segunda-feira, 18 de março de 2019

GP da Austrália - Um novo Bottas ou uma jogada da Mercedes?

(Foto: carsradars.com)
Cronistas esportivos costumam dizer que normalmente o que se chega aos ouvidos da imprensa é em torno de 10, 20%. O restante é chute justamente em cima do que chegou a eles. Para uma melhor compreensão dos fatos é preciso ter uma fonte 100% confiável e ainda sim, precisar pesquisar fundo para que não caia numa autêntica "barrigada" que nada mais é um erros dos grandes numa informação que não se concretiza.
Porém, mesmo que não estejamos dentro do front, nos resta imaginar alguns cenários e supor situações que possam desvendar tal coisa. A vitória surpreendente - e convincete - de Valtteri Bottas neste GP da Austrália foi uma situação que quase ninguém apostaria até metade da prova, sabendo que a Mercedes poderia intervir à favor de Lewis. Mas a jogada foi diferente e o piloto finlandês fez a sua melhor corrida numa atuação digna de... Lewis Hamilton!
O próprio Bottas já havia alertado que ele teria de mudar a sua postura nesse ano de 2019. Uma por conta do ano de 2018, no qual ele passou longe de uma vitória e outra que neste 2019 seu contrato com a Mercedes acaba. Mas Valtteri é um funcionário que vale bastante e as suas contribuições nos últimos dois anos - especialmente o de 2018 - não deve ser descartado.
Vale lembrar que na temporada passada Bottas teve duas grandes chances de vencer: no Azerbaijão estava com a vitória no bolso quando um dos pneus estourou já nas voltas finais, com a primeira colocação caindo no colo de Lewis Hamilton. A segunda, e mais dolorosa do que aquela de Baku, foi no GP russo: em Sochi Bottas estava em grande forma ao andar constantemente à frente de Vettel e Lewis que batalhavam fortemente pela segunda posição. Com o piloto inglês superando Sebastian e conseguindo abrir boa distancia para o ferrarista, a dobradinha da Mercedes estava garantida e, consequentemente, a conquista de Bottas também estaria uma vez que a segunda posição de Hamilton dava a ele naquele momento uma vantagem confortável sobre Vettel no campeonato. O mandado de troca de posições entre os dois pilotos da Mercedes gerou o grande mal-estar da temporada, uma vez que a matemática jogava à favor de Lewis e a vitória naquele momento não mudaria muita coisa. Com a entrega de Valtteri, a sua derradeira chance de vencer se esvaiu e o finlandês encerrou a sua temporada sem vitória e uma enxurrada de criticas a sua performance durante o ano.
Se Bottas teve uma desempenho pessoal bem abaixo, a suas prestações para a equipe foram as melhores. O finlandês esteve sempre no que costumo dizer "jogo sujo", onde ele precisava sacrificar sua prova por conta da estratégia da equipe em tentar anular os pilotos da Ferrai, em especial Vettel. Os GPs do Bahrein, Azerbaijão, Grã-Bretanha e Hungria - as que vem em mente neste exato momento - foram corridas onde Bottas sempre esteve no encalço de Sebastian em alguma situação: no Bahrein ele ameaçou o piloto alemão nas últimas voltas, mas sem nunca fazer uma real manobra de ataque para ganhar a primeira posição; Azerbaijão ele estava na frente de Vettel quando este mergulhou na relargada para tentar retomar a liderança, mas caso não tivesse este erro do alemão poderia sim ter lutado pela vitória ou até mesmo ter segurado-o para uma chegada de Hamilton, que vinha logo em terceiro; em Silverstone a situação exatamente a mesma de Baku, mas desta vez a disputa durou algumas voltas com Bottas se segurando e segurando os ataques de Vettel como podia. Porém os pneus gastos da Mercedes acabou expondo ele demais, cedendo as investidas de Sebastian (que fez manobra idêntica a de Baku, mas desta vez com maior sucesso e pneus bem mais aquecidos). Esse trabalho de Valtteri foi importante para a aproximação de Hamilton que se recuperava na prova a terminar em segundo e salvar uma corrida que beirava o desastre; e por último em Hungaroring, onde Bottas segurou Vettel impecavelmente, só tomando a ultrapassagem nas últimas voltas num momento em que Hamilton já estava anos luz à frente deles. Foi outro ponto importante, exatamente numa pista onde a Mercedes não deveria vencer e venceu. Não há como negar que Valtteri Bottas tenha sido extremamente importante para aquele jogo de xadrez que foi a temporada de 2018. Claro, méritos e mais méritos para Hamilton que soube bem aproveitar toda a situação e vencer o campeonato, mas Bottas foi uma peça pra lá de importante nessa engrenagem.
Valtteri Bottas iniciar o campeonato dessa forma importante e imponente, mostra duas faces interessantes: além da gana de mostrar a todos seus detratores que ele é bem melhor que aquele Bottas que andou todo 2018 na sombra de Hamilton, mostra também que ele pode ser novamente uma peça importante para a Mercedes e Lewis neste ano, mas de uma forma muito mais letal para os adversários. Sabe-se que esta temporada será intensa e de possível reviravoltas, assim como foi em 2017 e 2018, e por isso contar com um Bottas mais próximo de Hamilton significa não deixar escapar pontos e oportunidades para os outros, mesmo que isso signifique colocar o finlandês na disputa pelo titulo e lá para o final do campeonato eles (Mercedes) tenham que resolver o abacaxi de alguma forma. Isso sem  contar com um fator extra pista que se fez presente nesta prova de abertura, que foi a presença de Esteban Ocon por todo final de semana na garagem da Mercedes. Portanto, o combustível para inflamar a um novo Bottas surgiu logo de cara num ano que pode ser grandes batalhas.
É claro que essa conquista de Bottas, onde ele teve todos os méritos ao aproveitar-se muito bem da situação que lhe apareceu, pode render muitas idéias do que possa ser o seu desempenho geral neste ano de 2019 visando a sua permanência para 2020. Mas a certeza que fica, a primeira vista, é que Bottas parece ter mudado seu jeito e as próximas etapas é que indicarão até que grau isso pode influenciar nesta temporada. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário