domingo, 1 de novembro de 2009

No amistoso de Abu-Dhabi dobradinha para Red Bull e vice-campeonato para Vettel


Vettel venceu o último GP da temporada e garantiu o vice-campeonato com 84 pontos, 7 pontos a mais que Barrichello que terminou em quarto na corrida e em terciro no mundial.
A corrida, como se previa, foi bem ruinzinha. Dai você irá dizer "mas o campeonato já estava decidido", mas lembre-se que a temporada de 1995 também estava decidida e a última prova daquele ano, disputado no belo circuito citadino de Adelaide (Austrália), foi uma das melhores do ano com a vitória de Damon Hill, a segunda colocação de Olivier Panis se arrastando com sua Ligier que tinha perdido 1 cilindro do motor Mugen-Honda nas últimas voltas e terceira posição de Gianni Morbidelli com Arrows. Este foi um exemplo de corrida de fechamento de campeonato com bastante emoção.
Mas deixando uma pouco de história para outro dia, os únicos lances bons mesmo foi a curta disputa entre Kobayashi e Button quando o inglês havia feito sua primeira parada nos boxes e voltara na frente do bom  piloto japonês que atacou-o sem dó até que Jenson errou numa das curvas e cedeu o lugar à Kamui. O japonês garantiu 3 pontos na sua segunda prova na categoria.
A outra disputa, mais uma vez envolvendo Button, foi nas duas últimas voltas quando disputou roda à roda com Webber a segunda posição. O australiano segurou bem a pressão e venceu o duelo.

A última largada de 2009. Hamilton mantem a liderança, mas durante a prova abandona com problemas nos freios traseiros e deixa caminho aberto para Vettel vencer e garantir o vice no Mundial


Essa foi a real emoção de um GP insosso disputado num circuito de avaliação idêntica. As construções num lugar totalmente desabitado é de se destacar como uma das grandes maravilhas arquitetonicas da atualidade, mas a pista é sem graça. Um baita retão de 1Km e pouco que é o maior da categoria e o resto totalmente travado onde que os pontos de ultrapassagem eram quase inesistentes, apesar de alguns mostrarem que dá para fazer essas manobras como mostrou Kobayashi ao passar por Button. 
Hermann Tilke, o engenheiro deste circuito e de tantos outros que estrearam nos últimos 10 na categoria, talvez tenha errado a mão desta vez. As outras pistas como a da Malásia e da Turquia são interessantes, mas esta parece ter sido um furo na água. 
Depois de ter assistido à este GP agora aprendi a gostar de Hungaroring que também criticava à muito tempo por ser de natureza bem pobre, sem ter aquela emoção dos grandes autódromos e que já faz parte da F1 desde 1986 e se tornou uma pista tradicional no calendário. Yas Marina vai pelo mesmo caminho e concerteza vai demorar e muito para sair do calendário, afinal os petrodólares estão ali. Fazer o quê!

O pódio em Abu-Dhabi: Festa para a Red Bull

RESULTADO FINAL DO GRANDE PRÊMIO DE ABU-DHABI 17ª ETAPA

1. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull) - 55 voltas

2. Mark Webber (AUS/Red Bull) - a 17s8
3. Jenson Button (ING/Brawn) - a 18s4
4. Rubens Barrichello (BRA/Brawn) - a 22s7
5. Nick Heidfeld (ALE/BMW) - a 26s2
6. Kamui Kobayashi (JAP/Toyota) - a 28s3
7. Jarno Trulli (ITA/Toyota) - a 34s3
8. Sébastien Buemi (SUI/Toro Rosso) - a 41s2
9. Nico Rosberg (ALE/Williams) - a 45s9
10. Robert Kubica (POL/BMW) - a 48s1
11. Heikki Kovalainen (FIN/McLaren) - a 52s7
12. Kimi Raikkonen (FIN/Ferrari) - a 54s3
13. Kazuki Nakajima (JAP/Williams) - a 59s8
14. Fernando Alonso (ESP/Renault) - a 1min09s6
15. Vitantonio Liuzzi (ITA/Force India) - a 1min34s4
16. Romain Grosjean (FRA/Renault) - a uma volta
17. Giancarlo Fisichella (ITA/Ferrari) - a uma volta
18. Adrian Sutil (ALE/Force India) - a uma volta
Abandonaram:
Lewis Hamilton (ING/McLaren)
Jaime Alguersuari (ESP/Toro Rosso)

Nenhum comentário:

Postar um comentário