terça-feira, 7 de abril de 2020

Foto 861: Jim Clark, GP da Alemanha 1965


O sempre espetacular Jim Clark com o seu Lotus 33 Climax, aqui durante o histórico GP da Alemanha de 1965 em Nurburgring.
Foi um final de semana fabuloso para o piloto escocês, começando pela qualificação onde aniquilou a marca de 1964 feita por John Surtees em quinze segundos: enquanto que John assinalara 8'38"400 com a Ferrari, Clark baixou para incríveis 8'22"700. Já na corrida, o escocês não deu chances aos rivais, anotando um "Grand Chelem" (Pole, Melhor Volta, todas voltas lideradas e vitória), chegando quinze segundos a frente de Graham Hill (BRM) e vinte um de Dan Gurney (Brabham Climax). Foi a sua sexta vitória na temporada, a quinta consecutiva, que serviu para lhe assegurar o segundo título mundial. E ainda faltavam mais três corridas para o fim do campeonato...
No final, Clark chegou a 54 pontos (14 a mais que Graham Hill) e assinalou seis vitórias, seis poles, seis melhores voltas e seis pódios. E ainda, de quebra, levou para casa a conquista na lendária 500 Milhas de Indianápolis daquele ano, sempre junto a Lotus. Um ano para lá de especial para Clark, Lotus e Colin Chapman, naquela que foi uma das melhores simbioses entre piloto/ carro/ equipe da história da Fórmula 1 e Motorsport.
Hoje completa 53 anos da morte do  legítimo "Flying Scotsman".

segunda-feira, 6 de abril de 2020

Foto 860: Hermann Lang, Nurburgring 1954


Hermann Lang com o Mercedes W196 num dos estágios do GP da Alemanha de 1954, realizado em Nurburgring. Na ocasião, o veterano piloto largou em 11o e abandonou a prova na décima volta após problemas.
Lang estava no comando de uma dos três Mercedes W196 com rodas descobertas que a equipe alemã levou para Nurburgring após o fracasso em Silverstone, onde foi derrotada após uma série de problemas de Juan Manuel Fangio e Karl Kling que não conseguiam enxergar as bordas de ataque das curvas devido a largura da carroceria que cobria os pneus. Para a etapa da Alemanha, Rudolf Uhlenhaut e sua equipe de engenheiros resolveram este problema com um carro de rodas descobertas e este foi entregue a Fangio, Kling e Lang. O quarto W196, este com a carroceria que havia sido usada em Reims e Silverstone, ficou a cargo de Hans Hermann.
A corrida foi dominada amplamente pela Mercedes, especialmente por Fangio e Kling que foram os únicos a liderarem a corrida. Fangio venceu, seguido por Jose Froilan Gonzalez e Mike Hawthorn - que dividiram o Ferrari - e por Maurice Trintignant, também com Ferrari. Kling terminou em quarto, enquanto que Lang e Hermann abandonaram.
Hoje Hermann Lang completaria 111 anos.

sábado, 4 de abril de 2020

Foto 859: Richard Attwood e Graham Hill, 1000km de Nurburgring 1965


Aquela cervejinha... Richard Attwood e Graham Hill naquele momento relax no final de semana dos 1000Km de Nurburgring de 1965, então terceira etapa do World Sportscar Championship.
Richard dividiu o Ford GT40 #10 da Ford Advanced Vehicles com John Whitmore. Largaram na sexta colocação e abandonaram na volta 34 por problemas no motor. Já Graham Hill dividiu o comando de uma Ferrari 275 P2 da Maranello Concessionaries com Jackie Stewart. O duo britânico largou em segundo e abandonaram na volta 9 por problemas elétricos.
A vitória ficou para o Ferrari 330 P2 da SEFAC Ferrari pilotado por John Surtees e Ludovico Scarfiotti.
Hoje Richard Attwood completa 80 anos.

sexta-feira, 3 de abril de 2020

Foto 858: Tazio Nuvolari, GP da Alemanha 1937


O grande Tazio Nuvolari com o Alfa Romeo 12C-36 da Scuderia Ferrari durante um dos estágios do GP da Alemanha de 1937, disputado em 25 de julho. O italiano fechou em quarto, atrás de Bernd Rosemeyer, Manfred Von Brauschitsch e do vencedor Rudolf Caracciola.
Este GP foi desastroso para a Auto Union que enfrentou problemas e/ ou acidentes com quatro dos cinco carros que largaram. O pior deles foi onde envolveu Ernest Von Delius, que estava a avançar o pelotão quando tentou ultrapassar Richard Seaman (Mercedes) na reta e acabou tocando rodas com o carro do inglês. Delius foi para fora da pista, indo direto para a estrada que ladeia a grande reta onde o acidente aconteceu - Seaman também se machucou após bater num poste. Delius foi retirado e levado ao hospital onde passou a noite, mas não resistiu a uma trombose que o levou a morte no dia seguinte.
Ernest Von Delius tinha 25 anos.

terça-feira, 31 de março de 2020

Foto 857: GP de Mônaco, 1965

Daquelas imagens sensacionais. O antigo túnel de Monte Carlo durante a edição do GP de Mônaco de 1965.
Na ocasião a corrida foi dominada por Graham Hill com BRM, que fez o Hat Trick ao conquistar a Pole, Melhor Volta e Vitória. Na segunda colocação apareceu Lorenzo Bandini com a Ferrari, com Jackie Stewart (BRM) em terceiro - neste que foi o primeiro pódio do piloto escocês na Fórmula 1.
A vitória de Hill consistiu na sua terceira conquista consecutiva no Principado.

segunda-feira, 30 de março de 2020

Foto 856: Keke Rosberg, GP de Québec 1977


Até o muro servia para ganhar tempo. Na foto, Keke Rosberg indo além dos limites da pista e dando aquela beliscada no muro com o Chevron B39  da equipe Fred Opert Racing durante o GP de Québec válido pelo campeonato da F-Atlantic de 1977. Neste que foi o último GP da temporada - de um total de sete e mais o GP de Trois Rivières que não contou pontos para o campeonato - Keke largou em segundo e terminou em 12o, com quatro voltas de atraso para o vencedor Gilles Villeneuve.
Keke venceu a etapa de Westwood e terminou na quarta colocação do campeonato com 82 pontos. Gilles Villeneuve foi o campeão com 114 pontos e três vitórias.

Foto 855: Piquet e Emerson, Long Beach 1980


Um momento para lá de histórico. Talvez um enredo de filme não fosse tão preciso quanto aquele desfecho do GP de Long Beach de 1980, onde o velho saudou o novo numa troca de guarda que fez o automobilismo brasileiro retomar o fôlego que parecia se esvair nos últimos anos.
A vitória de Nelson Piquet, a primeira dele na Fórmula 1, foi o início de uma caminhada que daria as credenciais ao jovem carioca para que pudesse enfrentar a sua primeira batalha por um título, que acabaria não vindo naquele 1980 - que ficou para Alan Jones com a Williams -, mas que viria de forma brilhante doze meses depois. Para Emerson Fittipaldi, o homem que havia mostrado para os brasileiros o caminhos das pedras na Fórmula 1, foi sua última alegria e também da sua equipe Fittipaldi ao terminar em terceiro - a segunda colocação foi de Ricardo Patrese. O gesto de levantar o braço de Nelson naquele pódio foi icônico, exatamente por tudo que aconteceria nos anos seguintes devido a aposentadoria de Emerson na categoria e pelo sucesso que esperava Nelson. Apesar de um momento feliz para a história dos pilotos brasileiros, aquele dia em Long Beach marcou a carreira de um dos pilotos mais populares da categoria nos anos 70: Clay Regazzoni sofreu um acidente que o deixou paraplégico, forçando sua retirada da Fórmula 1 de forma melancólica.
Enquanto que para Nelson Piquet foi o  início de uma saga que lhe traria três títulos mundiais pelos próximos anos, para Emerson foi o último suspiro, tendo que reencontrar o sucesso exatamente lá nos EUA alguns anos depois, desafiando os grandes da IndyCar... E vencendo.
Hoje completa 40 anos deste grande dia em Long Beach.

sábado, 28 de março de 2020

Foto 854: Nurburgring 1952


Os Mercedes 300SL Spyder na linha de frente em Nurburgring. Na foto, Karl Kling #24 puxa o pelotão seguido por Hermann Lang #21, Fritz Riess #22.
A corrida teve um total de 11 participantes, com a Mercedes alinhando quatro 300SL Spyder que ficaram sob os cuidados de Karl Kling, Hermann Lang, Frietz Riess e Theo Helfich. A Gordini entrou com um T15S oficial para Robert Manzon, enquanto que o restante dos inscritos foi de forma particular: Varnö Hollming alinhou um Jaguar XK120; Robert Nelleman foi com um Allard J2; Jean Lucas inscreveu um Ferrari 212, enquanto que Piero Carini seguiu o exemplo ao correr com um Ferrari 340 America; Alfred Hitchings foi de Healey Silverstone; e Jean Blanc inscreveu um Talbot Lago T26GS.
A prova foi dominada amplamente pela Mercedes, que colocou seus quatro carros nas quatro primeiras posições, com a vitória ficando para o veterano Hermann Lang com 1.9 segundos de vantagem sobre Kling. A terceira posição ficou para Fritz Riess, com Theo Helfich em quarto. Alfred Hitchings terminou em quinto, com o Healey Silverstone.
O Grosser Jubilaumspreis von Nurburgring foi realizado em 3 de agosto de 1952 para comemorar os 25 anos da inauguração do circuito de Nurburgring. Na mesma data foi realizado o GP da Alemanha, então sexta etapa do Mundial de Fórmula 1, que contou com a vitória de Alberto Ascari que também serviu para coroa-lo campeão do mundo daquela temporada.

quinta-feira, 26 de março de 2020

Foto 853: Elio de Angelis, GP da Itália 1985

(Foto: Grand Prix Internacional)

O duo negro. Elio De Angelis liderando Ayrton Senna durante o GP da Itália de 1985. Naquele GP o italiano terminou em sexto, enquanto o piloto brasileiro fechou em terceiro numa corrida vencida por Alain Prost com Mclaren.
O ano de 1985 foi o último de Elio De Angelis pela Lotus, numa temporada que ele foi derrotado no duelo do grid (13x3); teve uma vitória (San Marino); conseguiu três pódios; uma pole (Canadá); e marcou 33 pontos - chegando na casa dos pontos nas sete primeiras corridas - fechando o campeonato na quinta posição.
Após cinco temporadas de serviços a Lotus, De Angelis partiu para a Brabham em 1986.
O piloto italiano completaria hoje 62 anos.

Foto 852: Martin Donnelly, Mônaco 1990


Martin Donnelly contornando a Lowes, durante o GP de Mônaco de 1990.
Na ocasião o piloto irlandês conseguiu uma boa qualificação, ao colocar o Lotus na 11a posição enquanto que Derek Warwick ficou em 13o. Infelizmente a corrida para Donnelly não durou muito, já que abandonou na volta 6 por problemas de câmbio quando ocupava a décima posição. Porém o duelo entre Donnelly e Warwick nas classificações em 1990 foi bem equilibrado: até a prova de Estoril Warwick vencia por 7x6, até que veio o infeliz GP da Espanha.
Martin Donnelly completa hoje 56 anos.


Foto 851: Didier Pironi, GP da Grã-Bretanha 1980



Didier Pironi com o seu Ligier JS11 no final de semana do GP da Grã-Bretanha em Brands Hatch, então oitava etapa do campeonato de 1980.
Foi uma etapa que podia muito bem ter sido totalmente da Ligier, que fechou a primeira fila com Pironi na pole e Jacques Laffite em segundo. O inicio tinha sido muito promissor com Didier liderando bem a as primeiras 18 voltas, mas um furo num dos pneus acabou por atrasar o então líder obrigando-o a ir aos boxes. A liderança passou para Laffite, que ficaria da 19ª passagem até a 30ª quando abandonou após estouro do pneu. Alan Jones assumiu a liderança até passar para vencer o GP britânico, enquanto que Pironi fez uma excepcional prova de recuperação até abandonar quando estava em quinto – mais uma vez por conta de problemas nos pneus. Mais trade descobriram que os furos nos pneus eram provenientes de problemas nos aros.
Hoje Didier Pironi completaria 68 anos.

Foto 850: Lella Lombardi, Campeonato Europeu de Turismo 1982

(Foto: Autosprint)

Lella Lombardi com o Alfa Romeo GTV 6 durante uma das etapas do Campeonato Europeu de Turismo ou Grupo A, como queiram, no ano de 1982.
Naquela temporada Lella esteve a serviço da equipe Luigi Team na divisão 2, destinada a carros de 1600cc a 2500cc. Das 11 etapas disputadas naquele ano, Lella venceu três - 500km de Donington e 500km de Pergusa em parceria com Anna Cambiaghi e o RAC Tourist Trophy em Silverstone, quando dividiu o Alfa com Tonny Palma. Na classificação final, Lella terminou na oitava posição do campeonato com 111 pontos. Umberto Grano, que esteve a serviço da BMW na divisão 3 (carros de 2500cc), foi o campeão com 193 pontos.  Além da segunda e terceira divisões, existia a primeira divisão para carros de 1000cc até 1600cc.
Lella Lombardi faria hoje 79 anos.

quarta-feira, 25 de março de 2020

Foto 849: GP do Brasil, Interlagos 1990


"Com um circuito totalmente remodelado, tendo saído dos seus originais 7.960 metros para 4.325 metros, a Fórmula-1 voltava a Interlagos após um intervalo de dez anos. Ayrton Senna, para delírio da torcida, marcou a pole e Berger fechou a primeira fila para a McLaren. As outras duas filas seriam de “gêmeos”: Thierry Boutsen e Ricardo Patrese conquistaram a segunda fila para a Williams, enquanto que Mansell e Prost fecharam a terceira para a Ferrari. Nelson Piquet, já sentindo o carro antigo da Benetton não dava combate aos mais evoluídos, marcou o 13º tempo – Nannini também não passou da 15ª posição, confirmando a baixa performance do antigo B189. Os outros brasileiros não tiveram grande sorte: enquanto que Moreno ficou nas pré-qualificações, Gugelmin – e igualmente Capelli – fez o que pôde, mas acabou ficando de fora da corrida ao marcar o 30º tempo.
Com uma largada segura e precisa, Ayrton parecia estar rumo a sua primeira vitória em solo brasileiro, mas um erro de tempo entre ele e Nakajima pôs tudo a perder quando o brasileiro tentou pôr uma volta no piloto da Tyrrell no Bico de Pato. O toque entre eles acabou quebrando o bico do McLaren, forçando uma ida de Senna aos boxes e automaticamente abrir mão da vitória. Melhor para Prost, que até então não tinha mais hipóteses de vitória e com um presente deste caindo em seu colo – vindo de seu maior rival e dentro da casa deste – era apenas levar o carro tranquilamente até a bandeira – se bem que dores em um dos pés e um barulho estranho o fez abrandar o ritmo, mas não o suficiente para Berger alcançá-lo. O austríaco ficou em segundo, com Senna – que marcou a melhor volta após a sua parada forçada – em terceiro, Mansell em quarto, Boutsen – que teve até chances de vencer, se não fosse problema de freios que ocasionaram um incidente nos boxes forçando uma troca do bico do Williams que o jogaram de segundo para 11º - em quinto e Piquet – que também fizera ótima prova de recuperação – em sexto."

Hoje completa trinta anos do retorno da Fórmula 1 para Interlagos, que recebera a categoria pela última vez em 1980

sábado, 21 de março de 2020

Foto 848: Ayrton Senna, Jyllandsring 1982

(Foto: Keith Sutton)

Uma das minhas fotos preferidas. Ayrton Senna comemorando a vitória e título do Campeonato Europeu de Fórmula Ford 2000 de 1982 na pista de Jyllandsring (Dinamarca).
Das nove etapas do certame europeu, Senna venceu 6 provas (Donington, Zandvoort, Hockenheim, Zeltweg, Jyllandsring e Mondello Park). Foi o pole em oito etapas e fez a melhor volta em seis. Ao final do ano ainda seria coroado campeão britânico de F-Ford 2000, sempre com o Van Diemen RF82.
Hoje o grande piloto completaria 60 anos.

sexta-feira, 20 de março de 2020

Foto 847: Robert Benoist, GP da França 1927


A caminho da segunda vitória. Robert Benoist e o seu Delage 15 S8 durante o GP da França de 1927, disputado em Montlhéry. 
Era esperado um duelo entre os Delage e Bugatti, mas esta última acabou por se retirar antes da corrida. Apenas sete competidores estiveram presentes no grid de largada: os Delage de Robert Benoist, Edmond Bourlier e André Morel; os Talbot de Albert Divo, Grover Williams/ Jules Moriceau e Louis Wagner. O sétimo carro era do inglês George Eyston que alinhou um Halford.
Apesar dos poucos carros, as primeiras voltas foram intensas com o duelo entre Divo e Benoist, mas o Talbot de Albert acabou não aguentando os problemas que se acumulavam e isso forçou o seu abandono na volta 23 com a quebra do compressor. O caminho ficou livre para Benoist vencer pela segunda vez o GP francês (vencera em 1925 pela Delage, na ocasião onde dividiu o carro com Albert Divo), completando as 48 voltas em 4 horas e 45 minutos. Bourlier e Morel completaram a trinca da Delage. 
Robert Benoist completaria hoje 125 anos.

quarta-feira, 18 de março de 2020

Foto 846: José Carlos Pace, GP da França 1974


José Carlos Pace com o Brabham BT42-3 da Hexagon Racing, durante os treinos para o GP da França de 1974 disputado em Dijon-Prenois. Infelizmente o piloto brasileiro não conseguiu qualificar-se para o GP, por causa de problemas no motor Ford.
Foi a primeira corrida de Pace após ter  saído da Surtees, onde correu até o GP da Suécia que acabou por abandonar após uma escapada. A falta de organização da equipe de John Surtees e o baixo rendimento do TS16 foram os fatores decisivos para a saído do brasileiro naquele ano de 74 - o Team Surtees ainda perderia o patrocínio principal antes do término do campeonato.
Depois da não qualificação para a corrida em Dijon-Prenois, Pace tomou partido do segundo carro da equipe oficial da Brabham em substituição a Rikky Von Opel, indo formar o time dos "Carlos" com Reutemann na equipe chefiada por Bernie Ecclestone.
Hoje completa 43 anos da morte de Pace e Marivaldo Fernandes, após um acidente aéreo na Serra da Cantareira.

sábado, 14 de março de 2020

Foto 845: Schkee DB1, Can-Am 1977



Um inicio promissor, mas que ficou apenas nisso. O Schkee DB1 durante a prova de abertura da Can-Am em Mont Tremblant 1977 quando a categoria retomava suas ações após duas temporadas de recesso, mas agora com o regulamento de single seater ao serem baseados em carros da F-5000 – principalmente os Lola T332 e T332C. Naquela primeira corrida o Shkee DB1, pilotado por Tom Klausler, foi absoluto ao largar da pole, fazer a melhor volta e vencer.
Apesar da sua aparência exótica, o Schkee DB1, projetado por Bob McKee sob encomenda de Doug Schulz – daí o nome Schkee, com as iniciais do sobrenome Schulz e as finais do sobrenome McKee – mostrou ter bom rendimento, tanto que Klausler voltou a marcar a pole na prova seguinte em Laguna Seca, mas problema na bomba de combustível impossibilitou a sua participação na corrida. Aliás, problemas mecânicos atormentaram a equipe que isso foi um fator importante para o não sucesso deles durante a temporada, apesar de boas qualificações em algumas provas como o segundo lugar no grid de Watkins Glen (abandonou  por problemas  no diferencial com Klausler e um outro Schkee foi inscrito para Doug Schulz que acabou não competindo); fez o terceiro tempo em Road America e abandonou após um acidente; quarto no grid de Mid-Ohio onde voltou abandonar por danos na carroceria; em Mosport marcou o sétimo tempo e abandonou por problemas numa das válvulas; nas demais provas que o Schkee competiu, acabou abandonando por problemas mecânicos ou por acidente. Das nove etapas daquele campeonato, o Schkee DB1 esteve presente em sete e falharam nas etapas de Trois-Rivières e Sears Point. Além da vitória em Mont Tremblant, o outro melhor resultado foi o nono lugar em Riverside.
Para 1978 o carro ficou sob os cuidados da equipe Tom Spalding Racing, de Tom Spalding. Mais uma vez o carro se revelou muito bom em voltas lançadas, mas os resultados não foram os melhores. Na dez etapas daquele ano, o carro competiu em oito – falhando em Mid-Ohio e Trois-Rivières – e teve dois sétimos lugares – Charlotte e Riverside – como melhores resultados – em Riverside o Schkee DB1 apareceu na cor branca e com modificações na carroceria, sendo a principal a adição de uma asa na dianteira.
O carro foi vendido posteriormente para Dick Dejarld que utilizou o Schkee DB1 em provas da SCCA no inicio dos anos 80.
O carro vencedor da prova de Mont Tremblant de 1977 estava a venda no final de 2019 por 249 mil dólares.

sexta-feira, 13 de março de 2020

Foto 844: Lyn St. James, Watkins Glen 1985


Uma grande festa. Lyn St. James festejando a sua vitória na classe GTO na etapa de Watkins Glen da IMSA, denominada de 500km de Watkins Glen disputada em setembro de 1985.
Lyn venceu a classe a bordo do Ford Mustang da equipe Roush Racing com uma volta de vantagem sobre a dupla do Camaro formada por Carter/ Felton. No geral - e na classe GTP - a prova foi vencida pela dupla Al Holbert/ Derek Bell com um Porsche 962 da Holbert Racing.
A conquista de Lyn St James foi a primeira de uma mulher na IMSA.
A grande piloto estadunidense completa hoje 73 anos.

Foto 843: Ayrton Senna, Macau 1983


Ayrton Senna e Teddy Yip antes da largada de uma das duas baterias do GP de Macau de 1983.
A prova foi dominada amplamente pelo piloto brasileiro - que correu pela West Surrey Racing/ Marlboro Theodore Racing - que marcou a pole e venceu as duas baterias sempre com Roberto Guerrero (Eddie Jordan Racing) e Gerhard Berger (Trivellato Racing) completando o pódio.
A edição de 1983 foi a 30a da história da prova, que é realizada desde 1954. E naquele ano foi a primeira vez que a Fórmula 3 passou a correr em Macau, substituindo os Fórmula Atlantic, que realizaram as últimas edições.

Foto 842: GP da Venezuela, 500cc 1977


A linha de frente do GP da Venezuela, na primeira visita da Motovelocidade naquele país em 1977. Johnny Cecotto (Yamaha #20), Barry Sheene (Suzuki #7), Steve Baker (Yamaha #32) e Pat Hennen (Suzuki #3) na primeira fila das 500cc. Sheene venceu aquela prova inaugural em 48 minutos e 56 segundos, três segundos a frente de Steve Baker que foi o segundo, enquanto que Pat Hennen terminou em terceiro com 39 segundos de atraso. Cecotto, que vencera a prova das 350cc e foi o pole da 500cc, terminou em quarto. A prova das 250cc foi vencida por Walter Villa e a 125cc ganha por Angel Nieto.
A pista de San Carlos, situada na cidade que leva o mesmo nome, foi construída no início dos anos 70 e em 1976 sediou a Fórmula 750 em duas baterias, sendo vencidas por Johnny Cecotto e a segunda por Gary Nixon. Mas uma confusão em relação a pontuação acabou por manchar a prova e consequentemente a reputação dos organizadores, que pretendiam realizar ainda naquele ano uma etapa do Mundial de Moto que acabou sendo negada.
Para 1977 as coisas se saíram bem e a corrida foi realizada e mais outras duas edições foram feitas, com Barry Sheene vencendo todas (1977, 78 e 79), o que lhe valeu o apelido de "Rei de San Carlos".
Problemas financeiros impossibilitaram a realização de outras edições do GP e a pista de San Carlos, que foi motivo de elogios devido as suas modernas instalações, acabou ficando pelo caminho. Dos anos 80 para cá o circuito realizou apenas provas locais. Com a crise econômica na Venezuela, a pista está a venda.
O circuito tem extensão de 4.135m e pode ser usado um traçado menor, de 3.135m.

quinta-feira, 12 de março de 2020

Foto 841: Maranello Concessionaries, 24 Horas de Le Mans 1967


Os trabalhos de box no Ferrari 412P durante as 24 Horas de Le Mans de 1967. O Ferrari 412P #23 foi inscrito pela equipe inglesa Maranello Concessionaries e foi conduzido por Richard Attwood e Piers Courage. Abandonaram na 15 hora após problemas na bomba de óleo.
A vitória ficou para o Ford GT40 MK IV #1 pilotado por Dan Gurney e A.J. Foyt, seguidos pelo Ferrari 330 P4 #21 de Ludovico Scarfiotti e Mike Parkes e pelo outro Ferrari 330 P4 #24 da Equipe Nationale Belge, que foi conduzido por Willy Mairesse e Jean Blaton.
A Maranello Concessionaries Racing Team foi fundada por Ronnie Hoare no início dos anos 60 e obteve um total de 92 vitórias nos seus anos de atividades de 1961 até 1972. A Maranello Concessionaries foi uma das mais importantes distribuidoras no Reino Unido e que hoje é a atual Ferrari UK.

Foto 840: Johnny Rutherford, Indy 500 1980

(Foto: Indystar.com)
A terceira festa do "Lone Star". Johnny Rutherford após vencer a Indy 500 de 1980. Foi a terceira conquista de Rutherford na grande corrida, tendo vencido as outras duas em 1974 e 1976 pela Mclaren. A de 1980 foi pela Chaparral.
Apesar de ter liderado o maior número de voltas, Rutherford teve o desafio vindo de Bob Unser e Rick Mears: enquanto que Bob ficou pelo caminho por causa de problemas no turbo na volta 126, Rick Mears era uma certa ameaça até que apostou numa parada de box arriscada na volta 178 quando tinha 20 segundos de vantagem sobre Tom Sneva, que ia a frente de Rutherford. A parada foi feita em bandeira amarela e Mears, apostando na larga diferença, completou apenas o combustível e manteve os pneus. Sneva também foi aos boxes, exceto Johnny que se manteve na pista. O resultado foi Rutherford mantendo a liderança e aumentando a diferença sobre Sneva, enquanto que Rick precisou fazer uma parada extra para trocar os pneus e dar adeus a qualquer chance de vitória, terminando em sexto. Rutherford venceu com mais de 29 segundos de vantagem sobre Tom Sneva, que largada na 33a posição. A terceira posição ficou para Gary Betenhausen, que largara em 32o.
Hoje Johnny Rutherford completa 82 anos.

quarta-feira, 11 de março de 2020

Foto 839: Arturo Merzario, 400km de Barcelona 1972


O pequeno Art. Na foto, Arturo Merzario com o Abarth Osella SE021 da Scuderia Brescia Corse durante os 400km de Barcelona disputado em Montjuic Park, etapa válida pelo Campeonato Europeu de 2 Litros de 1972.
Arturo é daquela leva de pilotos que tentaram o sucesso na Fórmula 1, mas foi no mundo dos carros esporte e protótipos que encontrou o sucesso. Conquistou por duas vezes a Targa Florio (1972 com a Ferrari ao lado de Sandro Munari em 1975 com a Alfa Romeo) e venceu os 1000km de Spa Francorchamps de 1972.
Além dessas conquistas em 1972, Merzario terminaria o ano coroado com o título do Campeonato Europeu de 2 Litros com o Abarth Osella ao vencer três corridas (Dijon, Silverstone e Enna-Pergusa) e marcar 71 pontos, contra os 50 pontos de John Burton que pilotou um Chevron B21.
Hoje Merzario completa 77 anos.

terça-feira, 10 de março de 2020

Foto 838: Brian Redman, F5000 1976


Brian Redman com o Lola T332C da equipe de Jim Hall/ Carl Haas durante uma das etapas do Campeonato norteamericano da Fórmula 5000 de 1976, da qual sagrou-se tricampeão consecutivo.
Apesar de todos reconhecerem Redman como um dos pilotos mais versáteis de sua geração, foi na F5000 onde o piloto inglês achou seu lugar. No campeonato da categoria - que tinha franquias na Europa, Austrália, África do Sul - era o disputado nos EUA o mais ferrenho deles, contando com pilotos de renome que corriam na IndyCar e também na Fórmula-1. Brian desafiou e venceu os melhores pilotos daquela década - e também da história do automobilismo. Na sua primeira temporada completa, perdeu o título de 1973 para Jody Scheckter; em 1974 agradeceu a oportunidade que lhe foi dada na Shadow na F1, onde correu em substituição do falecido Peter Revson até o GP de Mônaco e depois passou a dedicar-se integralmente ao campeonato americano da F5000 onde derrotou Mario Andretti naquele ano; repetiu o feito em 1975, mais uma vez sobre Mario Andretti e em 1976 ganhou o tricampeonato contra Al Unser. Redman foi o piloto com mais títulos na série americana com três campeonatos - todos consecutivos -, seguido por Patrick Tambay que ganhou dois (1977 e 1980).
Brian Redman completou ontem 83 anos.

Foto 837: Alain Prost, GP da França 1981


A primeira do Professor. Alain Prost com o Renault RE30 no grid de largada para o GP da França de 1981, disputado em Dijon-Prenois. Na ocasião Alain saiu da terceira posição atrás de John Watson (McLaren) e do pole René Arnoux, então seu companheiro de Renault.
Alain teve caminho aberto para tentar a vitória com a má largada de Arnoux, que caiu para sétimo, mas Prost precisou lutar contra problemas na asa traseira e no câmbio além, claro, de batalhar a dianteira da prova contra  Nelson Piquet. A sorte mudou quando a prova foi interrompida na volta 58 por causa de uma forte chuva e na relargada ele assumiu a dianteira, conseguindo abrir boa vantagem sobre o brasileiro e assumir a liderança absoluta  da prova - uma vez que os tempos eram somados com a primeira parte antes da bandeira vermelha. Alain ainda teve que aguentar a pressão de Watson, conseguindo sobressair para garantir a sua primeira vitória na Fórmula 1. John Watson ficou em segundo e Piquet em terceiro.
Prost ainda venceria mais dois GPs naquele 1981 na Holanda e Itália.

sábado, 7 de março de 2020

Foto 836: Walter Rohrl, Rally Safari 1979

Walter Rohrl e o seu FIAT 131 Abarth - ou o que restou dele - durante o Rally Safari de 1979.
Foi um rally complicado para a FIAT, apesar de Markku Alen e seu navegador Kivimäki Ilkka terem fechado em terceiro - nessa que foi a primeira participação de Alen neste Rally.
Walter enfrentou problemas em todos os dias do evento, passando pela baixa competitividade do 131; a perda do para-brisa por causa da colisão com um pássaro; o atraso por causa de pequeno trecho de rio que estava com o nível acima do normal devido as fortes chuvas - sem contar no susto em ver Mercedes 450 SL de Bjorn Waldegaard quase ser levado pela correnteza, quando este tentou a travessia sem ajuda; e depois um buraco acabou tirando a oportunidade de Walter Rohrl/ Christian Geistdorfer de conquistar uma melhor posição, forçando a dupla a fechar na oitava colocação. A vitória ficou para Shekhar Mehta/ Mike Dougthy com um Datsun 160J.
Segundo Rohrl, o Rally do Safari não era o seu preferido.
Hoje o grande piloto alemão completa 73 anos.

Foto 835: Michael Schumacher, GP da Alemanha 1995

A festa de uma torcida. A bela foto do momento em que Michael Schumacher vence o GP da Alemanha de 1995 com o Benetton B195 Renault. Foi a quinta vitória dele naquela temporada.
Schumacher tornou-se o primeiro alemão a vencer o GP caseiro desde a conquista de Rudolf Caracciola no distante ano de 1939, quando ele venceu em Nurburgring com a Mercedes W154 - porém, Michael Schumacher voltaria a vencer em território alemão naquele ano de 1995 ao ganhar uma corrida em Nurburgring, mas esta nomeada de GP da Europa.

sexta-feira, 6 de março de 2020

Foto 834: Ferrari, GP de Mônaco 1962


Os Ferrari 156 no final de semana do GP de Mônaco de 1962. Em primeiro plano o Ferrari #40 de Willy Mairesse, logo atrás o #36 de Phil Hill e ao lado o #38 de Lorenzo Bandini - que foi pilotado também por Ricardo Rodríguez num dos treinos.
A pole foi de Jim Clark (a primeira dele na Fórmula 1), mas o escocês acabou abandonando na volta 55 por problemas na embreagem do Lotus. Bruce McLaren (Cooper) venceu o GP, seguido pelas Ferrari de Phil Hill e Lorenzo Bandini. Willy Mairesse terminou em sétimo - apesar de ter abandonado na volta 90 por queda na pressão do óleo.
A corrida ficou marcada pela morte do  bandeirinha Ange Baldone, que foi acertado pelo pneu do BRM de Ritchie Ginther após este ter se envolvido num enrosco na antiga curva do gasômetro.

quarta-feira, 4 de março de 2020

Foto 833: Jim Clark, GP da Holanda 1963

Houve um período dos anos 60 que para barrar a genialidade de Jim Clark talvez fosse preciso ajuda da polícia. Os holandeses levaram a brincadeira para Zandvoort, quando dois homens da lei "enquadraram" Jim Clark após o GP da Holanda de 1963. Também pudera: o escocês não apenas venceu o GP holandês em Zandvoort como também arrasou a concorrência ao colocar uma volta em todos os competidores, naquela que foi uma de suas melhores apresentações no campeonato mundial. Foi a quinta vitória de Jim na Fórmula 1.
No fim das contas, nem mesmo os policiais podiam com Jim Clark.
Hoje o espetacular escocês faria 84 anos.

terça-feira, 3 de março de 2020

Foto 832: 1953, O Canto do Cisne para os Pilotos Italianos



Ao fim da temporada de 1953 havia muito o que se comemorar: Ferrari campeão pela segunda vez e com seu pupilo Alberto Ascari mais uma vez ao volante da Ferrari 500, arrasando a concorrência sem piedade. Foi uma época espetacular para a Scuderia de Enzo Ferrari que passava a ser o grande nome do esporte a motor naqueles tempos, principalmente na então juvenil Fórmula-1 onde a equipe herdou o trono deixado pela Alfa Romeo, após a mítica fábrica de Milão ter deixado a categoria ao final de 1951 quando conquistou seu segundo e derradeiro título na categoria. A Ferrari, uma força emergente naquele ano, foi a sucessora natural dos seus coirmãos.
Aquela temporada de 1953 não foi nada mais que extensão do sucesso ferrarista sobre os demais: já em 1952, quando a Fórmula-1 iniciou o regulamento de Fórmula 2 – numa tática de tentar encher o grid, uma vez que estava desfalcada da Alfa Romeo e também da BRM para aquele ano – a equipe italiana logo se impôs de forma absoluta nas corridas. Somente naquela primeira temporada do regulamento, a Ferrari venceu sete dos oito GPs daquela temporada, perdendo apenas a Indy 500 onde ela se fez presente com Alberto Ascari, mas não levou. Ascari e Piero Taruffi foram os responsáveis pelas sete conquistas da Ferrari, sendo que Alberto venceu seis provas e Taruffi apenas uma. Alberto Ascari foi coroado campeão do mundo na corrida da Alemanha, realizada em Nurburgring, com duas provas de antecedência.
Quando o campeonato de 1953 iniciou, esperava-se algum equilíbrio e isso se devia ao fato da Maserati ter conseguido algum ganho em relação a Ferrari no final de 1952, quando Jose Froilan Gonzalez foi um rival a altura de Ascari no GP da Itália. Apesar de se imaginar o quanto que seria difícil bater uma equipe onde o regulamento era praticamente o mesmo do ano anterior, ainda havia um pingo de esperança para que houvesse uma batalha. De certa forma a Maserati teve uma melhora, principalmente no intervalo entre os GPs da Argentina e Holanda, onde Gioacchino Colombo e Valerio Colotti fizeram modificações que foram testadas por seus pilotos Jose Froilan Gonzalez, Juan Manuel Fangio e Felice Bonetto, mas mesmo assim ainda faltava algo para alcançar Alberto Ascari: o piloto italiano continuou arrasador naquele inicio de campeonato ao cravar três vitórias seguidas (isso se deixarmos de lado a Indy 500, onde nenhuma equipe do campeonato mundial se fez presente) nos GPs da Argentina, Holanda e Bélgica. Porém foi exatamente na corrida da Holanda onde a Maserati mostrou a sua velocidade em volta lançada, quando Juan Manuel Fangio conseguiu se posicionar em segundo e ameaçar a pole de Ascari. Essa velocidade da Maserati seria comprovada no próprio GP holandês – onde Jose Froilan Gonzalez fez uma corrida recuperação espetacular – e depois nas provas seguintes, onde Fangio cravou a pole na Bélgica e ainda teve o bônus da melhor volta feita por Froilan Gonzalez e o pódio do então novato argentino Onofre Marimon. O primeiro grande embate entre as duas fábricas italianas se deu no GP da França quando Fangio e Mike Hawthorn, que foi para a Ferrari naquele ano, entraram em grande duelo pela vitória – isso sem contar na disputa Gonzalez e Ascari pela terceira posição – com a Maserati se aproveitando bem das grandes retas do circuito de Reims. A vitória ficou para Hawthorn (a primeira dele na Fórmula-1), mas o desempenho d a Maserati tinha sido convincente, mas eles precisavam de um pouco mais de confiabilidade para desafiar a Ferrari e vencê-la. Isso foi notável em Silverstone, quando Gonzalez perseguiu Ascari pelas primeiras voltas até apresentar um vazamento de óleo que lhe custou duas voltas de atraso para fosse reparado, e depois na corrida da Suiça quando os motores de Fangio e Marimon quebraram. Foi apenas na Itália onde a Maserati esteve 100% e se beneficiou das escapadas de Ascari e Farina para que Fangio vencesse a corrida – então primeira vitória da equipe de Alfieri Maserati na categoria. A força da Ferrari naquela temporada que mesmo quando Alberto Ascari não estava no seu melhor dia os outros pilotos conseguiam suprir essa “ausência”, como foram os casos dos GPs da França (vencido por Mike Hawthorn) e Alemanha (conquistado por Giuseppe Farina). Com isso a Scuderia manteve um domínio amplo de vitórias: exceto a Indy 500, a Ferrari venceu 14 corridas entre 1952 e 1953, sendo onze somente com Ascari  (o piloto italiano venceu nove corridas seguidas entre 52 e 53 estabelecendo naquela época um recorde que foi igualado apenas em 2013, quando Sebastian Vettel ganhou nove seguidas naquele ano) e as outras três conquistas por parte de Piero Taruffi, Mike Hawthorn e Giuseppe Farina. Apesar do campeonato ter ficado polarizado entre Ferrari e Maserati, outras equipes acabaram por ser meras coadjuvantes: a Gordini conseguiu alguns lampejos principalmente em qualificações com Maurice Trintignant, porém seu carro com motor V8 jamais saiu do papel para aquele ano deixando que Trintignant, Behra e Harry Schell corressem o campeonato todo com seu Tipo 16 com motor de seis cilindros. As equipes inglesas estiveram presentes, mas sem ameaçar o poderio dos italianos, claro: Connaught e Cooper correram em quase todos os GPs, seja como equipe oficial ou apenas representados com inscrições particulares. Falando em inscrições por conta própria, Emmanuel de Graffenried foi o melhor neste quesito ao tomar posse do Maserati A6GCM – o mesmo usado pela equipe oficial – e conseguir marcar sete pontos.
Apesar de Alberto Ascari ter sido o piloto do ano mais uma vez, ao conquistar seu segundo título mundial confirmado no GP da Suíça, ele teve seus oponentes. Talvez o mais próximo dele tenha sido Jose Froilan Gonzalez que praticamente igualava em velocidade pura com o italiano, mas que acabava ficando pelo caminho devido os problemas que a Maserati apresentava. Quando Gonzalez ficou fora do restante do campeonato após seu acidente em Portugal, durante uma corrida de carros sport, foi a vez de Juan Manuel Fangio ser o oponente mais perigoso para Ascari. Fangio havia ficado de fora de quase todo Campeonato de 1952 após um acidente numa prova extra-campeonto em Monza e quando retornou, ele não estava na sua melhor forma física vindo recuperá-la no decorrer do
campeonato de 1953 e num momento importante para a Maserati, que ficara sem Gonzalez. Todo esforço da equipe e de Fangio foi recompensado com a conquista no  GP italiano, que marcou a primeira vitória do argentino desde a corrida da Espanha de 1951 assim como a primeira da Maserati na Fórmula 1. Por mais que Ascari foi o homem da Ferrari naquele Campeonato, Mike Hawthorn e Giuseppe Farina conseguiram suas vitórias exatamente em dias que o bicampeão mundial não esteve em grande forma e/ou com problemas como foram os casos das corridas da França e Alemanha. Talvez a grande revelação daquele ano de 1953 tenha ficado por conta do argentino Onofre Marimon, que assumiu o quarto assento na Maserati no GP da Bélgica (onde foi o terceiro colocado) e fez boas corridas e até mesmo com chances de vitória, como foi o caso na corrida da Itália.
Para os italianos foi um momento especial, mas como tudo na vida nem sempre percebemos as transformações. Foi o terceiro título italiano no Mundial de Pilotos (
1950 com Farina e o bicampeonato de Ascari 52/53), todos com equipes italianas (Alfa Romeo e Ferrari); equipes invictas desde 1950 (se tirarmos fora a Indy 500), e outras marcas mais. Aquele ano de 1953 encerrou um período glorioso para os pilotos italianos que se iniciou no pós Primeira Guerra Mundial e que foi interrompido parcialmente com o domínio das Silver Arrows na segunda metade dos anos trinta, sendo retomada logo após a Segunda Guerra Mundial e que se estendeu até o final de 1953, que marcou a última vitória de Giuseppe Farina na Fórmula 1 e o derradeiro título de um piloto italiano (Alberto Ascari conquistou sua última vitória e, consequentemente, pódio no GP da Suiça em 53), encerrando uma era marcante.
Em poucos meses a Fórmula 1 seria retomada e a história seria bem diferente a partir daquele ano de 
1954.


Os links dos textos das nove etapas do campeonato de 1953, feitas para o site F1 Templo: GP da Argentina; Indy 500; GP da Holanda, GP da Bélgica, GP da França; GP da Grã-Bretanha; GP da Alemanha; GP da Suíça; GP da Itália

segunda-feira, 2 de março de 2020

Fórmula 1 2020 – Incógnitas


(Foto: FIA)
Não podemos negar que existe há décadas uma tradição em querer adivinhar o que existe naqueles tempos de voltas em cada dia de testes, principalmente quando alguém crava o melhor tempo. Porém, também, existe o velho mantra de quem pode estar escondendo o jogo. Essa é uma parte ainda mais difícil de analisar, pois a ilusão criada por um Team que dominou amplamente os testes nem sempre se concretiza quando a coisas começam para valer. A Ferrari nos últimos anos é o exemplo mais recente sobre o que não pode se confiar em marcas assombrosas. Dessa forma, é uma a aventura sentar e escrever sobre algo que às vezes nos passa a perna e ainda "tira um sarro" assim que as primeiras corridas são feitas.
Nesta pré temporada de seis dias realizadas religiosamente no Circuito da Catalunha, as coisas pareceram ainda mais confusas se repararmos nos que as equipes apresentaram: Mercedes ainda é a equipe a ser o alvo, porém os problemas de motor fizeram ascender o alerta na equipe alemã. A carta na manga que eles apresentaram na primeira semana, o DAS, pode ajudar bastante, porém ainda não se sabe quantas vezes vão usar nas corridas desta temporada - uma vez que o sistema já está com os dias contados, já que será banido para  2021. A Ferrari foi bem diferente do que acostumamos ver nos outros anos, onde a equipe italiana colocava as cartas na mesa e mostrava um ritmo alucinante logo de cara, porém nem sempre era traduzido em resultados concretos e a equipe morria na praia. O duro golpe de 2019 os fez adotar uma postura mais metódica nestes testes, focando num melhor entendimento do seu SF1000 para que este tenha um melhor manuseamento para o uso de Sebastian Vettel e Charles Leclerc. As voltas não foram alucinantes, mas mostram um ritmo de corrida bem melhor. As falas de Mathia Binotto em torno do desempenho do carro, onde ele diz que estão atrás de Mercedes e Red Bull, mostra o quanto que a postura foi mudada. Mesmo assim, com a equipe mais comedida, os fãs não transbordam de confiança - afinal de contas, gato escaldado tem medo de água fria. A Red Bull mostrou ter sido a que mais aproximou da Mercedes. Sabemos bem que o maior problema da equipe energética desde os tempos que usava o motor Renault era o seu atraso inicial frente a Mercedes e Ferrari, e isso era um fator que prejudicava as suas ambições. Era sempre comum ver Max Verstappen comboiando os primeiros sem ter grandes chances de vencer na primeira parte do mundial, para aparecer uma melhora significativa na parte decisiva onde o holandês mostrava o verdadeiro potencial. Agora a jogada é marcar de perto a Mercedes - e quem sabe a Ferrari, também - para não ter o atraso dos últimos anos. O desempenho de Max Verstappen e Alex Albon nos testes traz uma luz de esperança de uma luta acirrada desde as primeiras corridas.

O meio do pelotão desfragmentado?
Racing Point e Mclaren durante os testes em Barcelona
(Foto: FIA)
Se teve algo na Formula 1 que fez sucesso nos últimos anos, foi o pelotão intermediário onde as equipes com orçamento mais próximo sempre apresentaram um equilíbrio impressionante levando essa turma a receber o apelido de "Fórmula 1 B". Mas dessa vez as coisas podem ser diferentes com o desgarramento de dois ou até três times para um bloco a parte. A Racing Point é a equipe que pode ser a sensação da temporada pelo simples fato do RP20 ser praticamente a cópia do campeão W10 da Mercedes. Apesar do esperneio de alguns, essa prática é normal e os benefícios que pode trazer a equipe de Lawrence Stroll são bem interessantes, isso se eles souberem trabalhar bem esse carro já apelidado de "Mercedes Rosa". Sergio Perez e Lance Stroll ficaram animados e confiantes com o carro, apesar de ainda ser um mundo novo para eles e equipe de engenheiros que procuraram entender melhor o comportamento desta nova jóia que pode levá-los ao quarto posto entre as equipes - existe uma confiança enorme levando-os acreditar que podem estar até mesmo à frente da Ferrari. Apesar de achar um grande exagero, as simulações de corrida mostraram um ritmo bem próximo entre as duas equipes, mas este tipo de resposta virá em breve quando as coisas forem feitas nos conformes. A McLaren é de quem se espera mais, principalmente pelo que foi apresentado ano passando quando saíram do limbo para uma excelente quarta colocação no Mundial de Construtores, ganhando o título moral do "resto". Mas nestes testes a McLaren não chamou tanta atenção quanto podiam esperar com seus dois pilotos trabalhando com um carro imprevisível - principalmente nos dias de vento forte e devemos lembrar que também não brilharam nos testes do ano passado, reservando o melhor para o decorrer da temporada de 2019 onde conseguiram bons resultados e a conquista do quarto lugar entre os Construtores. O que a McLaren tem a comemorar é a confiabilidade do motor Renault, que não refugou em momento algum dos seis dias. Mas em relação ao carro, este sim é algo que precisarão trabalhar intensamente. A Renault leva o asterisco da incógnita, apesar de Daniel Ricciardo ter feito um bom tempo na manhã do último dia de testes, mas a exemplo da McLaren, a fábrica francesa não impressionou e o carro parece difícil de ser entendido por Ricciardo e o novo recruta Esteban Ocon. Mas a durabilidade de seu motor, o único a não apresentar problemas nestes testes, é algo a ser comemorado. Apesar de ser uma equipe nova, toda a estrutura da AlphaTauri é herdada da Toro Rosso e isso sugere que eles estarão na luta pelo meio do pelotão. O AT01 pareceu ser bem manejado por Pierre Gasly e Daniil Kvyat e o motor Honda não apresentando grandes problemas, darão as eles a oportunidade de tentarem reviver alguns dos bons resultados que conseguiram em 2019. A Alfa Romeo foi a única a usar o piloto de testes com Robert Kubica que fez a melhor marca do quarto dia de testes, repetindo o feito de Kimi Raikkonen que fez a melhor marca no segundo dia. Mas a Alfa não impressionou em mais nada e isso sugere que a equipe ainda precisa entender muito mais sobre o seu novo carro para que possa dar a Kimi Raikkonen e Antonio Giovinazzi oportunidade de lutar com as demais do seu pelotão. A Haas é a outra incógnita para esse ano, afinal 2019 foi terrível para equipe que enfrentou problemas aerodinâmicos no seu carro - e quando as coisas podiam ir bem, Magnussen e Grosjean davam um jeito de estragar. Por conta de um 2019 abaixo da expectativa, estes dias de testes foram de concentração para tentar achar possíveis defeitos que passaram despercebidos nos testes do ano passado e que atormentaram a equipe. Talvez, por isso, a impressão que ficou após estes seis dias é que o carro deste ano não seja bom o suficiente e a Haas passe a lutar contra a Williams na rabeira do grid. Falando na Williams, a mais querida das equipes certamente espera um 2020 muito melhor que os últimos que tem passado, principalmente o de 2019. Os problemas no motor Mercedes atrasaram um pouco o cronograma, mas mesmo assim a equipe conseguiu uma jornada convincente sendo a única equipe a melhorar seu desempenho de tempos em relação ao teste de 2019, conseguindo uma melhora de 1,3 segundos. Mesmo assim, George Russell confessou que o carro ainda é lento.
Apesar de ficarmos tentados sempre em colocar a nossa opinião na mesa e bancar o adivinho, sabemos bem que as respostas virão após o encerramento da prova de abertura e até lá apenas a imaginação é que vai trabalhar a espera do início da 71a temporada da história da Fórmula 1.

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

Foto 831: Ingo e Mario



Dia de grandes pilotos.
Na primeira foto, Ingo Hoffmann no final de semana do GP do Brasil de 1977 quando terminou na sétima colocação com o Fittipaldi FD04, naquela que foi a sua última corrida na Fórmula-1.
Ainda em 1977, agora no GP de Mônaco, Mario Andretti em ação com o Lotus 78 no qual o americano fechou em quinto.
Hoje é aniversário dos dois pilotos: enquanto que Ingo chega aos 67 anos, Mario completa 80 anos.

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Foto 830 - Alain Prost, 65 anos

Um efusivo Alain Prost após vencer o GP da Austrália em Adelaide, que acabou por lhe dar o título mundial de 1986 após uma ferrenha disputa contra as Williams de  Nelson Piquet e Nigel Mansell, naquele que foi um dos melhores campeonatos da década de 80 e também da história da Fórmula 1.
O tetra campeão completa hoje 65 anos.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

Testes de Pré Temporada 2020 - Barcelona, Dia 3

Resultado

Testes de Pré Temporada 2020 - Dia 3

Circuito de Barcelona - 21/02

 Valtteri Bottas fez a melhor marca do dia, assim como a dessa primeira semana de testes em Barcelona ao utilizar os pneus mais macios (C5). Com os mesmos pneus, Lewis Hamilton fez a segunda melhor marca, onde se destacou uma nuvem de fumaça do motor Mercedes. No entanto foi um dia produtivo para a equipe alemã, onde registraram mais uma boa quilometragem. A Ferrari também foi assunto no dia, com Mattia Binotto admitindo que a equipe italiana está um tanto atrás de suas rivais - lembrando que a Mercedes usou do mesmo artifício nos testes de 2019, quando indagados do rendimento do carro. No entanto, o cronograma dos italianos nestes primeiros dias de testes ficou reservado a entender melhor o comportamento do SF1000 para os dois estilos de seus pilotos - na próxima semana algumas mudanças serão feitas já com vista para o GP da Austrália e também para explorar a performance do carro. Sebastian Vettel esteve no comando do carro hoje.
O teste de hoje teve quatro paralisações por bandeira vermelha, sendo três por problemas mecânicos (Sebastian Vettel, Nicolas Lattifi e Daniel Ricciardo) e um por incidente (Kevin Magnussen, após rodar por conta de um furo de pneu).
A segunda e última bateria de testes continuarão na próxima semana, nos dias 26, 27 e 28.



quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Testes de Pré Temporada 2020 - Barcelona, Dia 2

Resultado

Testes de Pré Temporada 2020 - Dia 2

Circuito de Barcelona - 20/02
Kimi Raikkonen foi o mais veloz do dia nesta segunda bateria de testes em Barcelona, superando o tempo que Sergio Perez fez pela manhã. Porém o finlandês acabou tendo problemas e ficando parado na pista, ocasionando a primeira bandeira vermelha destes testes. Sebastian Vettel treinou hoje, mostrando estar parcialmente recuperado da gripe que atrapalhou o seu cronograma ontem. A Ferrari têm optado por trabalhar de uma forma mais discreta, procurando concentrar-se no ritmo de prova do que em velocidade pura - em contraste do que fizera em 2019 e em outros anos. A Mercedes ganhou atenção pelo dispositivo que ajuda no melhor alinhamento dos pneus dianteiros, assim que o piloto puxa para trás o volante e depois voltando ao normal assim que é empurrado para frente. É usado apenas nas retas.
A equipe alemã também concentrou-se no ritmo de prova.
Abaixo a tabela de tempos, assim como a melhor marca de cada piloto com o composto que foi usado.



Testes de Pré Temporada 2020 - Barcelona, Dia 1

Resultado
Testes de Pré Temporada 2020 - Dia 1
Circuito de Barcelona - 19/02

Tempo: Ensolarado
Temperatura:  10ºC pela manhã e 17ºC a tarde
Asfalto: 11ºC pela manhã e 28ºC a tarde


Lewis Hamilton com a nova Mercedes W11 durante os testes em Barcelona. O piloto inglês estabeleceu a melhor marca na parte da tarde quando assumiu o comando do carro, derrubando em três décimos o tempo feito por Valtteri Bottas pela manhã. Treino foi bastante proveitoso para todas as equipes, uma vez que não houve interrupção por bandeira vermelha. As equipes completaram uma boa quilometragem sem nenhum problema mecânico grave. Sebastian Vettel estava escalado para andar na SF1000 pela manhã, mas por conta de uma forte gripe acabou substituído por Charles Leclerc por todo dia.


A melhor marca de cada piloto com o composto que foi utilizado

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

Mil Milhas do Brasil - Retomada

(Foto: Claudio Kolodziej)

O retorno de uma grande corrida é sempre marcado com enorme expectativa e não foi diferente com essa edição de 2020 das Mil Milhas do Brasil. Porém o que se viu pelas redes sociais e comentários in loco, foi do grid de apenas 12 carros para esta etapa. Existe um ar de saudosismo sobre a corrida e não há nada de errado disso, muito pelo contrário, é até interessante que exista isso, pois mantém o evento criado pelo Barão Wilson Fittipaldi e Eloi Gogliano no distante ano de 1956 ainda em voga. Mas temos que admitir que, uma corrida desse porte não pode ficar por tanto tempo engavetada como se fosse um objeto apenas de culto, cujo passado foi glorioso e serviu para ajudar a indústria automobilística desse pais a crescer e junto de outras grandes corridas, como os 500km de Interlagos, 12 Horas de Tarumã e 1000km de Brasilia, eram – na visão deste que vos escreve –  as jóias do automobilismo nacional. Hoje ainda temos as 12 Horas de Tarumã e 500Km de Interlagos acontecendo todo ano, mas infelizmente os 1000Km de Brasília está esquecido pelo simples fato do circuito de Brasilia ainda estar em ruinas, marcando mais um capítulo triste do nosso automobilismo brasileiro. No entanto as Mil Milhas, que teve a sua última edição realizada em 2008, foi resgatada.
Apesar de entender a frustração de muitos com o grid magro a corrida teve, precisamos exaltar o grande trabalho da Elione Queiroz e sua equipe que estiveram engajados ao máximo desde o inicio do ano passado para que esta edição acontecesse. É claro que aqueles grids gigantes que povoam as lembranças dos mais experientes que viveram a grande fase de ouro da competição acabe fazendo com que torçam o nariz para o pequeno grid, mas o que precisa ser dito é que o primeiro passo de uma corrida que não era feita desde 2008 foi dado e as coisas podem ser ainda melhores para 2021. O fato de ter uma largada noturna, algo que não acontecia desde 2005, foi um ponto importante para o resgate de uma prática que foi o grande “carro chefe” desde a primeira edição.  Isso sem contar na ótima organização do evento num todo.
A corrida em si foi boa, diga-se. Mesmo que houvesse o risco de quebras, o que é totalmente compreensível numa corrida de longa duração como esta, os doze carros partiram para a disputa quando bateu a meia noite de sábado para domingo e infelizmente o protótipo MCR Tubarão (Mauro Kern/ Paulo Sousa/ Tiel Andrade) – que foi o pole – teve problemas com a temperatura do óleo e acabou abandonando a corrida prematuramente, com apenas 40 minutos de atividade.  Restou ao Ginetta G55 (Esio Vichiese/ Renan Guerra/ Oliver Turvey) e  Mercedes AMG GT4 (Leandro Ferrari/ Flavio Abrunhoza/ Marcelo Brisac/ Renato Braga) duelarem por quase toda a madrugada pela liderança da corrida. Infelizmente problemas de freios e com os pneus acabaram tirando o quarteto do Mercedes #20 da briga pela vitória, terminando em segundo. Para o Ginetta #16 a prova foi feita com carga total do carro, não aliviando o ritmo em quase todo certame, devido o duelo com o Mercedes que se estendeu até a nona hora quando o quarteto do carro #20 teve os problemas já citados. O único susto para o trio do Ginetta foi o principio de incêndio numa das paradas quando o dia já estava claro, e que foi logo controlado. Como bem disseram numa das postagens do Ginetta Racing Team Brasil no Instagram “o que era para ser um teste da máquina, valeu super a pena...” e de fato o G55 aguentou bem o tranco para vencer a prova em 11 horas e 01 minuto, entrando para o panteão de carros gringos que já venceram a clássica brasileira. A terceira colocação ficou para o protótipo MRX Honda #56 que foi conduzido pelo quarteto formado por Gustavo Simon/ Rafael Simon/ Rafael Cardoso/ Sérgio Cardoso – e que também venceram na categoria P3.

Por mais que a corrida não tenha sido aquela imaginada, ao não contar com os grandes nomes do automobilismo brasileiro e também a cooperação de tantos que bradavam pelo retorno da Mil Milhas, o evento foi realizado. A palavra Coragem tem sido usada por todos os cantos e com  justiça, pois mesmo com estes percalços a prova esta de volta e já com data confirmada para a sua realização em 2021, no dia 25 de Janeiro fazendo parte das comemorações do aniversário da Cidade de São Paulo.


Resultado Final
Mil Milhas do Brasil 2020
Dias 13, 14, 15 e 16 de Fevereiro
Autódromo de Interlagos



1º - Esio Vichiese, Renan Guerra e Stuart Turvey (Ginetta G55) - 360 voltas em 11h01min00s312

2º - Leandro Ferrari, Flávio Abrunhoza, Marcelo Brisac e Renato Braga (Mercedes AMG GT4) - a 5 voltas

3º - Gustavo Simon, Rafael Simon, Rafael Cardoso e Sérgio Cardoso (MRX) - a 51 voltas

4º - José Vilela, Pipa Cardoso e Tinoco Soares (Spyder) - a 
107 voltas

5º - Ciro Paciello, Álvaro Vilhena e Evandro Camargo (Omega) - a 125 voltas

6º - Marcelo Servidone, Luiz Finotti e Jorge Machado (Tubarão) - a 168 voltas

7º - Ney Faustini, Ney de Sá e Marcos Philippi (Cobalt) - a 183 voltas

8º - Sérgio Martinez, Eduardo Pimenta e Luiz Oliveira (Spyder) - a 247 voltas

9º - Ricardo Rodrigues, Marcos Cassoli, Valter Barajas (Astra) - a 325 voltas

10º - Carlos Antunes, Yuri Antunes, Mauro Auricchio e Lucas Marotta (MRX) - a 332 voltas

11º - Edras Soares, Juarez Soares e Leandro de Almeida (Vectra) - a 336 voltas

12º - Mauro Kern, Paulo Sousa e Tiel de Andrade (MCR Tubarão) - a 337 voltas