domingo, 25 de junho de 2017

GP do Azerbaijão: Uma bakunça bem vinda

Confesso que ano passado olhei bem pouco  para esta pista de Baku. Exatamente por estar extasiado pela final das 24 Horas de Le Mans de 2016, que acontecera minutos antes, a prova do Azerbaijão foi bem apagada mostrando o tamanho da burrada que foi colocá - la no mesmo dia e minutos depois da grande clássica francesa. Mas de toda forma, também não foi das melhores aquela prova que foi vencida por Rosberg na ocasião. Talvez os pilotos estivessem mais receosos, sei lá.
Porém, um ano depois, as coisas foram bem diferentes e muito agradáveis com pilotos mais bem familiarizados com o tratado.  Uma corrida bem doida, onde ineficiência do trabalho do resgate foi um ponto negativo ao demorarem além da conta para retirar o carro de Kvyat. Os vários toques entre os pilotos e também nos muros, que ajudaram a espalhar uma série de pedaços de carro para todo canto forçando a entrada do SC e mais adiante uma bandeira vermelha. E o que dizer do entrevero de Hamilton e Vettel, onde Lewis diminuiu o ritmo e Sebastian acertou-o por trás para depois bater contra o inglês, indicando a sua revolta com a possível conduta do piloto da Mercedes. É uma discussão que renderá muito pano para manga, principalmente por conta, também, da demora dos comissários em resolver o assunto. Enquanto que Vettel tomou um stop&go de 10 segundos - que na verdade foram 32 segundos, se somarmos os dez da punição mais os 22 entre entrada e saída de box - Lewis não foi punido, mas o encosto de cabeça que soltou - se,  obrigou uma parada extra.
Quem se beneficiou foi Ricciardo, que se recuperou bem na prova para estar no lugar certo quando os dois líderes do mundial sofreram seus problemas e vencer uma corrida que não desenhava de modo algum para Red Bull, apesar do bom rendimento mostrado por eles nos dois primeiros treinos livres - fico imaginando o que se passou na cabeça dos caras da Force Índia quando viram o resultado de Daniel. Melhor ainda foi ver Lance Stroll escapar das armadilhas que essa corrida reservou para fazer um trabalho sólido e sem erros e conseguir um pódio que até  semanas atrás, se alguém ousasse falar isso, seria taxado de louco sonhador e "Lancete". Talvez seu único erro tenha sido nas voltas finais, quando relaxar demais e deixou que Bottas se aproximasse demais para perder o segundo lugar na linha de chegada para o finlandês. Aliás, Bottas conseguiu recuperar-se bem para terminar num improvável segundo lugar. Boas provas de Ocon, que a cada prova vai incomodando e mais e mais Sérgio Pérez - o incidente dos dois nessa etapa também vai render bastante na Force Índia - Kevin Magnusse, que chegou a flertar com o pódio e Fernando Alonso, que enfim teve uma prova limpa de problemas e que escalando o pelotão e escapando como podia dos acidentes e incidentes para marcar os dois primeiros pontos dele e da Mclaren no ano.
Foi um GP magnífico em Baku, justamente num lugar onde eu pouco esperava algo assim.
Agora imaginem uma prova ali com chuva

segunda-feira, 19 de junho de 2017

85ª 24 Horas de Le Mans: Mais uma grande história para Sarthe



Desde que as atividades começaram em Sarthe, a partir do Journeé Test, semanas antes do início oficial dos trabalhos, é que havia uma expectativa de como seria as coisas na pista francesa. As imagens que rodaram o mundo ao final da edição de 2016, com Kazuki Nakajima desesperado por seu TS050 Hybrid ter perdido a potência faltando uma mísera volta para o tão sonhado triunfo, ainda estavam bem frescas na memória e talvez, por isso, acreditando que a adoção de um terceiro carro para esta edição 85 seria válida, afinal de contas a Toyota perdeu algumas edições de Le Mans por não ter um terceiro protótipo de “backup”. Eles viram como foi a vitória da Porsche em 2015, quando os dois regulares falharam e o terceiro conseguiu a aproveitar a grande oportunidade para cravar a então 17ª vitória da fábrica em Sarthe. Ou então a Audi em 2011, quando dois dos seus três R18 Ultra acabaram ficando pelo caminho por conta de acidentes e o terceiro carro restante acabou levando a glória para a marca de Ingostaldt, frente a uma horda de Peugeots que foram acordar na parte final da prova. Mas daí já era tarde.
O trabalho da Toyota com os seus três TS050 Hybrid em Le Mans estava perfeito: uma qualificação fabulosa por parte do #7 que cravou uma pole com uma média recorde para a história do circuito em todos os tempos, aproveitando e muito bem um inspiradíssimo Kamui Kobayashi que soube aproveitar integralmente de toda a potência que aquele carro lhe reserva. E melhor, a segunda colocação do #8 na primeira fila também ajudava bastante em caso de um dos Porsche tentar um bote na largada. O #9 aparecia na quinta colocação e era o “backup” para qualquer emergência.
Uma largada limpa e o #7 estava intocável na frente, enquanto o #8 tinha dado uma leve escorregada na segunda perna da Dunlop e perdido a posição para o #1 da Porsche, que mais tarde seria recuperado. A corrida transcorreu de forma tranqüila até a quarta hora, quando o Porsche #2, então quarto colocado, começou a soltar fumaça após a saída da Mulsanne. De imediato chamaram-no para os boxes e lá constatou que o problema era nos freios. Com o problema resolvido, o carro voltou apenas uma hora depois quando já levava dezenove voltas de atraso para o Toyota #7 e estava num longínquo 55º lugar. A escalada não seria nada fácil para o segundo carro da Porsche.
Com apenas um carro lutando contra três Toyotas, para a Porsche apenas algum fator poderia mudar a história ainda naquelas horas iniciais. Para os grandes entendedores do endurance, sabe-se que a parte noturna e do amanhecer é terrível. Quase que sempre acontece fatores que mudam bruscamente o andamento da prova ou então interferem mais para frente. Para quem teve pena da Toyota ano passado ao ver o carro parar na linha de chegada prestes a abrir a volta final, talvez achasse aquilo um golpe duro do destino. Mas desta vez as coisas foram mais cruéis: numa tacada só, num intervalo de duas a duas horas e meia a Toyota, que parecia imaculada no topo da LMP1 em Sarthe, se viu devastada com a perda de dois
dos seus três carros. Iniciando pelo #8 que teve problemas nos freios de forma tão grave, que precisou ficar no cavalete para trocar o sistema todo. Pouco tempo depois foi a vez do líder #7 passar a andar lento e depois parar na pista, para não voltar mais. Não bastasse isso, pouco minutos depois, foi a vez do #9 se envolver num enrosco com um LMP2 e ter a parte traseira danificada. Pior: ainda teve um principio de incêndio que acabou tirando carro de combate. O #8 ainda voltou para a pista, mas com eternas 30 voltas de atraso para o agora líder Porsche #1. A pergunta que fica é se foi pior perder a prova na linha de chegada ou perder os três carros praticamente numa tacada só? Na verdade, a decepção é tão grande para aqueles lados da Toyota que é difícil até traduzir. E isso só nos faz imaginar que Toyota e 24 Horas de Le Mans não foi feitos um para o outro.
A liderança pra lá de folgada para a Porsche #1 sugeria uma abordagem mais branda, afinal administrar a diferença para um carro da LMP2 (Rebellion) que se encontrava agora em segundo na geral, não era tão difícil. E isso foi feito a risca até que faltavam menos de quatro horas para o fim, quando o Porsche #1 parou na pista com problemas. André Lotterer, que estava ao volante, ainda tentou fazê-lo funcionar ao andar mais alguns metros, mas a pressão do óleo subiu para níveis alarmantes e isso acabou levando o 919 Hybrid #1 ao nocaute. Com o baixo número de carros na LMP1 Hibrida (5) e na LMP1 particular (1), não era de se assustar se víssemos um ou alguns LMP2 entre os três primeiros. O duelo entre os dois carros da Rebellion, que dominaram quase que amplamente esta classe, foi se desfazendo conforme as horas iam passando: alguns contratempos, problemas e até punições, foram deixando os carros da simpática equipe suíça para trás e isso trouxe para a ponta a equipe que leva o nome do ator Jackie Chan (Jackie Chan DC Racing). O Oreca Gibson #38 assumiu a ponta assim que descontou o atraso que levava em relação ao Porsche #1, mas sabiam que não seria nada fácil: a então carta fora do baralho, o Porsche #2, emergiu como a grande força da equipe alemã. Um trabalho hercúleo – e de paciência – de Timo Bernhard/ Earl Bamber/ Brendon Hartley para conseguir recuperar todas aquelas voltas de desvantagem e estar numa situação de levar a Porsche a uma conquista fenomenal no seu território predileto.
Como era de se esperar, o Porsche #2 descontou a volta de atraso para o carro #38 na hora final para assumir a liderança. E ainda tiveram tempo para colocar uma volta sobre eles, para passar e vencer a 19ª 24 Horas de Le Mans para a fábrica de Weissach.
Mais uma para a conta da Porsche, e de forma magnífica e histórica.

LMP2


O abandono do #26 da G-Drive, ainda na segunda hora, após o acidente com o #88 da Proton Competition, indicava uma vida mais tranquila para que os carros da Rebellion fizessem a prova apenas para administrar a ponta dessa classe. E isso até que estava dando certo, uma vez que os #13 e #31 estavam até mesmo se revezando na dianteira. Mas como se trata de uma prova longa, sabemos que nem sempre as coisas saem como planejado: problemas mecânicos e punições acabaram atrasando os dois trios e isso deu ao carro #38 da Jackie Chan DC Racing, a raríssima chance de liderar na geral – e até com chances (remotas) de vitória – quando o Porsche #1 abandonou faltando quatro horas para o fim. A aproximação e ultrapassagem do único sobrevivente dos Porsche - o #2 - era inevitável, mas a vitória na LMP2 foi bem vinda. Um trabalho fabuloso do trio formado por Ho Pin Tung/  Oliver Jarvis/ Thomas Laurent.

LMGTE-PRO


Sabemos que essa é classe onde as coisas se definem nos detalhes e até a hora da bandeira quadriculada, a respiração fica parada. O duelo entre o Aston Martin #97 e o Corvette #63 nas horas finais, foi uma bela volta por cima para dois carros que não tinham ido bem na edição de 2016. Beneficiados pelo BOP para este ano, aproveitaram bem a oportunidade e ainda deram um belo espetáculo para os fãs dessa classe ao lutarem desenfreadamente até o fim da prova.
Os Aston estiveram bem desde os treinos e na corrida, apesar de alguns infortúnios, como o pneu furado por #95 – quando este liderava a classe na quarta hora de prova. O #97 fez bem o seu papel e soube suportar bem as pressões do Corvette #63 e até mesmo dos Ford GT, que apesar de terem sido alijados por causa do BOP, ainda deram seu ar da graça em alguns estágios. Os Ferrari também, mas assim como os Ford, estavam um pouco longe do ideal.
Para a Aston Martin, que tantas vezes bateu na trave nos últimos anos, foi uma vitória maiúscula do #97 que foi conduzido pelo trio Jonny Adam/ Darren Turner/ Daniel Serra.

LMGTE-AM
(Foto Andrew "Skippy" Hall/ Dailysportscar)

A Ferrari fez a trinca nesta classe que por um breve momento, teve na Aston Martin um grande opositor. Mas o decorrer da prova foi valendo a maior durabilidade dos 488 GTE.
O Ferrari #84 da JMW acabou por vencer com o trio formado por Rob Smith/ Will Stevens/ Dries Vanthoor.

Dramas e festas 
 
Não foi dessa vez que a Toyota chegou ao olimpo em Sarthe. Problemas vão, problemas vem, e a fábrica japonesa continua batendo na trave. Um dia irão ganhar a clássica francesa? Creio que sim. Não quando estiverem dominantes como foram este ano, 2016, 2014 e em outras oportunidades, mas sim quando as coisas estiverem conspirando a favor de outra equipe/fábrica. É tudo uma questão de momento.
E para a Porsche, uma conquista fabulosa exatamente quando as coisas pareciam se perder. A vitória do #2 lembrou a epopeia de 40 anos atrás, quando a Porsche também sofreu problemas com o 936/77 de Jacky Ickx/ Henri Pescarolo na volta 45, obrigando o abandono destes. Porém, Ickx voltaria a prova no carro de Jürgen Barth/ Hurley Haywood e escalar o pelotão a partir da 42ª posição para uma vitória heroica – e ainda enfrentando problemas no motor na última hora de corrida, após ver os Renault A442 ficarem pelo caminho.
Foi fabuloso o dia em Sarthe. Mais um!


domingo, 18 de junho de 2017

Foto 630: Hora do Rush

Algumas horas de sono, e muitas surpresas. Até então um Porsche #1 andando de forma imaculada, intocável, aparece com problemas no meio da Mulsanne exatamente quando faltava menos de 4 horas para o fim. E o pior: a pressão do óleo no 919 Hybrid acabou forçando o abandono do carro que poderia levar a marca de Weissach ao 19o triunfo em Sarthe.
O melhor de tudo é olhar a classificação e ver um carro da Jackie Chan DC Racing, com o seu #38, liderando a prova com menos de três horas para o fim. Apesar de uma diferença de duas voltas para o segundo colocado da LMP2, o Alpine #35, a sua luta real é contra o Porsche #2 que até amanhecer em Sarthe parecia estar fora da batalha. Agora a diferença deste para o carro da Jackie Chan é de apenas 1 uma volta. Ainda tem chão para mais algumas viradas em Le Mans.
Na LMGTE-PRO as batalhas estão a todo vapor, como era de se esperar. Com as paradas de box, a liderança atualmente é do Porsche #91. Mas virtualmente, quando os demais pararem, a liderança voltará para as mãos do Aston Martin #97 que tem nesse momento em seu habitáculo, Daniel Serra.

sábado, 17 de junho de 2017

Foto 629: Drama para a Toyota

Com um desempenho tão absurdo e consistente por parte do Toyota #7, mais uma vez era quase impossível pensar que os azares voltariam a assombrar os japoneses.
Não bastasse os problemas de freio no carro #8, que o jogaram para trás na tabela de pontos e com eternas 30 voltas de atraso, agora foi a vez do então líder #7 apresentar problemas e ficar parado na pista.
O Porsche #1 assumiu a liderança, seguido pelo outro Toyota #9 que tem uma volta de desvantagem.

85ª 24 Horas de Le Mans - 7ª Hora

As ações voltaram após uma sexta hora morna, por conta do slow zone. A Toyota agora posiciona dois carros na dianteira, uma vez que o #8 superou o Porsche #1. O #7 segue na liderança da prova.
LMP2 - A Rebellion também continua firme e forte na dianteira da P2, agora com os dois pilotos brasileiros na pista (Senna no #31 e Piquet no #13). O #38 da Jackie Chan Racing aparece em terceiro.
LMGTE-PRO - O Aston Martin #97 ainda lidera, mas sempre com os Ford GT #67 e #66 no encalço.
LMGTE-AM - Liderança para o Aston Martin #98, seguido pelo Ferrari #84 e pelo outro Ferrari #62

85ª 24 Horas de Le Mans - 6ª Hora

Foi uma hora bem anormal, pois o acidente entre o Ferrari #82 e o Oreca #28 da TDS Racing logo no inicio da seta hora, acabou deixando a pista com quase metade em slow zone e isso dificultou um pouco as ações durante este período. O Ferrari acabou sendo tocado pelo protótipo da LMP2, quando este ia lhe aplicar uma volta. Com o contato, o Ferrari foi de frente no guard-rail destruindo totalmente a dianteira. Pierre Kaffer, que estava ao volante do Ferrari, saiu ileso.

Os três primeiros de cada classe:

LMP1: #7; #1; #8
LMP2: #31; #13; #24
LMGTE-PRO: #97; #67; #66
LMGTE-AM: #98; #84; #90

85ª 24 Horas de Le Mans - 5ª Hora

Descontando o fato do #47 da Cetillar Villorba Corse ter ficado encalhado na brita, acionando a slow zone da entrada da reta dos boxes até o final da Dunlop, nenhum outro fato que pudesse interferir na classificação.
O Porsche #2, após longas 19 voltas nos boxes, retornou à corrida e agora ocupa a 55ª posição na classificação geral.

Classificação de cada classe:



85ª 24 Horas de Le Mans - 4ª Hora

Se as horas passadas foram mais tranquilas, nesta quarta hora de corrida alguns lances deram uma agitada: começando pelo furo no pneu traseiro esquerdo do Aston Martin #95 que liderava bem a classe PRO e com isso, o outro Aston Martin #97 - pilotado por Daniel Serra - assumiu a ponta. Automaticamente o Ford GT #67 passou a pressiná-lo na luta pela liderança. Daniel fez bom trabalho ao resistir os ataques do Ford. Com as paradas de box, o Ford GT #66 é líder no momento.
Os azares começaram a passear pela LMP1 com o problema enfrentado pelo Porsche #2. Ele foi recolhido para a garagem, exatamente para tentar descobrir o que fez o protótipo soltar fumaça após a saída da Mulsanne. Já leva seis voltas de desvantagem para o líder #7.
Na LMGTE-AM a liderança é do Ferrari #84, seguido pelo outro Ferrari #62 e do Aston Martin #98.


85ª 24 Horas de Le Mans - 3ª Hora

Momento bem tranquilo até aqui. Nenhuma grande mudança ou acontecimento que pudesse embaralhar as coisas em Sarthe.
A Toyota continua soberana com as duas primeiras posições na LMP1, sempre com o #7 na liderança. A Porsche aparece na terceira posição, com o #1.
LMP2 - liderança e dobradinha até aqui da Rebellion, com o #31 liderando o #13. A terceira colocação era do #38, mas problemas o jogaram para sexto nesta classe. A terceira colocação e ocupada pelo #24 da Manor.
LMGTE-PRO - Aston Martin continua no comando da classe com seus dois carros, sendo o #95 a liderar o #97. Porém, nesta terceira hora, os Ford GT coseguiram avançar na classificação aparecendo, agora, em terceiro e quarto (#66 e #67).
LMGTE-AM - A Aston Martin também lidera nesta classe com o #98, seguido pelos Ferrari #84 e #62 

85ª 24 Horas de Le Mans - 2ª Hora

Uma segunda hora bem tranquila, no que diz respeito a trocas de posições. Nas quatro categorias, as posições se manteram quase que inalteradas. Neste exato momento, as equipes estão em trabalho de pit-stop.
A grande movimentação se deu na curva Porsche, onde o #26 da G-Drive, pilotado por Roman Rusinov, acabou acertando o Porsche #88 da Proton Competition que era pilotado por Khaled Al Qubaisi. O Porsche destruiu bem a dianteira após bater no guard rail e por mais que o piloto tenha levado o carro para os boxes, este acabou por abandonar devido os sérios danos na dianteira. O #26 ainda conseguiu chegar aos boxes, trocar a dianteira e acabar voltando para os boxes em seguida, após problemas no pneu traseiro direito.
Os três primeiros de cada classe
LMP1: #7; #8; #1

LMP2: #31; #13; #38

LMGTE-PRO: #95; #66 #92

LMGTE-AM: #62; #98: #90

85ª 24 Horas de Le Mans - 1ª Hora

Uma largada bem tranquila em Sarthe para esta 85ª 24 Horas de Le Mans. Descontando o fato do By Kolles #4 ter a dianteira arrebentada no contorno da Dunlop, o restante dos participantes passaram incólumes.
O Toyota #7 tratou de abrir vantagem sobre o #1 da Porsche, que ganhara a posição do #8 da Toyota após este ter destracionado na Dunlop. Com as paradas de box, a Toyota lidera com o #8 após um breve duelo com o então líder #7.
Na LMP2, duelo dos bons neste momento entre Nelson Piquet Jr. (#13) e Jean Eric Vergne (#24) pela terceira posição. Ainda tivemos uma slow zone, por conta da escapada do Signatech Alpine #36 de Gustavo Menezes no final da Mulsanne, mas sem consequencias para o carro e piloto. A liderança é do #31 da Rebellion, pilotado por Bruno Senna neste momento.
Na LMGTE-PRO a disputa é intensa, mas a liderança continua nas mãos da Aston Martin que agora está com a dobradinha #95 e #97. Em terceiro aparece o Ferrari #51.
Na LMGTE-AM liderança para o Ferrari #39, seguido pelo Aston Martin #90 e pelo Ferrari #55.

85a 24 Horas de Le Mans: Duelos

Descontando o fato do Toyota #7 ter destoado dos demais com aquela volta espetacular, os demais carros de Toyota e Porsche estão bem próximas na tabela de tempo e isso sugere, por si próprio, que a disputa será pra lá de acirrada por todas as 24 horas de prova. Se a Toyota fez um Journey Test onde priorizou a velocidade, a Porsche focou no desempenho de corrida. Mas isso não faz dos alemães totais favoritos: o desempenho da Toyota nas duas provas iniciais do WEC foi muito bom e importante para mostrar em que passo está o TS050 Hybrid que estreou ano passado e que está em sua segunda geração. A forma como encararam de igual para igual a Porsche ano passado em Sarthe, num momento que o carro parecia ainda não ter potencial para duelar pela vitória, impressionou. Desta vez eles estão bem preparados e um dos maiores erros da equipe neste período - na visão deste que vos escreve - foi resolvido com a adoção do terceiro carro. Tirar o escorpião do bolso pode render algo muito bom a eles neste final de semana.
A Porsche conhece bem os atalhos que podem levá-la ao 19o triunfo em Sarthe, só que desta vez terão que lutar contra um contigente maior da Toyota. A quarta geração do 919 Hybrid não dá sinais de cansaço, e ainda pode muito bem dar combate a um TS050 que parece estar em melhor forma.
O equilíbrio será bem interessante neste certame todo. Com o ritmo alucinante que foi apresentado na classificação, fica quase que descarado que o Toyota #7 deve ditar o ritmo deixando que os gêmeos #8 e #9 dêem combate aos #1 e #2 da Porsche.
Se os japoneses se inspirarem na estratégia adotada pela Porsche em 2015, talvez venham a sorrir no final do domingo.
Na LMP2, se nada de anormal acontecer, alguma das equipes que utilizam o conjunto Oreca - Gibson deve sair vencedora. Será bem complicada a vida dos Signatech Alpine, que tentam a sua terceira conquista consecutiva nesta classe. Mas como bem sabemos, corrida só acaba na quadriculada.
Na LMGTE-PRO, a disputa, como sempre, promete ser das boas. Aston Martin e Corvette certamente vão tentar reverter a péssima apresentação de 2016 e podem muito bem fazer frente aos Ferraris e Ford GT. Estes últimos não foram tão brilhantes na classificação, mas não se pode duvidar da capacidade deles. A Porsche também não fez grande trabalho na classificação, mas no BOP feito neste sábado conseguiram perder oito quilos de lastro após verificarem que estavam perdendo 9 km/h nas retas para os demais carros da classe. Espera - se ao menos que com essa mudança, os Porsches possam dar combate aos seus rivais. Outras mudanças podem acontecer até amanhã.
E ficaremos de olho, também, nos possíveis recordes de melhor volta nas quatro classes.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

85a 24 Horas de Le Mans: Uma volta canhão e alguns desencontros

Foi uma volta de outro planeta, se assim podemos dizer sobre a marca conquistada por Kamui Kobayashi em Sarthe quando o segundo classificatório estava a caminhar. Foi algo sublime ver o Toyota TS050 HYBRID voar pelo fabuloso circuito francês para atingir tal marca de 3'14"791. É daqueles momentos especiais do motorsport.
Porém a confusão que tomou conta das redes sociais devido aos comentários, repouso sobre o recorde estabelecido: em que situação este recorde de Kobayashi se encaixava? Para este que vos escreve, a marca feita pelo simpático japonês estava na segunda colocação das melhores já feitas em Sarthe, perdendo apenas para a que foi feita em 1971 por Pedro Rodriguez com o Porsche 917 LH da J.W Engineering com a marca de 3'13"9. Kobayashi superaria apenas o tempo feito por Hans Stuck em 1985 com o Porsche 962C que foi de 3'14"843.
Mas por aqui temos o hábito de vermos apenas o tempo de volta como recorde e foi aí que me perdi: numa rápida olhada nas estatísticas ficou claro que a volta de Kobayashi, em média horária, era a mais veloz da história de Le Mans ao superar a média de Stuck feita em 1985. Na ocasião, o alemão fez 251.815km/h e hoje Kobayashi fez a volta em 251.888 de média. A terceira marca é de Pedro Rodriguez em 1971 com 250.069km/h.
Quando Neel Jani cravou a pole para a Porsche em 2015 na casa de 3'16, já havia deixado o duo ACO/FIA de olhos arregalados, imagino que agora os cabelos devam ter ficado em pé. Com uma regulares ainda mais fina, o tempo de volta podia ter caído hoje. Mas isso para o próximo ano. Agora, o de melhor volta em corrida, pode cair também neste fim de semana.
O tempo alcançado hoje pelos japoneses mostra o quanto que a engenharia automobilistica tem evoluído mesmo que haja intervenções, nas pistas ou nos carros para que as velocidades caiam, os engenheiros estarão prontos para responder e os pilotos rápidos para realizarem obras primas como foi o caso de Kobayashi em Sarthe.
E nós agradecemos

85a 24 Horas de Le Mans: Pole recorde para a Toyota

Com uma volta espetacular, obtida ainda no segundo classificatório, deu a Toyota a oportunidade de largar da posição de honra para esta 85a edição das 24 Horas de Le Mans. Kamui Kobayashi, em posse do Toyota TS050 Hybrid #7, pulverizou o recorde de volta em Sarthe com o tempo de 3'14"791 com uma média de 251.888km/h, relegando para segundo lugar a marca feita por Hans Stuck com o Porsche 962C em 1985 que teve a média de 251.815km/h. Em termos de tempo de volta, a marca de Kobayashi é a segunda no quesito perdendo, apenas, para o tempo feito por Pedro Rodriguez em 1971 (3'13"9) quando a pista francesa ainda não era recortada pelas chicanes. O outro Toyota de #8 aparece em segundo, com incríveis 2.3 segundos de atraso para o #7. Um trabalho espetacular até aqui da fábrica japonesa em Sarthe. Em seguida aparecem os outros dois Porsche 919 Hybrid, com o #1 ficando a frente. A diferença entre o #1 da Porsche e o #8 da Toyota é de apenas um décimo. Na quinta posição, o terceiro Toyota #9 que também aparece com tempo próximo do Porsche #2, com cerca de meio segundo de desvantagem. Em sexto aparece o solitário carro da ByKolles na LMP1 particular, com mais de nove segundos de atraso.
Na LMP2 a disputa deve ser bem apertada, como é de costume nesta categoria. A pole foi conquistada pelo #26 da G-Drive com a marca de 3'25"352. Em segundo aparece o #25 da Manor e em terceiro o #38 da equipe do Jackie Chan.
A LMGTE-PRO teve na Aston Martin a dona da pole nesta classe, onde os duelos mais viscerais acontecem do inicio ao fim. O #97 da equipe inglesa cravou a pole com o tempo de 3'50"837. Em segundo aparece o Ferrari #51 da AF Corse e em terceiro o outro Aston Martin #95. Os seis primeiros ficaram no mesmo segundo, mostrando tal equilíbrio. 
E na LMGTE-AM, pole para o Corvette #50 da Larbre Competition com o tempo de 3'52"543. A segunda posição vai para o #98 da Aston Martin e a terceira para o Ferrari #62 da Scuderia Corsa.
Os tempos para obtenção das poles em cada classe foi abaixo das marcas feitas em anos anteriores

terça-feira, 13 de junho de 2017

Foto 630: Riccardo


Riccardo Paletti com o March 812/ BMW da equipe March Onyx, durante a etapa de Pau, a sétima válida para o Campeonato Europeu de F2 de 1981. O piloto italiano abandonou na volta 47 com problemas no motor.
Hoje completa 35 anos da morte do piloto italiano na largada para o GP do Canadá de 1982.

segunda-feira, 12 de junho de 2017

GP do Canadá: Território de Hamilton

Foi uma vitória incontestável de Hamilton  em Montreal. Num lugar onde ele se sente bem e casa perfeitamente com seu estilo bruto de pilotagem, seria quase certeira uma conquista dele em Montreal. Mas havia algumas dúvidas no ar, exatamente após a sua apresentação apagada em Monte Carlo duas semanas atrás e essas foram começando a dissipar - se com uma pole arrancada a fórceps, conseguindo neutralizar uma dominante Ferrari até ali. A emoção em receber a réplica do capacete usado por Ayrton Senna em 1987, foi o ponto alto para uma atuação que acabara de levá-lo ao empate de pole com o brasileiro  (65) e certamente foi uma injeção de ânimo para uma batalha que se avistava no domingo tendo Vettel ao seu lado na primeira fila.
Mas a coisas foram facilitadas com uma má largada do piloto alemão, que ainda teve a asa dianteira danificada por conta de um toque com Max Verstappen na largada. E tudo ficaria ainda mais fácil para Hamilton, quando Vettel precisou trocar o bico após a saída do SC, despencando para último.
Lewis fez o que se espera dele em Montreal: pilotou de forma segura e não teve nenhum incomodo durante as 70 voltas que ele liderou em toda a sua totalidade, marcando, assim, o seu quarto Grande Chelem na carreira.
Foi sua sexta vitória num território que ele conhece bem e que pôde mostrar do que era capaz há exatos dez anos, quando venceu brilhantemente seu primeiro GP de F1 naquele local.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Foto 629: Revista Speed, cinco anos atrás

Todas as edições da Revista Speed
Há exatos cinco anos a Revista Speed foi ao ar, contando um pouco da história de Frank Williams e de sua simpática e querida equipe.
Ao todo, foram onze edições - contando a partir da desta mesma edição, que foi denominada como #0 - e procuramos abordar as principais categorias e provas do motorsport, como a F1, Indycar, WEC, WTCC,  WRC, Paris-Dakar, 24 Horas de Daytona, 24 Horas de Le Mans... Isso sem contar com o conteúdo voltado para a história do automobilismo, que teve uma importância imensa para que aquela revista.
Passados cinco anos, não posso deixar de agradecer a oportunidade que me foi confiada, quando o Diego Trindade me fez o convite para integrar o núcleo da Speed, que já contava com uma galera boa como Paulo Alexandre Teixeira, Bruno Mendonça, Daniel Machado, Ron Groo, Patricia Sayuri, Rafael Ligeiro e outros tantos que participaram no decorrer daquelas edições.
Enfim, se ainda querem dar uma olhadela nas revistas, deixarei o link do blog que armazena todas as edições.
Divirtam-se!

Revista Speed: http://speedrevista.wordpress.com/