segunda-feira, 13 de junho de 2011

Audi, pela décima vez

Ao ver dois dos três Audis desaparecerem na frente com um ritmo forte, lembrei de imediato do desaire que sofrera a Peugeot ano passado. Mas a Audi não é a Peugeot, claro. Mesmo perdendo seus dois carros em acidentes pavorosos ainda no sábado, as forças concentraram-se sobre o carro número 2 pilotado pelo trio Marcel Fässler/ Benoit Tréluyer/ Andre Lotterer pelas 15 horas restantes. A luta contra a esquadra da Peugeot, em especial com o carro número 9 de Sebastian Bourdais/ Pedro Lamy/ Simon Pagenaud, foi sensacional. A diferença entre eles sempre foi de no máximo de quase uma volta de desvantagem. Nas últimas voltas a folga que conquistara sobre o Peugeot #9, despencara vertiginosamente mas mesmo assim Lotterer, que estava ao volante do Audi 2 no último turno, não baixou a guarda e continuou a acelerar a toda. Sim, foi uma última volta de total tensão. No box da Audi, Wolfgang Ulrich, chefe da equipe, não desgrudava os olhos da TV enquanto que do outro lado, Olivier Quesnel, chefe da Peugeot, também olhava nervosamente como se tentasse empurrar seu carro com o pensamento. Ao cruzar a linha de chegada, Lotterer deu à Audi a mais suada, e porque não dizer, mais sofrida vitória da fábrica em Le Mans. Os choros de Ulrich, expressando horas de estress junto de uma alegria incontrolável, contrastou com o choro quase compulsivo de Quesnel que mais uma vez perdera a corrida para a Audi pela quarta vez em cinco tentativas.

Para a Audi foi a décima vitória em 13 participações em Le Mans, mostrando o quanto é forte. Ter perdido os 1000km de Spa levou muitas pessoas a questionarem se realmente este carro poderia fazer frente aos Peugeots. Claro, o R18 TDi é um carro totalmente novo  frente o 908 que venceu as duas primeiras corridas em Sebring e Spa, mas a sua performance em Sarthe foi irretocável. Também foi interessante ver os dois "crash tests" a que eles foram submetidos com os acidentes de Mcnish na primeira hora de prova e de Rockenfeller na oitava. O protótipo coberto aguentou os acidentes e os pilotos saíram ilesos, para alívio do Dr. Ulrich. Horas depois do término da prova, descobriu-se que Lotterer andara a última volta com furo em um dos pneus. Sem dúvida, se isso não é sorte, sei lá o que é. Para a Peugeot, resta saborear, mais uma vez, o amargo da derrota. Se ano passado eles não tiveram nenhum tipo de pudor ao andar no limite extremo com todos os carros e perdê-los exatamente por causa disso, desta vez todos os carros chegaram ao fim mas nenhum deles foi páreo o suficiente para deter o único Audi restante na corrida. E esta derrota entra no hall de fracassos do automobilismo francês em sua história. Assim como a do ano passado, esta derrota é comparável as de 1914 (Mercedes), 1921 (Duesenberg) e 1923 (Sunbeam), quando as equipes francesas subestimaram seus concorrentes e vieram perder de modo vergonhoso. 
Foi mais uma 24 Horas de Le Mans que terminou com um espetáculo a parte do carros, como sempre. Também vale dizer que a última volta foi épica, com o Peugeot #9 a tentar de todo custo chegar no Audi #2 e fazer desta a mais tensa das últimas voltas desde a edição de 1969. A Audi saiu vencedora e ano que vem, claro, a Peugeot tentará vencê-la. E quem sabe, talvez, mais alguém entre nessa batalha para dividir as anteções. É esperar para ver. 
E aqui fica o meu agradecimento a esta grande prova: Merci Le Mans! D'ici à 2012    

3 comentários:

  1. torci pros peugeots mas não deu...de novo...

    ResponderExcluir
  2. Perde também é do esporte!
    As duas fabricas tem se dedicado bastante ao esporte protótipos de longa duração, isso é um fato...
    Pra nós o que sobra é a lembrança de que o esporte continua forte no mundo, e esses carros um dia vão vir novamente para o Brasil, e tomara que nosso templo faça parte de seu calendário.
    Afinal em nossas ruas andam normalmente Audis, Peugeots, Ferraris, Maserattis, Lambos, e etc...
    O Brasil hoje lidera o comercio de carros importados de luxo e de alto desempenho, não vai demorar pra que tenhamos esses ai andando por aqui..
    É só esperar um pouco mais, quanto ao Audi vencedor, parabens, e pra Peugeot também por ter lutado bravamente, se não fossem os Franceses a vitória da Audi seria simples..
    Mas foi valorizado o esporte na sua plenitude e toda prova de Le Mans deixa uma história praser contada....

    Gp to

    ResponderExcluir
  3. Ótima corrida e parabéns pela excelente cobertura do VOLTA RÁPIDA via Blog e Twitter.

    Valeu

    ResponderExcluir