domingo, 25 de outubro de 2009

Os fabulosos carros-asa da Lotus

Na metade dos anos 70 a Lotus se encontrava numa crise técnica. As inovações que Chapman colocara nos seus carros em 1974, não surtiram efeito algum. O Lotus 76, que chegou a ser usado em algumas etapas da temporada de 74, tinha uma embreagem acionada por um botão colocado na parte superior da alavanca de marchas com a intenção de deixar o pé do piloto livre para somente frear e acelerar, mais ou menos parecido com o que temos hoje nos F1 atuais. A idéia era boa, mas não foi muito longe. O carro tinha um comportamento instável e a embreagem apresentou vários problemas, sendo usada em poucos GPs. Com o fracasso do Lotus 76, Colin "ressuscitou" a velha Lotus 72 e entregou à Peterson e Ickx.
Para a temporada de 75 a Lotus continuou, por todo ano, a usar o mesmo modelo. Mas este já estava no fim da sua vida útil, sendo superado por modelos mais atuais e muito mais refinados (por exemplo, a Ferrari 312T e Mclaren M23). Chapman, vendo que as coisas iam de mal à pior e que sua equipe estava ficando para trás, começou e escrever em sua casa de campo em Ibiza, Espanha, algo que mudaria os rumos da sua equipe e do esporte.

Peterson e a Lotus 76 em Silverstone 74: carro sem sucesso de Chapman
Ao final ele tinha criado um documento de 27 páginas que foi entregue a Tony Rudd (ex-projetista da BRM), diretor de pesquisas da Lotus e Peter Wright que era aerodinamicista da equipe. Junto deles um grupo de projetistas dos bons, formado por Ralph Bellamy (que mais tarde trabalharia na Copersucar) Tony Southgate (ex-projetista da Shadow) Martin Olgivie, Charlie Prior e entre outros.

Andretti e o Lotus 77 em 1976
O projeto foi trabalhado durante o ano de 76 inteiro, enquanto que Gunnar Nilsson, substituto de Peterson que tinha deixado a equipe para juntar-se à March no início da temporada, e Mario Andretti pilotavam os Lotus77. O bólido construído pelos projetistas da Lotus tinha as tomadas de ar laterais bem mais longas que o normal , com o fundo deles em forma de asa invertida. Os estudos em túnel de vento mostraram que o ar passava rápido por dentro das tomadas de ar fazendo com que o carro grudasse no chão, mas também, ao final do testes, o carro-molde envergava. A solução que Wrigth e sua equipe encontrou foi de fechar o espaço entre o carro e o asfalto para que a sucção melhorasse ainda mais e eliminasse o problema de envergamento. Com essa melhoria,o ar passava ainda mais rápido por debaixo do carro e saia or aberturas na parte superior das tomadas de ar. Isso empurrava o carro contra o solo melhorando sua estabilidade, principalmente em curvas. Estes testes continuaram durante o ano e ao final, o carro ganhava por volta cerca de 1,5 segundos.

O Lotus 78 e seus detalhes
Gunnar Nilsson no GP do Japão de 77 com o Lotus 78
O "carro-asa", como ficou conhecido, estava pronto para a temporada de 77. O Lotus 78 (este era o nome do carro) causou frisson no seu ano de estréia e não ganhou o campeonato porque a durabilidade do câmbio (feito pela própria Lotus) e evoluções do motor Cosworth, tiraram a chance de Mario Andretti de conquistar aquele mundial. O itálo-americano venceu 4 Gps (EUA/Long Beach, Espanha, França e Itália) sendo o piloto que mais venceu na temporada e seu companheiro, Gunnar Nilsson, ganhou a prova da Bélgica somando assim 5 conquistas para o Team Lotus. Colin Chapman e seu time tinham voltado à linha de frente, mas faltava algo maior: os títulos de pilotos e construtores.

Andretti e Lotus 79 à caminho da vitória na Alemanha em 1978
O conceito do Lotus 78 foi totalmente refinado para a temporada de 78, onde nasceu o Lotus 79 que era inteiramente escupido em túnel de vento se aproveitando de modo eficaz do efeito-solo. O carro não estava pronto, então Andretti e Peterson, retornando à Lotus, usaram nas cinco primeiras etapas daquele ano um Lotus 78 reformulado. Os dois ganharam uma prova cada para a Lotus, com Andretti a vencer na abertura do mundial (GP da Argentina) e Peterson ganhando a terceira etapa (GP da África do Sul). Em 21 de maio, no GP da Bélgica, sexta etapa, Lotus 79 estreou pelas mãos de Andretti que aniquilou a concorrência ao vencer a prova. Peterson chegou em segundo com a outra Lotus 78. Na prova seguinte, o GP da Espanha, Peterson já estava à pilotar a nova Lotus, mas ficara em segundo novamente com outra vitória para Andretti. Mario venceria ainda na França, Alemanha e Holanda contabilizando 6 vitórias e Peterson, que venceu na Áustria, era o único piloto que poderia tirar o título de Andretti, mas a tragédia no GP da Itália descidiu o mundial à favor do italo-americano. Num múltiplo acidente após a largada e antes da primeira chicane causada por Patrese e Hunt, pôs fim a vida de Peterson. Patrese fechou para cima de Hunt, que na tentativa de evitar um acidente, acabou acertando o carro de Peterson que vinha em seguida jogando o Lotus do sueco contra o guard-rail que explodiu. O piloto foi retirado do carro com as pernas esmagadas e levado para o hospital, onde foi operado na mesma noite. Na manhã de segunda-feira, Peterson teve uma embolia generalizada que o matou. Jean Pierre Jarrier o substituiu nas duas últimas etapas (EUA e Canadá).
Numa mistura de glória e tristeza, este foi o último título da Lotus na F1. Patrick Head (projetista da Williams), Gordon Murray (projetista da Brabham) e Gerard Ducarouge (projetista da Ligier) aperfeiçoaram o conceito do efeito-solo e passaram à frente do velho Chapman que não mais conseguiu sentir o gosto de uma vitória e nem de um título mundial. Mas antes de tudo, ele havia mostrado o caminho das pedras para os futuros projetistas. A corrida da aerodinâmica tinha se iniciado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário