domingo, 19 de setembro de 2010

As cinco mulheres da F1

Maria Teresa de Filippis- Italiana, nascida em Nápoles em 11/11/1926, esteve presente em 5 GPs entre 1958 e 1959. Correndo por Maserati e Porsche participou de apenas três corridas, todas pela Maserati (Spa, Porto e Monza). Na pista belga obteve seu melhor resultado chegando em décima; no Porto abandonou na sexta volta por problemas mecânicos, assim como em Monza. Falhou as classificações de Monte Carlo 58 e Monte Carlo 59, quando estava ao volante de um Porsche. Parou de correr no mesmo ano. Atualmente é presidente do Clube Maserati e vice do Clube Internacional de ex-pilotos de F1.

Lella Lombardi- Maria Grazia Lombardi (1941-1992) foi a mais bem sucedida de todas. Estreou no GP da Grã-Bretanha de 1974 e fez sua última aparição numa corrida em Osterreichring 1976. Correu por Brabham, March, Williams e RAM. Dos 17 treinos que participou, classificou-se em 12 oportunidades. O seu melhor resultado foi o meio ponto que conquistou no acidentado GP da Espanha de 75, quando chegou em sexto após a prova ser interrompida na metade. Depois da F1, correu em provas de turismo em 1977 chegou a correr em Daytona, na NASCAR. Morreu em 1992 devido a um câncer.

Divina Galica- Britânica, nascida em 1944, tentou por três vezes se qualificar para um GP, mas sem sucesso. Em 76 tentou correr em Brands Hatch, com Surtees (foi a única vez em que teve duas mulheres inscritas para um GP de F1, pois Lella também tentava qualificação para esta corrida) e 78 fez mais outras duas tentativas, em Buenos Aires e Jacarepaguá, correndo com Hesketh. Após este seu segundo fracasso, passou a correr em categorias menores com relativo sucesso.


Desiré Wilson- Nascida na África do Sul em 1953, correu com uma Williams para tentar qualificação para Brands Hacht 1980, mas não obteve êxito. Porém, alguns meses depois, na mesma pista de Brands Hatch pilotando na categoria de velhos carros de F1, conhecida aqui no Brasil como Fórmula Aurora, venceu a corrida. Depois tentou se qualificar para as 500 Milhas de Indianápolis de 1982, onde também não conseguiu tal façanha. Esta com 56 anos.


Giovanna Amati- Esta italiana tentou nas três primeiras provas de 1992 a classificação, falhando em todas. Tentou em Kyalami, Cidade do México e Interlagos correndo pela Brabham. Logo em seguida foi substituída por Damon Hill. Não voltou mais à F1 e continuou sua carreira nos Sport Protótipos. Hoje, com 48 anos, é jornalista na Itália.

Um comentário:

  1. Essa última eu me lembro... não conseguia fazer o S do Senna. kkkk Igual aquela... Ellen Lhor do ITC.

    ResponderExcluir