quarta-feira, 31 de julho de 2019

Foto 802: Hockenheim, 25 anos atrás


Um enrosco que eliminou 11 carros na largada; o famoso e tenso incêndio no Benetton de Jos Verstappen durante o reabastecimento; um raro abandono de Michael Schumacher; Williams na corrida, mas fora de combate; uma primeira fila ferrarista que não acontecia desde o GP de Portugal de 1990; e para finalizar, uma grande vitória de Gerhard Berger dando a Ferrari uma vitória após 59 GPs, desde a conquista de Alain Prost em Jerez De La Frontera em 1990 - e para o próprio Berger, uma conquista que não vinha desde Adelaide 1992.
Um 31 de julho inesquecível para os tiffosi.
Há exatos 25 anos.

segunda-feira, 29 de julho de 2019

GP da Alemanha - Roda Gigante



Há dias que as coisas não andam bem. Isso é algo que faz parte do cotidiano e este GP alemão foi uma amostra de como as coisas podem caminhar mal e de uma hora para outra dar certo, e também fazer o caminho inverso. No sábado uma desastrosa atuação da Ferrari tirou seus dois carros de combate na classificação, sendo que Vettel nem participou por causa de problemas no turbo e Leclerc, que conseguira avançar para o Q3, nem participou por causa de problemas na injeção de combustível. Uma ducha bem gelada numa classificação de prometia ser das melhores deste ano devido a grande proximidade que eles tinham em relação a Mercedes. Esta última conseguiu cravar a pole com Hamilton, sem grandes oposições e Max Verestappen conseguiu quebrar uma possível dobradinha da equipe alemã ao se meter entre os dois carros prateados. Apesar de ser uma corrida que se desenhava para a Mercedes, é sempre algo a se considerar quando se tem um piloto como Verstappen ao lado.
Porém  a corrida foi outra coisa: dificilmente alguém apostaria numa tarde tão caótica para a Mercedes e seus pilotos, principalmente após um inicio tão sólido por parte de Hamilton que vinha abrindo uma boa vantagem, inicialmente para Bottas e depois para Max – que se recuperara da má largada. Mas a escolha de pneus slick para uma pista que volta e meia parecia secar e depois molhar, foi o convite para uma tarde para ser tomada como grande lição aos anfitriões: Lewis relutou em trocar para slick, mas acabou aceitando a ideia e quando o fez, não conseguiu segurar o carro na última curva do circuito e batendo na barreira de pneus e danificando a asa dianteira. Foi o inicio de uma série de trapalhadas, começando pelo corte de caminho que o inglês deu na entrada de box – que já havia feito em 2018 e não resultado em nada, ao contrário deste ano que acabou tomando cinco segundos de punição – e depois na casa de loucos que a Mercedes se transformou assim que o inglês chegou para a sua troca, uma vez que não estavam preparados para aquilo. Para uma equipe que tanto blefou nos pitstops, não souberam lidar com o imprevisto e isso custou mais de 50 segundos. Um desastre que foi maior após o abandono de Valtteri Bottas, que não foi capaz de superar Lance Stroll na luta pelo terceiro lugar e acabou rodando e batendo na curva 1 – lugar onde Hamilton fizera algo parecido, mas que escapara ileso. Uma corrida que prometia ser uma grande festa pelos 125 anos de automobilismo e também de envolvimento da Mercedes na competições, acabou por ser a mais desastrosa da fabrica alemã – que desembolsou 25 milhões de euros para a manutenção da corrida – neste seu período vitorioso que se iniciou em 2014.
A exemplo das duas Mercedes, Charles Leclerc também teve – apesar de pequena – uma hipótese de conseguir algo maior nesta corrida. Seu ritmo era bom, conseguindo até se aproximar de Max e Bottas, mas o seu erro no mesmo local onde mais tarde Hamilton viria errar, custou uma boa oportunidade de tentar uma vitória – visto o que aconteceu ao duo da Mercedes em seguida. É claro que não dá para adivinhar as coisas, mas ao olhar o que aconteceu depois certamente deve bater um remorso daqueles.
Alheio a tudo isso e seguindo uma cartilha onde a cautela é primordial, Sebastian Vettel fez uma prova de recuperação muito boa. Mas temos que dizer que, mesmo fazendo uma bela largada, o piloto alemão passou boa parte da corrida encaixotado na Alfa Romeo de Kimi Raikkonen sem conseguir esboçar um ataque. Após uma escapada de Raikkonen no famigerado local é que Vettel pôde subir para sétimo, mas mesmo assim ainda não conseguira entrar na casa dos cinco primeiros devido as paradas de box que o jogava para o meio do pelotão. Sebastian soube bem duelar com os pilotos pelas posições, arriscando as ultrapassagens em locais de segurança como no hairpin, onde a asa móvel é acionada e também escapando das armadilhas. E como ele bem disse, soube aproveitar-se dos cuidados que os demais a sua frente vinham tendo com os slicks para ultrapassá-los e subir para a segunda posição, voltando ao pódio desde o polêmico GP do Canadá. Uma tarde bem diferente daquela de um ano atrás, onde quase todos indicam que foi onde se iniciou o seu inferno astral – apesar de eu discordar e apontar o GP da Itália como inicio dessa fase complicada.
O bom desempenho de outros pilotos também foi destaque: Sainz vem crescendo de produção junto a Mclaren e neste GP ficou ainda mais evidente sendo um dos que poderiam ter conquistado um pódio; Stroll também conseguiu seu brilhareco com uma boa leitura da prova por parte de seu engenheiro e também com um bom trabalho do próprio Lance, que soube suportar as investidas de Bottas; Alex Albon  continua a fazer seu caminho com boa apresentações e a exemplo de Sainz e Stroll, também teve certa chance de conseguir um pódio neste GP e foi mais uma demonstração do talento que o jovem tailandês reserva.
Max Verstappen continua a arrancar suspiros da grande massa laranja que vem acompanhando o piloto holandês nas corridas e também outros que tem se afeiçoado ao piloto, devido a sua bravura ao volante do Red Bull. Ainda mais neste ano, onde suas apresentações tem tido um misto inteligente de agressividade e cuidado na hora de atacar e finalizar as manobras de ultrapassagem e neste GP foi ainda mais evidente com ele tendo total paciência para atacar Valtteri e mesmo após a sua rodada, que poderia ter custado a futura vitória. A sua condução neste tipo de condições só faz ainda mais aflorar o seu talento e esta corrida foi a prova do amadurecimento do jovem holandês que chegou a sua oitava conquista na Fórmula-1.
E para encerrar, Daniil Kvyat foi ao pódio com uma atuação brilhante ao perceber junto de seu engenheiro que as condições de pista davam para pôr os slicks e arriscar. Foi uma manobra que lhe valeu o pódio e que podia muito bem ter lhe rendido um segundo lugar, algo que ficou distante quando teve em Sebastian Vettel um oponente difícil de segurar. Mas o terceiro lugar foi uma vitória importante para um piloto que esteve em dias bem complicados naquele ano de 2016 e que ficou quase que de lado, conseguindo uma vaga de piloto de testes na Ferrari e depois voltando para socorrer a Toro Rosso neste ano e que talvez possa até mesmo retornar a Red Bull, de onde acabou saindo por baixo após os acontecimentos do GP da Rússia de 2016. Um resultado importante que, somado ao nascimento de sua filha com Julia Piquet no sábado, foi sem dúvida um grande final de semana para a vida de Kvyat.
A Red Bull também tem o que festejar, pois três pilotos que fazem ou fizeram parte de seu plantel foi ao pódio – isso sem contar em Sainz e Albon, que chegaram em quinto e sexto. Foi um dia espetacular para o programa da Red Bull.

terça-feira, 23 de julho de 2019

Volta Rápida, 10 Anos


E este espaço chegou aos dez anos. É uma marca importante para um blog que nos últimos anos tem passado mais tempo em regime de Safety Car do que com o pé cravado para continuar atualizando sempre as postagens. Mas nem sempre bate aquele ânimo de escrever um texto bacana ou até mesmo, quando a mente consegue formular um artigo interessante, não é fácil transferir para o papel o que foi idealizado. A pessoa que vai ler o texto precisa ser envolvida pelo que está lendo; abrir o apetite com um inicio saboroso e depois devorar o texto como se fosse um prato suculento de um restaurante. Assim precisam ser os textos, mas ultimamente não tenho tido essa "pegada” para entregar um trabalho bem feito. Então, se for para fazer qualquer porcaria, é melhor nem perder tempo na frente do computador ou tela de um celular. Isso tem me deixado afastado deste espaço, mas ainda consegui apresentar alguns textos sobre os GPs da Fórmula-1 e também sobre as 24 Horas de Le Mans, corrida tal que passei a acompanhar com mais atenção a partir de 2010. E isso tem trazido bons resultados para o Volta Rápida.
Mas o blog me trouxe boas oportunidades. Quando escrevi para a extinta Revista Speed, no biênio 2012/13, foi um ponto alto nessa vida de “blogueiro de automobilismo”. Quando este tipo de chance aparece, é sinal que o trabalho vem sendo bem feito e isso é gratificante. Porém, tentei navegar por outros mares dessa internet como gravar podcasts ou até mesmo vídeos, mas isso precisa de uma grande desenvoltura e isso é algo que não tenho mesmo. Sou melhor com as palavras escritas do que com as faladas. Mas foram pequenas tentativas que me fizeram chegar a essa conclusão e de todo modo, foi um aprendizado.
Aprender é que mais conseguimos neste meio. Sabemos um pouco sobre este mundo apaixonante e complexo do motorsport, mas estamos longe de saber tudo sobre esta modalidade. Sempre aparecerá novas coisas e também novidades sobre fatos que julgávamos saber de cabo a rabo. E é aí que está a graça do negócio: ir coletando os dados para podermos refazer nossas opiniões ou apenas fortalecer as que já proferimos. Este período tem sido bastante produtivo. Escrever também nos trás bons amigos, colegas que nos trás um bom feedback do que estamos fazendo. Criamos laços e isso fortalece a cada comentário positivo e até mesmo uma critica construtiva, que nos faz rever conceitos, opiniões e mudar a forma de abordar certos assuntos.
Desde 2010 que o Volta Rápida não está sozinho, quando criei a pagina do blog no Facebook; o perfil no twitter e depois de alguns anos, por volta de 2015 ou 2016, apareceu a pagina da Triple Crown que cuida das três corridas que encabeçam as jóia do automobilismo (Indy 500, 24 Horas de Le Mans e GP de Mônaco). Esta ultima tem um maior volume de postagens entre abril e junho, mas mesmo assim faz seu sucesso, enquanto que a página do Volta Rápida tem o trabalho feito durante todo o ano. E já esquecendo do perfil no instagram, onde coloco algumas fotos que já fiz no autódromo de Interlagos e também o resultado de algumas competições no stories do perfil.
Apesar de toda inatividade deste blog nos últimos anos, é sempre bom chegar a tais marcas e conseguir ficar uma década com este blog é um acontecimento e tanto. Só tenho mesmo que agradecer a todos que incentivaram desde o inicio. E apesar de ter pensando várias vezes em encerrar o blog, continuarei aqui mesmo que seja em marcha lenta. Afinal, tenho muito que aprender aqui.
Obrigado a todos e que venha mais outra década!

domingo, 21 de julho de 2019

Foto 801: Muito além de Vettel


A complexidade de um ser humano é medida nas condições da qual ele convive. Se for um ambiente bem organizado, as chances de sucesso são enormes e isso também passa pela sua força de vontade em querer vencer na vida. Agora, se o ambiente for um caos, as coisas tendem a ser mais difíceis. Pode até conseguir vencer, mas nem sempre a força de vontade, o otimismo, será suficiente para tal conquista.
Para Sebastian Vettel as coisas tem sido mais ou menos assim nos últimos doze meses. É claro que uma boa parte das pessoas apontam que o caldo entornou mesmo já na sua escapada em Hockenheim, quando estava liderando com folga. Porem temos que lembrar que Vettel ainda teve duas situações onde pilotou bem: na Hungria tinha condições de sobra para conquistar uma vitória, mas a mudança de tempo na classificação que ajudou as Mercedes a marcarem a primeira fila, dificultou a tarefa e esta tornaria-se ainda mais impossível quando teve em Bottas um bloqueio efetivo que possibilitou Hamilton fazer uma grande diferença e caminhar para uma importante vitória. Para Vettel restou ultrapassar Valtteri na marra para conquistar a segunda colocação. Na Bélgica talvez tenha sido o grande sopro de esperança ferrarista quando Sebastian desafiou e venceu Hamilton com autoridade, numa corrida onde a Ferrari esteve bem acima da Mercedes. Com uma vitória dessa, era impossível não ter um clima de euforia para Monza e isso foi inflado quando a Ferrari fez 1-2 na classificação. Mas o balde de água gelada na possível festa dos tiffosi já iniciou na tomada da chicane Roggia, quando Vettel foi superado por Hamilton e acabou rodando ao tocar no inglês. Já a Mercedes conseguiu vencer e iniciar uma arrancada importante para a conquista do quinto título de Lewis. O turbilhão no qual se encontrou Sebastian iniciou-se em Monza.
Os erros de Sebastian, que viriam a seguir em sequência, acabou gerando uma enorme carga de piadas e críticas em torno do desempenho do piloto alemão. As suas tentativas de recuperar as posições a fórceps sempre terminaram com algum erro, mas a verdade é que para Sebastian Vettel foi o que restou frente uma inoperância da Ferrari na segunda metade da temporada, que já fora deflagrada na segunda parte do mundial de 2017 que também o privou de batalhar pelo título. Somando os erros de Vettel, mais a queda técnica da Ferrari e a batalha de poder entre Arrivabene e Binotto - que intensificou após a morte de Sergio Marchionne - a  equipe virou uma casa de loucos e isso foi refletido nos resultados até Abu Dhabi.
As esperanças foram renovadas na pré-temporada com um desempenho para lá de animador, principalmente quando comparado com os da Mercedes. Apesar de três situações onde os carros foram bem - Bahrein, Canadá e Áustria - a vitória não veio e nas demais etapas, o desempenho foi bem abaixo. Vettel teve sua grande oportunidade em Montreal, mas a decisão para lá de polêmica na sua já famosa escapada e retorno na frente de Hamilton, que lhe valeu os cinco segundos mais odiados da história da categoria, tirou-lhe uma vitória. Este é outro ponto que tem desagradado imensamente Sebastian - e toda comunidade que acompanha a categoria - que tem sido o excesso de punições por qualquer que seja o lance e este de Montreal é um fator que deixou o piloto transtornado - como foi bem visto nas trocas de placas - e que certamente contribui para um desânimo.
Depois dessa decepção, os resultados de Vettel tem sido abaixo dos conseguidos por Charles Leclerc nas últimas três corridas: da França até Inglaterra, Vettel largou todas elas atrás de Charles e a pontuação na soma destas foi de 48 para o monegasco e apenas 23 que conquistou, já que não conseguiu terminar entre os dez primeiros em Silverstone. Exatamente nesta prova britânica é onde as críticas em torno de seu desempenho voltou com força, por conta do incidente com Max Verstappen que tirou a chance do holandês ir ao pódio e a dele também, de conseguir marcar mais alguns pontos.
O bombardeio é forte. Tentar defender as ações de Vettel na pista, também tem sido uma tarefa hercúlea e os fãs sabem disso. Mas creditar os fracassos apenas a Vettel, como uma boa parte tem feito, é um grande erro.  Quando se está em situações de desvantagem, o piloto tende a resolver as coisas no braço e quando sai errado, suas qualidades são postas em xeque. Isso é o que tem afetado bastante o comportamento de Sebastian, que procurou elevar o otimismo da equipe através de suas atuações - mesmo que, na sua maioria, tem sido um fracasso. A chegada de Charles à equipe, um piloto festejado na academia da Ferrari e que muitos apostam em seu sucesso, era uma aposta para despertar em Sebastian aquele piloto que fizera aquele sucesso estrondoso na Red Bull e também aquele piloto que chegou muito bem em 2015, renovando o oxigênio da clássica equipe. Mas, descontando a sua grande atuação em Montreal, Vettel não tem feito um bom campeonato até aqui enquanto que Leclerc tem conseguido, aos poucos, elevar a sua pilotagem e medir forças com o piloto alemão.
O caos técnico da equipe, que não conseguiu entender tudo deste promissor SF90 para que seus dois pilotos possam, enfim, dar combate a Red Bull e principalmente Mercedes, também contribui para que as coisas não andem bem no clima geral da equipe. Ou seja: não dá para se fazer milagres com uma equipe tão desorganizada tecnicamente e politicamente. Isso sem contar nas críticas pesadas que a  fanática imprensa italiana tem feito ao piloto alemão desde o ano passado e que intensificou após o GP bretão, sem que a Ferrari desse um respaldo ao piloto alemão que tão bem faz seu papel em colocar o lema de "ganhamos juntos, perdemos juntos" em voga. Talvez esse episódio mostre exatamente a falta de apoio da Ferrari, que apenas vê seu piloto jogado aos leões e tranca as portas e joga a chave fora, esperando que ele reaja.
Esse combo de situações no qual Vettel está imerso e que a cada etapa parece puxá-lo mais baixo nessa areia movediça que se encontra há um ano - ou quase -, sempre dá margem para especulações: para alguns a sua aposentadoria está próxima, enquanto que outros sugerem um ano sabático para esperar todos os movimentos do mercado de pilotos - que promete ser intenso de 2020 para 2021, já que ano que vem os contratos de boa parte se encerrará (incluindo o dele e de Hamilton) - e ver para onde pode ir. Um local onde ele conhece bem e é tido como piloto exemplo, seria importante: uma volta de Sebastian à Red Bull é sempre colocada nas rodas de conversa e sinceramente, seria uma boa para ele poder dar continuidade a sua trajetória na categoria. É um caminho que será muito bem observado.
Esta segunda parte de campeonato que se avizinha será vital para as pretensões de Vettel. Se a equipe se achar e conseguir uma reação que possa, ao menos, dar a seus pilotos uma oportunidade de terminar o campeonato de forma decente, talvez o cenário nebuloso em torno do piloto alemão possa clarear para 2020 para que possa terminar seu contrato no próximo ano. Agora resta saber como ficará a situação caso nada avance ou piore, pois casos assim tendem a ser sustentáveis e um rompimento amigável é o melhor a fazer.
Chega ser melancólico observar a carreira de um piloto que foi alçado a um novo "Schumacher" entrar numa descendente que já entra para doze meses e ver as sua qualidades serem questionadas. Mas existem provações que nos é impostas pela vida. Se Vettel vai superar mais essa, não sabemos. Mas os seus números estão lá, encravados na história e isso não poderá ser mudado.
E o apoio daqueles que o amam e admiram, não irá faltar. Seja lá qual for  a sua escolha.

segunda-feira, 15 de julho de 2019

GP da Grã Bretanha – Emoções Mil em Silverstone

(Foto: Reuters)
A Fórmula 1 não costuma transmitir emoção para com aqueles que fizeram sua história, mas nesta etapa inglesa a homenagem rendida a Frank Williams pelos seus 50 anos de categoria e também pelos exatos 40 anos da primeira vitória da Williams na F1 foi bem bacana naquela volta que o inglês deu ao lado de Lewis Hamilton, que o levou a duas voltas pelo  circuito inglês num Mercedes de rua. Outra homenagem foi em memória de Charlie Whiting, falecido antes da abertura deste mundial na Austrália, que contou com uma cerimônia reunindo pilotos atuais e antigos da F1 que trabalharam com ele. Para a corrida, Justin, o filho de 12 anos de Charlie, foi convidado a acionar as luzes vermelhas para a largada.
Não esperava muito deste GP bretão. Numa Fórmula 1 tão bipolar que se tornou, já estava preparado para pegar uma corrida bem morna (apenas para ser otimista onde as Mercedes dominariam amplamente. Mas acabou por ser uma corrida extremamente agradável, onde os pilotos do pelotão dianteiro e intermediário se entregaram a batalhas interessantes.
Iniciando pela batalha das primeiras voltas entre os dois pilotos da Mercedes, Bottas e Hamilton brindaram o público naquelas voltas iniciais onde o inglês tentou como pôde superar o finlandês que soube bem defender-se e depois aplicar uma “re-ultrapassagem” no inglês quando este conseguiu superá-lo na Woodcote e depois acabou tomando o troco na Copse. Foram voltas bem intensas, com ambos lutando de forma franca. Não tão distante deles, o duelo que se iniciou no GP austríaco continuou forte na pista inglesa: Charles Leclerc e Max Verstappen se encontraram e dessa vez Leclerc esteve mais atento aos ataques do holandês, conseguindo defender-se de forma correta e mesmo após ambos irem juntos ao box, o duelo se manteve em alto nível com Charles recuperando a posição – perdeu após um belo trabalho de box da Red Bull que entregou Max rapidamente a frente – depois de um pequeno erro de Verstappen. Infelizmente a escapa de Antonio Giovinazzi, que deixou o Alfa Romeo na brita, forçou a entrada do SC e foi neste momento que Hamilton, que já liderava a prova após a ida de Bottas ao box, foi para o seu pit stop e conseguiu voltar na frente do finlandês. A Ferrari acabou demorando chamar Charles para o box – coisa que foi feita de imediato pela Red Bull com Max – e o monegasco teve que fazer mais uma volta e perder a posição para Verstappen. As coisas seriam decididas algumas voltas após a saída do SC, quando Max passou por Gasly e conseguiu aproximar-se de Vettel – que se beneficiara da entrada do SC para chegar ao terceiro posto -  e efetuar a ultrapassagem na Hangar. Infelizmente um erro de calculo por conta de Vettel pôs fim a um possível pódio de Verstappen, quando o piloto alemão acertou a traseira do Red Bull e ambos indo parar na brita. Conseguiram voltar para pista, com Sebastian tendo a sua corrida inteiramente prejudicada – e tomando em seguida uma punição de dez segundos – e com Max com um carro bem desequilibrado, que ainda o deixou em condições de terminar em quinto. Menção honrosa para a Mclaren que fez um belo trabalho através de seus dois pilotos e com Carlos Sainz duelando com Daniel Ricciardo por um período da corrida pela sexta posição.
Lewis Hamilton acabou por vencer o GP, a sua sexta conquista que o torna o maior vencedor do GP bretão – superando Jim Clark e Alain Prost que somam cinco - e também a 80ª de sua carreira na categoria. Hamilton ainda carregou a bandeira britânica na sua volta de desaceleração, em mais um momento bacana desta corrida.
Para uma categoria que teve dois GPs decepcionantes em sequencia, estas duas últimas foram para mostrar que ainda existe um pouco de emoção neste reino “mercediano”.