domingo, 8 de novembro de 2009

Belos e malditos

Alguns carros de F1 marcaram época por serem bonitos e vitoriosos, mas, por acaso do destino, acabaram também por levar no seu histórico a marca da tragédia. Aqui alguns exemplos de carros vencedores, e outros nem tanto, que ficaram marcados negativamente:

1970- LOTUS 72 (JOCHEN RINDT- TREINOS PARA O GP DA ITÁLIA)- A grande obra de Chapman estava arrasando no mundial daquele ano quando desembarcaram para a disputa do GP da Itália, 10ª etapa. Jochen Rindt era o líder do campeonato e a vitória em Monza o deixaria mais próximo da conquista. Durante os treinos de sábado o piloto austríaco foi para a pista sem usar a asa traseira em seu Lotus 72 e também sem a parte de baixo do cinto de segurança, que segundo ele tinham sido o responsável da morte de seu amigo Piers Courage em Zandvoort quando este morreu carbonizado ao não conseguir se soltar dos cintos. Assim Rindt foi para a pista, mas seu destino estava marcado. Ao frear na entrada da curva parabólica os freios in-board do Lotus falharam, arremessando seu carro contra o guard-rail que destruiu de imediato. Rindt, com o impacto, escorregou para frente sendo degolado pela aresta do cockpit. Jochen morreu instantaneamente. Ele ainda venceu o campeonato postumamente quando Emerson Fittipaldi garantiu a vitória no GP dos EUA, última etapa do campeonato mundial, tirando assim as chances de Ickx ganhar o titulo.



1977- SHADOW DN8 (TOM PRYCE- GP DA ÁFRICA DO SUL) A Shadow tinha mudado as cores dos seus carros do preto para o branco naquela temporada, mas ainda, nas duas primeiras etapas, Argentina e Brasil, usaram as cores negras. Na terceira corrida, em Kyalami, eles estrearam os novos DN8 que foram entregues a Tom Pryce e Renzo Zorzi. Durante a corrida, Zorzi teve um principio de incêndio no seu carro, que parou na beirada da reta principal de Kyalami. Dois comissários, com extintores, correram para tentar evitar o incêndio. O primeiro passou, mas o segundo foi acertado em cheio pelo carro de... Pryce que descia reta em perseguição à Stuck. O extintor que o azarado do comissário levava, acertou a cabeça de Tom que morreu de imediato. Ele ainda completou toda a reta dos boxes acertando o Ligier de Jacques Laffite. Quando o socorro chegou não tinham mais nada que pudessem fazer, Pryce estava morto.




1978- LOTUS 78 (RONNIE PETERSON- GP DA ITÁLIA) Os carros asa da Lotus estavam fabulosos e seus dois pilotos, Mario Andretti e Ronnie Peterson, eram o únicos que poderiam vencer aquele mundial. Na prova da Itália, Andretti largava da pole e Peterson, na outra Lotus 78, já que havia batido a 79 no warm-up, largava em 5º. Na largada, Peterson largou mal caindo algumas posições e ao chegar à freada da primeira chicane, foi tocado pelo carro de Hunt que tinha sido espremido pela Arrows de Patrese. O carro de Peterson foi lançado contra o guard-rail e incendiou-se de imediato. A prova foi paralisada e o fogo do carro de Peterson foi controlado. O piloto sueco foi tirado vivo do carro, mas suas pernas estavam totalmente esmagadas. Foi levado ao hospital e operado. Na manhã de segunda-feira ele teve uma embolia múltipla que o matou.

 



1982- FERRARI 126C (GILLES VILLENEUVE- TREINOS PARA O GP DA BÉLGICA) A briga entre a FISA e a FOCA estava no seu auge e algumas equipes não tinham comparecido na prova de San Marino, 4ª etapa. A briga tinha sido entre Ferrari e Renault no ínicio da prova, mas o motor turbo do carro de Arnoux não agüentou e estourou, deixando caminho livre para a dupla da Ferarri, Villeneuve e Pironi, fazerem o espetáculo junto do tiffosi. Mas Pironi quebrou um acordo que ele e Villeneuve tinham feito de não ultrapassar quem estivesse na frente do outro na última volta. O francês ignorou e tomou a posição de Gilles, que ainda tentou de todas as formas reconquistar a posição que foi fracassada. Villeneuve reclamou com os dirigentes da Ferrari que deram de ombros aos reclames de sua estrela. No pódio a expressão de Gilles era de ódio.
Quinze dias depois, nos treinos para o GP da Bélgica disputado em Zolder, Villeneuve tentava superar Pironi que tinha o melhor tempo até então naquele treino. Ao se aproximar do March de Mass, que estava lento no circuito, Gilles tentou ultrapassa-lo pelo lado direito, mas o piloto alemão mudou para o mesmo local. A Ferrari de Villeneuve tocou na trseira do March e foi catapultada para fora da pista, batendo contra o solo e depois rodopiando no ar aos pedaços. Gilles foi arremessado para longe, caindo junto de uma cerca de arame. Ele foi socorrido e levado ao hospital, mas o valente canadense tinha morrido por estrangulamento do cinto de segurança. Mas o calvário do 126C não tinha terminado e nos treinos do GP da Alemanha, 12ª etapa disputada em Hockenheim, Pironi já tinha a pole no bolso quando colidiu na traseira do Renault de Prost que voltava lentamente para os boxes. Estava chovendo e Pironi não viu o carro de seu compatriota. O acidente foi idêntico ao que tirou a vida de Gilles, mas desta vez ele quebrara as duas pernas e não voltaria mais a pilotar um carro de F1 numa corrida. O consolo da Ferrari foi o título de construtores, mas a tragédia tinha tirado muito mais deles.




1986- BRABHAM BT55 (ELIO DE ANGELIS- TESTES EM PAUL RICARD) Gordon Murray tinha projetado o carro mais baixo de toda a F1, o Brabham BT55 que foi batizado, também , de “SKATE” por causa de sua baixa estatura. O conceito do carro era bom. Ao ser baixo o carro ganharia mais alguns Hps e melhoraria sua estabilidade em curvas, mas acabou sendo um fracasso. Mas antes do final daquela temporada, em testes privados no circuito de Paul Ricard, Elio de Angelis encontrou a morte quando seu carro perdeu a asa traseira ao se aproximar dos esses de “ La Verriere”. O Brabham foi projetado ao ar, voando para fora da pista e batendo contra os barrancos. Incendiou-se de imediato e alguns pilotos que estavam presentes, entre eles Prost, ajudaram a apagar o incêndio, mas o jovem italiano não agüentou os ferimentos e veio morrer horas depois num hospital local.




1994- WILLIAMS FW16 (AYRTON SENNA- GP DE SAN MARINO) A Williams ainda era o carro a ser batido naquela nova temporada, mas agora sem os recursos eletrônicos que tinham feito dela imbatível nos últimos anos. Senna tinha se juntado a equipe e mais do que nunca eram favoritos disparados, mas o brasileiro reclamava aos montes do novo carro que era instável. Mesmo marcando as poles nas provas do Brasil e Pacifico Senna não completara nenhuma e via Schumacher e sua Benetton vencer ambas as corridas. Para a terceira etapa, disputada em Ímola, o ar de tragédia era pesado. Barrichello escapara da morte na sexta e Ratzenberger não teve sorte idêntica ao falecer quando sua Simtek espatifou na curva Villeneuve no sábado, durante os treinos de classificação. A prova começou complicada com um acidente entre Lamy e Lehto que tinha ficado parado no grid e acertado pelo lotus do português. O safety ficou na pista por 6 voltas e quando saiu, Senna abriu a sétima passagem. Ao se aproximar da curva Tamburelo, o Williams de Ayrton passou direto e acertou o muro. Seu carro destruiu por quase inteiro e parou quase perto da pista com Senna desacordado. O atendimento médico demorou a aparecer. O piloto foi levado ao hospital e lá foi feita a tentativa de ressuscitamento, mas sem sucesso e assim foi declarada morte cerebral de Senna.

4 comentários:

  1. Belo post, Paulão....
    Lindas fotos, a do Rindt sem as asas é maravilhosa, e claro a do gilles sempre é bela. Abraços

    ResponderExcluir
  2. Falow central!!!
    Obrigado pelo pretigio ao blog!

    ResponderExcluir
  3. Vale lembrar que o carro com o qual o Ronnie Peterson morreu era o Lotus 78. No warm up de domingo antes da prova, ele destruiu o seu 79, e o carro reserva disponível era o 78, que era mais frágil estruturalmente.
    Então não da pra considerar o 79 como "maldito"...

    ResponderExcluir
  4. Opa valeu pelo lembrete. Esses dias que fui ver realmente que não era o Lotus 79 que ele pilotava, mas sim 78!
    obrigado!

    ResponderExcluir