domingo, 31 de março de 2019

GP do Bahrein: Um dia de azar... E sorte

O homem certo na hora certa: Lewis aproveitou bem a chance para vencer a sua primeira prova em 2019
Havia uma grande expectativa em torno do que Charles Leclerc poderia fazer quando estivesse em posse de um carro competitivo. Se em Melbourne os problemas de acerto da Ferrari limitou o seu desempenho e o de Vettel, os deixando longe de uma possível batalha com a Mercedes, em Sakhir a melhora significativa da Ferrari foi importante para os colocarem de volta a disputa e também dar a oportunidade de Charles mostrar o seu potencial e a pole position foi um belo cartão de entrada.
É claro que a sua má largada que quase o jogou para quarto esfriou um tanto a euforia em torno do jovem monegasco, mas a sua rápida recuperação sobre Hamilton e a velocidade com que alcançou Sebastian Vettel fez aumentar a expectativa. Ainda mais quando conseguiu duelar com Sebastian pela liderança e vencer a disputa. Abriu grande vantagem, chegando bater na casa dos nove segundos e estava alheio de qualquer importunação de outro piloto. Seria uma vitória fabulosa, num dia que soube domar os dois melhores pilotos da categoria com talento e velocidade. Seria... O motor da Ferrari passou a apresentar problemas quando estava faltando treze ou doze voltas para o fim, e aquela diferença de quase dez segundos para Hamilton se desfez em poucas voltas. Lewis assumiu a liderança para conquistar uma vitória bem improvável, diga-se e Leclerc ainda perderia a segunda colocação para Bottas. Charles teve a sorte aparecer um Safety Car nas últimas três voltas que o fez sustentar a terceira posição, que seria perdida para Verstappen.
Já o vencedor da prova não teria grandes chances de levar essa corrida barenita. No entanto, pelo menos com Vettel, Hamilton esteve bem próximo em toda prova e isso lhe deu a oportunidade de tentar quebrar a possível dobradinha da Ferrari. A disputa pela segunda posição entre os dois maiores campeões dessa década foi o ponto alto deste GP. Por mais que Hamilton tivesse sofrido com os pneus macios antes do seu segundo pit-stop, a diferença não foi tão grande e isso permitiu-lhe continuar com Sebastian na alça de mira até que ambos entrassem numa batalha aberta, com Vettel conseguindo se defender bem no primeiro grande ataque de Lewis. O inglês soube esperar mais uma volta e dar carga total, fazendo manobra idêntica a primeira mas com muito mais agressividade. Vettel acabou rodando após destracionar na saída de curva quando Lewis já estava a frente. Enquanto que Hamilton caminharia tranquilamente para uma possível segunda posição - antes que a aparecesse o problema de Leclerc -, Vettel ainda perdeu a asa dianteira de forma estranha, que o forçaria ir aos boxes. Voltou ainda entre os dez, mas sem grandes chances de tentar um pódio ao fechar num melancólico quinto lugar.
Esta corrida barenita ainda reservaria ao novato Lando Norris a chance de conquistar um honroso sexto lugar, aproveitando-se bem do ótimo rendimento da McLaren nesta pista de Sakhir que já havia sido bem visto nos treinos e principalmente no bom início de prova de Carlos Sainz, que acabara se tocando com Max Verstappen na disputa pela quinta posição e despencando para último, de onde não sairia até seu abandono nas voltas finais.
O GP do Bahrein acabou por mostrar o aparecimento de um terceiro elemento que pode incomodar qualquer um dos dois possíveis campeões.

Foto 724: Kevin Cogan, Indy 500 1981

Kevin Cogan com o Phoenix 80 Cosworth da equipe Jerry O'Connell Racing, na clássica foto antes das 500 Milhas de Indianápolis de 1981 que marcou a estréia do estadunidense na grande prova americana.
Kevin marcou a 12a colocação no grid e terminou em quarto, três voltas atrás do vencedor Bobby Unser.
Kevin Cogan completa hoje 63 anos.

sábado, 30 de março de 2019

Foto 723: Carlos Reutemann, Kyalami 1974

Depois de uma exibição sensacional de Carlos Reutemann em seu GP caseiro em Buenos Aires, na abertura do mundial de 1974, a sorte tinha que sorrir ao piloto argentino.
Se na prova da Argentina o periscópio lhe tirou uma vitória certa, os problemas de ignição e baixa pressão de óleo do Ferrari de Niki Lauda - que também perseguia a sua primeira vitória na categoria - acabou tirando a chance do jovem austríaco vencer quando faltavam míseras três voltas.
Para Carlos Reutemann foi a primeira vitória na F1, assim como para Bernie Ecclestone como dono de equipe. Para a Brabham foi a primeira conquista desde o mesmo GP da África do Sul de 1970 com Jack Brabham. E para completar o pacote de estatisticas, Carlos foi o primeiro argentino a vencer desde Juan Manuel Fangio em Nurburgring 1957.
Hoje completa 45 anos.

Foto 722: Lucien Bianchi, Le Mans 1968

Foto: Rainer Schlegelmich
Pedro Rodriguez e Lucien Bianchi no pódio de Sarthe, comemorando a vitória nas 24 Horas de Le Mans de 1968 com o Ford GT40 MKI da J.W. Engineering.
Hoje completa 50 anos da morte do piloto belga, que acidentara durante os testes para a prova de 1969 quando bateu o seu Alfa Romeo T33 num poste de telegrafo.

Foto 721: Mike Thackwell, Donington Park 1984

Foto: Motorsport Images
Mike Thackwell com o Williams FW08 testes na pista de Donington Park, em agosto de 1984.
Este teste foi feito com supervisão da Cosworth que instalara um motor com limitador de rotações que seria usado na nova categoria criada pela FIA a partir de 1985: a Fórmula 3000.
O piloto neozelandês completa hoje 58 anos.

sexta-feira, 29 de março de 2019

Foto 720: Brawn GP, Melbourne 2009

Aquele momento em que a abóbora virou carruagem: Jenson Button e Rubens Barrichello dão a primeira dobradinha a equipe Brawn em Melbourne

Foi interessante ver toda aquela epopéia de Jenson Button, Rubens Barrichello e Ross Brawn desde o anúncio da retirada da Honda da Fórmula-1, passando pelas incertezas nas carreiras de Button e Barrichello, até chegar no nascimento da Brawn GP no meio dos escombros do que foi um dia a equipe japonesa.
O que é esperado de uma equipe novata é que ande do meio para trás do pelotão, ainda mais se tratando da F1 onde as cobras estão em qualquer canto a espreita. Mas os tempos velozes que Button e Barrichello - este último sendo decidido nos "acréscimos", após um pequeno vestibular do qual Bruno Senna também esteve presente, para saber quem tomaria partido do segundo carro - imprimiram nos testes de pré-temporada até surpreenderam, mas foi entendido como um blefe, afinal a nova equipe não tinha um patrocinador master. Mas aqueles carros brancos com detalhes em verde limão e equipados com os motores Mercedes, reservariam um pouco mais para a abertura do mundial em Melbourne.
Apesar dos treinos livres terem tido uma Williams-Toyota forte - especialmente com Nico Rosberg - as BrawnGP estavam bem entre os seis primeiros, mas sem mostrar grande força. Tanto que Barrichello foi o melhor da equipe nos três treinos livres, ao marcar o segundo melhor tempo na TL 2. Porém, é na classificação que as coisas começam a se revelar: as duas BrawnGP foram soberanas, com Jenson Button a marcar a pole e Barrichello cravar o segundo melhor tempo.
Na corrida, apesar da má largada de Barrichello - que ainda se envolveria num enrosco com Webber na primeira curva -, a BrawnGP teve um Jenson Button uma corrida tranquila e sem nenhum problema com  adversários. A recuperação de Rubens até a segunda posição foi importante para mostrar o quanto que o BGP 001 era bem balanceado e resistente. A festa no pódio com a dobradinha da equipe, mais Jarno Trulli da Toyota, foi quase como um alivio para alguns caras que até meses antes nem saberiam se estariam no grid de 2009.
Uma melhor interpretação do regulamento por parte de Ross Brawn - que desenvolvera o "difusor duplo" por conta de um engenheiro da Honda que havia achado uma brecha no regulamento onde a tal inovação podia ser criada, mas que poucos engenheiros deram atenção -, foi o principal trunfo da equipe que dominou amplamente a primeira parte do mundial e ao final do ano estaria comemorando os títulos de Pilotos (Jenson Button) e Construtores.A BrawnGP teria papel importante também para a história do automobilismo brasileiro dentro da categoria, pois foi através dela que Rubens Barrichello venceu seus últimos GPs em Valência - válido como GP da Europa - e Monza, que a foi a última vez que o hino nacional tocou em um Grande Prêmio.
Aquela equipe que chegara fazendo estardalhaço e vencendo os dois campeonatos da categoria, não existia mais ao final do ano: a Mercedes comprara toda a estrutura e reiniciava a sua caminhada na Fórmula-1.
E para a BrawnGP restou apenas entrar nos livros de história com estilo e respeito. E melhor: invicta!

quinta-feira, 28 de março de 2019

Foto 719: Tony Brise, Montjuich Park 1975

Tony Brise fazia parte de um pequeno grupo de pilotos que despertaram os comentários e possíveis previsões do que poderia ser a sua carreira, principalmente por causa da sua ótima condução para a equipe Embassy Hill do bicampeão Graham Hill.
A sua estréia pela Williams no GP da Espanha de 1975 poderia colocar medo em qualquer novato que entrasse naquele incêndio que foi o GP espanhol, por conta da falta de segurança que foi avistado pela GPDA em Montjuich. naquele final de semana do dia 27 de abril.
Mas Brise estava confortável: classificou-se em 18º e escapou de todos enroscos que ali apareceram, inclusive uma pancada que recebera de Tom Pryce que o fez ir aos boxes e perder bastante tempo quando ocupava a sexta colocação. Mas a sua condução madura e eficaz já dava nas vistas, e logo no seu primeiro GP.
O pavoroso acidente de Rolf Stommelen pôs fim a corrida com o hasteamento da bandeira vermelha e Brise terminou num honroso sétimo lugar, frente o que foi aquele caótico GP. Sua atuação chamou atenção de Graham Hill que logo lhe ofereceu um contrato e no GP da Bélgica o jovem britânico já estava ao volante do Hill-Ford no lugar do recém aposentado Graham.
Tony Brise completaria hoje 67 anos.

Foto 718: Hubert Hahne, Nurburgring 1968

Hubert Hahne e o seu Lola BMW durante o GP da Alemanha de 1968, disputado em Nurburgring, onde o piloto alemão largou na décima oitava posição e terminou em décimo, dez minutos atrás do vencedor Jackie Stewart.
Foram poucas aparições de Hahne na F1: além dessa de 1968, esteve em 1967 - abandonou por conta de uma quebra de suspensão; em 1969 não largou, apesar de ter conseguido a 17a posição no grid e em 1970, com um March-Cosworth, não conseguiu se qualificar. Todas no GP da Alemanha.
No entanto, Hubert teve uma boa carreira em categorias de acesso ao conseguir títulos em categorias de turismo na Alemanha (com um BMW 1800 Ti em 1964) e no ano seguinte conquistando o campeonato europeu.
Hubert Hahne foi o primeiro piloto a rodar abaixo de dez minutos no Nurburgring com um carro de turismo, quando venceu uma prova preliminar da F1 em 1966 ao fazer uma volta em 9'58"5 com um BMW 2000ti. No mesmo ano Hahne venceria, em parceria com Jacky Ickx, as 24 Horas de Spa com um BMW 2000ti. Hubert encerrou a sua carreira em 1970.
Hoje o piloto alemão completa 84 anos.

quarta-feira, 27 de março de 2019

Foto 717: David Coulthard, Le Mans 1993


David Coulthard também se aventurou em Le Mans, no distante ano de 1993 quando compartilhou o volante do Jaguar XJ220 #50 com David Brabham e John Nielsen. O carro foi inscrito pela TWR, equipe de Tom Walkinshaw.
Naquela edição de 1993, que teve o retorno dos GTs a grande prova após longo hiato, o Jaguar #50 acabou por ser o vencedor da classe GT. Mas acabou sendo desclassificado por irregularidades e desse modo a vitória foi para o Porsche 911Carrera RSR #47 da Larbre Compétition (Joël Gouhier/ Jürgen Barth/ Dominique Dupuy).
David Coulthard completa hoje 48 anos.

Foto 716: Long Beach, 1983


Conseguir "salvar" os pneus e ver o pote de ouro no final do arco-íris. Para as Mclarens de John Watson e Niki Lauda foi a solução para conseguir escalar o pelotão do GP dos EUA do Oeste, realizado em Long Beach, e partir para um resultado até então impensável até a voltas finais da corrida.
Enroscos entre Rosberg e Tambay; Jarier e Rosberg; problemas de desgaste de pneus do Williams de Laffite depois problemas no Brabham de Patrese e mais um pelotão compactado, ajudaram bastante o duo da Mclaren a subir na classificação e conquistar uma dobradinha impressionante para a equipe inglesa com Watson vencendo seu quinto GP e o quarto da Mclaren na era de Ron Dennis.
Para a história ficaria também o ponto conquistado por Johnny Cecotto - e último da Theodore Racing. Foi a última aparição da Fórmula-1 em Long Beach, que passaria a fazer parte do calendário da CART a partir de 1984.

Foto 715: Interlagos, 25 anos atrás




Se havia uma grande expectativa era aquele GP do Brasil de 1994. Com Ayrton Senna ao volante do Williams Renault, as apostas eram grandes sobre o brasileiro. Pelo menos duas delas eram as mais corriqueiras: quantas provas ele venceria e em qual ele encerraria o campeonato a seu favor.
Mas as coisas se revelaram bem diferentes quando eles alinharam para o GP: mesmo com uma pole soberba de Senna, o brasileiro não conseguia abrir distância para um impressionante Michael Schumacher que estava em grande forma com a Benetton, que ficaria ainda mais evidente quando o alemão assumiu a liderança e teve um stint perfeito ao abrir boa vantagem sobre Ayrton.
Para o brasileiro restou apenas tentar tirar a diferença no braço e quando parecia que poderia alcançar Schumacher, acabou rodando na subida da Junção. Uma tarde frustrante para a torcida, que esperava uma vitória do grande ídolo. Porém, foram poucos que viram a ótima quarta colocação que Rubens Barrichello conquistara.
Hoje completa exatos 25 anos do GP do Brasil.

terça-feira, 26 de março de 2019

Foto 714: Didier Pironi, Brands Hatch 1980

(Foto: @Digione_79/ Twitter)
Com uma pole cerca de quatro décimos mais veloz que seu companheiro Jacques Laffite, Didier Pironi alinhou seu belo Ligier JS11 Cosworth na posição de honra do GP da Grã Bretanha de 1980 realizado na montanha russa de Brands Hatch.
Aproveitando-se de um carro bem equilibrado Pironi esteve em grande forma, apesar dos infortúnios que uma roda quebrou quando ele liderava tranquilamente. Mesmo que tenha caído para vigésimo primeiro, o francês conseguiu escalar o pelotão e mostrar a sua destreza e coragem até chegar na quinta colocação quando a prova já a estava na 63 volta. Infelizmente neste momento é que a roda novamente apresentou problemas e o Didier teve que abandonar.
A sua grande atuação foi bem vista por Enzo Ferrari e tempos depois já estava com contrato assinado com a Ferrari para 1981.
Hoje o piloto francês completaria 67 anos.

Foto 713: Martin Donnelly, Paul Ricard 1989

Martin Donnelly com o Arrows Ford durante o GP da França de 1989, que marcou a estréia do piloto irlandês na F1.
Martin largou na 14a colocação e terminou a prova em 12o, três voltas atrás do vencedor Alain Prost.
O piloto irlandês completa hoje 55 anos.

Foto 712: Jacarepaguá, 30 anos atrás

Era um momento importante e único. Uma derradeira corrida num dos mais belos cenários que a Fórmula-1 já passou, estava prestes a se iniciar. Uma história bem bacana de uma década - praticamente - se encerraria e a partir de 1990 a categoria voltaria ao local que foi apresentada ao público brasileiro no distante 1972: Interlagos!
Onze dias antes do GP, o acidente de Phillippe Streiff acabou por encerrar a carreira do piloto francês quando o santantonio do AGS rompeu após capotar. Mas a corrida foi boa: apesar da largada atribulada pelo enrosco entre Berger, Senna e Patrese - que fez o austríaco abandonar e Senna perder duas voltas - Ricardo assumiu a ponta, mas não resistiria a um bravo Nigel Mansell que iniciava seus trabalhos na Ferrari, que estreava o cambio semi-automático. Mesmo que sofresse com problemas na direção, que o fez trocar de volante no seu derradeiro pit-stop, Nigel estava no seu dia e foi buscar Alain Prost para ultrapassá-lo e conquistar uma memorável vitória na última passagem da categoria por Jacarepaguá.
Mesmo sem Ayrton Senna fora de combate por conta do incidente da largada e Nelson Piquet que abandonara por problemas na bomba de combustivel de sua Lotus, a presença brasileira foi abrilhantada pela ótima forma de Mauricio Gugelmin que escalou o pelotão para chegar num grande terceiro lugar, mesmo que a ameaça de Ricardo Patrese tenha sido forte - e para sorte de Mauricio, o Williams de Patrese apresentou problemas no alternador fazendo o italiano abandonar quando era terceiro. Gugelmin ainda tentou alcançar Prost, mas não teve tempo. Mas a festa estava garantida e no pódio, Mansell acabou por cortar o dedo ao pegar na alça do troféu. Apenas mais uma cena para rico folclore do "Il Leone".

Foto 711: Lella Lombardi, 78 anos

O Lancia Stratus #3 - inscrito pela equipe Aseptogyl - de Cristine Dacremont e Lella Lombardi durante as 24 Horas de Le Mans de 1976.
A dupla terminou na vigésima posição na geral e em segundo na classe GTP, que foi vencida pelo Inaltera LM de Jean Pierre Beltoise/ Henri Pescarolo.
A prova foi vencida pelo Porsche 936 de Jacky Ickx/ Gijs Van Lennep.
Lella Lombardi completaria hoje 78 anos.

Foto 710: Interlagos, 29 anos atrás




Foi um retorno e tanto da Fórmula-1 a um Interlagos reformulado, e a festa para uma possível vitória de Ayrton Senna estava armada. E a obtenção da pole do brasileiro numa de suas costumeiras volta-canhão, deixou a torcida ainda mais eufórica.
Mas o enrosco de Ayrton ao tentar dobrar Satoru Nakajima no Bico de Pato acabou por adiar essa vitória, frustrando toda a torcida.
Para Alain Prost, o homem certo na hora certa, só teve o trabalho de herdar a liderança e caminhar para a sua primeira vitória no ano de 1990 e também pela Ferrari. Além, claro, de cravar a sua sexta vitória em GPs do Brasil.

segunda-feira, 25 de março de 2019

Foto 709: Fritz d'Orey, Sebring 1959

Sinceramente, é bem difícil achar fotos desse momento. Talvez seja o único registro, realmente.
Aqui um então jovem brasileiro e promissor Fritz d'Orey pilotando um Tec Mec F415 Maserati desenvolvido por Valerio Colotti a partir ultraconfiavel Maserati 250F. O nome Tec Mec vinha de "Studio Tecnica Mecanica", fundado pelo próprio Colotti. Porém, o carro foi inscrito pela Comoradi no GP dos EUA de 1959, em Sebring.
Fritz largou em 17o e estava na décima colocação quando um vazamento de óleo pôs fim a sua corrida na sétima volta. Foi a única aparição do Tec Mec F415 na Fórmula-1. A prova de Sebring, que encerrou a temporada de 1959, foi histórica para o Oceania: enquanto que um jovem Bruce McLaren (Cooper-Climax) chegava a sua primeira vitória, Jack Brabham - também com um Cooper-Climax - conquistava seu primeiro mundial na categoria. Nada menos que dois grandes nomes que viriam a fazer parte da história da categoria com mais intensidade, ao fundarem duas equipes de grande sucesso: McLaren e Brabham.
Para Fritz d'Orey foi a derradeira corrida na F1 - já havia andado na França (onde foi décimo) e na Inglaterra (onde abandonou). Em ambas as provas correu com o Maserati 250F da Scuderia Centro Sud. Depois disso, Fritz se enveredou nas provas de Endurance, correndo pela Ferrari com destaque para as 12 Horas de Sebring de 1960, quando fechou na sexta colocação no geral e primeiro na categoria destinada a carros de 3.000cc). A sua carreira foi interrompida no final de semana das 24 Horas de Le Mans do mesmo ano, quando sofreu grave acidente ao acertar uma árvore e ficou 8 meses em recuperação. Fritz não voltou mais a pilotar.
Hoje o grande piloto completa 81 anos.

Foto 708: Jacarepaguá, 1984





É sempre bom rever fotos do velho Jacarepaguá, principalmente com a Fórmula-1 usando e abusando do saudoso circuito nas suas costumeiras aberturas de campeonatos - isso sem contar dos testes de pré-temporada que aconteciam semanas antes - dos anos 80, que tornou-se uma marca registrada.
Nas fotos que acompanham o post, são da abertura do Mundial de 1984 no já distante dia de 25 de março. Uma torcida depositando confiança em Nelson Piquet e saudando o novo recruta Ayrton Senna; a largada que teve Alboreto (Ferrari) e De Angelis (Lotus) comando a primeira fila italiana, mas apenas com o ferrarista segurando a posição; o duelo dos novatos Stefan Bellof (Tyrrell), Senna (Toleman) e Martin Brundle (Tyrrell), com este último tendo melhor sorte ao completar a prova em sexto; um esfuziante Alain Prost vencendo seu primeiro GP pela McLaren no seu retorno a equipe e o pódio com o francês, De Angelis e Keke Rosberg ao fundo.
Hoje completa exatos 35 anos.

Fotos: Motorsport Images

domingo, 24 de março de 2019

sábado, 23 de março de 2019

Foto 706: Mike Hailwood, Monza 1972

(Foto: Motorsport Imagens)
A primeira...
Enquanto que Emerson Fittipaldi encaminhava-se para a vitória no GP da Itália de 1972 que lhe garantiria o primeiro título mundial, Mike Hailwood, a bordo do Surtees Ford, assegurava a segunda posição que marcaria o seu primeiro pódio na Fórmula-1. Ele ainda conseguiria mais um pódio em 1974, ao fechar em terceiro no GP da África do Sul de 1974 pela McLaren.
Hoje completa 38 anos da morte do grande piloto após um acidente rodoviário.

Foto 705: Jacarepaguá, 33 anos



Quando éramos reis...
Uma pole canhão de Ayrton; duelo visceral com Mansell; um astuto Piquet; dobradinha brasileira.
A tarde do já distante 23 de março de 1986, no escaldante calor de Jacarepaguá, foi palco d'uma das maiores festas do automobilismo nacional ao ver seus dois melhores pilotos daquele momento no pódio. Piquet e Senna levaram a torcida brasileira ao delírio com o pódio daquele GP do Brasil, que abria a temporada de 1986. Uma imagem que resume bem o que foram aqueles dias de Brasil na Fórmula-1.
Hoje completa exatos 33 anos de tal feito.
Grandes dias aqueles.

sexta-feira, 22 de março de 2019

Foto 704: Schumacher, Hermanos Rodriguez 1992


O início da saga...
Michael Schumacher e sua Benetton Ford durante o GP do México de 1992, que resultaria no seu primeiro pódio na F-1 ao terminar em terceiro.
Hoje completa exatos 27 anos desta marca que deu início aos recordes do piloto alemão na categoria.

Foto 703: Revson, 45

Indy 500 1970

12 Horas de Sebring 1971

Grande Prêmio do Brasil 1974

Queira num volante de um IndyCar; de um Sportscar ou até mesmo de um Fórmula 1, Peter Revson foi um dos pilotos mais versáteis de sua época ao conseguir respeito e admiração por onde passou.
Hoje completa 45 anos que o grande piloto estadunidense morreu num acidente com a Shadow, durante testes particulares em Kyalami 1974.

quinta-feira, 21 de março de 2019

Foto 702: Senna, 59


Um emergente Senna...
Aqui Ayrton Senna, com o Van Diemenn- Ford, no final de semana da sexta etapa do Campeonato Europeu de Fórmula Ford 2000, onde ele acabou por vencer e dar um passo importante para o título daquela temporada, que seria sacramentado em Jyllandring (Dinamarca). Senna venceu ao todo seis etapas das nove do calendário de 1982.
O piloto brasileiro completaria hoje 59 anos.

quarta-feira, 20 de março de 2019

Foto 701: 110 anos

Uma foto para a história!
Henry Ford, Carl G. Fischer, James Allison, Arthur Newby e Frank Wheeler, estes quatro últimos responsáveis pela Fundação do Indianápolis Motor Speedway.
O primeiro evento de motorports foi realizado em 14 de agosto do mesmo ano, com uma série de corridas de motos. Já os carros tomaram conta alguns dias depois, em 19 de agosto, com várias provas sendo realizadas ao longo de três dias.
E claro, a primeira edição daquela que tornaria o circuito conhecido mundo a fora, foi disputada dois anos depois: as 500 Milhas de Indianápolis foi realizada em 30 de maio de 1911 com vitória de Ray Harroun.
Inicialmente traçado foi usado como pista de testes, o que contribuiu muito para o desenvolvimento automobilístico dos EUA.
Hoje completa 110 anos do início da construção do IMS.

segunda-feira, 18 de março de 2019

GP da Austrália - Um novo Bottas ou uma jogada da Mercedes?

(Foto: carsradars.com)
Cronistas esportivos costumam dizer que normalmente o que se chega aos ouvidos da imprensa é em torno de 10, 20%. O restante é chute justamente em cima do que chegou a eles. Para uma melhor compreensão dos fatos é preciso ter uma fonte 100% confiável e ainda sim, precisar pesquisar fundo para que não caia numa autêntica "barrigada" que nada mais é um erros dos grandes numa informação que não se concretiza.
Porém, mesmo que não estejamos dentro do front, nos resta imaginar alguns cenários e supor situações que possam desvendar tal coisa. A vitória surpreendente - e convincete - de Valtteri Bottas neste GP da Austrália foi uma situação que quase ninguém apostaria até metade da prova, sabendo que a Mercedes poderia intervir à favor de Lewis. Mas a jogada foi diferente e o piloto finlandês fez a sua melhor corrida numa atuação digna de... Lewis Hamilton!
O próprio Bottas já havia alertado que ele teria de mudar a sua postura nesse ano de 2019. Uma por conta do ano de 2018, no qual ele passou longe de uma vitória e outra que neste 2019 seu contrato com a Mercedes acaba. Mas Valtteri é um funcionário que vale bastante e as suas contribuições nos últimos dois anos - especialmente o de 2018 - não deve ser descartado.
Vale lembrar que na temporada passada Bottas teve duas grandes chances de vencer: no Azerbaijão estava com a vitória no bolso quando um dos pneus estourou já nas voltas finais, com a primeira colocação caindo no colo de Lewis Hamilton. A segunda, e mais dolorosa do que aquela de Baku, foi no GP russo: em Sochi Bottas estava em grande forma ao andar constantemente à frente de Vettel e Lewis que batalhavam fortemente pela segunda posição. Com o piloto inglês superando Sebastian e conseguindo abrir boa distancia para o ferrarista, a dobradinha da Mercedes estava garantida e, consequentemente, a conquista de Bottas também estaria uma vez que a segunda posição de Hamilton dava a ele naquele momento uma vantagem confortável sobre Vettel no campeonato. O mandado de troca de posições entre os dois pilotos da Mercedes gerou o grande mal-estar da temporada, uma vez que a matemática jogava à favor de Lewis e a vitória naquele momento não mudaria muita coisa. Com a entrega de Valtteri, a sua derradeira chance de vencer se esvaiu e o finlandês encerrou a sua temporada sem vitória e uma enxurrada de criticas a sua performance durante o ano.
Se Bottas teve uma desempenho pessoal bem abaixo, a suas prestações para a equipe foram as melhores. O finlandês esteve sempre no que costumo dizer "jogo sujo", onde ele precisava sacrificar sua prova por conta da estratégia da equipe em tentar anular os pilotos da Ferrai, em especial Vettel. Os GPs do Bahrein, Azerbaijão, Grã-Bretanha e Hungria - as que vem em mente neste exato momento - foram corridas onde Bottas sempre esteve no encalço de Sebastian em alguma situação: no Bahrein ele ameaçou o piloto alemão nas últimas voltas, mas sem nunca fazer uma real manobra de ataque para ganhar a primeira posição; Azerbaijão ele estava na frente de Vettel quando este mergulhou na relargada para tentar retomar a liderança, mas caso não tivesse este erro do alemão poderia sim ter lutado pela vitória ou até mesmo ter segurado-o para uma chegada de Hamilton, que vinha logo em terceiro; em Silverstone a situação exatamente a mesma de Baku, mas desta vez a disputa durou algumas voltas com Bottas se segurando e segurando os ataques de Vettel como podia. Porém os pneus gastos da Mercedes acabou expondo ele demais, cedendo as investidas de Sebastian (que fez manobra idêntica a de Baku, mas desta vez com maior sucesso e pneus bem mais aquecidos). Esse trabalho de Valtteri foi importante para a aproximação de Hamilton que se recuperava na prova a terminar em segundo e salvar uma corrida que beirava o desastre; e por último em Hungaroring, onde Bottas segurou Vettel impecavelmente, só tomando a ultrapassagem nas últimas voltas num momento em que Hamilton já estava anos luz à frente deles. Foi outro ponto importante, exatamente numa pista onde a Mercedes não deveria vencer e venceu. Não há como negar que Valtteri Bottas tenha sido extremamente importante para aquele jogo de xadrez que foi a temporada de 2018. Claro, méritos e mais méritos para Hamilton que soube bem aproveitar toda a situação e vencer o campeonato, mas Bottas foi uma peça pra lá de importante nessa engrenagem.
Valtteri Bottas iniciar o campeonato dessa forma importante e imponente, mostra duas faces interessantes: além da gana de mostrar a todos seus detratores que ele é bem melhor que aquele Bottas que andou todo 2018 na sombra de Hamilton, mostra também que ele pode ser novamente uma peça importante para a Mercedes e Lewis neste ano, mas de uma forma muito mais letal para os adversários. Sabe-se que esta temporada será intensa e de possível reviravoltas, assim como foi em 2017 e 2018, e por isso contar com um Bottas mais próximo de Hamilton significa não deixar escapar pontos e oportunidades para os outros, mesmo que isso signifique colocar o finlandês na disputa pelo titulo e lá para o final do campeonato eles (Mercedes) tenham que resolver o abacaxi de alguma forma. Isso sem  contar com um fator extra pista que se fez presente nesta prova de abertura, que foi a presença de Esteban Ocon por todo final de semana na garagem da Mercedes. Portanto, o combustível para inflamar a um novo Bottas surgiu logo de cara num ano que pode ser grandes batalhas.
É claro que essa conquista de Bottas, onde ele teve todos os méritos ao aproveitar-se muito bem da situação que lhe apareceu, pode render muitas idéias do que possa ser o seu desempenho geral neste ano de 2019 visando a sua permanência para 2020. Mas a certeza que fica, a primeira vista, é que Bottas parece ter mudado seu jeito e as próximas etapas é que indicarão até que grau isso pode influenciar nesta temporada.