segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

GP de Abu Dhabi - E acabou...

Não foi o encerramento de campeonato que o expectador esperasse, mas também não dá para esperar tanto de um circuito sem graça como este de Yas Marina. Imagine se o título desta temporada ainda estivesse em jogo? Teria sido a decisão mais modorrenta das últimas décadas.

Lewis Hamilton esteve em outro nível, mostrando o quanto que está acima da média. Após um GP do Brasil onde acabou não fazendo o seu melhor, esteve tão a vontade em Yas Marina que cravou a pole - que não acontecia desde Hockenheim - e liderou todas as voltas da prova para ter a vitória mais tranquila do ano e ainda fez a melhor volta. Dessa forma, Lewis igualou a marca de Ayrton Senna em 19 vitórias de ponta a ponta que já dura 28 anos - o piloto brasileiro estabeleceu o recorde no curto GP da Austrália de 1991.

Mesmo que Lewis estivesse em outro patamar, os que estavam logo atrás não deram a emoção esperada. Mesmo que Max Verstappen tenha feito uma corrida consistente e batendo as Ferrari logo após achar o ritmo - uma vez que sofreu nas primeiras voltas com o ataque dos carros italianos - este teve uma pequena batalha com Charles Leclerc pela segunda posição, onde acabou por vencer o seu rival de longa data. Quanto ao monegasco, este teve uma polêmica em torno da gasolina em seu Ferrari que estava com a quantidade acima do que foi declarado para a FIA. Fez todo o GP sob sursis, mas horas depois da corrida a reprimenda dos comissários foi uma multa de 50.000 Euros e a manutenção da terceira colocação. Ainda pelo lado da Ferrari, Sebastian Vettel não esteve na sua melhor tarde numa pista que costuma se sair bem. Teve uma pequena oportunidade contra Max ainda nas primeiras voltas, mas ficou nisso. Chegou apenas em quinto, num final bem melancólico de temporada para ele e a Ferrari num todo. Alex Albon também esteve numa boa tarde em Yas Marina, mas acabou em sexto após ser superado por Vettel. Valtteri Bottas teve um início dificultado pelo não funcionamento do DRS nas primeiras voltas, o que atrasou bastante o seu desenvolvimento na corrida. Mais um pouco poderia ter chegado em terceiro. Sobre o DRS, ficou escancarado que os atuais carros são dependentes do uso desse artifício, sendo que foram pouquíssimas as ultrapassagens sem o seu uso - que esteve proibido até a volta 19 por causa de falhas nos sensores de averiguação do uso do sistema. É tanto que formou-se um trenzinho de pilotos (Hulkenberg, Bottas, Vettel e Albon) que não conseguiam pegar o vácuo para tentar a ultrapassagem nas grandes retas. Após a permissão para o uso do DRS, as ultrapassagens foram mais fáceis. No meio do pelotão, onde os duelos são mais intensos, Sérgio Perez é quem se deu melhor ao realizar uma bela corrida e conquistar a sétima colocação de Lando Norris nas voltas finais. Daniil Kvyat – que marcou os derradeiros pontos da história da Toro Rosso, que a partir de 2020 passará a chamar-se Alpha Tauri –  e Carlos Sainz completaram os dez primeiros. Nico Hulkenberg, que fechou em 12º, fez a sua derradeira corrida na categoria numa despedida bem discreta.
O pódio desse ultimo GP de 2019 foi apenas o resumo desta temporada e também da década: com uma Mercedes bem acima dos demais; Red Bull conseguindo se manter bem entre os ponteiros; e a Ferrari se perdendo quando tudo parecia a favor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário