em sua primeira hora, quando o Porsche 718 #718 de Marcel Visconde/ Bruno Xavier/ Marçal Muller teve um enrosco com futuro vencedor da classe #31 e acabou batendo na barreira de pneus da última curva.

A corrida completa você pode conferir no canal oficial do Império Endurance Brasil no Youtube clicando aqui.

A próxima etapa será em 20 de agosto com a realização das 4 Horas de Velo Città.

terça-feira, 14 de junho de 2022

90ª 24 Horas de Le Mans - Porsche e Aston Martin comandam nos GTs

 

Uma bela conquista da Porsche na última prova da LMGTE-PRO em Le Mans
(Foto: Porsche Races/ Twitter)

Como de costume as classes destinadas aos GTs não decepcionam, especialmente a LMGTE-PRO que teve a sua última corrida em Sarthe e será descontinuada ao final desta temporada. A batalha entre Porsche e Corvette pela vitória em Sarthe foi o ponto alto e isso tinha sido bem visto já desde os treinos, principalmente por conta do enorme equilibrio que estas duas equipes apresentaram. 

Quem olhasse a classificação hora a hora certamente apontaria os carros amarelos da fabricante americana como a grande favorita, mas não dava para ignorar em momento algum a velocidade dos Porsche 911 RSR-19 frente aos Corvette C8.R e, com certeza, uma disputa titânica pela última vitória dessa classe em Le Mans. Porém, os problemas nesse tipo de prova são bem costumeiros e tende tirar da disputa o mais preparado dos competidores. 

O Corvette #63, tripulado por Jordan Taylor/ Antonio Garcia/ Nicky Catsburg, esteve em revezamento com o gêmeo #64 (Nicky Tandy/ Tommy Milner/ Alexander Sims) na liderança da classe e que em alguns momentos teve a presença dos dois Porsches, especialmente o #92 de Michael Christensen/ Kevin Estre/ Laurens Vanthoor que sempre esteve no encalço. Mas os problemas para a Corvette começaram aparecer quando a prova ainda se encaminhava para a sua metade: o #63 apresentou problemas na suspensão traseira esquerda e teve que ir aos boxes para os reparos. Isso automaticamente tirou deles a chance de vitória, e as coisas pioraram de vez quando tiveram de arrumar o difusor. Acabaram por abandonar na 15ª hora de corrida. 



A batalha continuava, claro, mas agora com o #64 tendo que segurar as investidas dos dois Porsches e também das duas Ferrari da AF Corse que passaram a figurar entre os favoritos, mesmo que o déficit de potência deles os prejudicasse nas retas. As coisas pareciam ajudar a Corvette quando o Porsche #92, que vinha em revezamento com o #64 pela liderança, teve uma escapada na Mulsanne e em seguida apresentou um furo no pneu dianteiro direito que dechapou na zona da Indianápolis e destruiu toda a dianteira. Por mais que Michael Christensen tenha levado o carro lentamente para os boxes, o tempo perdido os tirou da briga. 

A disputa da Corvette parecia ter virado naquele momento contra o Ferrari #51 (Alessandro Pier Guidi/ James Calado/ Daniel Serra) que estava se baseando na estratégia para tentar beliscar uma improvável vitória. Mas na 18ª hora, quando o Corvette estava próximo de assumir a ponta da classe, acabou sendo acertado pelo LMP2 #83 da AF Corse que era pilotado por François Perrodo no momento. O toque lateral acabou jogando o Corvette #64 - pilotado por Sims no momento - contra o guard-rail da Mulsanne e a quebra da suspensão dianteira e traseira não deram a menor chance de continuarem na corrida. A desolação da equipe americana foi mostrada ao vivo, assim como toda a reação da equipe Ferrari. François Perrodo levou o LMP2 da AF Corse para os boxes e logo em seguida foi a garagem da Corvette pedir desculpas pelos acontecido. Nobre gesto. 

Mas agora a disputa ficava a cargo da Ferrari #51 e do Porsche #91 (Fred Makowiecki/ Gianmaria Bruni/ Richard Lietz) que ressurgia para a batalha. Por mais que houvesse 12 segundos que separavam o líder #51 do #91, essa diferença foi para o espaço assim que o único Safety Car da corrida foi ativado por conta do acidente do LMP2 #31 da WRT na Indianapolis. O duelo entre Ferrari e Porsche animou bastante, mas o carro italiano não tinha ritmo para segurar a velocidade do Porsche e logo acabaria sendo ultrapassado. 

Para o restante das horas, o Porsche #91 apenas aumentou a diferença e passou para vencer mais uma 24 Horas nesta que foi a primeira do modelo 911 RSR-19 que estreou em 2020. Foi a quarta conquista para Bruni e Lietz, enquanto que Makowiecki, já veterano de guerra em Le Mans, foi a sua primeira. 

A classe LMGTE-PRO deixará de existir ao final deste ano. Para 2023 a LMGTE-AM também receberá a sigla PRO, mas apenas por esta temporada já que a partir de 2024 a plataforma usada será a da GT3 com kits para diferenciar os carros do Mundial de Endurance dos demais, mas que podem ser retirados para que os carros continuem/ sejam usados em seus respectivos campeonatos. 


Aston Martin rouba a cena na LMGTE-AM

Uma grande vitória para o Aston Martin da TF Sport
(Foto: TF Sport/ Twitter)

Era uma classe onde o favoritismo pendia totalmente para a Porsche e com o BOP feito na sexta-feira, onde a potência e capacidade do tanque das 488 EVO foram diminuídas, o favoritismo aumentou. 

Mas no decorrer da prova os problemas foram tirando alguns Porsches do caminho, e isso deu ao Aston Martin #33 da TF Sport (Marco Sorensen/ Ben Keating/ Henrique Chaves) a oportunidade de chegar aos três primeiros e assumir a liderança na 12ª hora para não perder mais. 

O Porsche #79 da Weathertech Racing (Julien Andlauer/ Cooper MacNeil/ Thomas Merrill) foi outro que esteve com boas chances de vitória, tendo liderado da segunda hora até a 11ª para depois perder o comando para o Aston Martin da TF Sport. Mas sempre esteve no encalço do #33 da TF Sport, mas sem grandes chances. 

O Porsche #99 da Hardpoint Racing (Andrew Haryanto/ Martin Rump/ Alessio Picariello) esteve próximo do pódio até a 23ª hora quando ocupava a terceira posição, mas uma rodada quando se aproximava da Dunlop chicane - quando Haryanto estava na pilotagem - deixou o Porsche encalhado e um tremendo prejuízo, ao terminarem apenas na 11ª posição na classe. 

O desaire da Hardpoint foi a alegria para o Aston Martin #98 da Northwest AMR (Nicki Thiim/ Paul Dalla Lana/ David Pittard) que garantiu a terceira posição, após se revezar com o Porsche da Hardpoint e também com o Porsche #77 da Dempsey-Proton Racing (Sebastien Priaulx/ Christian Ried/ Harry Tincknell) o último lugar do pódio. O Porsche #77 acabou tendo problemas de suspensão e não pode mais lutar pela terceira posição. 

Destaque para a sétima posição alcançada pela Ferrari #85 da Iron Dames que foi pilotado pelo trio feminino formado por Michelle Gating/ Sarah Bovy/ Rahel Frey. E também vale destaque para estréia de Michael Fassbender, que interpreta o Magneto na franquia "X-Men": ele dividiu o Porsche #93 da Proton Competition com Matt Campbell e Zacharie Robichon e esteve envolvido em dois problemas desse Porsche, sendo que o primeiro foi um toque com um outro GT no meio da noite que o fez parar na brita da curva Indianapolis e depois ficou encalhado na chicane Dunlop. Terminaram na 16ª posição nessa classe.   

segunda-feira, 13 de junho de 2022

90ª 24 Horas de Le Mans - A quinta para a Toyota e a espera pela centenária

(Foto: Toyota Gazoo Racing/ Twitter)

É bem provável que o para o fã das corridas, especialmente as de endurance, essa edição de número 90 das 24 Horas de Le Mans não tenha sido a mais empolgante dos últimos anos. Apesar do entusiasmo inicial, é claro que a batalha pela vitória na geral é que a prende a maior atenção daqueles que se propõe assistir a corrida em sua totalidade. E faz uns bons anos que é normal ver, ler e ouvir os fãs do Mundial de Endurance reclamar aos montes do domínio da Toyota em face aos demais. Procuro entender o lado do fã nestes últimos anos, onde a frustração em assistir a Toyota vencer as 24 Horas de Le Mans com tranquilidade acaba jogando um enorme balde de água fria sobre as expectativas, por mais que sejam fantasiosas - mesmo sabendo que a chance são mínimas de uma outra equipe vencer. 

Sabemos bem que ACO/ FIA criaram uma tremenda armadilha quando procuraram privilegiar as fabricantes - isso soa fácil hoje, mas sabemos que era um ponto importante para um campeonato que estava sendo retomado em 2012 e a vinda da Toyota naquele ano para enfrentar a Audi, ajudou a fechar uma lacuna deixada pela Peugeot que se retirou da competição às portas do inicio do mundial. A chegada da Porsche alguns anos depois não apenas abrilhantou o certame, como também elevou a competitividade, mas, no entanto, equipes como a Rebellion não tinham grandes chances de chegar a vitória frente a essas três gigantes - tanto que a própria equipe suíça acabou se mudando para a LMP2 em 2017 e ironicamente num ano onde quase que uma equipe daquela classe venceu na geral, já que os Toyota haviam ficado pelo caminho;os Porsche tinham tido problemas e o fraco carro da ByKolles ficou de fora logo nas primeiras voltas. Se caso a Rebellion estivesse na LMP1, a vitória poderia ter ficado em suas mãos. Mas como o "Se" não pilota, ficou apenas na imaginação popular do que poderia ter sido. 

A permanência da Toyota após o colapso da LMP1 com a saída quase que ao mesmo tempo de Audi e Porsche do campeonato, ajudou a manter a categoria viva. Mesmo que a disparidade técnica para os demais seja grande, foi importante essa permanência para que fosse tudo colocado nos eixos. Podemos até entrar na discussão do por que não ter mexido nos regulamentos para que outras equipes pudessem enfrentar a Toyota, mas daí cairíamos na mesma questão do por que isso não foi feito anteriormente para que equipes particulares enfrentassem as fabricantes. 

Sinceramente, é uma discussão que ainda será levantada sempre, mas as coisas tendem a mudar a partir de 2023 com a chegada maciça das demais fabricantes - que será inaugurada com a chegada da Peugeot com o seu 9X8 a partir da próxima etapa, as 6 Horas de Monza - numa era que é tão aguardada desde que foi anunciada. 


Um passeio para a quinta conquista, pódio para Glickenhaus e a má jornada da Alpine

Foi a quinta vitória da Toyota em Le Mans
(Foto: Toyota Gazoo Racing/ Twitter)

Toyota não teve adversários e isso era algo que já sabíamos, mas ainda si alimentávamos uma pequena esperança de que Alpine pudesse entrar na batalha. Mas isso não ocorreu e apenas na Hiperpole é que vimos um pequeno brilhareco da equipe francesa. 

A Toyota largou com seus dois carros na primeira fila e de lá não largou mais o osso, conseguindo abrir para os carros da Glickenhaus de forma tranquila e sem fazer grande esforço. Isso deu a equipe japonesa o luxo de revezar seus dois carros na dianteira da prova por inúmeras vezes sem ter nenhum incômodo ou até mesmo enrosco com algum retardatário. Foram 24 Horas de prova onde as coisas estavam absolutamente sob controle. 

Para não dizer que não houve um momento tenso foi quando o Toyota #7, então conduzido por Jose Maria Lopez, teve um apagão assim que passou pela Arnage na 16ª hora. Estacionou o carro do lado direito e procurou reiniciar o GR010 Hybrid #7, perdendo um bom tempo e vendo a oportunidade de vencer a sua segunda 24 Horas de Le Mans - ao lado de Kamui Kobayashi e Mike Conway - ir para o espaço. Um tempo depois ele conseguiu reiniciar o carro e o levou para os boxes, onde perdeu mais um tempo por conta deste estar energizado, o que impossibilitava os mecânicos chegarem no carro. Isso tudo custou um mega prejuízo, passando dos trinta segundos de quando aconteceu o problema, para quase uma volta perdida para o Toyota #8. Depois soube-se que o problema era com o motor-gerador dianteiro.

O Toyota #8 passou incólume e deu ao trio formado por Sebastien Buemi/ Brendon Hartley/ Ryo Hirakawa a oportunidade de gravar seus nomes na história: para Buemi, foi a conquista de número quatro e agora ele empata com Olivier Gendebien, Henri Pescarolo e Yannick Dalmas na plataforma daqueles que tem quatro conquistas em Sarthe; Brendon Hartley chegou a sua terceira conquista e Ryo Hirakawa não apenas tornou-se o quinto japonês a vencer a prova, como também entrou num grupo qualificado de pilotos que venceram a corrida logo em sua primeira participação, como foram os casos de Tazio Nuvolari, Klaus Ludwig, Tom Kristensen, Fernando Alonso e outros tantos. 

(Foto: Alexis Goure/ ACO)

Apesar de um ritmo muito bom apresentado nos treinos, era possível a Glickenhaus enfrentar a Toyota
na corrida? Essa dúvida foi logo dissipada nas primeiras horas quando os carros americanos estiveram sozinhos a rodas pelo circuito de Sarthe. Não houve nenhuma hipótese de chegar próximo dos carros nipônicos - teria apenas se caso estes tivessem algum problema sério que os atrasasse, e isso não aconteceu. 

Por outro lado, a Glickenhaus não teve o incomodo da Alpine e, a exemplo da Toyota, fez uma corrida particular e tranquila para apenas garantir seu lugar no pódio que acabou por ser o primeiro da Scuderia Glickenhaus em Le Mans através do #709 que foi tripulado por Ryan Briscoe/ Franck Mailleux/ Richard Westbrook - mas ainda sim tiveram um pequeno susto causado por um sensor quando a prova não tinha duas horas de realização. O outro carro da equipe, o #708 pilotado por Romain Dumas/ Pipo Derani/ Olivier Pla, talvez fosse o mais forte para pegar um lugar no pódio, mas o estouro no pneu traseiro na Tertre Rouge quando estava na oitava hora de corrida, jogou fora essa possibilidade. 


(Foto: Alpine/ Twitter)

Talvez o maior desaire tenha ficado para a conta da Alpine. Esperava-se muito da equipe francesa para esta edição, principalmente pela ótima performance apresentada nas 1000 Milhas de Sebring onde eles venceram com autoridade, mas a punição do BOP pela liderança alcançada acabou tirando deles muito da perfomance e isso foi visto já no test day quando os pilotos estavam preocupados com a velocidade de reta - e este sentimento foi reforçado já nos treinos livres. A lufada de ar fresco com adição de mais 7kw de potência para a Hiperpole deu a equipe uma oportunidade de levar a pole, já que a velocidade de Nicolas Lapierre estava presente. Mesmo sendo superados pela Toyota, a terceira posição foi um mega presente. 

Para a corrida houve mais uma redução na potência e isso jogaria contra durante o certamente. Não apenas isso, mas juntando com os problemas hidráulicos que os fizeram visitar os boxes - e a garagem - lhes tiraram totalmente da disputa. O incidente de Matheus Vaxivière quando a prova já estava perto do fim - na 18ª hora, mais precisamente. 

Não foi uma edição das mais frutíferas para eles.   


Jota Sport vence na LMP2 

(Foto: Jota Sport/ Twitter)

Era uma categoria que se esperava bastante, principalmente por conta de três equipes: a Jota Sport com seus dois carros (#28 e #38), United Autosports (#22 e #23) e a WRT (#31, #32 e #41) eram os favoritos para chegar a conquista na LMP2. Mas nem sempre o que está na especulação acaba por acontecer. 

Problemas e incidentes acabaram por limar os carros da United Autosports e WRT. Aliás, estas duas já se encontraram quando René Rast no #31 acabou fechando sobre o #22 da United Autosports ainda na largada e arruinou a corrida do carro da equipe inglesa - e de tabela ainda pegou o #47 da Algarve Pro Racing (que compete na subclasse LMP2 AM) que estava sendo conduzido por Sophia Floërsch que acabou arruinando toda a prova desse trio, assim como do número #22. O #31 do Team WRT continuou na prova, mas levaria um time penalty de 1 minuto. Eles se recuperaram durante a corrida, chegando até mesmo com boas hipóteses de pegar pódio, mas um acidente na 19ª hora, após rodar e bater na Indianápolis, tirou o carro de vez da corrida. 

Distante de todos os problemas que aconteceram com seus rivais mais próximos, e até mesmo com outros carros da classe, o #38 da Jota esteve num ritmo muito bom e teve no #9 da Prema o seu grande adversário, com quem revezou a liderança até a oitava hora de corrida. Daí em diante a melhor velocidade e destreza do trio formado por Antonio Felix Da Costa/ Roberto Gonzalez/ Will Stevens se sobrepôs ao do trio da Prema que era composto por Robert Kubica/ Lorenzo Colombo/ Louis Deletraz, os deixando em segundo pelo resto da corrida. O trio da Prema precisou se preocupar com o outro carro da Jota, o #28 comandado por Jonathan Aberdein/ Ed Jones/ Oliver Rasmussen, que chegou ocupar em alguns momentos a segunda posição, mas que acabaria mesmo em terceiro. 

A Penske que teve boas chances também de pegar um lugar no pódio, sendo que o trio do #5 formado por Felipe Nasr/ Dane Cameron/ Emmanuel Collard, estavam com ritmo muito bom até o anoitecer e depois caíram de ritmo para fechar em quinto na classe. 

De se destacar também o ótimo andamento do #13 da TDS x Vaillante que teve o acidente com Phillipe Cimadomo na quinta - ele acabaria sendo excluído pelos comissários por pilotagem perigosa - e que precisou recrutar Nicky De Vries para compor o trio com Mathias Beche e Tijmen van der Helm. O trio também esteve na luta pelo pódio, mas ficou em quarto.

*Textos sobre os GTs vem numa próxima publicação

domingo, 12 de junho de 2022

90ª 24 Horas de Le Mans - Final

 


A 90ª 24 Horas de Le Mans chega ao seu final coroando seus vencedores que, ou vão escrever mais uma vez o seu nome na história, ou vai escrever pela primeira vez.

Para a Toyota foi a vitória das mais tranquilas e agora é esperar pelos rivais que farão frente a equipe nipônica a partir de 2023 – e já teremos a Peugeot a partir das 6 Horas de Monza, próxima etapa.

A Jota chega a sua vitória com uma mega consistência, não dando muitas hipóteses para os demais. Mas é uma pena que as quedas da United Autosport e da WRT deixaram de dar um brilho a mais a essa conquista.

A Porsche chega a sua vitória com este modelo que parecia estar encantado em Sarthe, mas precisou batalhar com uma fortíssima Corvette que foi limada da competição por conta dos acidentes. E ainda tivemos as Ferraris da AF Corse que, se não tinham velocidade suficiente, tentaram dar o pulo na estratégia.

E na LMGTE AM a Aston Martin, através da TF Sport, derrubou o favoritismo da Porsche que parecia confirmar uma possível conquista já no meio da noite com uma horda de carros que ocupavam as cinco primeiras posições.

As 24 Horas de Le Mans voltará em 2023 com novos velhos conhecidos e com certeza, na prova que vai comemorar o centenário da clássica francesa, será uma das grandes festas do motorsport neste século.

Que assim seja!

 

-              Hypercar:

-              Toyota #8

-              Toyota #7

-              #Glickenhaus #709

-             

-              LMP2

-              Jota #38

-              Prema #9

-              Jota #28

-             

-              LMGTE-PRO

-              Porsche #91

-              Ferrari #51

-              Ferrari #52

-             

-              LMGTE-AM

-              Aston Martin #33 TF Sport

-              Porsche #79 Weathertech Racing

-              Aston Martin #98 Northwest AMR


Foto 1020: Reims, Fórmula 2 1969

O grid da Fórmula 2 em Reims bem recheado de estrelas que faziam - e fariam - parte da Fórmula 1 em breve. A primeira fila formada por Jacky...