sexta-feira, 6 de abril de 2018

Foto 688: Interlagos, quinze anos atrás

Ter trabalhado naquele GP do Brasil de 2003 foi das melhores experiencias da minha vida. Difícil imaginar naquela altura que todos os acontecimentos daquele GP seriam lembrados até os dias de hoje. Dormir na rua; a chuva torrencial; o rio na curva do sol; o alagamento dentro do Posto 4; o estacionamento que virou aquela curva, com todos que aquaplanaram e bateram na barreira de pneus; a torcida vibrando pelo abandono de Schumacher - que foi um dos que bateram ali na curva do Sol - e voltas depois calando-se após mais um azar de Barrichello que ficou sem combustível quando era líder; um Juan Pablo Montoya pilotando feito um doido na chuva - até bater; as fabulosas pancas de Webber e Alonso na curva do café; a vitória-não-vitória de Fisichella com a Jordan - que só viria a ser confirmada semanas depois em Ímola, com o italiano recebendo o troféu das mãos do "então vencedor' Kimi Raikkonen; a ameaça de cancelarem o GP no sábado por causa das propagandas de cigarro... Ufa! Muito coisa aconteceram naqueles dias. Mas a verdade mesmo é que saí de lá extremamente realizado.
Nunca havia visto um Fórmula-1 de perto e muito menos um GP. A chuva de domingo, o famoso aguaceiro, só veio para abrilhantar ainda mais aquele GP 700 da categoria. Foi um momento mágico, onde um rapaz de 20 anos pôde realizar seu sonho de infância e se divertir ao máximo, como se não tivesse amanhã. Aliás, fiz isso nas outras edições do GP, até 2008 onde foi a última vez que trabalhei e que fará 10 anos neste 2018.
Como sempre disse: tratei de aproveitar todas as edições em que trabalhei. Não sabia se estaria presente no ano seguinte para poder desfrutar daquele ambiente chato e grã-fino. Porém, quando os carros entravam na pista, toda aquela fleuma se dissipava e as máquinas voltavam para o seu lado mais primitivo. Por este ambiente na pista é que valia a pena estar todo ano no GP do Brasil. Era indiscritivel para mim e é assim até hoje. E aquele GP de 2003 tem um lugar guardado na memória como um dos meus grandes momentos.
Fotos? Infelizmente elas não existem... A pobre câmera acabou abrindo a tampa e velando todo filme. Restou apenas as lembranças daqueles dias de abril. E que dias! Onde pude voltar a ser o mesmo garoto que pulava cedo da cama para assistir as corridas. E todos os passos ainda estão intactos na memória.
Quando acabou a corrida, peguei as minhas coisas e fui embora, mas não sem antes olhar para o autódromo e pensar "o quanto que foi bom todos aqueles dias e agradecer a Deus por aquele momento mágico".
E até hoje sonho com aquele GP e com os outros em que trabalhei. E realizei meu sonho por seis vezes.
Saudades daqueles dias...

Um comentário:

  1. Experiência inigualável a sua... parabéns. Posso dizer que senti algo semelhante (guardadas as devidas proporções) quando participei por alguns anos ajudando a montar o circo do Festival Brasileiro de Arrancada e do Curitiba Motor Show.

    ResponderExcluir