quinta-feira, 1 de abril de 2010

GP da Malásia, 1999

A decisão do campeonato de 1999 estava em fervor quando a F1 desembarcou em Kuala Lumpur para o primeiro GP da Malásia.
Os protagonistas Hakkinen (Mclaren MP4/14-Mercedes) e Irvine (Ferrari F399) estavam na briga pelo mundial, mas a corrida tinha uma volta esperada: a de Michael Schumacher.
Voltando após uma a convalescência do acidente sofrido no GP da Inglaterra, quando quebrou a perna, Schumi foi a grande arma da Ferrari para impedir a possível conquista do título de Hakkinen naquela corrida.
O finlandês precisava apenas de chegar à frente de Irvine para garantir o mundial. Para o irlandês a vitória era o que lhe restava para tentar levar a briga para a última etapa, em Suzuka. E Schumi foi o peso da balança.
Michael largou da pole, tendo ao seu lado Irvine e em terceiro Coulthard e Hakkinen em quarto. Schumi sustentou a primeira posição seguido por Irvine e Hakkinen pulou para terceiro.
O plano da Ferrari foi colocado logo em prática quando Schumi deixou Irvine passar para o primeiro posto. A intenção era de Michael bloquear Hakkinen, o que acabou por dar certo.
Coulthard ainda chegou a passar Schumacher e ir à caça de Irvine, mas problemas no seu carro acabaram com suas chances de tentar ajudar Mika.
Irvine, tendo seu escudeiro de luxo a bloquear Hakkinen na prova, venceu esta e assumia a liderança do mundial de pilotos com 4 pontos de vantagem sobre Mika que tinha ficado na terceira posição, tolhido por Schumi que fez um retorno fabuloso e não venceu a prova por que realmente tinha que ajudar seu companheiro.
A prova ainda demorou a terminar, pois os comissários técnicos da FIA mediram o defletor dos Ferrari que estaria 10mm menos que o regulementado e os desclassificaram, resultado que ficou até o dia seguinte quando foi refeito o trabalho e o resultado sendo alterado mais uma vez, com a volta das Ferraris ao 1-2 de domingo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário