quarta-feira, 31 de agosto de 2011

F1 Battles- Niki Lauda vs Alain Prost- GP da Holanda, 1985

Foi a última vitória de Lauda na F1, numa temporada sofrível para ele que parecia estar acomodado (ou desanimado?). Prost tentou de todas as formas ultrapassá-lo, mas o velho Niki estava em grande forma. Foi a última visita da F1 à Zandvoort.

Sobre a corrida de Bruno Senna em Spa

Confesso que quando soube da efetivação de Bruno Senna para o lugar de Heidfeld à partir da corrida da Bélgica, fiquei receoso quanto à sua performance. É sabido que qualquer piloto que entre no meio de uma temporada encontre qualquer tipo de dificuldade, e isso é totalmente natural visto que ele encontrará um companheiro de equipe que já esteja num ritmo de corrida altíssimo e conhece à fundo todas as manhas do carro. Um exemplo a ser tomado é o de Fisichella que substituiu Massa nas últimas corridas de 2009. Ok, ele estava disputando a temporada normalmente pela Force Índia naquele momento e tinha um ritmo de provas aceitável, mas foi o tempo de assumir o carro da Ferrari para sentir todas as dificuldades naturais. Enquanto que Raikkonen colocava seu carro entre os 6 primeiros, Fisichella sofria para tentar passar à Q2! E isso também é válido para Luca Badoer, que correu em dois GPs naquele ano e ficou entre os últimos com o mesmo carro com que Massa estava tirando leite de pedra. Os tempos de hoje são cruéis com os pilotos de testes. Sem ter muito que fazer durante a temporada, eles precisam aproveitar as migalhas que lhe são dadas durante a sexta feira de cada corrida, para testar, testar e testar, procurando armazenar o máximo de informações sobre o carro e quilometragem para não perder o tempo de volta. Mas o grande problema está aí: ele apenas treina e quando é jogado no meio de uma fogueira, tem que se virar como pode.
Bruno Senna foi alçado à piloto de titular uma semana antes do GP belga e quando apareceu na sexta para treinar comportou-se bem numa pista que é uma tanto cruel com os pilotos. Spa Francorchamps é um circuito que separa os homens dos garotos e reza a lenda que se você consegue ir bem lá, é um sinal positivo. Tenho dois exemplos claros no grid: Schumi em 91, exatamente 20 anos atrás, quando sem conhecer um centímetro sequer desta pista, conseguiu colocar uma Jordan na sétima colocação do grid e outro foi nove anos depois, com Button que conseguira classificar-se em quarto com uma Williams que estava a freqüentar meio do pelotão durante a temporada de 2000. Michael transformou-se no melhor piloto dos últimos 16 anos da F1 e Jenson é um dos melhores na arte de conservar melhor o seu equipamento. Bruno até que fez um treino decente na sexta, apesar de ter terminado apenas em 17º (chegou a liderar por um breve momento), mas a sua classificação no sábado foi o que mais chamou a atenção. Passou da Q1 e Q2 com belas voltas debaixo de chuva e no pega pra capar da Q3 foi mais de 1 segundo veloz que Petrov. O resultado foi a sétima posição para ele com o russo ficando em décimo. Foi um bom trabalho, visto que ano passado comeu o pão que o diabo amassou e cuspiu na Hispania e neste ano havia pilotado este carro, se não estiver enganado, apenas 3 vezes (duas nos teste de início de ano e na sexta do GP húngaro) o que serve pouco para avaliá-lo.
O principal teste é o do domingo, na corrida. É onde você tira as suas conclusões. Senna estragou tudo na largada quando acertou Alguersuari, tirando o espanhol da prova e complicando a sua mais adiante quando parou para consertar a asa dianteira e mais tarde quando recebeu uma punição por ter disso considerado culpado no incidente. Com uma corrida detonada, o que restou para avaliar é o seu desempenho de voltas com Petrov, que lutava por melhores colocações naquele momento. Em certas voltas e/ou trechos, Senna chegou a ser até 4 décimos mais veloz que Vitaly, mas em seguida perdia seis. Outra coisa normal para quem estava sem pilotar um carro durante uma corrida. O bom é que estes lampejos, com o passar das provas, pode vir a melhorar consideravelmente. Monza será um teste legal. É um circuito rápido e Bruno mostrou boa velocidade em Spa, mas o que precisa agora, para já, é pensar um pouco no pedal da esquerda também. O saldo final foi uma 13ª posição na corrida que poderia ter sido até melhor caso não tivesse se enroscado na largada e sofrido a punição, podendo ter conquistado pontos na sua primeira corrida a serviço da Renault Lotus. Ao menos reconheceram o seu bom trabalho de sábado, que rendeu elogios e colocaram esperanças que em breve poderá vir a marcar pontos.
Bruno parece estar blindado contra o oba-oba que costumam fazer por aqui, dando declarações seguras e conscientes sem querer inflar a torcida de esperanças. E isso o acompanha desde que voltou a correr em 2004. Caso fique até o final deste ano, ele precisará muito de paciência para lidar com isso.
Ele deixou uma boa impressão em Spa, mas o momento é ir com calma e esperar para ver o que o futuro lhe reserva.

Comparações em voltas velozes:

Treino Livre 1:
22º - Vitaly Petrov (Renault) - 2min13s601
23º - Bruno Senna (Renault) - 2min14s340

TL2:
17º - Bruno Senna (BRA) Renault - 1m53s835
24º - Vitaly Petrov (RUS) Renault - 2m02s234

TL3:
9º Bruno Senna (BRA/Lotus Renault) - 2m11s664
15º Vitaly Petrov (RUS/Lotus Renault) - 2m13s290

Classificação:
7º Bruno Senna (BRA/Renault) - 1min51s121
10º Vitaly Petrov (RUS/Renault) - 1min52s303

Melhor volta na corrida:
9º Vitaly Petrov (RUS/Renault) – 1min52s432
13º Bruno Senna (BRA/Renault) – 1min53s585


FOTO: GETTY IMAGES

terça-feira, 30 de agosto de 2011

GP da Bélgica- Corrida- 12ª Etapa

Meu palpite inicial era que a Mclaren dominaria as ações em Spa neste último final de semana. A meu ver, o time de Woking era p que reunia as melhores condições para a prova: um motor potente, que ajudaria muito na subida da Eau Rouge, e nas partes velozes como a reta Kemmel e Blanchimont e sem contar, claro, com seus valores humanos. Hamilton sempre esteve em boas situações lá, enquanto que Button também sempre se mostrou veloz. Com a possibilidade de chuva as chances da Mclaren aumentariam ainda mais. Com o tempo seco, as coisas se igualariam com Red Bull e Ferrari e foi o que acabou acontecendo e Vettel, mesmo com problemas de bolhas que lhe obrigou parar uma vez mais que seus contendores, pode voltar ao lugar mais alto do pódio que lhe fugia desde a corrida de Nurburgring.
Essa prova acabou sendo mais de decepções: a Mclaren esteve um tanto abaixo do que eu esperava. Hamilton não foi tão combativo como de costume e quando estava disputando posição com Kobayashi, acertou o piloto japonês no final da reta Kemmel indo parar no guard rail. Button fez mais uma de suas corridas de recuperação ao sair de 13º e terminar em terceiro. Sim, foi mais uma demonstração de como fazer uma corrida rápida e ao mesmo tempo economizar pneus. Caso tivesse largado mais à frente, poderia ter discutido a vitória com Vettel. Por falar em pneus, a Pirelli levou para lá dois compostos: os macios e médios. Os primeiros causaram bolhas nos Red Bulls e na Mclaren de Hamilton, forçando-lhes uma parada prematura antes de completassem 10 voltas. Isso perdurou até a metade da corrida, quando os dois carros rubro taurinos trocaram para os médios e os problemas foram, digamos, levemente sanados de modo que pudessem completar a corrida com total segurança. Outra que sofreu com pneus foi a Ferrari. Até aí tudo bem, afinal todos sabem que seus problemas aparecem quando estão usando os duros, mas em Spa a coisa mudou de figura quando Alonso, que era um dos favoritos a vencer, começou a perder rendimento após a sua última parada de box para colocar pneus médios. Ele se encontrava em segundo e rapidamente foi alcançado e ultrapassado por Webber e Button, fechando a corrida em quarto. Massa até que fez um bom início de corrida, mas, como sempre perdeu o ritmo com o decorrer da prova. Ficou um bom período atrás de Rosberg e isso o atrasou bastante e na segunda parte da prova, após ter feito a sua terceira parada, voltou ao box para trocar um pneu furado que o jogou para o meio do pelotão. Recuperou-se, mas só chegou em oitavo. Bruno Senna, que havia conseguido um belo sétimo lugar na classificação, jogou tudo ralo abaixo na largada quando acertou Alguersuari, forçando o abandono do espanhol. Tomou uma punição por isso e chegou em 13º. Barrichello tomou uma sova de Maldonado. Enquanto que o venezuelano marcava seu primeiro ponto na F1, Rubens chegava em 16º.
Outras duas coisas que tenho que destacar nessa prova, foram os duelos: Massa vs Alonso vs Hamilton nas primeiras voltas foram sensacionais, mas o que dizer de Webber dividindo a entrada da Eau Rouge lado a lado com Alonso no melhor estilo Bellof vs Ickx em 1985? A diferença é que Alonso teve juízo e tirou o pé, mas que foi de gelar e espinha, foi. Vettel também foi formidável ao ultrapassar Rosberg por fora na... Blanchimont! Foram belos momentos de total coragem.
A corrida de Spa serviu para reabilitar a Red Bull, que voltou a vencer com Vettel e viu suas rivais ficarem pelo caminho. Dependendo de qual for o resultado em Monza, Sebastian já pode colocar a champanhe para gelar e espoucá-la ao final do GP de Cingapura, para comemorar seu segundo título mundial.
 Massa, Hamilton e Alonso protagonizaram um ótimo duelo no início da corrida. Melhor para os dois de trás...
 Hamilton teve mais um final de semana desastroso: um ritmo de prova abaixo do esperado e um toque com Kobayashi que acabou resultado no forte acidente no final da reta Kemmel
 Quem tira vai tirar o pé primeira???? Alonso e Webber se preparam para dividir a entrada da Eau Rouge

Button fez mais uma de suas provas de recuperação neste ano: saiu de 13° para 3°. Caso tivesse largado mais à frente, poderia ter discutido a vitória com Vettel
Alguersuari fez um bom trabalho na classificação ao colocar sua Toro Rosso em 6° no grid, mas o acidente na largada causado por Bruno Senna pôs tudo a perder

Resultado Final
Grande Prêmio da Bélgica- 12ª Etapa
Circuito de Spa-Francorchamps- 44 voltas
28/8/2011

1. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull) - 1h26min44s893
2. Mark Webber (AUS/Red Bull) - a 3s741
3. Jenson Button (ING/McLaren) - a 9s669
4. Fernando Alonso (ESP/Ferrari) - a 13s022
5. Michael Schumacher (ALE/Mercedes) - a 47s464
6. Nico Rosberg (ALE/Mercedes) - a 48s674
7. Adrian Sutil (ALE/Force India) - a 59s713
8. Felipe Massa (BRA/Ferrari) - a 1m06s076
9. Vitaly Petrov (RUS/Lotus Renault) - a 1m11s917
10. Pastor Maldonado (VEN/Williams) - a 1m17s615
11. Paul di Resta (ESC/Force India) - a 1m23s994
12. Kamui Kobayashi (JPN/Sauber) - a 1m31s976
13. Bruno Senna (BRA/Lotus Renault) - a 1m32s985
14. Jarno Trulli (ITA/Team Lotus) - a 1 volta
15. Heikki Kovalainen (FIN/Team Lotus) - a 1 volta
16. Rubens Barrichello (BRA/Williams) - a 1 volta
17. Jerome d'Ambrosio (BEL/Virgin Racing) - a 1 volta
18. Timo Glock (ALE/Virgin Racing) - a 1 volta
19. Vitantonio Liuzzi (ITA/Hispania) - a 1 volta

Não completaram a prova:
Sergio Perez (MEX/Sauber): na 27ª volta
Daniel Ricciardo (AUT/Hispania): na 13ª volta
Lewis Hamilton (ING/McLaren): na 12ª volta
Sebastien Buemi (SUI/Toro Rosso): na 6ª volta
Jaime Alguersuari (ESP/Toro Rosso): na 1ª volta

FOTOS: AP; EFE; AFP; ITV.COM

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

BPR GT Endurance Series- 4 Horas de Anderstorp, 1996- Resumo

Prova disputada em 14 de julho de 1996 no circuito de Anderstorp, na Suécia. Foram 31 carros participantes, dividos em duas classes a GTE (que contava com as mitícas Ferrari F40  e Mclaren GTR) e a GT2 ( com Ferraris 355 e Porsches 911). Após 4 horas de corrida, apenas 17 carros sobreviveram e a vitória na geral foi da dupla Olofsson / Della Noce (Ferrari F40 GTE/ Team Igol). Na classe GT2, vitória para o trio Neugarten / Eichmann / Ruch (Porsche 911 GT2/ Roock Racing). Abaixo fica o resumo dessa prova, a sexta daquele campeonato:





quarta-feira, 17 de agosto de 2011

A melhor de Nelson Piquet

Nelson Piquet sempre se destacou, além do seu talento indiscutível para pilotagem e regulagem dos carros, pelas suas declarações afiadas e típicamentes divertidas. Uma delas eu li no livro escrito pelo Lemy Martins- Os Arquivos da F1- onde ele declara sua aversão em falar sobre a sua vida pessoal à jornais por entender que ele sempre distorcem tudo (o que concordo plenamente). E nessa ele comparou o comportamento dos jornais franceses para com Alain Prost, numa declaração que, no meu ver, é uma das melhores dele: "Veja a diferença dos jornais franceses para os nossos. Como eles preservavam, por exemplo, o Alain Prost. Ele é um  cara café com leite, superepolítico, que jamais guiou um carro ruim.Mas sempre teve o suporte da sua imprensa, coisa que nós nunca tivemos no Brasil. Pois esse Prost não foi nada ético na vida particular. Acabou com o casamento do Didier Pironi, com o casamento do Gerard Larousse e do Jacques Laffite, e os jornais franceses não deram uma linha sobre isso. Um cara de pau, que começava a frequentar a casa do amigo, não saía de lá, e depois comia a mulher. Foi isso que ele fez com o Pironi, o Larousse e Laffite. Mas até acho que ele tinha que agir assim para conseguir alguma coisa, porque é muito feio. Eu sacaneei muito o Prost no dia que ele trocou os cacos de dentes que tinha por uma dentadura e saiu rindo para o mundo. Ele dava volta no circuito para não me encontrar. Passou meia temporada fugindo para não sorrir para mim"  
Confesso que quando li a primeira vez e em outra oportunidades, dei muita risada. Piquet é assim: simples e direto. Sem papas na língua. E nada melhor que comemorar os seus 59 anos bem vividos com uma declaração como esta: sarcástica e cheia de verdades. Parabéns ao Tri-campeão!

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

F1 Battles- Gerhard Berger vs Mark Blundell, GP da Alemanha 1993

Outra amostra de como usar bem o vácuo em circuitos velozes davam ótimos espetáculos. Aí fica o vídeo para vocês comprovarem que não era preciso o uso de asa móvel ou KERS para que tivesse-mos bons duelos. Berger e Blundell duelaram por duas voltas pelas longas retas do velho Hockenheim disputando a quarta posição naquela corrida. O inglês da Ligier levou a melhor chegando em terceiro e Berger fechou em sexto.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Foto 32: Prost antes, Jacques Villeneuve depois

Ontem dando um lida no blog do Fábio Seixas, me deparei com a foto de Jacques Villeneuve urinando na entrada de box de Interlagos antes da corrida do Milhão da Stock Car disputada no último domingo. Mais uma vez, assim como foi no post Iguais, onde retratei Ayrton Senna e Nick Heidfeld em situações parecidas, lembrei na hora de um foto de Alain Prost urinando... na entrada dos boxes de Interlagos antes do GP do Brasil. E aí fica o registro dessas duas imagens hilárias, separadas por 20 anos.

OBS: A foto de Jacques Villeneuve é de Humberto Pereira. A do Alain Prost é desconhecido o autor

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

F1 Battles- Keke Rosberg vs Elio de Angelis, GP da França 1983

Acredito que após o desaparecimento de Gilles Villeneuve em 82, Keke Rosberg é aquele que mais se aproximou dele em coragem e velocidade. E aqui fica mais um registro disso, onde ele trava uma batalha de uma volta contra Elio de Angelis durante o GP da França em Paul Ricard, 1983:

sábado, 6 de agosto de 2011

Michael Andretti, Mid Ohio 1998

Este final de semana acontecerá, em Mid Ohio, a 11ª etapa da F-Indy. Dando uma olhada achei um vídeo do acidente de Michael Andretti naquela pista, quando pilotava pela Newmann-Haas em 1998. Aliás, um dos maiores acidentes da sua carreira, se não a maior, quando capotou várias vezes após tocar no carro de P.J. Jones.

Garotas da F1- GP da Hungria






Ah, as garotas do leste europeu...

Foto 31: O pacto

O famoso pacto de não agressão na primeira volta do GP de San Marino de 1989. A foto é do grid da segunda largada com Prost e Senna a discutirem sobre não atacarem um ao outro na primeira curva. Bom, o resto da história todos já sabem e retratei isso ano passado num breve texto sobre o convívio deles entre 88-93.

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Grande Prêmio da Áustria, 1977- Vídeos

O GP da Áustria de 1977 foi a 12ª corrida daquele ano, disputada em 14 de agosto. Largaram 26 carros e completaram 17. A pole foi feita por Niki Lauda com a marca de 1'39''320 e a vitória foi de Alan Jones, com a Shadow, marcando assim a sua primeira vitória na F1 e a única da equipe inglesa.
Abaixo ficam os vídeos da corrida apenas com áudio ambiente, sem qualquer tipo de comentário:







segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Foto 30: Iguais


Ao ver a cena de Heidfeld escapando rapidamente de seu Renault Lotus, lembrei-me logo de Ayrton Senna fazendo o mesmo na sua Lotus Renault durante os treinos para o GP do Brasil de 1985. E de certa forma, tem uma semelhança as fotos.

GP da Hungria- Corrida- 11ª Etapa

Durante o texto que escrevi sábado sobre o treino classificatório, destaquei em duas frases que esta prova tinha a cara de Jenson Button. Simples pensar assim, pois corridas caóticas com um número elevado de pit stops e/ou com a presença de chuva tem sido o lar do piloto britânico nos últimos anos. Basta lembrar-se da sua primeira vitória na F1 em 2006 (Hungria), das duas vitórias do ano passado (Austrália e China) e da sua recente e magnífica vitória no Canadá. Foram corridas em que as condições de tempo eram variáveis e que uma bela estratégia pode garantir uma vitória. E assim Button fez em todas estas se aproveitando bem do erro alheio e sabendo poupar integralmente os pneus, ganhou com irretocável maestria. Em Hungaroring, o mesmo palco que lhe proporcionou a sua primeira vitória cinco anos atrás e que hoje viu o piloto inglês completar seu GP de número 200, deu a ele mais uma vez a chance de vencer.
Mas Button alcançaria Hamilton nas últimas 30 voltas deste GP, caso não tivesse ocorrido o erro duplo de seu companheiro? Acredito que não. Hamilton estava na liderança da corrida desde a volta 4 e havia perdido-a nas duas vezes que entrara no boxes para trocar de pneus. Button foi o homem que havia liderado uma dessas vezes- a outra fora Vettel-, mas o inglês não ficou nem duas voltas no comando. A diferença entre ambos até a volta 51 era de 7 segundos e pouco que estava dentro de uma oscilação de 6 à 9 segundos, devido ao tráfego. A sorte virou de lado quando Hamilton rodou e voltou logo em seguida. Button aproveitou-se do erro de seu companheiro e estava à sua frente quando ambos duelaram pela liderança por duas voltas, trocando, pelos menos, três vezes de posições. Com a chuva caindo de moderadamente, Hamilton cometeu mais um pecado ao colocar pneus intermediários na volta 55. Exatamente neste momento que é divulgado um Drive Trough para... Lewis, que voltara da sua rodada de modo perigoso ao induzir uma saída de pista de uma das Force India. Agora com pneus intermediários, a chuva parara e Lewis vinha sofrendo com o desgaste rápido destes, quando Alonso o ultrapassou na briga pela terceira posição. Lewis parou na volta 55 para colocar Slicks e depois pagou sua punição na volta seguinte, voltando em sexto. A chance de vitória virou para Button, que apenas administrou a diferença que tinha sobre Vettel para vencer em Hungaroring.
Foi a segunda vitória consecutiva da Mclaren e a terceira derrota da Red Bull em seqüência neste campeonato. O mais interessante neste período, tirando fora a vitória da Ferrari em Silverstone, é que estas duas vitórias da Mclaren foram conquistadas com a temperatura baixa. Talvez o grande problema desses carros seja o alto desgaste de pneus. Só isso explica o fato deles conseguirem bons resultados com temperaturas baixas. Antes destas, Hamilton venceu na China neste ano com temperatura baixa, enquanto que Button conseguiu o mesmo ao vencer em Montreal, o que deixa ainda mais claro esta idéia de que eles sofrem com os pneus. Hamilton passou por isso em algumas provas neste campeonato quando parecia estar na briga pela vitória e os pneus não agüentaram. Daí que surge essa minha idéia sobre este bom desempenho deles em temperatura fria. A Red Bull teve Vettel na segunda posição e Webber chegando em quinto, fazendo uma corrida, apenas, para somar pontos, principalmente com Sebastian que vai caminhando tranquilamente rumo ao seu bi-campeonato. A Ferrari me surpreendeu negativamente no sábado ao ficar com seus dois carros em quarto e quinto, e na corrida teve algumas dificuldades pelo fato de Alonso ter pilotado além do limite o que o levou a cometer alguns erros, que resultaram em uma escapada e duas rodadas. Caso tivesse sido um pouco mais cauteloso, poderia até, quem sabe, ter pensado em vitória já que chegara 19 segundos atrás de Button. Massa foi sexto, mas fez uma boa prova ao imprimir boa velocidade em alguns momentos, mas seus pneus se desgastaram demais na parte final e isso lhe custaram a quarta e quinta posições, que foram ganhas por Webber e Hamilton na mesma volta.
Com as férias de três semanas que F1 entra agora, as equipes terão um período de trabalho intenso: enquanto que Mclaren e Ferrari tentarão achar evoluções para continuar na cola de Red Bull, esta trabalhará para voltar ao topo. Sabendo que Spa-Francorchamps tem um histórico de chuva e frio, a Mclaren já parte como favorita. E talvez, quem sabe, tenhamos algumas surpresas nessa prova belga. Mercedes tem um carro rápido de retas e a Force India nos últimos dois anos, tem feito ótimas provas por lá. Já estou contando os dias para essa corrida...



O grande duelo: Button e Hamilton se esbarraram algumas vezes na pista neste domingo. Se na largada Hamilton levou a melhor, na disputa pela liderança perto do fim da corrida foi vencida por Button que acabou por garantir a sua segunda vitória no ano, exatamente na pista onde vencera pela primeira vez em 2006 e que neste domingo lhe deu a chance de correr seu GP de número 200.

Fogo: o Renault Lotus de Heidfeld pegou fogo estranhamente após a sua parada de Box, na volta 25. O mais bizarro de tudo foi o resgate do carro, que foi rebocado, de ré, pela saída de Box. Vettel, que saía do seu pit, quase acertou o Lotus.Um descuido que poderia ter causado um acidente pior em Hungaroring ontem

Por aqui você não passa: Vettel espreme Hamilton na grama, mas o inglês levaria a melhor adiante

Resultado Final
Grande Prêmio da Hungria- Hungaroring
70 voltas- 31/07/2011- 11ª Etapa

1. Jenson Button (ING/McLaren) - 1h46min42s337.
2. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull) - a 3s588
3. Fernando Alonso (ESP/Ferrari) - a 19s819
4. Lewis Hamilton (ING/McLaren) - a 48s338
5. Mark Webber (AUS/Red Bull) - a 49s742
6. Felipe Massa (BRA/Ferrari) - a 1min23s176
7. Paul di Resta (ESC/Force India) - a 1 volta
8. Sebastien Buemi (SUI/Toro Rosso) - a 1 volta
9. Nico Rosberg (ALE/Mercedes) - a 1 volta
10. Jaime Alguersuari (ESP/Toro Rosso) - a 1 volta
11. Kamui Kobayashi (JPN/Sauber) - a 1 volta
12. Vitaly Petrov (RUS/Lotus Renault) - a 1 volta
13. Rubens Barrichello (BRA/Williams) - a 2 voltas
14. Adrian Sutil (ALE/Force India) - a 2 voltas
15. Sergio Perez (MEX/Sauber) - a 2 voltas
16. Pastor Maldonado (VEN/Williams) - a 2 voltas
17. Timo Glock (ALE/Virgin Racing) - a 4 voltas
18. Daniel Ricciardo (AUT/Hispania) - a 4 voltas
19. Jerome d''Ambrosio (BEL/Virgin Racing) - a 5 voltas
20. Vitantonio Liuzzi (ITA/Hispania) - a 5 voltas

Não completaram a prova:
Jarno Trulli (ITA/Team Lotus): problema mecânico na 18ª volta
Nick Heidfeld (ALE/Lotus Renault): 24ª volta
Michael Schumacher (ALE/Mercedes): problema mecânico na 27ª volta
Heikki Kovalainen (FIN/Team Lotus): problema mecânico na 56ª volta